Caiafarsa

Just another WordPress.com weblog

Papisa Joana


A MENTIRA:

Extraído do livro “30 Papas Que Envergonharam a Humanidade”, de Jeovah Mendes)

“Entre os anos 855 e 857, a Santa Igreja Católica Apostólica e Romana foi dirigida por um papa-mulher, ou Papisa: Joana L’Anglois, de ascendência inglesa, nascida em 1817 em Mentz, na Alemanha. Ela chegou ao papado, segundo alguns historiadores (entre os quais  figuram Martim Polomo (1278), Sigisberto  Gemblacense e Jean de Mailly), por artes do diabo.  Disfarçando-se de homem, dirigiu-se a Atenas, quando jovem, em companhia  de um amante (o culto Frumêncio) e tantos progressos fez nos estudos, sob a orientação dos mestres gregos, que, chegando a Roma, poucos encontrou que fossem capazes der rivalizar com ela, até mesmo no conhecimento das Sagradas Escrituras.  Segundo Martim, ela conquistou tão grande respeito e autoridade, pelas suas doutas e engenhosas conferências e discussões, que foi eleita Papa por unanimidade, após a morte de Leão IV.”

ONDE SE ENCONTRA:

http://www.programamomentoscomjesus.com/Aprender%20-%20textos%20e%20testes/aprender_papisa_joana.htm

.

A denúncia da falsidade:

Apesar de leves dúvidas sobre a veracidade dessas estórias(MENOS PARA OS IMBECIS), dúvidas proferidas desde o século XIII, somente a partir de meados do século XVI se reconheceu o caráter lendário das mesmas. O século XVI, com a Renascença, foi justamente o século da crítica aos falsos documentos da história anterior.O primeiro a denunciar a falsidade da estória de Joana foi João Thurmaier, cognominado “Aventino” (oriundo de Abensberg na Baviera), falecido em 1534, e autor de Annales Boiorum. Esse escritor era publicamente católico, mas ocultamente luterano. A sinceridade, porém, levava´o a reconhecer a fraude da lenda.

Seguiu´se Onófrio Panvínio († 1568), que escreveu anotações sobre a vida dos Papas publicadas em Veneza em 1557.

A refutação da lenda foi cabalmente empreendida por Florimundo de Rernond, que escreveu o livro Erreur populaire de la papesse Jeanne, editado em Paris (1558), Bordéus (1592, 1595) e Lião (1595). O autor mostrava a impossibilidade de tal “estória” e as contradições das diversas recensões. Notem´se ainda o autor protestante D. Blondel (“Familier esclaircissement de la question, si une femme a esté assise au siége papal de Rome entre Léon IV et Benoit III”. Amsterdam 1647) e o erudito Ignaz von Doellinger (Die Papstfabeln des Mittelalters. Stuttgart 1890), o qual não era muito amigo do Papado, pois se separou de Roma por não querer reconhecer a infalibilidade pontifícia definida em 1870 pelo Concílio do Vaticano I.

As razões pelas quais não se admite mais a estória da Papisa Joana, são:

.

a) as incertezas e vacilações das diversas versões, principalmente ao assinalarem a data do pretenso episódio;

b) o fato de que até meados do século XIII a extraordinária e interessante estória da Papisa Joana (que teria vivido no período dos séculos IX, X, XI) é totalmente ignorada pelos cronistas medievais. Os primeiros que se referem, são o dominicano João de Mailly na sua Chronica universalis Mettensis redigida por volta de 1250, e seu confrade Martinho Polono († 1279), autor de Chronicon pontificum et imperatorum. Averigüou´se que os relatos da lenda encontrados em documentos mais antigos, do que estes foram inseridos aí depois do século XIII;

c) a série dos Papas, como hoje é conhecida, não admite interrupção entre Leão IV e Bento III (século IX), como tão pouco a comporta entre Pontífices dos séculos X/ XI. ´ Com efeito, Leão IV morreu aos 17 de julho de 855 e Bento III foi eleito antes do fim de julho de 855. Por conseguinte, entre Leão IV e Bento III é impossível intercalar o pontificado da pretensa Papisa, que teria durado dois anos, sete meses (ou cinco meses ou um mês, segundo os diversos narradores) e quatro dias. A mesma impossibilidade se verifica, caso se queira transferir o “pontificado” de Joana para outra fase dos séculos VII/XI; não há brecha na série dos Papas para intercalar uma Papisa.

Como explicar…?

1.Julga´se que a estória é uma alusão às tristes condições em que se achava o Papado no século X:

Vários Pontífices caíram então sob a influência de três mulheres prepotentes em Roma:

Teodora, esposa de Teofilacto, e suas filhas Teodora e Marócia. Na mesma época houve sete Papas com o nome de João: João IX (898´900), João X (914´929), João XI (931´935), João XII (955´964), João XIII (965´972), João XIV (983´984), João XV (985´996), sendo que a respeito de João XI escreveu um cronista seu contemporâneo: “Foi subjugado em Roma pela prepotência de uma mulher” (Bento de S. André de Sorate, Chronicon em Monumenta Germaniae Historica III 714).

Tal notícia por si só podia bastar para fazer crer que realmente uma mulher ocupara a Sé de Pedro. Podia também sugerir o nome de Joana para essa mulher, pois a mulher de que fala o cronista Bento de S. André era tida como familiar de João XI (era a mãe deste Papa); ora “muito naturalmente” uma mulher aparentada do Papa João deveria chamar´se Joana! Compreende´se, pois, que o século X, fase difícil da história do Papado, tenha sido ilustrado (ou caricaturado) de maneira muito eloqüente pela narrativa fictícia de que uma mulher chegou a subir ao trono pontifício.

2. Em particular, a lenda da cadeira estercorária explica´se do seguinte modo:

Uma vez eleito o Papa, os Cardeais e o povo iam à basílica de São João do Latrão. O Pontífice se sentava numa cadeira de mármore colocada sob o pórtico da igreja; os dois Cardeais mais antigos o sustentavam pelos braços e o levantavam, ao canto da antífona “Suscitans a terra inopem et de stercore erigens pauperem. ´ Levantas da terra o indigente e do esterco ergues o pobre” (Salmo 112,7). Em conseqüência, tal cadeira se chamava “estercorária” (o canto sugeria o adjetivo…) A cadeira não possuía assento perfurado. A cerimônia tinha seu simbolismo claramente enunciado pela antífona: apresentava o Papa como o pobre servidor que Deus se dignava de exaltar ao pontificado.

A seguir, o Pontífice era levado ao batistério do Latrão. Sentava´se sobre uma cátedra de porfírio e recebia as chaves da basílica, sinal de suas faculdades pastorais. Depois, sentado sobre outra cadeira de porfírio, devolvia as chaves. Essas duas cadeiras de porfírio tinham assento perfurado; eram cadeiras antigas, que haviam servido aos banhos dos romanos e que eram utilizadas em tal cerimônia papal não por causa da sua forma, mas por causa do respectivo valor. Ora a lenda confundiu esses diversos elementos, imaginando a cadeira estercorária como cadeira de assento perfurado e associando´se à estória da Papisa Joana.

3. De resto, a lenda foi reformada pela existência de uma estátua de mulher com criança nas mãos, que na Idade Média se achava junto A igreja de São Clemente em Roma. Essa estátua seria, conforme os cronistas medievais, a da Papisa Joana; estaria acompanhada de uma inscrição, da qual quatro variantes nos são referidas pelos historiadores da Idade Média:

“Parce pater patrum papissae prodito partum”.

“Parce pater patrum papissae prodere partum”.

“Papa pater patrum papissae pandito partum”.

“Papa pater patrum peperit papissa papellum”.

Ora os arqueólogos admitem, seria a estátua mencionada a que se encontra hoje no Museu Chiaramonti de Roma; seria uma estátua de origem pagã a representar talvez Juno que amamenta Hércules.

Written by caiafarsa

julho 27, 2008 at 4:18 pm

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 186 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: