Caiafarsa

Just another WordPress.com weblog

O ESTADO DO VATICANO

Útil para seu arquivo e verdadeira orientação religiosa

______________________________________________________________

RESPOSTA AO FALSO DOCUMENTÁRIO

O
ESTADO DO VATICANO

Autor: Fernando Nascimento

________________________________________________________

ADVERTÊNCIA:ADVERTÊNCIA: – Esta é uma obra investigativa em respeito a verdade. Não se pode esperar que o protestantismo em publicações como a criminosamente intitulada: “Documentário o Estado do Vaticano”, que prontamente refuto, testemunhe contra si mesmo ou concorde com os historiadores sérios, registros da história universal e as Sagradas Escrituras, a quem damos preferência por serem mais confiáveis. Visto que o “pastor” Lauro de Barros Campos, autor do calunioso atentado, mostrou-se qualificado vândalo, usando endereço falso não reconhecido pelos Correios, seção opinião de jornais diários, literatura apócrifa de quarta mão e adulteração dos textos sagrados.

Eis os meios de distribuição do maior embuste de todos os tempos, forjado para atacar a Igreja Católica: 1 – através do livro “O ESTADO DO VATICANO” do “pastor” Lauro de Barros Campos; 2 – através de apostilas encadernadas distribuídas em todo o Brasil; 3 – pela Internet nos endereços: http://gracamaior.com.br/ibsd-x-catolica/estado-do-vaticano-documentario.html e http://grupodelouvoremanuel.vilabol.uol.com.br/documentario.htm 4 – através de falso curso de “bacharelado em teologia” no endereço: http://www.teologico.com.br/artigos/artigos_view2.asp?cod=12 com o puro propósito de rapinar na ignorância dos ludibriados.

- O próprio Lutero nos legou o relato dessa prática, anos antes de lançar-se em revolta aberta, dizia: “(…) os hereges não são bem acolhidos se não pintam a Igreja como má, falsa e mentirosa. Só eles querem passar por bons: a Igreja há de figurar como ruim em tudo.” (Franca, Leonel, S.J. A Igreja, a reforma e a civilização, Ed. Agir, 1952, 6ª ed. Pág. 200).

Uma vez protestante, ensinava Lutero: “Que mal pode causar se um homem diz uma boa e grossa mentira por uma causa meritória e para o bem da Igreja (luterana).” (Grisar, Hartmann, S.J., Martin Luther, His life & work, The Newman Press, 1960- pág 522).

Esta refutação destrói definitivamente todas as

MENTIRAS ESTRATÉGICAS do falso “documentário”.

CONTEÚDO PRONTAMENTE REFUTADO:

PREFÁCIO

ORIGEM DO PAPADO E DO VATICANO

RENDAS DO VATICANO

INFLUÊNCIA DO VATICANO

DIVERGÊNCIAS E CONTRADIÇÕES

O ESTADO VATICANO NÃO PODE GLORIAR-SE DE SEU PASSADO

A IGREJA ANTES E DEPOIS DO SÉCULO IV

O VATICANO EM SEUS CONCÍLIOS ALTERA A DOUTRINA CRISTÃ

O CONFRONTO BÍBLIA – CATOLICISMO ROMANO

O VATICANO E O PEDESTAL DE MARIA (I) e (II)

A CEIA DO SENHOR E A MISSA (I) e (II)

PETROS, PETRA, KEPHAS E AS CHAVES DO CÉU

O DECLÍNIO DO PAPADO

REFERÊNCIAS DA BÍBLIA AO PAPADO A AO VATICANO

TÍTULOS E FÁBULAS

AS IMORALIDADES DOS PAPAS

A BÊNÇÃO PAPAL

A VERIDICIDADE DA BÍBLIA

APROVEITE E CONHEÇA O PROTESTANTISMO.

“Aprofundar o conhecimento acerca da história é abdicar ao protestantismo”.

John Henry Newman, ministro ex-protestante convertido ao catolicismo.

Jesus ensinou que o diabo é o pai da mentira. Logo quem se vale da MENTIRA para justificar sua “fé”, é

cúmplice do diabo (Jo 8,44). Só a verdade liberta e a Igreja é coluna e firmeza da verdade (1Timóteo 3,15).

(o uso da bíblia protestante nesta refutação será intencional, por dirigir-se aos protestantes).

Boa leitura!

RESPOSTA 1 – “PREFÁCIO”

Primeiro o pseudo “pastor” vem cheio de palavras lisonjas, como um escorpião, que vem abraçar para depois aferroar pelas costas. Dizia o “anjinho”: “O catolicismo tem na sua grei e liderança de pessoas ilustres, cultas e dignas de bom relacionamento, que no entanto, devido à suas origens, foram orientadas numa só direção.” – Resposta: Isso mesmo, “pastor “, exatamente como manda Nosso Senhor Jesus Cristo: “Para que todos sejam um” (João 17,21), “Um só Senhor, uma só fé, Um só batismo” (Efésios 4,5-6).

- Mostrando péssimo conhecimento em matemática e no nome da Igreja, o embusteiro afirma que: “no Brasil há ‘DUAS’ Igrejas em evidência, a ‘Católica Romana’ e as demais.” – Ora, desde quando 1 + “as demais” é igual a 2??? “As demais” que ele esconde, são quase 50 mil seitas, de proprietários diferentes, cada uma com a mesma bíblia de Lutero e vivendo doutrinas divergentes que eles “julgam” serem inspiração do Espírito Santo. Dizendo isso eles simplesmente estão pecando contra o Espírito Santo, que à luz da Bíblia tem um só parecer (At 15,8-9), e não suscita entre tantas aberrações “igrejas evangélicas gays“, como a “Acalanto” e a “Sinos de Belém”; de “descarrego”, como a “Universal” e dos que oram nas esquinas da rua, como a dita “assembléia de Deus” (Mt 6,5-6).

- A seguir ele astutamente alega: “O catolicismo estrutura-se em Ordens Religiosas sob a direção do Papa. As demais se apresentam em Denominações (alcunha), todas com uma só base: a Bíblia”. – Resposta: Aqui o astuto quis insinuar que só eles seguem a Bíblia (que o catolicismo montou, canonizou e difundiu), e o catolicismo não. Saiba o “pastor”, que as “Ordens Religiosas” são ministérios unidos da mesma e única Igreja de Cristo. Jesus ordenou ensinar todas as coisas que Ele mandou (Mt 28,20), e muitíssimo do que Ele fez NÃO ESTÁ contido na Bíblia, que se fosse conter TUDO, cobriria de livros a face da Terra e ainda assim não bastaria (Jo 21,25). Por isso nada resta aos protestantes (de 1517), que não sabem o que Cristo mandou, senão agarrar-se ao pouco que está na Bíblia. Ainda assim deturpam tudo e são rivais entre si (prova é não pagarem dízimo noutra seita). Pois a Igreja é MÃE da Bíblia, é ela “coluna e firmeza da verdade.” (1Tim 3,15), não a Bíblia, diz a bíblia protestante.

- Em seguida, o “pastor” contraditoriamente sendo um dispersor da fé única, confessa que nos primeiros séculos houve “uma única comunidade Cristã”. E cita um versículo onde Cristo diz que estará no meio de dois ou três que se reúnem em seu nome. – Resposta: Não engane a si mesmo “pastor”. Cristo refere-se a “dois ou três” que pertencessem a “comunidade única” que o “pastor” confessou, e não a quem promove dissensão, que o “pastor” chama astutamente de “denominação” ou seja, “alcunha”. Esses “não servem a Cristo” (Rm 16,17-18). E quanto ao seu citado versículo de (Mateus 28,20) “Eis que estarei convosco até a consumação dos séculos”. Vale apenas para os Católicos da fé única, ali presentes, visto que o protestantismo só foi fundado por Lutero no século XVI.

- O “pastor” afirma que: “O Cristianismo teve continuidade com HOMENS VENERÁVEIS como Policarpo, discípulo do apóstolo João, Inácio, Papias, Justino, Irineu, Orígenes, Eusébio, João Crisóstomo, etc.” -Resposta: Não sabia o “pastor”, que são todos VENERÁVEIS CATÓLICOS. Para não gastar a munição vamos mostrar só o que disse um deles:”Onde estiver o bispo, esteja o povo, assim como onde está Jesus Cristo, está a Igreja Católica”. (Santo Inácio de Antioquia, Carta aos Esmirnenses, 8, ano 106 d.C.). Calma “pastor”, estamos só começando.

- A seguir, o enganador numa manobra ridícula, diz que Tertuliano teria “acusado” o “bispo Calisto” de querer ser “o bispo dos bispos”. Resposta: O “bispo” Calisto I, citado pelo “pastor”, já era o 16º Papa (217-222), (Enc. Microsoft Encarta 99). E mais, Tertuliano, no livro “De pudicitia” (por volta do ano 220), escrito quando já ele caíra na heresia do montanismo, critica uma prerrogativa papal, mas, respeita o cargo superior, dizendo ter sido promulgado pelo “supremo pontífice, bispo dos bispos”. Nada se refere a “querer ser o bispo dos bispos”. Pura calúnia!

Ele tentou com essa escorregada, vender que os bispos não tinham um líder, mas veremos o que diz a Bíblia no Concílio de Jerusalém (At 15,7): “E, havendo grande discussão, levantou-se Pedro e disse-lhes: Irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre vós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho e cressem”. Sempre que a Bíblia cita os apóstolos, Pedro é citado primeiro. Ponto final.

- À frente, o embusteiro calunia que: “A Igreja Cristã recebeu o nome de CATÓLICA no Concílio de Constantinopla, presidido pelo Imperador Teodósio no ano 381, com um decreto…” - Resposta: PURA CALÚNIA! São Cipriano em 249, já dizia: Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.” (Epist. 55, n.1, Hartel, 614); “E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.” (Sobre a unidade da Igreja, cap.4). Já o Concílio de Constantinopla (381), foi presidido por Timóteo de Alexandria, Melétio de Antioquia, Gregório Nanziano e Nectário de Constantinopla, para debater sobre a Trindade. Jamais por Teodósio. (Enciclopédia Microsoft Encarta 99).

- Agora vamos dar uma aula ao “pastor”, usando o livro de História do Cursinho Objetivo, temos: [“Em 313, Constantino baixou o Edito de Milão, proibindo as perseguições aos cristãos e dando-lhes liberdade de culto. A partir de então, a difusão do cristianismo ganhou um impulso ainda maior: em 390, o imperador Teodósio proibiu o culto pagão e OFICIALIZOU o Cristianismo.”]. Como vemos, nada se refere a colocação da palavra “CATÓLICA”, e sim a oficialização desta fé no Império. E ela é APOSTÓLICA sim, pois acima, esse mesmo “pastor” afirmou que: “O cristianismo teve continuidade com Policarpo, discípulo do apóstolo João, Inácio, Papias, Justino, Irineu, Orígenes, Eusébio, João Crisóstomo e tantos outros.” – Pois, todos os citados pertenceram a Igreja Católica. – Em seguida, ele mesmo assumindo a ignorância, declara: “não sabemos como ela pode ser UNIVERSAL e ROMANA ao mesmo tempo”. - Resposta: Ora “pastor”, se não sabe é bom que não ensine, aprenda: Ela é UNIVERSAL e ROMANA, da mesma forma que Jesus Cristo é CELESTIAL e NAZARENO, aprendeu? A Igreja é CATÓLICA porque é para todos; é APOSTÓLICA porque veio dos apóstolos; e é ROMANA porque tem sua sede fundada por S. Pedro em Roma. Escreveu S. Paulo aos Romanos:Primeiramente, dou graças a Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé” (Rm 1,7-8), Eis a fé de Cristo. Se o “pastor” é contra os romanos, “Deus é por nós” (Carta aos Romanos 8,31).

- Caluniava o embusteiro: “Ainda não havia ‘papa’, mas, nos fins do século IV as Igrejas viram-se dominadas por cinco “patriarcas … os bispos de Antioquia, Jerusalém, Constantinopla, Alexandria e de Roma”.Resposta: PURA CALÚNIA! A exceção de Constantinopla, que foi fundada por Constantino no séc IV, as outras localidades tinham seus bispos em comunhão com o Papa de Roma, que já existia sim. Veja estes testemunhos de S. Cipriano em 249, dizia: Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.” (Epist. 55, n.1, Hartel, 614); “E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.” (Sobre a unidade da Igreja, cap. 4); Roma é a matriz e o trono da Igreja Católica.” (Epist. 48, n.3, Hartel, 607). Veja que sempre houve o líder dos bispos, dizia S. João Crisóstomo (ano 350) “…Se alguém perguntar ‘Por que então foi Santiago quem recebeu a Sé de Jerusalém?’, eu lhe responderia que Pedro foi constituído mestre não de uma Sé, mas do mundo todo.” (Homilia 88 (87) in Joannem, I. Cf. Orígenes, “In epis. Ad Rom.”, 5, 10; Efrén de Siria “Humn. In B. Petr.”, en “Bibl.Orient. Assemani”, 1, 95). Na Enciclopédia Compacta da revista “Isto é”, pág. 259, tópico Igreja Católica, lemos: [“Roma foi a única Igreja ocidental fundada por um apóstolo (São Pedro). Da Irlanda aos Cárpatos, os cristãos passaram a reconhecer o bispo de Roma como o Papa (do latim vulgar papa, “pai”)].

– Escorregava ainda o velhaco “pastor”, dizendo: “Houve porfia entre Constantinopla e Roma sobre a liderança do Cristianismo, mas o Concílio de Calcedônia, no ano 451 interveio concedendo igualdade entre os bispos …” - Resposta: PURA CALÚNIA! O Concílio de Calcedônia, não tratou isto. Foi convocado por ORDEM do já 45º Papa Leão I (440-461), para condenar o eutiquianismo, de uma seita herética que pregava que Cristo tinha uma só natureza. (Enc. Microsoft Encarta 99).

- Fantasiava ele que, o papado “foi sustentado pelo Império Romano”, que “não teve data de nascimento”, que “não foi instituído por Cristo nem pelas Igrejas, é intruso no Cristianismo e não se enquadra na Bíblia”.PURA CALÚNIA! Resposta: até parece que ele fala do protestantismo, que foi inventado em 1517, pelo alcoólatra Lutero. Veja sua malícia ao falar “instituído pelas Igrejas” quando Cristo só fundou uma. Todos sabemos que o papado é a sucessão legítima dos apóstolos de Cristo, aprenda com Santo Irineu (180), venerável do “pastor”, que registrou em sua obra: “Depois de terem fundado e estabelecido a Igreja de Roma, os bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo confiaram-na à administração de Lino, de quem fala São Paulo na Carta a Timóteo (2 Tm 4,21). Sucedeu-lhe Anacleto …” (Contra as Heresias 3,3,2) – Tem mais “pastor”, veja a “Carta da Igreja Romana às Igrejas de Corinto”, do 3º Papa, citado por São Paulo em (Filipenses 4,3), nessa Carta, São Clemente (+102) afirma: “os apóstolos provaram no espírito as suas primícias (…) Estabeleceram esta regra: que após a morte deles homens provados haveriam de suceder-lhe no ministério.” (Um santo para cada dia, M. Sgarbossa – L. Giovannini, pág 304, Ed. Paulus). Eis o início do papado, encontrado nos escritos cristãos do séc II ao VI : “Pedro, Lino, Anacleto, Clemente I, Evaristo, Alexandre I, Sisto I, Telésforo”, etc. (Contra as Heresias, ano 180), (Líber Pontificalis, séc VI).Adiante, fantasia o embusteiro que o papado “é identificado na Bíblia como ‘Ponta Pequena’ (Dan 7,8). – PURA CALÚNIA! (Dan 7,7-8): refere-se ao império de Alexandre; as dez pontas são seus “dez reis” (Dan 7,24); a ponta menor, que abaterá três, foi o rei Antíoco IV Epífanes, que originou-se desses reis (1Macabeus 1,11) e cumpriu todas as profecias (1Macabeus 1, 24-40). Os livros de Macabeus estão nas Bíblias Católicas, de Gutemberg e Ortodoxas. Os protestantes depois de 1517 arrancaram estes livros de suas bíblias. Daí a hilária cegueira deles.

RESPOSTA 2 – “ORIGEM DO PAPADO E DO ESTADO DO VATICANO”

- No capítulo anterior, o confuso “pastor” caluniava que foi Teodósio que “decretou” a Igreja Católica. Neste já alegava que começou com “Constantino” em “325”. Ora, escolha um blefe, “pastor”. Já que não sabia que muito antes, Cristo ‘decretou’ uma só fé” para todos = Católica (Ef 4,5-6), e que em 106, Sto. Inácio de Antioquia já chamava a Igreja de Cristo de “Católica” (Carta aos Esmirnenses, 8, ano 106 d.C.). – Em seguida o “pastor” insinua que Constantino sozinho, sem o Papa, convocou o Concílio de Nicéia. PURA CALÚNIA! Vejamos o registro da história: “Levantou-se Ario como adversário da doutrina da Trindade e Constantino e [o Papa] Silvestre convocaram o Concílio de Nicéia.” (Franca, Leonel, Catolicismo e Protestantismo, Ed. Agir, 2a. Ed, pág. 90). Que Osio (legado do Papa), tivesse presidido o Concílio afirma-o Sto. Atanásio, contemporâneo de fato (Apol. de fuga sua, c. 5), afirmam-no implicitamente os próprios arianos escrevendo que ele “publicara o sínodo de Nicéia” (Ap. Athânas, Hist. arian. c. 42)”.

– Dizia ainda o embusteiro: “No século XV demoliram a Igreja do Salvador para dar lugar a Basílica de São Pedro”.Resposta: PURA CALÚNIA! Não existia nenhuma “Igreja do Salvador” (At 17,24), Jesus a “edificou” sobre Pedro (Mt 16,18). Constantino dando liberdade aos Cristãos pediu que se edificasse uma igreja sobre o túmulo de Pedro, e construiu-se a “Basílica de São Pedro”. Em 18 de abril de 1506, iniciou-se a construção da nova e atual Basílica de São Pedro, concebida por Bramante no mesmo local. (Fonte: http://www.ecclesia.com.br/biblioteca/historia_da_igreja/a_igreja_atraves_dos_tempos.html ).

- Em seguida, escorrega o “pastor”, dizendo que: “as igrejas eram livres e perderam autonomia com o Papa Inocêncio I (401), dizendo-se governante das Igrejas de Deus”. – Resposta: PURA CALÚNIA! Repito: muito antes, São Cipriano que morreu no ano 258, escreveu: Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.” (Epist. 55, n.1, Hartel, 614); “E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.” (Sobre a unidade da Igreja, cap. 4); Roma é a matriz e o trono da Igreja Católica.” (Epist. 48, n.3, Hartel, 607). Puro chute.

- Ele calunia que o Papa Leão I (440) prescreveu que “resistir a sua autoridade seria ir direto para o inferno” e que este “bajulava” o imperador Valentiniano para “deixá-lo exercer autoridade sobre a Igreja, então nas mãos do estado”.Resposta: PURA CALÚNIA! A Igreja não estava nas mãos do estado, e sim o estado nas mãos da Igreja. Quando o imperador fugiu com a chegada dos conquistadores sanguinários Átila, “o flagelo de Deus”, e de Genserico, rei dos vândalos. Foi o Bravo e Competente Administrador Papa Leão I, que os enfrentou sozinho e sem armas, apenas com a palavra de Deus, e os convenceu a deixar Roma. A frase acima que o “pastor” inventou, talvez tenha passado pela cabeça dos sanguinários Átila e Genserico, vendo o verdadeiro sucessor de São Pedro aconselhá-los. E assim eles o fizeram, deixando Roma em paz. (Enc. Microsoft Encarta 99).

- Tendo dito antes que “não havia Papa”, agora o contraditório “pastor” afirma que “Papa” significa pai, e que “todos os bispos até o século V foram chamados assim” – Resposta: foi, mas, muito antes do séc. V, este título graças aos cristãos, foi ficando só com o bispo de Roma, à partir do pontificado de S. Sirício, ano 384. S. Pedro Crisólogo, que faleceu em 450, provando que S. Pedro já era Papa, dizia: “Exortamo-vos, veneráveis irmãos, a receber com docilidade os escritos do santo Papa da cidade de Roma, porque S. Pedro, sempre presente na sua sede, oferece a fé verdadeira aos que a procuram”, (Patrística). A expressão “Pai” (Papa) é de S. Paulo, (1Cor 4, 14-17).

- Adiante, o “pastor” calunia que “… ninguém supunha que Pedro fora Papa” e que “era casado” e não teve “ambições temporais”. - Resposta: Permita-me citar-lhe o que diz São João Crisóstomo (349-407): “Jesus disse [a Pedro] ‘Alimenta minhas ovelhas’. Por que Jesus não leva em conta aos demais Apóstolos e fala do rebanho somente a Pedro? Porque ele foi escolhido entre os Apóstolos, ele foi a boca de seus discípulos, o líder do coro … Jesus lhe confia o governo sobre seus irmãos … Se alguém perguntar: por que então foi Santiago quem recebeu a Sé de Jerusalém? Eu lhe responderia que Pedro foi constituído mestre não de uma Sé, mas do mundo todo.” (Homilia 88 (87) in Joannem, I. Cf. Orígenes, “In epis. Ad Rom.”, 5, 10; Efrén de Siria “Humn. In B. Petr.”, en “Bibl.Orient. Assemani”, 1, 95; León I, “Sermo IV de Natale”, 2. Apud Enc. Católica, Primado, art. de G. H. JOYCE).

Quanto as supostas “ambições temporais”, citadas pelo “pastor”, não cabe nem a Pedro nem aos Papas, que sempre fazem voto de pobreza quando entraram para a vida monástica, nunca um Papa morreu rico como os “pastores protestantes”. – E mais, em nenhum lugar na Bíblia está escrito que “Pedro era casado”, como escorrega o “pastor”. Diz apenas que tinha sogra (podendo ser viúvo). O certo é que quando Pedro conheceu Jesus DEIXOU TUDO, disse: Eis que nós deixamos tudo e te seguimos (Lc 18, 28), Jesus responde: Na verdade vos digo, que ninguém há, que tenha deixado … ou mulher, ou filhos pelo reino de Deus que não receberá… a vida eterna(Lc 18, 29-30). Pedro não podia dizer ter deixado “TUDO”, se não tivesse deixado a mulher, que consta na frase de Cristo. Isso é ótimo para desbancar os “pastores” enganadores.

- Aqui, o embusteiro, usando espúria fonte protestante, fantasia que o Papa Nicolau I, que usava “coroa” teria usado as “Peseudas Decretais de Isidoro”, um falso documento, para favorecer o Papado, e como “base para as leis canônicas”. - Resposta: PURO ENGODO! O Papa Nicolau I nunca usou coroa, como caluniava o “pastor”. E as leis canônicas são de antes da canonização da Bíblia. Sem dúvida alguma, este documento entregue por Isidoro Mercator à Igreja, é uma falsificação, tendo sido escrito entre 750 e 850 d.C. Foi demonstrado falso pelo humanista Lorenzo Valla, um assistente do papa em 1440 e repudiado pela Igreja.

A calúnia que o “pastor” levanta, é que com este falso documento: “o papado que era recente tornou-se coisa antiga”. Para que tal calúnia seja verdade, tanto o papado como as evidências do primado petrino deveriam aparecer entre os anos 750 e 850 d.C.. Desta forma, basta demonstrarmos que tais ensinos são bem mais anteriores. Começa com o TESTEMUNHO DAS ESCRITURAS em (Mt 16,18), e confirmam-se nos TESTEMUNHOS DOS DOUTORES DA IGREJA: na “Carta da Igreja Romana às Igrejas de Corinto”, São Clemente (+102), afirma: “os apóstolos provaram no espírito as suas primícias (…) Estabeleceram esta regra: que após a morte deles homens provados haveriam de suceder-lhe no ministério.” (Um santo para cada dia, Mario Sgarbossa – Luigi Giovannini, pág 304, Ed. Paulus). – Santo Irineu (+202), escreveu na sua obra “Contra as Heresias”: “Depois de terem fundado e estabelecido a Igreja de Roma, os bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo confiaram-na à administração de Lino, de quem fala S. Paulo na Carta a Timóteo. Sucedeu-lhe Anacleto …”Orígenes, ano 244, se referindo a Pedro, escreveu: “Observe a grande fundação da Igreja. A mais sólida das rochas, sob o qual Cristo a edificou. E o que o Senhor disse a ele? ‘homem de pouca fé,’ disse, ‘porque duvidas?’”(homilia sobre o Êxodo, citado em Jurgens 489). – Escreveu São Cipriano (246-249), ao Papa Cornélio sobre a ida a Roma de um grupo cismático, dizendo: “Atrevem-se estes a dirigir-se à Cátedra de Pedro (em Roma), a esta Igreja principal de onde se originam o sacerdócio… esquecidos de que os romanos não podem errar na fé”. (Epist. 59,n.14, Hartel, 683); e: “Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.” (Epist.55, n.1, Hartel, 614). – O Historiador Optato de Milevi, no ano 367, registrou: “Na cidade de Roma, quem por primeiro se sentou na cátedra episcopal foi o Apóstolo Pedro, ele que era a cabeça de toda a Igreja, (…) Os apóstolos nada decidiam sem estar em comunhão com esta única cátedra (…) Recorde a origem desta cátedra, todos que reinvidicam o nome da Santa Igreja Católica…” (O Cisma Donatista 2:2).

Se o papado não fosse autoridade reconhecida e respeitada antes de 850, os temidos vândalos, Átila (452), e Genserico (455) tendo invadido a Europa, não teriam sido expulsos de Roma só com as palavras do Papa; os protestantes rasgariam hoje todo o Novo Testamento, que foi instituído pelo papado no século IV; e lógico, esta falsificação de Isidoro, do séc. IX, seria fortemente rejeitada pelas outras autoridades da época. Mas por que o Falso Decreto foi entregue? Teria sido para “exaltar o poder dos papas”, como calunia o “pastor”? NÃO! Muito pelo contrário, seria para [“manter os bispos locais contra seus metropolitanos e outras autoridades, para assegurar impunidade absoluta e a exclusão de qualquer influência do poder secular.”] (Dollinger, citado em “This Rock”, 22/10/1998).

- Adiante, alegava o enganador que: “o ESTADO DO VATICANO desenvolveu-se com o Papa Estevão II (741-52)”. PURA CALÚNIA! Veja o que diz a Enciclopédia Encarta: <<Estado do Vaticano, estado independente, o menor país do mundo. Foi criado em 1929>>. Já o citado Papa Estevão II, faleceu 1.177 anos antes, 02 dias após eleito no ano 752. Mesmo se o embusteiro quisesse atribuir tal fato ao seu sucessor, que também adotou o nome de Estevão II, mentiria, visto que este também era falecido 1.172 anos antes de existir o Vaticano. – Dizia ainda, o ludibriador, que o Papa Estevão II, “instigou Pepino o Breve”, que seria “filho de Carlos Magno”, e seu exército a “conquistar territórios para a Igreja, surgindo o ‘SANTO IMPÉRIO ROMANO’ que durou 1.100 anos, sob a autoridade do Papa-rei”. E que Carlos Magno teria chamado os Papas de “ambiciosos”.PURA CALÚNIA! 1º. Pepino, o Breve nunca foi “filho” de Carlos Magno; 2º. O Papa não era rei, coroou Pepino por ter expulsado os invasores lombardos da Itália; 3º. Carlos Magno nunca falou as asneiras que o “pastor” escreveu (sua fonte é falsa e protestante); 4º. Em 774, Carlos Magno derrotou Desidério, rei dos lombardos, e assumiu o título real. Então viajou para Roma e reafirmou a promessa paterna de proteger as terras papais. Em 800 foi coroado pelo Papa Leão III; 5º. Nunca existiu esse “SANTO IMPÉRIO ROMANO que durou 1.100 anos”. O próprio Sacro Império Romano-Germânico, durou 1006 anos, e o papa nunca foi rei nele e recusou coroar. (Enc. Microsoft® Encarta 99.)

- Corrigindo o embusteiro “pastor”: o papado esteve na França, por um desejo do francês Papa Clemente V, eleito em Roma querendo ser coroado na França, lá foi impedido de retornar a Roma pelo Rei Filipe. Ficando o papado lá 68 anos. E quando retornou em 1377, não “voltou a ocupar o Vaticano”, (que nem existia, é de 1929), aprendeu “pastor”? – O santinho “pastor”, calunia que “derramaram muito sangue”, como se não fossem os católicos quem mais tiveram seu sangue derramado pelos hereges invasores muçulmanos e protestantes. Um exemplo foi a invasão armada dos Luteranos a Roma, que derramaram tanto sangue que, conforme Maurice Andrieux: “superou em atrocidade todas as tragédias da História”. (http://www.veritatis.com.br/article/2994) Autor: Prof. Jaime Francisco de Moura.

- Festejava o velhaco, dizendo: “Napoleão aprisionou o Papa Pio VII (1740-1823)”, - Resposta: Aqui ele omite a causa, que contra a vontade do “pastor” revelamos agora: Napoleão chegou a prender o Papa Pio VII, pelo fato deste não ter concordado com o divórcio do seu irmão Jerônimo. Diz a Bíblia: Não separe o homem o que Deus uniu”, (Mt 19,6). A grande resistência do Papa, só colaborou no prestígio do perfil moral do papado. É uma fantasia do “pastor” que “tentaram reagir” e que Vitor Emanuel II tenha derrotado as fantasiosas “tropas do Papa” e por isso ter-se tornado rei em 1870, pondo fim ao, segundo ele: “Santo Império Romano”. Corrijamo-lo: Vitor e o Papa apoiavam a unificação italiana que se deu em paz, através de plebiscito popular, em 1860, um ano antes de Vitor Emanuel II ser proclamado rei em 1861, e não em “1870” como escorregava o mal intencionado “pastor” de péssima memória, que confirmará ele mesmo adiante, este plebiscito na pág. 42. (Enc. Microsoft® Encarta 99. ©).

- Em seguida, o precipitado cai do cavalo, quando declara que “os Papas ficaram confinados no Vaticano até 1929”. – Como seria isso possível se o Estado do Vaticano só viria a ser criado em 1929? O Vaticano é governado pelo Papa, e não por “18 velhos Cardeais”, como delirava o “pastor” e sua “fonte”, que não passa da seção opnião de revistas semanais e Jornais diários. – Dizia ainda o embusteiro: “Os católicos são orientados por 240 bispos mais conhecidos pela posição política do que pela religiosidade.” – PURO ENGODO! Os bispos católicos são conhecidos pela religiosidade e não se metem em política vulgar. Já os “bispos” protestantes são conhecidos por suas posições políticas, de vereador a senador, Muitos da dita “assembléia de Deus” e o “bispo” Rodrigues e outros da “igreja universal”, foram apanhados nas quadrilhas do “bingo”, “mensalão”, e “sanguessuga”. (O Globo).

RESPOSTA 3 – “RENDAS DO VATICANO”

O Vaticano não tem “rendas” porque o vaticano é o único país do mundo que não cobra impostos, nem mesmo os desconta dos salários dos seus funcionários. O que arrecada proveniente da religião é destinado às obras de caridade e divulgação da mensagem de Cristo em todo o mundo. (Programa FANTÁSTICO/ O Vaticano por dentro/Rede Globo, Exibido domingo, 24/04/2005). O mesmo não se pode dizer dos MENSALEIROS evangélicos. – Neste capítulo, em gratuitas acusações, o monetário “pastor” que obriga mensalmente seus arautos a entregar-lhe 10% ou mais de seus salários, acusa levianamente os Papas de “não terem sustento por estarem desacreditados”, de “Sancionarem o blefe” e de “negociarem cargos”. Ora, financeiro “pastor”, como não há “sustento” e são “desacreditados” se existem há mais de dois mil anos? Como o senhor chama de blefe o que eles sancionam, se acredita na Bíblia, na Trindade e no Calendário sancionados pelos Papas? Como negociam cargos, se um padre estuda 10 anos, e um Cardeal hoje leva 70 anos para chegar a Papa? Invente outra, auto intitulado “pastor”.

- E blefa, acusando levianamente os Papas de venderem “pedaços da cruz”, “indulgências” e fala de “missa paga”.Resposta.: 1º- Pura lenda. Nunca se vendeu a cruz de Cristo. 2º - “Deve-se ensinar aos cristãos que, se o Papa soubesse das exações dos pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas” (Lutero, tese nº 50). 3º- A missa em si é grátis, contribui-se apenas com valores irrisórios para compra dos utensílios como velas e decoração, havendo condições. Essa atitude vilipendiadora do “pastor” é crime previsto, segundo o Artigo 208 do Código Penal, leva ao cárcere. Denuncie. – Ele gratuitamente acusa os católicos de “desconhecerem a Bíblia e o amor de Deus”. Sem saber que, foram os Católicos romanos que montaram e canonizaram a Bíblia, e ouviram de S. Paulo que ninguém nos separará do amor de Deus (Rm 8, 39). Jesus disse aos ditos “salvos” como o “pastor”: As meretrizes vão para o céu na tua frente (Mt 21,31), portanto quem é o “pastor” para querer negar o amor de Deus aos católicos? O criminoso “pastor” acusou-nos ainda de aceitar “expedientes matreiros do Catolicismo”. Veja o que diz o seu “mestre” Lutero: “Contudo, o perdão distribuído pelo papa não deve ser desprezado, pois – como disse – é uma declaração da remissão divina” (tese nº 38). Quem está mentindo, “pastor”? O senhor ou Lutero quando já havia se rebelado?

A seguir, ele calunia que: “O papa João XXIII, ano 1410 cobrava impostos dos prostíbulos e contabilizava para o Vaticano”.PURA CALÚNIA! Este não era Papa e sim um farsante, que nunca contabilizou impostos de prostíbulos. O verdadeiro Papa era Gregório XII (1406-1415). A fajuta fonte apócrifa “O Papa e o Concílio”, citada como fonte, foi traduzida e condenada por Rui Barbosa, o “pastor” omitiu isto (confira no parágrafo abaixo). Dizia Rui Barbosa: Estudei todas as religiões do mundo e cheguei a seguinte conclusão: religião ou a Católica ou nenhuma.” (Livro Oriente, Carlos Mariano de M. Santos (1998-2004) artigo 5º). – Adiante, o “pastor” diz que: “O dominicano João Tetzel tornou-se famoso vendendo indulgência”. – Omite ele, que este monge mercenário Tetzel, fez isso na Alemanha, sem o conhecimento do Papa em Roma, como o próprio Lutero atesta em sua tese nº 50: “Deve-se ensinar aos cristãos que, se o Papa soubesse das exações dos pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas”. Tetzel foi repreendido pelo Papa, recebeu graves censuras e rudes repreensões, foi para a cidade de Leipzig, onde morreu de desgosto. – O vil “pastor” ainda usou a farsa criada por Lutero, de que Tetzel afirmava que absolveria com sua indulgência mesmo aquele que “violasse a mãe de Deus”, apesar de Tetzel negar isso de forma indignada e ter testemunhas oculares para respaldar essa declaração.” (Greydanus- http://www.decentfilms.com/commentary/luther.html). É incrível como a mentira gruda de geração em geração na língua dessa gente que odeia a verdade.

- Ele calunia o Papa Leão X (1518), dizendo que: “este, necessitando restaurar a Igreja de S. Pedro que rachava usou cofres com os dizeres: ‘Ao som de cada moeda que cai neste cofre uma alma desprega do purgatório e voa para o paraíso!’”PURA CALÚNIA! Como poderia rachar a Igreja se ainda estava sendo construída? O “pastor” inventou esses tais “cofres” e colocou neles a frase ridícula, atribuída a Tetzel que foi exemplarmente punido pelo Papa, querendo ele agora maliciosamente atribuí-la ao Papa. Colocamos Lutero, mestre do “pastor” a corrigi-lo como fez a Tetzel: “São inimigos de Cristo e do Papa aqueles que, por causa da pregação de indulgências, fazem calar por inteiro a palavra de Deus nas demais igrejas.” (Lutero tese nº 53). A caluniosa fonte citada pelo precipitado “pastor”, (O Papa e o Concílio), foi forjada na Alemanha em 1870 pelo apostata Döllinger, sob o pseudônimo de Janus, por encomenda do tirano Bismarck, para irresponsavelmente atacar a Igreja, tendo sido esquecida depois por ser um trabalho sujo; traduziu-a Rui Barbosa, em sua juventude, e depois arrependeu-se, pelas calúnias e pelo ataque apaixonado que o livro faz contra a Igreja Católica, não permitindo mais sua reimpressão enquanto vivo; após a sua morte, sarcasticamente reimprimiram a obra, rejeitando porém um prefácio que explicava o arrependimento de Rui Barbosa. Bismarck foi um tirano alemão, que tentou resolver os problemas da Alemanha com “sangue e aço”, e também calúnias contra a Igreja. (Fontes: Enciclopédia Microsoft Encarta 99), (http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apologetica&artigo=20040830124106&lang=bra). Veja na página 6, da Academia de letras a repulsa de Rui Barbosa pelo livro: (http://www.academia.org.br/abl/media/celebracao12.pdf).

Em seguida, desafiando a justiça em seu Artigo 208 do Código Penal, ele criminosamente vilipendia a fé católica, querendo satirizar o PURGATÓRIO, que seus preceitos humanos rejeitam. Dizemos contra seu insulto: Não há nenhum meio da Igreja recolher “500 milhões de dólares por dia” com o purgatório, como o “pastor” calunia, se a oração pelos mortos vai de zero à 3,00 reais. Saiba que 500 milhões, “pastor”, foi o que pagou só de multa por falcatruas a “igreja universal”. (http://www.geocities.com/TelevisionCity/Studio/4067/n1307981.html).

- Dizia ele que “o purgatório é o nervo exposto da Igreja”. – Contrariando o “nervo exposto” do “pastor”, quebramos todos os seus sofismas, e lhe exporemos o PURGATÓRIO à luz da Bíblia. São Paulo o explica muito bem em 1Cor 3,15: “Se a obra de alguém se queimar, ele sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo”. O desonesto “pastor” calunia que antes o purgatório “não existia” e “foi criado num decreto papal.”PURA CALÚNIA! A Igreja ensina, com toda precisão, a existência do Purgatório desde os primeiros séculos antes do Concílio de Nicéia (325): Tertuliano (160-220), na carta <<De Monogamia 10>> prega o purgatório. Assim, dizia o Bispo São Cipriano (210-258): “Uma coisa é esperar o perdão e outra entrar na eterna glória; uma coisa é ser metido no cárcere e dele não sair, enquanto não for pago o último ceitil, e outra coisa é receber imediatamente a recompensa da fé e da virtude; uma coisa é penar muito tempo e purificar-se nas chamas do Purgatório e outra coisa é ter removido todos os pecados, pelo martírio”. (Na luz Perpétua, 5ª edição, Pe. J. B. Lehmann, Ed. Lar Católico – MG, 1959).

O vil “pastor” alega ainda, que, nos países protestantes e nas outras igrejas cristãs (divisões humanas) “não há esse perigo, criaram o purgatório só para as almas católicas”.Resposta: PURA CALÚNIA! Assim diz a bíblia protestante: “Em toda a terra, diz o Senhor, as duas partes dela serão exterminadas, e expirarão; mas a terceira parte restará nela. E farei passar esta terceira parte pelo fogo, e a purificarei, como se purifica a prata, e a provarei, como se prova o ouro. Ela invocará o meu nome, e eu a ouvirei; direi: É meu povo; e ela dirá: O Senhor é meu Deus.” (Zacarias 13,8-9). Recentemente o protestante presbiteriano Jerry L. Walls, professor de filosofia e religião, publicou um artigo na revista teológica protestante First Things”, chamado “Purgatório para Todos” (Purgatory for Everyone). Não sabe o “pastor” que rezamos para parentes protestantes falecidos. Está na Bíblia: “Deus não faz acepção de pessoas”. Dizia Jesus: “… de maneira nenhuma sairás dali, enquanto não pagares até o último ceitil.” (Mt 5,25-26). “Porque cada um será salgado com fogo…” (Mc 9,49), mas os protestantes resolveram reformar as escrituras em 1517, arrancando-lhe os livros que tratam o purgatório, e se autodenominaram “já salvos”. São estes pecadores que odeiam e zombam da confissão (Tg 5,16), que o “pastor” diz que não precisam de purgatório nem de correção.

Está demonstrado na Bíblia que Deus disciplina açoitando aos seus filhos (Hb 12,5-8); também está demonstrado na Bíblia que alguns serão salvos pelo fogo (1Co 3,15); que cada um será salgado com fogo (Mc 9,49); que Deus purgará cada um (Zacarias 13,8-9), (Ml 3,2-4). Também está demonstrado na Bíblia que há pecados que podem ser perdoados no mundo vindouro (Mt 12,32). Como sabemos que os pensamentos de Deus estão refletidos na Bíblia, então temos que convir que a doutrina do Purgatório está plenamente enraizada no texto bíblico. Por todas as evidências acima, parece que o incrédulo “pastor” escolheu queimar no fogo do inferno. Não sabe ele, que o purgatório é a PURIFICAÇÃO dos justos. – Adiante, falsificando a palavra de Deus, dizia entre aspas o infeliz: – “a Igreja é a única instituição que negocia com as almas dos homens” -e citava- “(Apocalipse 18:13)”.Resposta: Perguntamos ao “pastor”: onde está essa frase na Bíblia? Não existe! Falar papagaio também fala, quero ver escrever. Veja que ele numa manobra diabólica colocou a palavra “Igreja” no lugar de cidade em Apocalipse 18,13. Leitor, tire sua dúvida antes, lendo Apocalipse 18,10 até 18,13, citado por ele, verá que trata-se da cidade pagã. Eles usam muito esse truque para enganar os indoutos. Sempre tentam justificar uma mentira com outra, nem que para isso adulterem a Bíblia. Assim usam a “sabedoria da palavra” (arte da oratória), condenada por S. Paulo em (1Cor 1,17).

- Está claro nas Escrituras a purgação dos mortos: “Judas (Macabeus), tendo feito uma coleta, mandou duas mil dracmas de prata a Jerusalém, para se oferecer um sacrifício pelo pecado. Obra bela e santa, inspirada pela crença na ressurreição. Santo e salutar pensamento de orar pelos mortos. Eis porque ele ofereceu um sacrifício expiatório pelos defuntos, para que fossem livres de seus pecados.” (2 Macabeus 12,43-46). Ora, ser livre de seus pecados, depois da morte pelo sacrifício expiatório, indica claramente a existência do purgatório. Os livros de Macabeus integram as antigas Bíblias Peshita; as versões coptas saídica ou tebaica (séc.II); a Hexapla de Orígines (séc.III); a Septuaginta, a Vulgata de S. Jerônimo, as Ortodoxas e a de Gutemberg. Estes livros, os protestantes arrancaram ao reformarem suas bíblias após 1517, e inventaram a calúnia de que a Igreja Católica os inseriu em 1546 no Concílio de Trento. Para desmoralizá-los, cite a Bíblia católica de Gutemberg que trás estes livros e foi impressa quase um século antes deste Concílio. (consulta: Alessandro Lima. http://www.veritatis.com.br).

Inveja do “pastor”: O Estado de S. Paulo 25-2-80, publicou sem maldades: “A Igreja no Brasil tem um vultuoso patrimônio imobiliário”. – Isso foi motivo do invejoso “pastor” fantasiar inventando uma série de calúnias para justificar este patrimônio tombado pela IPHAN e UNESCO, que refere-se apenas as Igrejas e mosteiros desde a colonização do Brasil. Pobre espírito imundo do “pastor” que misturou suas calúnias ao registro acima do Jornal, numa tentativa frustrada de dar credibilidade a suas quimeras. Ora, o patrimônio da Igreja pertence a humanidade. Já as evangélicas a seus “pastores”.

- Adiante, ele citando o fantasioso livro de título nada imparcial “Roma, a Igreja e o Ante-Cristo”(sic), do herético Ernesto L. Oliveira, que adorava botar palavras na boca dos outros, acusava São Bernardo de chamar o clero de “roubadores”. – PURA CALÚNIA! São Bernardo ferrenho amante da Igreja, jamais dirigiria tal heresia. Importante servo do Papa contra os ANTIPAPAS, ele os venceu. Eis o que narra sua biografia: [ “Estava na Itália quando a morte repentina do antipapa Anacleto fez cessar o cisma, que havia durado sete anos. Elegeram um outro sucessor antipapa, mas Bernardo o convenceu da iliceidade dessa eleição, do risco de sua eterna salvação, e o levou arrependido aos pés do verdadeiro Papa. Com isso terminou o cisma.]”, obra consultada:(Les Petits Bollandistes, Vies des Saints, Bloud et Barral, Libraires-Éditeurs, Paris, 1882, tomo X, pp. 50 e ss).

- Em seguida, o “pastor”, confunde o país Vaticano com a Igreja, que tem como patrimônio apenas as igrejas, olarias e imóveis destinados a propagação do evangelho, ensino e à caridade. Já a os líderes da fé dele, tem Bancos particulares, Indústrias, Fazendas, Edifícios de coberturas, Casas de shows e passou a descontar o dízimo direto em folha na Alemanha (La Razón – 21.01.2004). – O pobrezinho “pastor”, usando novamente a seção opinião de um Jornal diário, caluniava dizendo que: “os americanos Católicos estão exigindo do Vaticano relatórios e balanços financeiros”.Pura calúnia! ISTO NUNCA OCORREU! Visto que no protestante Estados Unidos é onde o Catolicismo mais cresce, já chegando aos 66 milhões e 400 mil católicos. Diferente do “pastor”, o Papa e os padres fizeram voto de pobreza e opção pelos pobres. O patrimônio das seitas pertencem aos “pastores”, o patrimônio da Igreja não pertence aos papas, é patrimônio tombado da humanidade. Ou será que o “pastor” conhece algum padre milionário como o Edir Macedo, “bispa” Sônia ou qualquer dono de seita? “A boca fala o que transborda do coração (Mt 12, 34).

RESPOSTA 4 – “INFLUÊNCIA DO VATICANO E A MAIORIA CATÓLICA”

O desinformado “pastor” alega que: “a influência religiosa do Vaticano e dos Papas vem diminuindo sensivelmente”.PURA CALÚNIA!!! Veja os números oficiais da ONU e IBGE: quando João Paulo II iniciou, a Igreja Católica tinha 757 MILHÕES de católicos, ao fim de seu pontificado tem 1 Bilhão e 100 MILHÕES DE CATÓLICOS. Nos Estados Unidos o número de Católicos saltou para 8OMILHÕES. No Brasil, quando o Papa assumiu em 1978 tinha 85,5 MILHÕES, agora tem 125 MILHÕES de católicos. O Papa ampliou a presença da Igreja de 110 para 180 países. Como vemos o “pastor” ficou chupando dedo, enquanto o Papa João Paulo II sozinho, com a sua elevadíssima influência: varreu o Comunismo da Europa; derrubou o muro de Berlim; acabou com a Guerra Fria impedindo a Terceira Guerra Mundial; visitou os pobres do mundo inteiro; povos de todos os credos lamentaram sua morte e lideres de mais de 200 países foram ao seu funeral em Roma. As grandes Redes de TV do mundo intero transmitiram durante dias seu velório. Se isso é decadência “pastor”, fale o que foi que o senhor fez de importante para a humanidade, e mande-me um convite do seu funeral para compararmos o público.

- Adiante o embusteiro “pastor” citou um suposto “João del Parma” que teria sido “canonizado” após proferir ofensas á Cúria Romana. – PURO EMBUSTE!!! Não existe na Hagiografia católica nenhum “João del Parma”.

- Em seguida ele desrespeita as Escrituras, a inteligência do povo e a própria pouca inteligência, quando diz que: “Se o Papa se vestisse ‘civilmente’ reduziria em 70% os curiosos”.Resposta: Claro “pastor”, iriam embora porque todo “curioso” sabe que Deus NUNCA MANDOU os sacerdotes usarem paletó e gravata (Ex 28, 4-6, 41-43). – Em seguida, ele desfilando sua ignorância, cita uma série de peças que integram as vestes sacerdotais de diversos cargos diferentes, querendo atribuí-las ser apenas do Papa. Que fiasco! Chegou a hora da Bíblia queimar o seu paletó satânico, “pastor”. Sobre as vestes sacerdotais, até a meia bíblia de João Ferreira, que o “pastor” usa, diz o seguinte: “Estas, pois, são as vestes que farão: um peitoral, e um éfode, e um manto, e uma túnica bordada, e uma mitra e um cinto; farão, pois, vestes santas a Arão, teu irmão, e a seus filhos, para me administrarem o ofício sacerdotal. (Ex 28,4) para que não levem iniqüidade e morram; isto será estatuto perpétuo para ele e para a sua semente depois dele. (Ex 28,43). Agora mostre-me na Bíblia, Deus mandando usar paletó. Ora, essa invenção foi de Lutero, que chamava Jesus de “adultero”. (Tischreden: “Palestras à mesa”, número 1472, volume II, página 107.) – Se os “pastores” não usassem a “arte da oratória” (sabedoria da palavra) que “torna vã a cruz de Cristo” (1Cor 1,17), aí sim, iriam embora 100% dos “evangélicos” que se hipnotizam com o alto palavreado ritmado, condenado por São Paulo. Pura manha hipnótica. – Quanto a sua outra calúnia, de que o Papa “comprou coletes a prova de balas” é só mais uma valorização da seção opinião de Jornal diário. O Papa nunca usou coletes nem os comprou, vimos quando do atentado sofrido. Quis Deus que o Papa morresse na velhice.

Adiante, o “pastor” com inveja da “MAIORIA CATÓLICA” num gesto semelhante ao fariseu que se exaltava e foi humilhado em (Lc 18,9-14), acusa os Católicos de serem “mal alfabetizados”, omitindo ele o primeiro mundo Católico como: Itália, França, Espanha, Irlanda, Polônia, Suíça, Bélgica, Techecoslováquia, Etc. Embora a Igreja Católica tenha criado as Escolas e Universidades, tenha traduzido e impresso a Bíblia para as nações antes do protestantismo pensar em ser inventado, o analfabeto “pastor” acusa a Igreja de “não ter alfabetizado o povo para explorá-lo, impedindo de examinar a Bíblia”, segundo ele, “fonte de progresso e liberdade”. Se a calúnia gratuita do “pastor” fosse verdade, pelo seu progresso o maior país cristão do mundo seria o Japão budista.

Morrendo de inveja da “MAIORIA CATÓLICA”, ele usa da baixaria para criminosamente alegar que: “as religiões minoritárias são esquecidas e até exterminadas pelo papado”. Ora “pastor”, o que foi que o senhor bebeu?

- Logo, passando de discriminado a discriminador, o desinformado “pastor”, alega que “HÁ DUAS CIVILIZAÇÕES BEM DEFINIDAS” . “A protestante” segundo ele, “de Bíblia aberta, governos estáveis, alfabetizada e desenvolvida, representada pela: Alemanha” (aquela do “MURO” que na verdade esteve em miséria até a pouco, após seu exterminador governo nazista. Hoje, 55% dos Alemães são católicos, mulçumanos e outros.); “Escandinávia” (compreende três países pequenos: Noruega, Dinamarca e Suécia, ditaduras monárquicas luteranas); “Inglaterra” (Ditadura monárquica que decapitou e expulsou os católicos, obrigando o povo a ser protestante por causa de um adultério do rei Henrique VIII); “Escócia” (pequeno país, ditadura monárquica religiosa); “Austrália” (engana-se: nunca teve maioria protestante, 53% são católicos, judeus e budistas); “Canadá” (Engana-se: nunca teve maioria protestante, o maior grupo de cristãos lá é o católico (45%), contra 36% de protestantes que diminui); “Estados Unidos” (país onde o catolicismo mais cresce, tem hoje 80 milhões de católicos e 56% de protestantes que cai. Seu governo é autoritário sentencia e mata, promove guerras injustas e embargo aos países pobres.); “Suíça” (Nunca teve maioria protestante, e sim católica. O “pastor” esqueceu de ver a Enciclopédia Encarta). Como vimos, os países que ele citou, ou estão com o protestantismo em declínio, ou não são protestantes, ou são pequenas ditaduras monárquicas protestantes, que estão de dias contados. (consulta: La Razón / Enc. Microsoft Encarta).

- A “outra civilização” católica, que o preconceituoso “pastor” chama de “semi-alfabetizada”, são as nações que não engoliram a corda humana de Lutero, e que não tiveram sua fé imposta por reis corruptos, que inventaram religiões que acatassem seus adultérios, como fez o protestante Henrique VIII. Esta “outra civilização” católica, não tão “semi-alfabetizada” como pensa o “pastor”, começa por muitos países “civilizados” que ele julgou que tinham maioria protestante, mas não têm, têm maioria católica, como o Canadá, Suíça, Austrália, (ver Enciclopédia), Itália, França, Espanha, Irlanda, Polônia, Bélgica, Tchecoslováquia, Portugal, etc. (todos do 1º Mundo) e todos os gigantes países emergentes, como: Brasil, México, América Latina e Central, com exceção da pobre Guiana protestante . - Em seguida, ele citando “seção opinião” de (o Estado, 2-3-30), alega que: “Nenhuma nação protestante até hoje foi tragada pelo comunismo”. Veja que ele escreve, “até hoje”, e a fonte é dos anos 30. Pois bem, em 1933, na Alemanha, os protestantes elegeram o nazista Adolf Hitler, que baseado no anti-semitismo de Lutero, matou os comunistas; exterminou grande parte do povo europeu e promoveu o maior massacre de judeus da história, causando a segunda Grande Guerra Mundial. Existe maior totalitarismo do que este, “pastor”? Foi justamente dos países protestantes que vieram as mazelas como o Capitalismo, o Comunismo e o Nazismo.

Mentira tem pernas curtas, “pastor”, e ela só depõe contra a sua fé. Por isso o protestantismo está sendo varrido do mundo. Ninguém é tolo o tempo todo. Veja o que hoje acontece com os seus “paises protestantes”: na Inglaterra, há 1.600 templos da igreja anglicana à venda, 10% do que possui, e o número tem aumentado de 20 para 25 por ano. O mesmo tem ocorrido com os anglicanos nos Estados Unidos, O Templo pagão de Ganesha, em Flushing (Nova Iorque), começou em outra igreja posta à venda. O pastor americano Randall Radic vendeu a igreja da primeira congregação da cidade de Ripon e comprou uma BMW. Em Edimburgo, onde há muitos templos há venda, um grupo católico dispõe de igreja, graças à que foi comprada de uma congregação protestante. Na Holanda, na última década, 623 igrejas desapareceram como centro de culto, em especial a luterana, a evangélica e a reformada. Já aflorou até uma liquidação de venda de igrejas protestantes, na página http://www.property.org.uk/unique/ch.html é possível ver várias. Algumas já foram convertidas em residências particulares ou hotéis. Na Suécia, Dinamarca, Grã-Bretanha, Alemanha e Holanda, dezenas de templos protestantes, foram convertidos em bancos, supermercados, museus e repúblicas estudantis em razão da perda de fiéis e dos escassos meios econômicos. Enquanto isso, o Islã espera converter-se na segunda religião na próxima década, logo atrás do Catolicismo. As confissões alemãs precisam de dinheiro para manter sua burocracia; no entanto, este dinheiro torna-se escasso em razão da diminuição de fiéis e paralisação econômica, fatores que repercutem no chamado imposto religioso, isto é, uma quantidade que o Estado retira dos cidadãos e repassa para a igreja a que pertence cada contribuinte. Por isso, os pastores têm optado pela venda dos templos. Na Alemanha, berço do protestantismo, 50% dos alemães já não crêem em Deus. (Fontes consultadas: La Razón – 21.01.2004), (Instituto Emnid), (Popular/Quentinhas do site Terra 31/01/2006).

A desilusão protestante é total, em toda parte, sem exceção, há mais suicídios entre os protestantes do que entre os adeptos dos demais credos” (Durkheim, 1982:115). http://www.webartigos.com/articles/3752/1/suicidio/pagina1.html

- Adiante o embusteiro alega que: “grandes homens, entre eles Roosevelt, Rui Barbosa, Guerra Junqueiro, Getúlio Vargas verberaram o Catolicismo”. -Resposta: As frases do “pastor” são delírios da seção opinião de periódicos. Não registra-se nada de Roosevelt; Rui Barbosa disse que “religião ou a católica ou nenhuma”; Guerra Junqueiro não registrou nada e Getúlio Vargas em 31/05/1931, proclamou Nossa Senhora Aparecida “Padroeira do Brasil”. Ele também acusa o Vaticano de “provocar discórdias que resultou na prisão de Don Vital”. – Pura Calúnia! O que o pastor chama de “discórdia” foi uma farsa conspiratória forjada contra Dom Vital pelos maçons e o governo brasileiro. O Papa ouviu o bispo e lamentou pelas informações falhas que havia recebido do governo brasileiro. Na carta papal ao episcopado brasileiro, datada de 29 de abril de 1876, Pio IX define seu verdadeiro pensamento dando plena razão a Dom Vital e aos bispos perseguidos. (Fonte: OLÍVOLA, Frei Félix de. Um grande brasileiro a serviço de Deus: D.Frei Maria Gonçalves de Oliveira. 4.ed. Recife: Imprensa Universitária, 1967.)

- Em seguida, o “pastor” cita um desacreditado jornal americano “FORT WORTH STAR-TELEGRAM” e alega que este publicou que “Católico no Brasil também é espírita”.Resposta: A imprensa americana é um desastre, já retratou-se demitindo jornalistas que afirmaram que o Lula era um alcoólatra, e que as brasileiras eram obesas. Por coincidência o Espiritismo foi inventado no protestante Estados Unidos, pelas irmãs Margareth e Katie Fox (Hydesville, EUA). Isso consta numa lápide, que foi erguida na “Revue Spirite”, fundada pelo filho de protestantes Allan Kardec em 1858. Logo, Jornal americano é como as religiões americanas do “pastor”, acredite se quiser.

RESPOSTA 5 – “DIVERGÊNCIAS E CONTRADIÇÕES”

O contraditório “pastor” começa delirando, achando que há mais de uma Igreja Católica, quando alega: “Se a Igreja Católica não gloriasse de ‘ser a única’…” – Em seguida ele falha ao julgar que “os papas ambicionam a infalibilidade”. Ora, isso é garantia de Cristo à Pedro e seus sucessores em matéria de fé e moral (Mt 16-19), (1Cor 2,15). Já escrevia S. Cipriano (ano 249), que os cismáticos estavam “… esquecidos que os romanos não podem errar na fé.” (Epist. 59, n. 14, Hartel, 683). Em seguida o “pastor” escorrega inventando uma frase falsa para o Papa Gregório I, dizendo que ele seria contra o “Sacerdócio universal nas mãos de um só homem”. – PURA CALÚNIA! Deu-se o inverso. Sob seu mandato, o pontificado assumiu a liderança na Itália e reuniu seus territórios doados pelo povo em apenas um que, mais tarde, constituiria os Estados Pontifícios. Que fiasco! (Enc. Microsoft Encarta).

- No ano 896, ele alega que “o Papa Estevão VI desenterrou o cadáver do Papa Formoso, tirou-lhes as vestes, cortou sua cabeça e jogou no Rio Tibre em Roma”. Corrijamos o “pastor”: o recém eleito Estevão VI, num ato pessoal envolvendo rixa familiar, mandou exumar o corpo do seu predecessor Papa Formoso, cortou-lhe os três dedos da mão (dedos da benção) e o atirou ao Rio Tibre. Foi deposto e acabou assassinado pelo povo. Nenhuma “contradição”. Seu ato não foi ex-cátedra, ou seja, doutrinal. (Enciclopédia Microsoft Encarta).

- Em seguida, o contraditório “pastor”, alega que: “entre os anos 1305 -77, a Igreja foi governada por dois papas ao mesmo tempo, ambos infalíveis, um em Avinhão (sic) e outro em Roma”.PURA BALELA!!! De 1305 a 1377 o Papa eleito sempre foi UM. Apenas montou residência também em Avignon, na França, sendo o mesmo Papa de Roma. Poderia o Papa escrever contra ele mesmo, a fantasiosa “Epístola de Lúcifer” que o contraditório “pastor” inventou??? Vá estudar “pastor”. Só depois, em 1378, surgiu um FALSO Papa em Avignon, o primeiro ANTIPAPA da história. O Papa autêntico era Urbano VI em Roma, de quem Clemente VII era antipapa falsário na França. Chegando Clemente VII a Nápoles acompanhado de três cardeais, a proteção da Rainha Joana se mostrou insuficiente para conter o descontentamento popular, que se levantou aos brados de “Morra o anticristo! Morram Clemente e seus cardeais! Viva o papa Urbano!”. Clemente VII deixou definitivamente a Itália. (www.catolicismo.com.br).

- Adiante, ele tenta atacar a INFALIBILIDADE PAPAL, chamando-a de “pretensão” e mentindo, ao dizer que esta começou com as já desmascaradas “Pseudas Decretais de Isidoro”. Pegue sua bíblia “pastor”: isso é garantia de Cristo a Pedro e seus sucessores em matéria de fé e moral (Mt 16-19). Algo que costumam confundir é o dom do cargo com a espiritualidade do seu ocupante. A infalibilidade não tem relação com impecabilidade, assim como “falibilidade” também não tem relação com “pecaminosidade”. Acorde! – Delirando, ele de novo citava as “Pseudas Decretais de Isidoro” como início da Infalibilidade. Isso é falso (1Cor 2,15), já foi desmascarado. Os Papas estão sempre sujeito aos Concílios, por isso não mudam a fé primitiva que os Concílios anteriores confirmaram.

- O falível “pastor”, resolve dizer que o Papa Pio IX “era ambicioso de poder e de glória”.PURA CALÚNIA! na verdade, este Papa foi o que transferiu todos os Estados Pontifícios ao reino unificado da Itália. Recolheu-se por vontade própria a Basílica, onde permaneceu até sua morte (Enc. Encarta 99). Entre outras calúnias que levanta o “pastor”, está a de que o Papa Pio IX “fomentou as superstições das relíquias”. – PURA CALÚNIA! A fé cristã nas relíquias vem desde o velho testamento, o Papa apenas as confirmou quando surgiram hereges se contrapondo. Pegue sua bíblia e leia agora as folhas que pulou “pastor”: Já no Antigo Testamento vemos um morto ressuscitar ao contato dos ossos do profeta Eliseu (2 Reis, 13, 21). “… lançaram o homem, na sepultura de Eliseu, e, caiu nela o homem e tocando os ossos de Eliseu, reviveu e se levantou sobre os seus pés.” Antes, Eliseu usando a capa do finado Elias, dividiu o Rio Jordão e passou (2 Reis 2,13-14). Nada de estranho há nisso, senão para os incrédulos protestantes. O lodo com saliva de Cristo curou cego e surdo (Jo 9,6), (Mc 7,33-37); o simples tocar da veste do Messias curava enfermidades (Mt 9, 21); a simples passagem da sombra de S. Pedro curava os doentes (At 5, 15); curava também, os lenços e aventais de S. Paulo (At 19, 12). Dizia Santo Agostinho, grande teólogo de todos os tempos: “É evidente que o milagre não é produzido materialmente pelas relíquias, mas pela vontade de Deus sobre elas. Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos”. ( http://www.lepanto.com.br/ApSantos.html ).

- Adiante ele acusa o Papa Pio IX de por conta própria “decretar” a Imaculada Conceição. – Resposta: PURA CALÚNIA! Este Papa não “decretou”, CONFIRMOU a Imaculada Conceição, porque em 1854 apareceram hereges querendo negá-la, quando isto era fato professado já desde os cristãos primitivos. Quer uma prova “pastor”? Santo Agostinho (†430) dizia: “Nem se deve tocar na palavra “pecado” em se tratando de Maria; e isto em respeito Àquele de quem mereceu ser a Mãe, que a preservou de todo pecado por sua graça.” Dídimo, o cego (+380), que foi mestre de São Jerônimo, tradutor da bíblia, escreveu a respeito de Nossa Senhora: “Mesmo depois do nascimento, ela permaneceu sempre e para sempre virgem imaculada“. A Imaculada Conceição é o fato de Nossa Senhora ter sido concebida sem Pecado Original. Será que Cristo poderia ser concebido e Se desenvolver em um útero impuro e escravizado ao demônio pelo Pecado Original?! Vemos como a Santíssima Virgem foi preservada do Pecado Original em (Lc 1,28), quando o Anjo Gabriel chega a Nossa Senhora e a saúda com as palavras “Ave, cheia de graça, o Senhor é convosco; bendita sois vós entre as mulheres”. Como alguém que fosse um escravo do demônio, alguém que peca e tornará a pecar, poderia ser “cheia de graça”, pecador “pastor”? (Livros do Prof. Felipe de Aquino, Editora Cléofas – Tel (0xx12) 552 6566).

- Em seguida, gratuitamente, sem citar fonte alguma, o falível “pastor“ alega que: “A Igreja Ortodoxa chamou a Infalibilidade de blasfêmia que corou o papado!” – Resposta: mentira tem pernas curtas. Vejamos então o que pensa a Igreja Ortodoxa: << O ortodoxo patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, elogiou na catedral de Istambul a figura de João Paulo II (…) Bartolomeu I recordou que: “a ação do Papa está marcada por uma apaixonada busca da paz e isto procede de sua fé nas palavras de Jesus. Com maior razão agora que o mundo conhece a guerra e o terrorismo. A sua estatura de líder moral e religioso não só para os católicos, mas para todos os homens e mulheres de boa vontade, tem a sua origem em uma profunda fé pessoal e na convicção de que esta tarefa deve ser vivida de maneira que os demais vejam a verdade, entendam a justiça e encontrem a paz”<<. (Fonte: Agência Ecclesia. Istambul (Turquia), 27/6/2003 – 10:00). Desmantela-se o engodo protestante.

- Adiante o falível “pastor” alega que: “Quando ainda não eram ‘infalíveis’ por volta de 1649 erraram no julgamento de Galileu, doente de 70 anos”.Resposta: -1º: em “1649” Galileu já era falecido, faleceu em 1642; Galileu não era “doente”, tinha 69 anos, e não “70” como mentia o “pastor”; – 2º: o Papa e seus sucessores são infalíveis em matéria de fé desde o ano 30 (Mt 16,18-19), (At 15,7), (1Cor 2,15);3º: conforme a ciência hoje, sabe-se que Galileu precipitou-se, ao tentar desafiar a Bíblia onde diz que o sol se deteve … quase um dia inteiro (Josué 10,13), Galileu julgava que o sol já era fixo e só os astros se movem. Sua punição foi apenas uma curta reclusão domiciliar em 1633. Galileu era católico, e morreu católico, em avançada idade. O túmulo de Galileu que, por sinal, situa-se de frente ao de Leonardo da Vinci, está localizado na atual Catedral Católica de Florença, Itália; – 4º: as desculpas que coube a Galileu foi apenas por sua rápida reclusão domiciliar, não por Galileu estar certo e a Igreja errada. Isto é falso! Hoje se sabe que a Igreja fez muito bem defendendo a palavra de Deus como está na Bíblia em Josué 10,13, a menos que alguém queira discutir com Max Planck e Albert Einstein (Teoria da Relatividade): “Se tomarmos, por exemplo, um sistema de referências fixamente ligado com a nossa Terra, teremos de afirmar que o Sol se move no céu; se, inversamente, deslocarmos o sistema de referência para uma estrela fixa, o Sol encontra-se em repouso. Na oposição entre estas duas formulações não existe contradição nem obscuridade: trata-se somente de duas maneiras diferentes de considerar as coisas. Segundo a teoria física da relatividade, que atualmente pode ser considerada como aquisição científica assegurada, ambos os sistemas de referência e os modos de consideração que lhes correspondem são igualmente corretos e igualmente justificados, e é fundamentalmente impossível, sem arbitrariedade, decidir entre eles através de quaisquer medições ou cálculos”. (Max Planck, in Vorträge und Erinnerungen, Stuttgart, 1949, p. 311). Isto claramente prova que a Igreja, não estava “errada”, como pregam certos indoutos.

De início, cabe notar que o eminente Max Planck fala em “sistema de referência”. Realmente, não podemos afirmar que o universo possui um ponto fixo (seja o sol, a terra ou qualquer outro astro). Não estamos falando de um carrossel com cavalinhos girando em torno de uma base! Portanto, Galileu precipitava-se. Assim a Infalibilidade acertava, pela fé na palavra de Deus, que não foi mudada nem mudará. Já a Enciclopédia Encarta 99, diz o seguinte: [a última obra de Galileu, Discursos e demonstrações matemáticas sobre duas novas ciências, publicada em Leiden em 1638, revisa e aprimora seus primeiros estudos sobre o movimento e os princípios da mecânica em geral. Este livro abriu o caminho que levou Newton a formular a lei da gravitação universal]. De certa forma, até poderíamos dizer que Galileu teve sorte de residir mais próximo do Papado, distante das inquisições dos reis ou protestantes, que não simpatizavam nada com suas idéias. Basta lembrar que Nicolau Copérnico dedicou sua famosa obra “De revolutionibus orbium caelestium libri sex” (“Seis livros sobre a Revolução das Órbitas Celestes”) ao Papa Paulo III e, para que o livro não fosse condenado pelos protestantes, o “pastor” luterano Andrea Osiander, sabotou a obra supondo tratar-se de “meras hipóteses”.( http://www.euniverso.com.br/Cult/Mestres_e_artistas/Copernico.htm ). Antes mesmo de Galileu, Kepler publicou uma obra que expandia o trabalho de Copérnico e, como resultado, foi perseguido pelos protestantes que o classificaram de blasfemador, de modo que o cientista encontrou proteção junto aos Jesuítas, bem organizados à época e que demonstravam profundo respeito pela ciência. Por outro lado, Calvino, pai dos presbiterianos, mandou queimar o espanhol Miguel Servet Grizar (médico descobridor da circulação do sangue). Portanto “pastor”, o senhor querer insinuar que o papa falhou diante de Galileu não procede. Seria o mesmo que afirmar que Jesus estava ensinando botânica e errou, quando falou que a semente de mostarda era a menor de todas (Mt 13,32), quando sabemos que há sementes menores! Tanto Jesus como a Igreja, tomavam por referência apenas o que o povo conhecia naquele lugar ou tempo. Não fale do que desconhece indouto “pastor”.(Consulta: http://www.veritatis.com.br/article/420) e ( http://br.geocities.com/maisetica/inqpro.htm).

- Embora todos os países católicos sejam democráticos e promovam a liberdade. O desajeitado “pastor” alega que: “nunca se ajeitaram com liberdade e democracia, reclamam esses direitos somente onde não dominam”. PURA CALÚNIA GRATUITA! Sepultada pelas palavras do gênio Albert Einstein que amava a Igreja Católica, dizia: “Só a Igreja se pronunciou claramente contra a campanha hitlerista que suprimia a liberdade. Até então a Igreja nunca tinha chamado minha atenção; hoje, porém, expresso minha admiração e meu profundo apreço por esta Igreja que, sozinha, teve o valor de lutar pelas liberdades morais e espirituais”. (Albert Einstein, The Tablet de Londres). – Em seguida ele intencionalmente tenta confundir a liberdade individual com a liberdade de consciência (libertinagem), que todos nós condenamos junto com o Papa. – Adiante ele valendo-se de recortes da seção “opinião” de um jornal diário, alega que: “A Igreja Católica reclama Direitos Humanos no exterior, mas nega concedê-los aos seus próprios povos.” OUTRA CALÚNIA GRATUITA! Os “direitos humanos” que o libertino “pastor” fala são os direitos protestantes de abortar, ou gerar bebês para vender órgãos, ou casar-se quantas vezes quiser, como a “evangélica” cantora Gretthen, que já casou várias vezes, segundo o Ratinho do SBT.

- Adiante o fantasioso “pastor” alega que “estão bloqueando o pedido insistente de 6 mil padres que desejam deixar a batina, mesmo assim 1274 deles ‘escaparam’ em 1982”. – Resposta: fonte que é bom nada! As vocações por graça de Deus, não param de crescer. Para constatar basta entrar na página da Assessoria Vocacional http://www.comunidadeshalom.org.br/vocacional/quem_somos.html

- Em seguida usando notícia caduca da seção “opinião” de um jornal diário, ele alega que durante a década 1973-83 em todo o mundo 81.713 padres “desertaram”. Resposta: omite ele, que em 2006 o número de padres na África saltou de 16.926 para 31.259, na Ásia subiu de 27.700 para 48.222, nas Américas subiu de 120.271 para 121.634, apresentando número menor apenas na Europa, e grande maioria dos que casaram tornaram-se diáconos e permaneceram ligados à Igreja, (Diário de Pernambuco 1/5/2006). Veja esta notícia: A revista norte-americana SURSUM CORDA Special edition 1996, noticiou que nos últimos anos, cinqüenta pastores protestantes se converteram ao Catolicismo, sendo que outros mais estão a caminho da Igreja Católica. O artigo respectivo, da autoria de Elizabeth Althau, tem por título Protestant Pastors on the Road to Roma (pp. 2-13). Exemplo: Alan Stephen Hopes. “ex-pastor” e “bispo” Anglicano, convertido ao Catolicismo, foi nomeado Bispo auxiliar de Westminster por João Paulo II, após ter sido padre por vários anos. (Para ver os testemunhos destes “ex-pastores” e outros mais, leiam o livro: “Por que estes ex-protestantes se tornaram Católicos”. Editora ComDeus – São José dos Campos. Pedidos: (http://www.apologeticacatolica.cjb.net/ ).

- Na seqüência o contraditório “pastor” tenta intencionalmente confundir sincretismo com doutrina católica. Coisa que a Igreja não permite. Catolicismo é Catolicismo e Cristão, sincretismo é sincretismo e profano. Procissão Cristã Católica é uma coisa “pastor” e procissão afro é outra. A quem o senhor pensa que engana?

- Ignorando as estatísticas, o “pastor”, alega que “o Catolicismo não consegue gerar seus próprios sacerdotes”. E sem ligação cita a (Revista Veja 30-1-80), que teria publicado que: “A metade dos padres no Brasil são estrangeiros.”

- Resposta: Ora como demonstram todas as estatísticas católicas as vocações só aumentam, principalmente na Bahia. O “pastor” deveria saber que a Igreja é universal e não brasileira, há padres brasileiros espalhados por todo o mundo, assim como há padres estrangeiros espalhados por todo o Brasil. um exemplo: recentemente um padre brasileiro foi consagrado bispo em Nova York-EUA. Assim é a universal Igreja fundada por Cristo.

- Adiante o divergente “pastor” delira, e novamente usando a seção “opinião” de um jornal diário, alega que “muitos bispos e maiores na hierarquia, divergem de vários dogmas que se fossem abolidos aplaudiriam”. Resposta: Estranhos são estes imaginários “bispos e maiores na hierarquia” continuarem católicos e nunca aplaudirem o protestantismo. O delírio do febril “pastor” aumenta quando ele alega que: “está surgindo entre os Redentoristas e Paulinos, padres que questionam o culto à Maria e suas enganosas aparições” – (Fonte que é bom, NADA!).Resposta: Qual é o problema enganoso “pastor”, o senhor não acredita que Maria é “Mãe do Senhor” (Lc 1,48)? ou acha que as “aparições dos santos” não são Bíblicas? Pois eles “apareceram a muitos” (Mt 27, 52-53). Leia mais a Bíblia e menos a “seção opinião” de jornais diários. Estes em seus expedientes alegam que “não se responsabilizam” por essas lorotas que seus desonestos leitores protestantes escrevem para enganarem a si mesmos. Outro dia uma ilustre “evangélica” que posa nua em revistas, dizia na VEJA : “Depois que ‘aceitei Jesus’ me realizei financeiramente”. Ora, que “jesus” é esse? Jesus mandou o jovem rico se livrar do dinheiro, já o diabo oferecia fortuna na tentação de Cristo, e continua oferecendo no protestantismo, como vemos há quem prefira.

- Aqui, o teimoso “pastor”, usando outro envio protestante a “seção opinião”, de jornal diário. Alega que “A mariolatria tende a decrescer e quem sabe os Católicos se voltarão para Cristo, Nossa única esperança!”. Resposta: Isso é uma heresia e crime. Cristo não é a “única” esperança, visto que também existe O PAI e o ESPÍRITO SANTO. Aqui o herege sofismando, tenta demonstrar que quem se volta para Maria não está se voltando para Cristo. Como se Maria, “Mãe do Senhor” (Lc 1,48) fosse o demônio, avesso a Cristo. Veja então o que diz a Confissão de Fé protestante: “Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau” (Art. 21,27); é a própria Confissão Protestante de Augsburgo, que reconhece em Maria um papel especial, quando são os católicos que a honram ou exaltam, isto vira sinônimo de “adoração”, em uma real mostra de má fé por parte desses novatos que se dizem “evangélicos”. Veja a seguir provas de que essa gente passou a odiar a mãe de Jesus recentemente, até o satanás é mais falado dentro de suas igrejolas do que a Mãe de Deus.

- A teóloga luterana Elizabeth Parmentier, catedrática da universidade de Estrasburgo, diz que: “muitos protestantes reconhecem que a ocultação total da mãe de Cristo não está conforme a Sagrada Escritura, nem com as confissões da antiga igreja, nem com a opinião dos reformadores”. Lutero disse: “Ser Mãe de Deus é uma prerrogativa tão alta, coisa tão imensa, que supera todo e qualquer intelecto(Comentário ao Magnificat, conforme escritora evangélica M. Basilea Schlink, revista “Jesus vive e é o Senhor”).

- Da mesma forma Calvino dizia: “Não podemos reconhecer as bênçãos que nos trouxe Jesus, sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la para Mãe de Deus”. (Calvino, Comm. Sur l’Harm. Evang.,20).

- O Escritor David F. Wright, em 1989, publicou um livro chamado Chosen by God: Mary in Evangelical Perspective (London: Marshall Pickering) em que diz expressamente: “Infelizmente, os ensinamentos e as orações dos reformadores foram encobertos pelos seus seguidores com prejuízo teológico e conseqüências práticas”. E segue dizendo: “O mais notável para os modernos protestantes é o fato da aceitação quase universal dos reformadores sobre a virgindade de Maria”. Já os modernos indoutos lhe deram filhos depois de falecida.

- E quem pensava que somente os católicos têem Maria como Mãe de Deus, está enganado. Os cristãos ortodoxos também reconhecem com grande estima esta verdade (Theotokos, Mãe de Deus), que os inspira em maravilhosos ícones e devoções. Maria é reconhecida por Anglicanos e Luteranos ortodoxos como verdadeiramente Mãe de Deus. E ao contrário do que pensa o “pastor” em seu forjado texto, Maria e a Igreja cresceram. O querido Papa João Paulo II ampliou a presença da Igreja de 110 para 180 países. E na Rússia aumentou de 15% para 30% o número de católicos. (Agência Zenit 04/2005).

- Adiante o angustiado “pastor”, acusa gratuitamente o Vaticano de cobrar “grandes somas” para “anular” casamentos de “casais ilustres”.Resposta: PURA CALÚNIA! O “pastor” bem sabe que na Igreja “o que Deus uniu o homem não separe” (Mt 19,6), embora os protestantes façam o oposto desde o dia que fundaram a conveniência chamada protestantismo. Sabe também ele, que a Igreja recusou-se divorciar o, por isso protestante rei Henrique VIII. Mesmo sobre prisão o Papa recusou-se a divorciar o irmão de Napoleão Bonaparte e até mesmo negou divórcio recentemente ao “ilustre” narrador Luciano do Valle. Fato bem diferente do que aconteceu recentemente no protestantismo, quando a ex-governadora do Rio, Benedita da Silva mudou de seita para poder casar novamente. O senhor já sabe quantas vezes as “igrejas evangélicas” já casaram a cantora evangélica Gretthen, de olho no dízimo? Muitas vezes!!! Portanto “pastor”, “a boca fala o que transborda do coração” ( Mt 12, 34). Na Igreja Católica instituída por Cristo. Só em caso de matrimônio falso e ilegal é possível o divórcio (Mt 19,9).

- Em seguida, falando do que desconhece, o aprisionado “pastor” resolve passar um sentido errado das freiras enclausuradas, querendo confundir com prisão e “fé falsa”. – Resposta: Saiba o “pastor”, que o termo “enclausuradas”, adotado por essas freiras, refere-se a voluntariamente isolar-se do mundo para servir a Deus em corpo e espírito. “Há diferença entre a mulher casada e a virgem: A solteira (freira) cuida das coisas do Senhor para ser santa, tanto no corpo como no espírito; porém a casada (protestante) cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido” (1 Cor 7,34). É isso que o senhor criminosamente chama de “fé falsa que abraçaram”, “pastor”? O senhor ainda falando do que desconhece dizia: “ninguém sabe que tipo de tratamento recebem”.Resposta: O melhor possível, “pastor”. Recentemente a Revista Veja publicou a matéria “As Mulheres do PAPA” todas de grandíssima importância e felizes, e o mais importante, voluntárias. Portanto engula sua frase gratuita que dizia: “o Vaticano deveria ordenar a recuperação de suas mentes distorcidas e devolve-las a sociedade”, como se fossem seqüestradas e não cultas em teologia e voluntárias. Seu sofisma falhou. O senhor iria aprender mais visitando um convento do que lendo os delírios caluniosos de “escritores” chulos, que o senhor enaltece só porque diz o que o senhor quer ouvir contra a Igreja. Leia fontes imparciais, de primeira mão, e não protestantes de quarta mão. Só assim terá chance de se libertar, prisioneiro “pastor”.

RESPOSTA 6 – “O ESTADO DO VATICANO NÃO PODE GLORIAR-SE DO SEU PASSADO”

Ao contrário do que o omisso “pastor” fala. Quando alega que: “o Vaticano evita mencionar sua história ou reproduzir a biografia de muitos papas”. O Vaticano se orgulha, reproduz, canoniza, reconhece erros dos desobedientes e abre as portas aos historiadores. Pondo um fim nas fantasias protestantes, ainda há pouco, foi noticiada a publicação de um livro escrito por historiadores insuspeitos, cuja edição foi encorajada pelas portas abertas do Vaticano. Veja a nota da imprensa mundial: << – Atualmente, os pesquisadores têm os elementos necessários para fazer uma história da Inquisição sem cair em preconceitos negativos ou na apologética propagandista, afirma o coordenador do livro «Atas do Simpósio Internacional “A Inquisição”». No volume, Agostino Borromeo, historiador, recolhe as palestras do congresso que reuniu ao final de outubro de 1998, no Vaticano, historiadores universalmente reconhecidos e especializados nestes tribunais eclesiásticos. Isto se deve, entre outras coisas –indicou–, ao «grande passo adiante» dado pela abertura dos arquivos secretos da Congregação para a Doutrina da Fé (antigo Santo Ofício), ordenada por João Paulo II em 1998, onde se encontra uma base documental amplíssima. –Descobriu-se, só para vermos como mentiam os protestantes que:– na Inquisição da Espanha, afirmou, em referência ao tribunal mais conhecido, celebrou entre 1540 e 1700, 44.674 juízos. Os acusados condenados à morte foram 1,8% e, destes, 1,7% foi condenado em «contumácia», ou seja, pessoas de paradeiro desconhecido ou que em seu lugar se queimavam ou enforcavam bonecos. As mortes não chegaram a 100. Na Espanha morreram 59 «bruxas», na Itália, acrescentou, foram 36 e em Portugal 4. Isso sem o aval Papal. Enquanto que pelo lado civil e protestante: na Suíça foram queimadas 4.000; na Polônia-Lituânia cerca de 10.000; na Alemanha 25.000 e na Dinamarca-Noruega cerca de 1.350. Ressaltemos que as mais numerosas mortes foram causadas nos citados países então protestantes, e por protestantes, alheios ao tribunal católico. Ainda segundo o novo relatório, no auge da Inquisição a Alemanha protestante matou mais bruxas e bruxos que em qualquer outro lugar, cerca de 25 mil. >> (Agência Zenit, Sunday, June 20, 2004 1:17 PM).

O “pastor” começa escorregando quando afirma que: “o papado no princípio sobreviveu apoiado pelo Império Romano”.PURA CALÚNIA! Todos sabemos que o Império Romano perseguiu a Igreja durante seus quatro primeiros séculos inclusive matando muitos Papas como São Pedro o foi. Uma das inúmeras provas de que São Pedro era Papa vemos neste discurso de um doutor da Igreja. Exortamo-vos, veneráveis irmãos, a receber com docilidade os escritos do santo Papa da cidade de Roma, porque S. Pedro, sempre presente na sua sede, oferece a fé verdadeira aos que a procuram (S. Pedro Crisólogo, faleceu em 450). – Entre outras calúnias gratuitas o “pastor” sem assunto, cita novamente as já desmascaradas “FALSAS DECRETAIS DE ISIDORO” para mentir dizendo que elas deram prestígio ao papado (Calúnia já desmascarada). – Adiante sem citar o banho de sangue de inocentes derramados por Lutero e os protestantes em seus massacres (visto acima) ele acusa o Papa Inocêncio III de ter feito o mesmo na Inquisição, coisa que a história universal desmente: os Papas “não admitiam que se utilizassem contra eles (os hereges) a pena de morte. Deviam bastar as penas espirituais ou, quando muito, as penas temporais moderadas” (Daniel-Rops, História da Igreja de Cristo, vol. III, Quadrante, pp. 605-606). E antes que ele alegue que esses “coitadinhos” hereges eram protestantes, (que nunca foram, pois a mãe de Lutero sequer nascida era) é bom avisá-lo que esses desafiadores do Papa Inocêncio III, eram os sinistros Albigenses, que criam em dois “deuses”, um bom e um mal (satã); rejeitavam todos os sacramentos; declaravam ser pecado casar; eram sexualmente permissivos; a gravidez deveria ser evitada e o aborto era encorajado. Portanto uma seita demoníaca que ameaçava o cristianismo. (Enc. Microsoft Encarta). Nos estados teocráticos da Bíblia, os profetas e líderes de Deus, sempre se levantaram contra as ameaças dos heresiarcas, assim fizeram os cristãos desafiados, sem o controle do Papa, que como vimos acima, no registro histórico, não admitia a morte dos hereges. O contrário é lenda.

- Adiante, o vil “pastor”, gratuitamente alega que “quase todos os Papas foram autoritários como Nicolau V (1447-55)”.PURA CALÚNIA! O exemplar Papa Nicolau V ficou reconhecido na história com “O GRANDE HUMANISTA”, atitude que se baseia na dignidade e no valor da pessoa. (Enc. Microsoft Encarta 99). Que fiasco!

- Numa outra calúnia gratuita, tentando ofender esse mesmo Papa, ele forja um ridículo verso e o coloca na boca do Papa, onde diz ele que o Papa falou, “Cristo mandou Pedro embainhar a espada, mas eu mando desembainhar”. – Como o senhor sabe pouco sobre Cristo e o Papa que calunia, “pastor”. Jesus também disse: ”O que não tem espada, venda sua veste e compre uma.” (Lucas 22, 36). Alguma coisa contra Cristo,”pastor”?

- À frente, dizia o velhaco: “Santo Afonso Leguori (sic) também surpreendeu quando prescreveu que a Igreja sanciona o roubo. Esse Santo, canonizado, disse que “Se alguém roubar pouco, principalmente se for pobre não comete pecado””. – Resposta: Pura calúnia e distorção! Antes de entrar para a Igreja, Afonso Maria de Ligório, aos 19 anos, sendo precocemente advogado formado, escorregou na clássica casca de banana: um documento exibido após sua exaltada defesa do acusado demonstrou que ele havia, embora involuntariamente, sustentado a falsidade. Este acontecimento determinou a reviravolta mais profunda da sua vida: abandonando a toga, se pôs a serviço da Igreja de Jesus Cristo, sendo somente aos 30 anos ordenado sacerdote. NUNCA “prescreveu que a Igreja sanciona o roubo” OU COISA PARECIDA, como tentou distorcer o velhaco “pastor” que realmente pensa que roubar “evangélicos” não é pecado e levantar falso testemunho também. Vejam só a desonestidade deste falsário rasteiro. (Um Santo para cada Dia, Mário Sgarbossa – Luigi Giovannini, Paulus, Pág 243,245).

Em seguida sofismando, o embriagado “pastor”, calunia que: “IDENTIFICA-SE A IGREJA no Apocalipse como Embriagada com o sangue dos Santos e das testemunhas de Jesus (Cap, 17:6)”. - RESPOSTA: Não destorça a palavra de Deus, indouto “pastor” (2 Ped 3,16), em apocalipse 17,6 identifica-se a “mulher”, que significa a cidade de Roma antes de ser cristã, e não a Igreja, ver (Apoc 17,18), Deus tenha piedade da sua alma. A frase e o contexto que o embriagado “pastor” adulterou é: “E vi que a MULHER estava embriagada do sangue dos santos das testemunhas de Jesus”. (Apoc 17,6) / “E a MULHER que viste é a GRANDE CIDADE (Roma quando pagã) que reina sobre os reis da terra”. (Apoc 17,18) / “Estarão de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: AI! AI! Ai daquela grande Babilônia, aquela forte CIDADE! Pois numa hora veio o seu juízo (Apoc 18,10)”. Veio seu juízo, quando a venceu o reino da Igreja Católica de Jesus Cristo, reino que jamais será destruído, nem passará a outro povo, como previa Daniel 2,44. Desmoralizo assim, sua interpretação satânica, comum no protestantismo.

- Adiante, o omisso “pastor” escondendo as 20.000 mulheres mortas por um só protestante, (Benedict Carpzov, Practica Nova Rer. Criminalium Imperialis Saxonica in 3 Partes Div., Wittenberg, 1635.), acusa a Igreja com a frase: “VEJA SUAS PRINCIPAIS MATANÇAS.” Que fundamentado, facilmente terei o maior prazer em desmascarar.

1º - Ele calunia que: “Em 1208 exterminaram os cristãos Albigenses”.Resposta: nenhuma bula papal pregou a violência, nem a morte de hereges (Daniel-Rops). Como vimos, alguns cristãos, longe do controle do Papa, pela moral da fé, se confrontaram com estes que pregavam que satã era outro deus, rejeitavam os sacramentos, declaravam ser pecado casar, eram sexualmente permissivos, evitavam a gravidez e encorajavam o aborto. É uma heresia chamar estes de “cristãos Albigenses” pois estes eram dualistas, tinham também satã, como deus. (Encarta).

2º - O fantasioso “pastor”, alega que o “frade” TORQUEMADA anos 1420-98, “comandou 8 anos, a morte de 10.200 protestantes e intelectuais queimados vivos”. E exclama o caluniador: “foi horrível!”Resposta: PURA FANTASIA!!! O monge TORQUEMADA morreu em 1498, o protestantismo é de 1517. Em 1483, este monge foi confiado à trabalhar para os reis Isabel e Fernando, que o usaram politicamente, sem vínculo com a Igreja. E para a surpresa do fantasioso “pastor”, que deu gritinhos de “foi horrível!”, e inventava a morte de “10.200”, desmoralizamo-lo: o grande historiador Agostino Borromeu, constatou que dos 125.000 processos de sua história, a Inquisição espanhola condenou à morte 59 pessoas, longe do aval do Papa. Ou seja, condenou-se apenas 1,8% e destes, 1,7% eram bonecos queimados em lugar dos ausentes. Os tribunais eclesiásticos foram muito mais indulgentes, que os civis e protestantes que mataram 25.000 só na Alemanha, (sendo o matador recordista o luterano Benedict Carpzov que matou 20.000 mulheres), (Agência Zenit, Sunday, June 20, 2004 1:17 PM). Como vemos “pastor”, parece que o senhor andou contabilizando bonecos queimados como “protestantes”. Agora o senhor sabe porque nunca pediram indenização por terem parentes mortos pela Igreja. Tem mais, seu citado “bispo Hopper” foi morto pela rainha Maria I, filha do protestante rei Henrique VIII. Não pela Igreja. Invente outra.

3º - Omitindo as 900 mortes que cometeu o protestante inquisidor Nichólas Romy*, o “pastor” solta uma nuvem de fumaça, inventando números falsos de “mortos pela Igreja”, sem nenhuma base e desmascarados pelos conclusivos estudos acima, apresentado pelo historiador Borromeu à Agência Zenit, justamente sobre a Espanha que ele tanto adora caluniar. (*Nichólas Romy, Daemonolatriae Libri Tres, Lião, 1595; Colônia, 1596; Frankfurt, 1597.).

4º - O embusteiro “pastor” alega que Carlos V, anos 1500-58, teria “eliminado” por ordem de um suposto papa(?) “50 mil cristãos alemãs” - Resposta: PURA CALÚNIA! Carlos V, era imperador germânico, reconheceu a divisão religiosa do Império, legalizando, pela primeira vez, o luteranismo na Alemanha. Embora não tenha permitido uma satisfação completa, garantiu 50 anos de paz religiosa na Alemanha. Nunca recebeu “ordem” de algum Papa. Na batalha de Mühlberg, em 1547, repeliu e venceu um insurgente e armadíssimo exército protestante, chamado de Liga Esmalcalda. Que fique claro, esta batalha foi política e não religiosa. (Enciclopédia Microsoft Encarta 99).

5º - Aqui o velhaco “pastor” inventa que: “o Papa Pio V, exterminou 100 mil anabatistas”. PURA CALÚNIA! Aos 25/6/1535, o povo da cidade alemã de Münster, exterminou os invasores e POLÍGAMOS anabatistas, outros 30 mil e seu líder Thomas Munzer, foram exterminados pela vontade de Lutero, conforme registro oficial da história. (VEIT, Valentim, História Universal, Livraria Martins Ed, SP, 1961, Tomo II, pp. 248-249). (Revista Pergunte & Responderemos. 03/97).

6º - O desleal “pastor” querendo ridiculamente atribuir a morte dos huguenotes ao Papa Gregório XIII e aos Jesuítas, alega falsamente que estes “organizaram” a morte de 70 mil huguenotes. PURA CALÚNIA! Este fato envolvendo disputas políticas entre a Rainha Catharina de Medici e o protestante almirante Coligny, aconteceu na França, quando o Papa estava em Roma e os Jesuítas ausentes àquele casamento da filha da rainha com um protestante. Uma falsa notícia, sem outros meios de comunicação na época, chegou a Roma dando conta que os huguenotes haviam atentado contra o rei e a rainha, que teriam vencido os huguenotes bravamente escapando ilesos. Sendo todos em Roma amigos do rei e da rainha franceses, festejaram sua resistência, ocasião em que o Papa Gregório XIII, sem maldade e diplomaticamente, solicitou em ação de graças que se cumprissem todas as cerimônias de praxe. Diz um documento da época: <<Mesmo em Paris, muita gente se enganou; e o próprio Parlamento condenou retrospectivamente o almirante Coligny (líder protestante) a ser queimado em effigie por causa do criminoso atentado. >> (DEVIVIER, Pe. W., SJ. Curso de Apologetica Christã, 3ª ed., São Paulo: Melhoramentos, 1925, pp. 426-429). A conclusão que se tira é de uma mera questão política entre a rainha Catharina e o político protestante Coligny. Teve muita parte na vulgarização desta lenda do “pastor” a mal intencionada ‘ópera dos Huguenots’, em que colocam o cardeal de Lorena, que nesta ocasião estava em Roma, a abençoar em Paris os punhais destinados a morte dos huguenotes. Pura manobra protestante, Calunia desfeita.

7º - A alegação do hilário “pastor”, de que: “Em 1590 o catolicismo eliminou 200 mil cristãos huguenotes”. É uma farsa gratuita, que desafia o pai da mentira. Pois, pela graça de Deus, em 1593, o novo líder dos protestantes huguenotes, Henrique IV, que escapou do citado massacre da rainha, converteu-se voluntariamente e definitivamente ao Catolicismo, este proclamou o Edito de Nantes, que trouxe a paz. (Enc. Microsoft Encarta 99).

8º - Omitindo que os luteranos promoveram o maior massacre da história da humanidade, segundo Maurice Andrieux, no dia 6 de maio de 1527, quando saquearam Roma. O velhaco “pastor” calunia, querendo sem fundamento algum, juntar os odiados por ele jesuítas, ao imperador alemão Fernando II, que venceu todas as guerras contra os afoitos protestantes. Nunca os Jesuítas se juntaram a este imperador. (Enc. Microsoft Encarta 99).

- Fantasiando ainda sobre os jesuítas, alegava ele : “em 1534 surgiu no cenário do Catolicismo Romano uma “ORDEM SINISTRA”, que teria escrito “a página mais negra e horrenda da história da Igreja”.PURA CALÚNIA! Fique atento o leitor, para conhecer a mais sinistra, negra e horrenda FALCATRUA protestante. Ele alega que o militar “Inigo Lopes de Recalde” que teria sido “ferido duas vezes” em batalha, “perdeu a aparência física”, adotou o “pseudônimo de Inácio de Loyola”, e fundou os jesuítas. – Resposta: Íñigo de Loyola, nunca foi um militar profissional, defendia Pamplona contra a invasão das tropas francesas; uma bala lhe quebrou uma perna e machucou a outra. Recuperou-se dos ferimentos num dia de São Pedro, de quem era devoto. Só aí, se converteu, fundou os jesuítas e correu o mundo pregando Jesus Cristo. Na sua terra natal, Inácio chamava-se “Íñigo” de Loyola. Mas ele – conta Ribadeneira, seu primeiro biógrafo – tomou o nome de Inácio, por ser “universal” era chamado assim da América ao Japão, (J. CI. DHOTEL, Quem és Inácio de Loyola? S. Paulo, Edições Loyola, 1974. P. ARRUPE.)

- Adiante o sinistro “pastor”, cita um fantasioso “JURAMENTO DOS JESUÍTAS”, cheio de aberrações, maquinadas pelos próprios protestantes. O propósito, é lançar ódio contra a Igreja e os jesuítas. Dizia ele, que este se encontra no livro “Congressionais de Relatórios, pág 3262”, que em resumo diz: “Prometo ensinar guerra lenta e secreta contra os protestantes e maçons. (…) queimar vivo esses hereges, usar o veneno, o punhal ou a corda de estrangulamento. (…) farei arrancar o estômago e o ventre de suas mulheres e esmagarei a cabeça de seus filhos contra a parede, a fim de aniquilar a raça!”Resposta: PURA CALÚNIA!!! Verificamos que essa quimera trata-se de mais uma manobra protestante para rapinar na ignorância dos humildes. NUNCA existiu esse imundo e odioso “Juramento dos Jesuítas”. A aberração que ele cita, foi diabolicamente usada pelo protestante T. L. Eyre e registrada na Biblioteca do Congresso Americano, na cidade de Washington, por apenas $ 30. Nessa biblioteca qualquer asneira pode ser registrada até em papel higiênico, sem o menor critério. Os facínoras usaram desse expediente nos Estados Unidos, celeiro das seitas, apostando no crédito que a farsa viria a ter, pelo fato de estar registrada naquela biblioteca; semelhante ao que faz o “pastor”, que usa a seção opinião de jornais e revistas nacionais para o mesmo fim. O diabo é o pai da mentira e não é muito criativo, veja que seus filhos para montar essa farsa roubaram os textos de (Oséas 13,16) e (Salmo 137,9) ou (Salmo 136,9). Para confirmar a investigação, que desmantelou essa vergonhosa farsa protestante junto a Biblioteca do Congresso Americano. acesse: http://www.geocities.com/okc_catholic/articles/jesuit_oath.html, e “Não admitirás falso testemunho” (Êx 23,1), de protestante algum.

- Na verdade, toda essa palhaçada protestante, é para esconder que eles DEGOLARAM OS JESUITAS. Encontra-se facilmente nas enciclopédias que, os protestantes calvinistas em 15 de julho de 1570, mataram 40 jesuítas, entre eles Inácio de Azevedo, morto a CUTILADAS (golpe de espada) quando, segurando num quadro da Virgem Maria, animava a tripulação a resistir ao ataque protestante, que degolou a todos, (Enciclopédia Microsoft Encarta 99).

Agora sim, vamos mostrar a página mais negra e horrenda da história do protestantismo: no tempo de Santo Inácio de Loyola, Lutero escreveu um diabólico panfleto chamado: “CONTRA OS JUDEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na História do Anti-semitismo, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os judeus:

“Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um judeu, um coração judaico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os judeus são pequenos demônios destinados ao inferno.” (‘Luther’s Works,’ Pelikan, Vol. XX, pp. 2230). ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blasfêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” (‘About the Jews and Their Lies,’ citado em O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).

Hitler e os nazistas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo “reformador” alemão. Ao executarem seu primeiro massacre em larga escala, em 9 de novembro de 1938, no qual destruíram quase todas as sinagogas da Alemanha e assassinaram trinta e cinco judeus, os nazistas anunciaram que a perseguição era uma homenagem ao aniversário de Martinho Lutero (Prager e Telushkin, p. 107). Julius Streicher (nazista), argumentou em sua defesa no julgamento de Nuremberg, que apenas seguia a vontade de Lutero. (D. Prager e J. Telushkin: Why the Jews? The reason for anti-Semitism. Nova York: Simon & Shuster, 1983, p. 107). Tudo isto, culminou no extermínio de 6 Milhões de judeus.

- Adiante, o vil “pastor” calunia que o papa Clemente VII, “repudiou” os Jesuítas chamando-os de “intrigantes”. Resposta: PURA CALUNIA! Este Papa faleceu em 1534, bem antes da fundação oficial dos jesuítas em 1540.

- O preocupado “pastor” fala que os Jesuítas foram “expulsos” de vários países. – Resposta: precisamente de Portugal, França, Espanha e Nápoles. Embora seu trabalho de ensinar métodos agrícolas aos indígenas fosse um sucesso, alguns gananciosos não gostavam disso. Até que em 1814 o papa Pio VII os restabeleceu em todo o mundo. A conotação bélica e militar que o “pastor” tenta dar aos jesuítas é falsa. (Enc. Microsoft Encarta 99).

- Em seguida, falando do que não conhece, o “pastor” alega que: “Os Jesuítas consideram-se acima dos bispos por terem bulas que os isenta de sua jurisdição”, e segundo o indouto “pastor”, os “bons dicionários os identifica como astuciosos e hipócritas”. PURA CALÚNIA! Leitor, pegue seu bom dicionário para desmoralizarmos mais uma vez o embusteiro “pastor”: Note que ele convenientemente escolheu o “termo figurado depreciativo” do seu dicionário que não é tão bom. O significado de Jesuíta em qualquer bom dicionário consta: Jesuíta = ESPERTO, ATILADO, e atilado traduz-se por escrupuloso, correto, discreto, prudente, … Gostou da aula, “pastor”? Quanto ao outro blefe sobre a suposta autoridade dos Jesuítas: Os Jesuítas vão para qualquer lugar escolhido pelo Papa e se submetem a qualquer um, ou ofício eclesiástico que seu superior determinar. Assim é também nas empresas, quartéis e repartições públicas. Não diga que o “pastor” esqueceu? Quanto mistério falso. (Dicionário Enc. Encarta 99). – Adiante ele fantasia, usando fonte de um ilustre desconhecido e desconhecedor “Melo Morais”, que diz que os Jesuítas são orientados por uma “iminência quase papa”, – QUANTA INVENCIONICE! Segundo ele, conhecida como “Papa Negro”, pasmem! “Cujas relações com o Vaticano não são claras”. A resposta dada acima dispensa comentário, “pastor”. E Fique certo que: a direção da ordem está nas mãos de um superior geral, que reside em Roma. Este cargo é vitalício, eleito pela congregação geral da ordem, e todos são subordinados ao Papa. (Enc. Microsoft Encarta 99). Suas mentiras não resistem ao menor exame “pastor”. Temo pelos coitados que o seguem, sob a sombra de suas calúnias. O diabo é o “pai da mentira” e esta parece ser o evangelho que o “pastor” prega.

RESPOSTA 7 – “A IGREJA ANTES E DEPOIS DO SÉCULO IV”

Neste capítulo, mergulhado em confusão, ele alega: – “O Vaticano não é Igreja, mas sim um organismo político-religioso que arroga certas prerrogativas, se interpõem entre Deus e os Católicos”.Resposta: caro “pastor” que se interpõe entre Lutero e os “evangélicos”, é claro que o Vaticano nunca foi Igreja, é sim um Estado. Nunca lemos que a Igreja foi criada em 1929, data da criação do ESTADO VATICANO, pois a Sé de São Pedro existe desde a passagem do apóstolo por Roma (1Pe 5,13). E é essa única instituição divina que rege a vida espiritual dos mais antigos cristãos na terra. São Cipriano, que morreu no ano 258, escreveu: “E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.” (Sobre a unidade da Igreja, cap. 4). Como vêem, o ridículo “pastor” escreve só pelo simples fato de querer insultar os católicos. – Em seguida, o hilário afirma gratuitamente que: “em sucessivos Concílios depois do século IV, os Papas sancionaram muitos dogmas desconhecidos pelos Cristãos dos primeiros 500 anos e estranho ao novo testamento”. – PURA CALÚNIA! Os primeiros cristãos sempre professaram em paz as mesmas doutrinas dos cristãos católicos de hoje. Quando os Papas precisaram sancionar (confirmar) estas doutrinas antigas, foi porque com o passar do tempo iam surgindo hereges que tentavam negá-las. Uma prova foi quando São Cirilo de Alexandria (370-442), em seu discurso defendendo a maternidade divina de Maria contra o herege Nestório, proclamou: “A paz que o blasfemo Nestório perturbara, negando que de Maria Virgem nasceu o Verbo e Filho de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo. Ele não quis reconhecer a inviolável virgindade de Maria, nem crer na palavra do arcanjo: “Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo”. (São Cirilo de Alexandria, Discurso no Concílio de Éfeso, P.L. LXXVII, 1029-1040). – Adiante o velhaco, afirma que: “a Igreja primitiva desconhecia até então a Transubstanciação, o Purgatório, o Celibato, a Infalibilidade papal, o Culto à Maria, a Veneração de Imagens, o uso de água benta, velas, etc”. - PURA CALÚNIA! A Igreja primitiva é a mesmíssima Igreja Católica de hoje. (Revista: Superinteressante. Ed.181, pg.22-23). Façamos enxergar o cego “pastor”, provando com a Bíblia e com os escritos dos primeiros cristãos, que a Igreja Primitiva Católica, vivia sim todas estas doutrinas:

A TRANSUBSTANCIAÇÃO é Bíblica: (1Cor 11, 28-29) Examine-se, pois, a si mesmo o homem, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque aquele que o come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.” O bispo São Cirilo de Alexandria (370-442), foi um cristão primitivo, que viveu antes de 500, e contrariando a calúnia do “pastor” ensinava: “Porque o Senhor disse mostrando os elementos: Isto é meu corpo, e Este é o meu sangue, para que não imagineis que o que ali aparece é uma figura, senão para que saibas com toda segurança que, pelo inefável poder de Deus onipotente, as oblações são transformadas real e verdadeiramente no corpo e sangue de Cristo; e que ao comungar delas recebemos a virtude vivificante e santificadora de Cristo. (Cirilo de Alexandria, Comment. In Math. XXVI, 27). Isso mostra o quanto se distanciou de Cristo o protestantismo enganador.

O PURGATÓRIO é Bíblico: (1Cor 3,15) “Se a obra de alguém se queimar, ele sofrerá perda, se bem que ele mesmo será salvo, como se pelo fogo“. Cada um será salgado com fogo (Mc 9,49) e (Ml 3, 2-4). São Cipriano, em 249 já dizia: ”…uma coisa é penar muito tempo e purificar-se nas chamas do Purgatório e outra coisa é ter removido todos os pecados, pelo martírio”. (Na luz Perpétua, 5ª. ed., Pe. J. B. Lehmann, Ed. Lar Católico, MG,1959).

O CELIBATO é Bíblico: (1º Cor, 7, 32-34) “ E bem quisera eu, que estivésseis sem cuidado. O solteiro (Padre) cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor; – mas o que é casado (“pastor”) cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.” “Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi CONCEDIDO” (Mt 19,12) e (Apo 14,4). São Pedro foi um cristão primitivo, que até teve sogra, mas DEIXOU TUDO para seguir Jesus: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos.” (Lc 18, 28). Tertuliano, também cristão primitivo, falecido pelo ano 222, já dizia em sua obra os clérigos são celibatários voluntários. (Apologética 197). É incrível como os “pastores” escondem isso e pregam o contrário enganando.

A INFALIBILIDADE PAPAL é Bíblica: Jesus disse a São Pedro, que transmitiu isso aos seus sucessores: TUDO O QUE LIGARES SOBRE A TERRA, SERÁ LIGADO TAMBÉM NOS CÉUS; E TUDO O QUE DELIGARES SOBRE A TERRA, SERÁ DESLIGADO NOS CÉUS”… (Mt 16, 17-19). Conforme os originais, assim testemunha o apóstolo: “O homem espiritual julga a respeito de tudo e por ninguém é julgado” (1Cor 2,15). O desastre protestante está em confundir o dom do cargo com a espiritualidade do seu ocupante. A infalibilidade não tem relação com impecabilidade, assim como “falibilidade” também não tem relação com “pecaminosidade”. Após ter escolhido Pedro, e este o ter negado 3 vezes, Cristo ressuscitado o perdoou e o confirmou 3 vezes (João 21,15-17), Pedro salientou sua liderança (At 15,7). Santo Agostinho, grande teólogo da história e cristão primitivo, referindo-se ao Papa disse:Roma Locuta, Causa Finita – Roma falou, a causa está encerrada.” (Sermão 131,10).

A VENERAÇÃO À MARIA é Bíblica: (Lc 1,41-44) “Ao ouvir Isabel a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre, e Isabel foi cheia do Espírito Santo. Exclamou ela em alta voz: ‘Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre. De onde me provém que me venha visitar a MÃE DO MEU SENHOR? Ao chegar-me aos ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria no meu ventre”. Até João Batista criança a venerou. O Apóstolo S. Tiago Menor, o qual realizou o esquema da liturgia da Santa Missa, prescreve: “Prestemos homenagem, principalmente, a Nossa Senhora, a Santíssima, Imaculada, abençoada acima de todas as criaturas, a gloriosíssima Mãe de Deus, sempre Virgem Maria.” (S. jacob in Liturgia sua). Dizia São Cirilo de Alexandria (370-442): “Eis que tudo exulta de alegria! Reverenciemos e adoremos a divina Unidade, com santo temor veneremos a indivisível Trindade, ao celebrar com louvores a sempre Virgem Maria! Ela é o templo santo de Deus, que é seu Filho e esposo imaculado. A ele a glória pelos séculos dos séculos. Amém”. Dizia Santo Agostinho (354-430): “Evidentemente ela é mãe dos membros do Salvador, que somos nós, porque com a sua caridade cooperou para que nascessem na Igreja os fiéis, que são membros daquela cabeça.” (De sancta virginitate, VI; PL 40, 399). Diz a Confissão de fé dos ludibriados “evangélicos”: “Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau.” (Art. 21,27, Confissão de fé de Augsburgo ).

A VENERAÇÃO DE IMAGEM é Bíblica: Deus manda fazer uma serpente de bronze, para curar os mordidos pelas serpentes venenosas, que olhassem para ela (Num 21,8-9). Manda fazer dois querubins de ouro e colocá-los sobre a Arca da Aliança, para falar do meio deles (Ex 25,18-22). Manda ainda, Salomão enfeitar o templo de Jerusalém com imagens de querubins, palmas, flores, bois e leões (1Reis 6,23-35 e 7,29). Deus condena ídolo deus e não “imagens de esculturas”. A serpente foi quebrada só quando alguns passaram a vê-la como um ídolo deus. O falsário tradutor protestante, João Ferreira de Almeida, adulterou as já incompletas bíblias protestantes, colocando o termo “Imagem de Escultura” onde nos originais constam ÍDOLO, para fazer confusão. Como poderia Deus proibir “imagens de escultura” se mandou construir duas para colocar sobre a arca da aliança que guardavam as tábuas, que na verdade proíbem ÍDOLOS???? Exemplos das falsificações protestantes estão em (Isaías 44,9-10,15,17). O falsário protestante, além de enfiar “imagem de escultura” onde consta ÍDOLO, ainda enfiou criminosamente a palavra “procissão” em (Is 45,20). Mas não conseguiu adulterar os versículos a seguir, que restauram o sentido verdadeiro dos originais, com o ídolo de Micas, que não era mais um deus, transformado em “imagem” para a casa de Deus: “E os filhos de Dã levantaram para si aquela IMAGEM DE ESCULTURA, e Jônatas, filho de Gérson, o filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas, até ao dia do cativeiro da terra. Assim, pois, A IMAGEM DE ESCULTURA, que fizera Mica, estabeleceram para si, todos os dias que a casa de Deus esteve em Siló” (Jz 18,30-31). Cai a farsa. Deus só proibia figura de si, porque ninguém o viu no monte Horebe (Dt 4,15-19), se o esculpissem estariam mentindo.

E para calar definitivamente o aleivoso “pastor”, apresento a seguir, as preciosas esculturas, símbolos e pinturas encontradas pelos arqueólogos nas catacumbas de Roma do século I, onde os apóstolos e os cristãos primitivos celebravam missa escondidos de seus perseguidores. Abaixo, da esquerda para a direita: Nossa Senhora e o menino Jesus, Cristo Pastor, Pintura Cristo com Apóstolos e Monograma de Cristo.


Abaixo: Cinco Santos Mártir, Corredor da Catacumba, Cubículo dos Sacramentos.


Mais fotos, acesse: http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apologetica&artigo=20040827093000&lang=bra#fotos

Longe da ignorância dos fanáticos freqüentadores de seitas brasileiros, na Ilha de Malta, na Reunião Mundial das igrejas protestantes, foi assinado um acordo onde 92% das Igrejas Luteranas entre outras, já reconheceram que as imagens católicas não são e nunca foram ídolos. A esse respeito, sugiro a leitura do livro “História da Igreja”, vol. 3, de Martin N. Dreher, Ed. Sinodal, em especial as págs. 53 a 57, já que se trata de uma editora protestante e um autor protestante, que defendem o uso de imagens nas igrejas de Deus. O cristão primitivo S. Gregório de Nissa (+394) sobre as imagens, escreveu: “O desenho mudo sabe falar sobre as paredes das igrejas e ajuda grandemente”, (Panegírico de S. Teodoro, PG 46, 737d). Também dizia o grande teólogo primitivo Santo Agostinho (354-430): “Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos”. Morre o embuste protestante.

A ÁGUA BENTA é Bíblica: ao contrário do que calunia o “pastor”, A Função purificadora da água é marcante, na Bíblia ela aparece em vários acontecimentos, na vida das pessoas. E até como poder de Deus na cura de várias enfermidades (Jo 9,7). A água lembra o próprio Cristo, que é a água viva (Jo 4,10) Para você entender a função da água benta confira em: (Números 5,17-18) (Números 8, 5-7) (Números 19,18) (Ezequiel 36,25).

E finalmente contrariando a omissão do “pastor”, – As VELAS estão sim na Bíblia desde o princípio: “(…) e eis um castiçal todo de ouro, e um vaso de azeite no cimo, com as suas sete lâmpadas; e cada lâmpada posta no cimo tinha sete canudos” (Zac 4,2), (conforme Bíblia João Ferreira). Cristo aparece entre castiçais (Ap 1, 13) e (Ap 2, 1). Confira mais em: (Números 8,2-4), (Êxodo 39,37), (Levítico 24,1-4), (Êxodo 35,8). “Lâmpadas” na Bíblia, quer dizer velas, pois Thomas Édson, é claro, ainda não havia inventado a lâmpada elétrica. Está provado que este vil “pastor” age de má fé. Todas as doutrinas católicas citadas vêm desde o princípio do Cristianismo.

- Em seguida, ele num blefe descarado, descreve uma relação de nomes, sem saber que eram de Católicos ocidentais e orientais. Dizia o hilário “pastor”: “Viveram nos 4 primeiros séculos milhões de Cristãos entre eles homens veneráveis” -(ahh, ele venera?)- “conhecidos como pais da Igreja”. – E continua o velhaco “pastor”, citando em letras maiúsculas: “ANOTE AS DATAS EM QUE VIVERAM ALGUNS DELES, todos antes do século IV”. – Pronto, estava armado seu sofisma, para insinuar que a Igreja Católica veio depois do século IV. Prepare-se para rir. Pois a relação que Ele citou, começa já pelo segundo Papa da Igreja Católica, dizia: “Lino viveu no ano 65, Cleto no ano 69, Clemente no ano 95, Justino no ano 100, Santo Inácio viveu no ano 110, Higino no ano 139, Papias no ano 140, Policarpo no ano 155, Santo Irineu viveu no ano 180, Orígenes no ano 220, Urbano no ano 223, São Cipriano no ano 247, São Vicente viveu por volta do ano 310, São Silvestre no ano 314, São João Crisóstomo no ano 350, Santo Antão ano 356, São Jerônimo, tradutor da Bíblia viveu no ano 340, São Genaro e São Sebastião ano 384, Ambrósio no ano 397 e Santo Agostinho, bispo de Hipona, viveu no ano 420, etc.” – Vale salientar que ele chamou estes Católicos de “HOMENS VENERÁVEIS” e mandou “ANOTAR” suas datas. Pedimos também ao caro leitor, que ANOTE os nomes acima, pois estes CATÓLICOS VENERÁVEIS serão aqui, a PEDRA DE TROPEÇO deste ridículo “pastor”, que prega a mentira para rapinar na ignorância.

Dizia: “AGORA NOTE AS DATAS NAS QUAIS ALGUNS DOGMAS FORAM INTRODUZIDOS NA IGREJA, todos depois do século IV”. – fantasiava assim, que a Igreja “introduziu” dogmas, quando só confirmou as verdades de fé.

Caluniava: – “Ano 431, a Igreja começava a cultuar Maria, mãe de Jesus”.PURA CALÚNIA! A profecia Bíblica diz que todas as gerações a proclamarão bem aventurada (Lc 1,48). Santo Efrém, que morreu em 9/6/373, já havia escrito 20 hinos para Maria, onde a exalta como: “Mais resplandecente que o sol”, “Conciliadora do céu e da terra”, “paz”, “Honra das virgens”, “Toda pura imaculada”, “Incorrupta”, “Venerável”, “Santíssima”, “Inviolada”, “honorífica”, etc. (Um Sto. p/ cada dia – M. Sgarbossa, L. Giovannini, Paulus, p.181). Também Santo Agostinho, citado por ele, já dizia: “Na verdade, era digno, e de todo conveniente, que o parto daquela que havia procriado ao Senhor do céu e da terra, e que permanece virgem após ter dado à luz, fosse celebrado não somente com festejos humanos, mas com cânticos sublimes de louvor, pelos anjos.” (Sermão 193,1 – 10° do Natal). Desconversava o embusteiro:

- “Ano 503, decretam a existência do purgatório”.PURA CALÚNIA! Muito cristão primitivo citado por ele, ensinava o purgatório: Tertuliano (160-220) na carta (De Monogamia 10) prega o purgatório; Clemente de Alexandria em 202, um dos teólogos mais importantes de Alexandria, explicou o Purgatório (Stromata, 6:14,in ANF,II:504); S. João Crisóstomo (349-407) dizia: “Os Apóstolos instituíram a oração pelos mortos e esta lhes presta grande auxílio e real utilidade.” (In Philipp. III 4, PG 62, 204); Sto. Agostinho (+430), pregou o Purgatório; A oração pelos mortos no purgatório está no livro 2Macabeus 12,43-46, Lutero arrancou este livro das bíblias protestantes. Este constam na Bíblia de Gutemberg, impressa quase um século antes da de Lutero. Mudava ele de calúnia:

- “Ano 783, iniciam a veneração de Imagens”.PURA CALÚNIA! Muitos séculos antes, já dizia Santo Agostinho (430): “É evidente que o milagre não é produzido materialmente pelas relíquias, mas pela vontade de Deus sobre elas. Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos”. Dizia também S. Gregório Magno (†604), doutor da Igreja, corrigindo à Sereno: “Tu não devias quebrar o que foi colocado nas igrejas não para ser adorado, mas simplesmente para ser venerado. Uma coisa é adorar uma imagem, outra coisa é aprender, mediante essa imagem, a quem se dirigem as tuas preces”. (Epístola XI 13 PL 77,1128c).

Blefava o falaz: -“Ano 933, a Igreja institui a ‘Canonização’”.PURA CALÚNIA!, CONFIRMOU O QUE ANTES HAVIA. Note que na relação de “pais da Igreja” que o “pastor” mandou anotar, grande parte já era santo canonizado por aclamação popular. Até nas bíblias protestantes, na abertura dos evangelhos e cartas, seus autores são precedidos da palavra “São” ou “S” abreviado, significando “santo canonizado” antes da data inventada pelo malandro “pastor”. O Cristão só obtém a canonização ou por 2 milagres ou por ter sido mártir. Fato que põe por terra as calúnias do “pastor” contra Padre Anchieta e Santo Inácio de Loyola, pesquise a biografia oficial destes santos homens, e não as quimeras que escrevem os protestantes. Dica de boa leitura é o livrinho: “Um Santo Para Cada Dia”, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini, Ed. Paulus. – Prosseguiam as lorotas do “pastor”:

- “Ano 1074, é instituído o Celibato”. – PURA CALÚNIA! Tertuliano, falecido pelo ano 222, já dizia: os clérigos são celibatários voluntários“. E o próprio S. Paulo celibatário, já deixava claro que o celibatário é quem cuida das coisas do Senhor, escreveu: “ E bem quisera eu, que estivésseis sem cuidado. O solteiro (Padre) cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor; – mas o que é casado (“pastor”) cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.” (1Cor 7, 32-34). Seu blefe de que os padres não casam porque a Igreja teme perder propriedades é uma invenção ridícula, pois os padres são voluntários e não funcionários. Se assim fosse, as milhares de propriedades das “igrejas” protestantes pertenceriam aos 50 ex-“pastores” americanos que se converteram ao catolicismo (Revista Sansum Corda, ed. especial 1996, pp. 2-13). Mudava de blefe o enganador:

- “Ano 1490, começam conceder perdão e favores espirituais por dinheiro! Inicia a Igreja os negócios com as indulgências”.PURA CALÚNIA! Essa é outra velha lorota protestante sem fundamento. A Igreja nunca “vendeu indulgência”. Um desonesto monge na Alemanha, chamado Tetzel, sem o conhecimento do Papa em Roma, que fique claro, fez isso uma vez e foi punido e morreu de desgosto. E como prova disso dizia Lutero, mestre do “pastor”: “Deve-se ensinar aos cristãos que, se o Papa soubesse das exações dos pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.” (Lutero tese nº 50). O senhor ensina isso, “pastor”? Se a resposta é não, a quem o senhor ensina NÃO É CRISTÃO. Pois deve-se ensinar isso a eles. Atordoado, mudava de mentira o engravatado:

- “Em 1208 começam, na missa, a ‘levantar’ a hóstia para ser adorada”. – PURA CALÚNIA! A Eucaristia foi instituída por Cristo (Lc 22,19). Não é a hóstia que é adorada, mas o corpo de Cristo como já provamos, e agora, com a bíblia protestante de João Ferreira, diz a profecia: “Mas, desde o nascente do sol até o poente será grande entre as nações o meu nome; e, em todo lugar, se oferecerá ao meu nome incenso e UMA OBLACÃO PURA (hóstia); porque o meu nome será grande entre as nações, diz o Senhor dos Exércitos”. (Malaquias 1,11). Onde estão os incensos e a oblação pura da bíblia protestante, para se oferecerem a Deus??? E ao contrário do que o “pastor” caluniava, não foi “negado” aos fiéis o vinho da Ceia, visto que o pão ázimo, coletivamente bastava (At 2,42). São Paulo fala de “fração” ou “repartir o pão” apenas, (Atos 20,7). O que não pode é negar os dois ao povo, como fez o protestantismo, que toma indignamente suco de uva e pão de padaria fermentado, negando o corpo de Cristo. Dizia Santo Inácio de Antioquia (entre 69 e 107), contra os hereges: “Ficam longe da Eucaristia e da oração, porque não querem reconhecer que a Eucaristia É A CARNE DO NOSSO SALVADOR, Jesus Cristo, a qual padeceu pelos nossos pecados e a qual o Pai, na sua bondade, ressuscitou. Estes, que negam o dom de Deus, encontram a morte na mesma contestação deles.” (Carta aos Esminiotas cap 4,1).

Quanto ao citado por ele “papa João XXIII”, de 1414, que perseguiu o Jan Hus (que ele erroneamente cita “João Huss”). Não era Papa eleito, e sim um ANTIPAPA que foi obrigado a abdicar. (Enc. Microsoft Encarta 99). Desmantelamos assim, mais uma falcatrua do “pastor”, querendo passar um Antipapa por Papa oficial. …Seguia:

- “Ano 1215, o papa Inocêncio III, por decreto institui a Transubstanciação, ‘valorizando’ sobremaneira a missa, definida no Concílio de Trento no ano 1551.”PURA CALÚNIA! A transformação do pão no corpo de Cristo vem desde a Santa Ceia. Respondemos com a Didakê, o escrito mais antigo que se conserva dos tempos apostólicos, que segundo o grande historiador J. Quasten, foi escrito entre 70 e 90, com São João ainda vivo!.: “Reuni-vos no dia do Senhor, e façam a partilha do pão e ofereçam a Eucaristia; mas primeiro confessem suas faltas, para que seu sacrifício seja puro. Quem tiver alguma diferença com seu amigo, que não participe convosco até que tenha se reconciliado, para evitar a profanação de seu sacrifício. (Mateus, 5, 23-24). Pois esta é a oferta da qual o Senhor disse: “em todo lugar se sacrifica e se oferece ao meu nome uma oblação pura, (…) pois eu sou o grande Rei, diz o Senhor dos Exércitos, e o meu nome é temido entre as nações.” (Malaquias, 1, 11-14)”. A Didakê, ou “Doutrina dos doze Apóstolos“, foi encontrado em 1883. Prosseguia o blefe:

- “Ano 1870 declaram o papa infalível”. – PURA CALÚNIA! ISSO FOI CONFIRMADO. Se o Papa não fosse infalível desde (Mt 16, 17-19) Santo Agostinho (354-430), pai da Igreja, venerado pelo “pastor”, referindo-se ao Papa, muito antes de 1870 não escreveria: Roma Locuta, Causa Finita – Roma falou, a causa está encerrada.” (Sermão 131,10). Pegue sua bíblia “pastor”: isso é garantia de Cristo a São Pedro e seus sucessores em matéria de fé e moral. (Mt 16-19), (1Cor 2,15). … Continuava o desfile de ignorância:

- “Ano 1854 e 1950, conseguiram depois de 18 séculos de resistência, impor os dogmas sobre Maria, o da Imaculada e o da Assunção respectivamente”.PURA CALÚNIA! Nestas datas apenas FORAM CONFIRMADAS ESTAS DOUTRINAS porque apareceram hereges querendo por dúvida às doutrinas Cristãs, que vinham desde o início do cristianismo. Não canso de provar com as palavras dos cristãos primitivos: Dídimo, o cego (+380), que foi mestre de São Jerônimo, tradutor da Bíblia, escreveu: “Mesmo depois do nascimento, ela permaneceu sempre e para sempre virgem imaculada”. Santo Agostinho (+ 430), dizia da imaculada:“Nem se deve tocar na palavra “pecado” em se tratando de Maria; e isto em respeito Àquele de quem mereceu ser a Mãe, que a preservou de todo pecado por sua graça”. A assunção de Maria é conhecida pela Igreja Católica desde o primeiro século, uma prova é os Ortodoxos também terem certeza disto, desde que se separaram da Igreja de Cristo. Mas como o protestantismo foi inventado em 1517, só lhe resta irresponsavelmente duvidar do que é fato. Mas quem disse que não se escreveu nada sobre a Assunção de Maria? Vários livros foram escritos pelos cristãos dos primeiros séculos – Acts of St. John by Prochurus, no século II; Joannis liber de Dormitione Mariae, e De transitu B.M. Virginis, ambos do século IV, acesse: (http://www.newadvent.org/cathen/14774a.htm).

- Sem saber que seria desmoralizado como foi, dizia o enganador blefando: “Essas inovações foram introduzidas, como se observa, depois do século IV, quando aquelas pessoas, pais da Igreja, que souberam guardar a fé já não existiam”.Resposta: PURA CALÚNIA! As citações acima, são exatamente dos pais da Igreja que viveram antes e durante o século IV. – Blefava ainda o embusteiro: “Verifica-se que a Igreja Católica não é legítima quando relacionada com o Novo Testamento e com a fé dos primeiros cristãos”. – Resposta: Contrariando o desmoralizado “pastor”, lá está um dos Cristãos primitivos que ele citou e mandou anotar, dizendo: Que nada façam à Igreja sem o conhecimento do bispo. Que a celebração da Eucaristia seja válida quando celebrada pelo bispo ou por quem este designar. Onde estiver o bispo, esteja o povo, assim como onde está Jesus Cristo, está a Igreja Católica. Não é permitido casar-se ou batizar sem a autorização do bispo; mas tudo o que ele aprovar agrada a Deus. Com isso tudo que fizeres será valioso e uma prova contra o mal”. (Santo Inácio de Antioquia, Carta aos Esmirnenses, 8, 106 d.C.). Isso prova que a Igreja Católica é a legítima Igreja de Cristo, e invalida os casamentos e batizados fora da Igreja Católica. Desaba a farsa protestante.

Finalizando este ataque frustrado, em parafuso o “pastor” escorregava de vez, dizendo: “O Vaticano e a Igreja” (agora distintos?), “para serem honestos deveriam informar, inclusive nos calendários, que os Cristãos primitivos que festejam, não foram Católicos romanos, pois nada souberam do festival de dogmas que foram criados. Se vivessem hoje fariam outra opção religiosa, jamais o catolicismo romano!” – Resposta: Como ficou provado, a Igreja não “criou” nenhum dogma, confirmou as verdades da fé cristã primitiva, quando surgiram hereges querendo mudá-las. De uma coisa fique certo o “pastor”, os Cristãos primitivos foram sim Católicos, e deixaram um recado para o “pastor” e seu festival de “igrejas”, dizia S. Cipriano (+258): “Julga conservar a fé aquele que não conserva esta unidade recomendada por Paulo? Confia estar na Igreja aquele que abandona a cátedra de Pedro sobre a qual está fundada a Igreja?” (Sobre a Unidade da Igreja cap. 4).

AGORA, ANOTE AÍ, “PASTOR”, OS DOCUMENTOS CLÁSSICOS ONDE OS PAIS DA IGREJA, CITAM NOMINALMENTE O NOME DA “IGREJA CATÓLICA” COMO SUA IGREJA E DE JESUS CRISTO:

Inácio, Carta aos Esmirnenses 8:1-2. J65 106 DC. / O Martírio de São Policarpo 16:2. J77, 79, 80a, 81a, 155 DC. / Clemente de Alexandria, Stromateis 7:17:107:3. J435 202 DC. / Cipriano, A Unidade da Igreja Católica 4-6. J555-557 251 DC. / Cipriano, Carta a Florêncio 66:69:8. J587 254 DC. / Lactâncio, / Instituições Divinas 4:30:1. *J637 304 DC./ Alexandre de Alexandria, Cartas 12. J680 324 DC. / Atanásio, Carta sobre o Concílio de Nicéia 27. J757 350 DC. / Atanásio, Carta a Serapião 1:28. J782 359 DC. / Atanásio, Carta ao Concílio de Rimini 5. J785 361 DC. / Cirilo de Jerusalém, Leituras Catequéticas 18:1. J836-*839. / Dâmaso, Decreto de Dâmaso 3. J910u 382 DC. / Agostinho, Carta a Vincente o Rogatista 93:7:23. J1422. / Agostinho, Carta a Vitalis 217:5:16. J1456 427AD. / Agostinho, Com. Salmos 88:2:14, 90:2:1. J1478-1479 418 DC. / Agostinho, Sermões 2, 267:4. *J1492, *J1523 430 DC. / Agostinho, Sermão aos Catecúmenos sobre o Credo 6:14. J1535. / Agostinho, A Verdadeira Religião 7:12+. *J1548, *J1562, J1564. / Agostinho, Contra a carta de Mani 4:5. *J1580-1581. / Agostinho, Instrução Cristã 2:8:12+. *J1584, J1617. / Agostinho, Batismo 4:21:28+. J1629, J1714, J1860a, J1882. / Agostinho, Contra os Pelagianos 2:3:5+. *J1892, *J1898.

Os documentos acima, foram os mesmos que desmascararam a “igreja batista” e seu fantasioso livro intitulado “Rastro de sangue”, onde se arvorava de ser a Igreja de Jesus Cristo, a qual pertenceram todos os pais da Igreja acima. A desmoralização foi total. Pois a igreja batista foi fundada por John Smith em 1604, na Holanda. Pondo fim a esta balela, dizia Sto. Agostinho: “Eu não acreditaria no Evangelho, se a isto não me levasse a autoridade da Igreja Católica” (Sto. Agostinho, Contra epistulam Manichaei quam vocant fundamenti, 5,6).

RESPOSTA 8 – “O VATICANO EM SEUS CONCÍLIOS ALTERA A DOUTRINA CRISTÔ

- 1950, Assunção de Maria. Já desmascarado antes. Vem desde o 2º século. Prova é os cismáticos ortodoxos festejarem.

- 1870, Infalibilidade papal. Já desmascarado antes. Vem desde o 1º século (Mt 16, 17-19). Ler S. Cipriano ano 246-249.

- 1854, Dogma da Imaculada Conceição. Já desmascarado antes. Vem desde o 1º século. Ler S. Agostinho (+430) o dogma só confirmou.

– 1546, livros apócrifos na Bíblia. MENTIRA. Basta ver a Bíblia de Gutemberg, impressa quase um século antes desta data. Protestantes arrancaram 7 livros.

- 1215, Decretam a Transubstanciação. Já desmascarado antes. Vem desde o 1º século, (1Cor 11, 23-29). Ler a “Didaqué”, doutrina dos apóstolos.

- 1216. Instituída a Confissão. MENTIRA. A confissão é Bíblica: (Tg 5 15-16), (Tg 5,16), (Atos 19,18), Etc.

- 1200, A hóstia substitui a Ceia. Já desmascarado antes. Vem desde o 1º século. Hóstia é o mesmo pão ázimo da Bíblia.

- 1190, Instituem a venda de indulgências. Já desmascarado antes. A Igreja nunca vendeu indulgência. Lutero é testemunha em suas “95 teses”.

- 1184, Inquisição. Efetivada anos depois. NÃO CONFUNDA: “Inquisição”, no sentido de “indagar”, maus católicos. Não “matar” como a civil e a protestante.

- 933, instituída a Canonização de santos. MENTIRA. Os pais e santos da Igreja foram canonizado antes desta data, por aclamação. EX: S. Mateus, S. Marcos, etc.

- 830, Começam a usar ramos e água benta. MENTIRA. Ver foto do “monograma de Cristo” neste artigo, ler (Jo 9,7), (Nm 5,17-18).

- 787, Começam com o culto às imagens. Mentira. Não há “culto á imagem” na Igreja mas ela as tem (Jz 18,30-31), (Ex 25, 18-20), (Num 21, 8-9), (I Reis 6, 23-35 e 7, 29).

- 503, O purgatório começa a existir. . . Missas pagas começaram no ano 1.476. Mentira. Os cristão primitivos já ensinavam o purgatório (1Cor 3,15), (Mal 3, 2- 4).

- 431, Instituído o culto à Maria, mãe de Jesus. Já desmascarado antes. Venera- se Maria desde Isabel (Lc 1, 43), passando pelos escritos patrísticos.

- 416, Começam a batizar crianças recém-nascidas. MENTIRA. Já batizava (At 2,38-39). Eles é que pararam de batizar depois de 1517. Lutero batizava.

- 394, O culto Cristão é substituído pela missa. MENTIRA. A Didakê, livro apostólico, descreve a missa como ela é hoje.

- 325, O Imperador Constantino celebra o primeiro Concílio. Já desmascarado antes, S. Atanásio confirma foi o bispo Ósio.

- 320, Começam a usar velas nas Igrejas. Já desmascarado antes. Cristo aparece entre castiçais (Ap 1,13) e (Ap 2,1).

- 310, Começam as rezas pelos mortos. MENTIRA. Ver: (Êx 32,13), (2 Macabeus 12,43-46), (Tobias 12,12), (Mt 17,3-4),

(2 Tm 1,18), (1 João 5, 16-17), (Atos 9,40), (Apo 5,8), (Apo 6,9-11), (Apo 8,4), etc.


Neste capítulo, o desmoralizado “pastor” usando a velha técnica da “inversão” protestante, calunia que os Concílios são para “criar” doutrinas, quando na verdade, são convocados para DEFENDER as doutrinas cristãs, atacada por hereges ao longo do tempo. Foi Nestório, o inventor da absurda negação de que Maria não é Mãe de Deus; Sabélio quis tirar a personalidade do Verbo; Ario procurou tirar a divindade de Jesus; os Docetas negavam a Eucaristia e os Apolinaristas, a alma humana de Cristo, Etc. Todos tiveram suas heresias condenadas pelos Concílios. Querendo inverter os papéis, estava o vil “pastor” acusando os Concílios de: “maquinação ardilosa”, “dogmas baseados em lendas”, “criados para fins lucrativos”, etc. E assim começa ele seu novo ataque cheio de calúnias velhas, dizia: “EIS ALGUMAS ALTERAÇÕES ESTRANHAS ÀS SAGRADAS ESCULTURAS”:

AS DATAS LEVANTADAS POR ELE, ACIMA, MOSTRAM O ANO DE SANÇÃO, E NÃO QUE SURGIU A DOUTRINA ANTIGA.

A sanção (confirmação), era para preservar a doutrina cristã antiga, atacada pelos hereges “moderninhos”.

- E nos matando de rir o humorista “pastor” escreveu: “ – Devido essas alterações a Igreja deixou de ser legítima e causou várias brechas no Cristianismo; a cada alteração nas doutrinas bíblicas, levas de Cristãos organizavam igrejas independentes que se reuniam nas catacumbas de Roma”. – ISSO É HILARIANTE!!! Como vimos e provamos com as fotografias, a única Igreja que ocupou as catacumbas fugindo dos romanos antes de serem cristianizados, foi a Católica. Será que tinha santos, símbolos, imagens de Cristo e de Maria nas “igrejas” dos protestantes que segundo o hilário “pastor”, “se reuniam nas catacumbas de Roma”? Por quê as escondem hoje? Veja as fotos das catacumbas: http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apologetica&artigo=20040827093000&lang=bra#fotos

Dizia ainda o embusteiro: “ Os Ortodoxos se separaram da Igreja em 869 por recusarem a submissão ao Papa”, – NÃO PROCEDE! Os Ortodoxos se separaram foi por política mesmo, pois por mais de um milênio estiveram na unidade, em comunhão com o Papa; essa separação não foi em “869” como escorrega o “pastor”, mas em Julho de 1054, data em que trocaram excomunhões o Papa Leão IX e o patriarca de Constantinopla Miguel Cerulário. As excomunhões foram levantadas (suspensas) em 1965, não obstante, tanto João Paulo II como Bartolomeu I manifestaram a sua esperança por uma reunificação. (Fonte: Agência Ecclesia Istambul, 27/6/2003).

Adiante, o hilário “pastor”, confessando que o protestantismo foi criado mesmo em 1517, escreve que: “em 1517, o Monge Martin Lutero” (aquele que chamava Cristo de “adultero”), “encontrou a Bíblia”, (Ué, ela estava perdida?), “inspirou-se nas palavras de Paulo em Romanos 1:17, onde diz: O justo viverá da fé” (Ele adulterou sua tradução alemã para “somente pela fé”), seguia ele: “raciocinou que a Salvação nos é dada pela fé em Cristo e não pelos ritos, sacramentos e penitências receitados pelo catolicismo”. – RESPOSTA: O Batismo é um dos 7 sacramentos (Mc 16, 61), para que protestante se batiza? O próprio Lutero disse, que Cristo disse: “Não vim ao mundo para as almas piedosas, mas para os pecadores, a fim de incitá-los à penitência e torná-los justos e bem-aventurados.” (Palestras à mesa); protestante faz penitência ou não? Se batizam e fazem penitência, a receita católica é a verdadeira palavra de Deus. Já a má interpretação de Lutero, do “só a fé”, não podemos confiar, pois diz as escrituras: Vedes como o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé? Do mesmo modo Raab, a meretriz, não foi ela justificada pelas obras, por ter recebido os mensageiros e os ter feito sair por outro caminho? Assim como o corpo sem a alma é morto, assim também a fé sem obras é morta”. (Tg 2,24-26). A doutrina de Lutero é tão letal quanto a embriaguez que o matou no dia 18 de fevereiro de 1546.

Em 25 de novembro de 1521 escreveu o confuso Lutero, aos agostinianos de Wittenberg: “Com tamanha dor e trabalho eu devo justificar a minha consciência de que eu sozinho devo acusar o Papa de anticristo e aos bispos de seus apóstolos. Quantas vezes meu coração não me abordou e me puniu com este forte argumento: ‘Isto é correto? Poderiam todos estarem errados e terem errado por todos os séculos? O que há de acontecer se tu errares e liderar uma multidão à condenação eterna?’” (De Wette, 2. 107, citado em O’Hare, p. 195). – No final da vida, admitindo seu erro, escrevia Lutero arrependido: “Se o mundo durar mais tempo, será necessário receber de novo os decretos dos concílios (católicos) a fim de conservar a unidade da fé contra as diversas interpretações da Escritura que por aí correm.” (Carta de Lutero à Zwinglio In Bougard, Le Christianisme et les temps presents, tomo IV (7), p. 289). Ele morreu e sua multidão de seguidores foi entregue a “condenação eterna”.

Em seguida, o hilário “pastor” escorrega sobre a origem da palavra “protestante”, quem diria. Alega ele, que: “Os cristãos não católicos, fizeram um PROTESTO contra supostas pretensões do Papa e receberam o nome de PROTESTANTES”, – segundo ele – “aplicado hoje a todos os evangélicos”. – PURA CALÚNIA! Ensinemos então, ao autodenominado “pastor”, “orientador espiritual”, que sequer sabe a origem do nome da sua seita. Anote aí:

Diz os escritos Tischreden” – Conversas à mesa, dos discípulos de Lutero: [No dia 15 de março de 1529, reuniu-se a Segunda Dieta de Spira, a fim de discutir os problemas religiosos enfrentados pela nação alemã, já dividida em províncias católicas e lutera­nas. Foi nessa ocasião que os seguidores de Lutero adotaram, pela primeira vez, o nome de “PROTESTANTES, pois a Igreja de Ro­ma queria restaurar a sua hierarquia e impedir a propaganda da doutrina do reformador. Lutero não estava satisfeito com os seus próprios adeptos e disse: "Os evangélicos [luteranos] se mostram sete vezes piores do que antes. Depois da pregação da nossa doutrina, os homens se entregaram ao roubo, à mentira, à impostura, à crápula, à embriaguez e a toda espécie de vícios. Expulsamos um demônio e vieram sete piores. Príncipes, senhores, nobres, bur­gueses e agricultores, perderam de todo o temor de Deus” ]. Lutero chamou-os “evangélicos” ironizando. Na verdade são ‘luteranos’, assim como quem segue Maomé é ‘maometano’ e quem segue Buda é ‘budista’. Me engana que eu gosto.

O desinformado “pastor”, também escreveu que “Igrejas não católicas” que existiam antes da “reforma”, teriam sido perseguidas pelo Papa. – PURA CALÚNIA! Não havia “igrejas” e sim grupos heréticos de católicos, o Papa não os perseguiu, buscava primeiro a conversão. O Papa Alexandre III escreveu: “Mais vale absolver culpados do que, por excessiva severidade, atacar a vida de inocentes… A mansidão mais convém aos homens da Igreja do que a dureza ...” Conheça abaixo tais doutrinas heréticas: Albigenses: criam em dois “deuses”; rejeitavam os sacramentos; diziam ser pecado casar; eram sexualmente permissivos; evitavam a gravidez e encorajavam o aborto; confrontaram-se em luta com os cristãos. Valdenses: proibiam o dízimo; pregavam que Deus Pai e o Espírito Santo têm corpos materiais; que relações sexuais são coisa do demônio; que casar-se significa não salvar-se; que quem comer carne vai para o inferno. Foram perseguidos e mortos em 1655, pelos exércitos de Carlos Emanuel, o duque de Savoy. Anabatistas: praticavam a poligamia e o comunismo. Começaram a não batizar crianças. Foram dizimados pelo povo, por invadirem a alemã cidade de Munster, e por Lutero que os odiava. A Confissão de fé protestante de Augsburgo, Artigo 9 do Batismo, rejeita sua doutrina. Cai outra farsa protestante.

RESPOSTA 9 – “O CONFRONTO BÍBLIA – CATOLICISMO ROMANO”

O delirante “pastor” começa este capítulo querendo maliciosamente insinuar que os Pais da Igreja não concordavam com os Papas que eles mesmos elegiam. Ridículo. Fantasia o canastrão: “Nos primeiros séculos, a Igreja manteve as doutrinas originais lutando contra os Concílios dos Papas”.Resposta: Foram os Concílios dos Papas que sancionaram as doutrinas originais, inclusive a Bíblia e a Trindade. Por isso ao contrário do que pensa o “pastor”, Santo Agostinho, VENERADO do “pastor” dizia: Roma Locuta, Causa Finita – Roma falou, a causa está encerrada.” (Sermão 131,10). – Caluniava o “pastor” que São Cipriano alertava: “Não recebo opinião diferente das Escrituras seja de quem for!”Resposta: o mal intencionado “pastor” só não falou para quem São Cipriano alertou. Certamente não foi para o Papa, líder da unidade. Dizia São Cipriano: Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.” (Epist. 55, n.1, Hartel, 614); “E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.” (Sobre a unidade da Igreja, cap. 4); Roma é a matriz e o trono da Igreja Católica.” (Epist. 48, n.3, Hartel, 607). São Cipriano na verdade, alertava quem dividia a fé. Dividir a fé como faz o “pastor”, não é bíblico (Rm 16,17-18). Novamente ele distorce, par passar uma idéia errada. Manjada manobra protestante.

- Maliciosamente para fantasiar que São Jerônimo era contrário ao Papa, ele usa um diálogo de São Jerônimo aos judeus, na época em que recebia os textos para tradução da Bíblia, e criminosamente o “pastor” o dirige ao Papa. Diz a frase no plural: “… se não estiver escrito não receberemos, o que eles apresentam como tradição a palavra de Deus o vergasta!”.PURA FALCATRUA! No ano 396, São Jerônimo escreveu uma importante carta ao Papa São Dâmaso que demonstra todo respeito, amor e obediência ao Santo Papa, escreveu: “A nenhum outro eu quero seguir e estar em comunhão senão com Cristo e Vossa beatitude (o Papa), (…) Quem come o Cordeiro fora desta casa é profano. Qualquer um que não está com esta arca de Noé, isto é, com a cátedra, perecerá quando a inundação prevalecer … (Epístola 15;2). Me diga que chance tem um “evangélico” indouto, nas unhas deste “pastor” enganador, que usa a “sabedoria da palavra”? ler (1Cor 1,17).

- E desmoralizado resmungava: “Foi contrariando homens como esses que a Igreja Católica perdeu a legitimidade”. – Resposta: Como vemos, levantou sua bola furada e agora está chutando feio para fora. Adiante ele em manobra protestante falseando a “Syllabus”, acusa o Papa Pio IX de “definir a aversão da Igreja pela Bíblia”, com palavras como: “A leitura da Bíblia é um veneno” e “A propagação da Bíblia é uma peste”. PURA CALÚNIA! Isso não conta na Syllabus, vide o documento em: http://www.veritatis.com.br/article/457

- Em 1844 o Papa Gregório XVI e Pio IX em 1846. Publicaram: “Não ignorais quanta diligência e sabedoria são necessárias para se traduzir fielmente a Palavra de Deus; em conseqüência, nada há de mais fácil do que nas traduções vernáculas, multiplicadas pelas Sociedades Bíblicas, se introduzirem erros gravíssimos, seja por imprudência, seja por fraude de tantos tradutores; tais erros, aliás, permanecem ocultos, para a perdição de muitos, dada a multidão e a variedade de tais Sociedades. Às Sociedades Bíblicas pouco ou nada interessa o fato de que os homens que lêem a Bíblia em vernáculos, caiam em um ou outro erro; mais lhes importa que acostumem aos poucos a exercer o livre exame a respeito do sentido das Escrituras e a menosprezar as tradições divinas contidas na doutrina dos Padres e guardadas na Igreja católica, repudiando assim o próprio magistério da Igreja” (D.S. Enquirídio nº 2771). Foram estas “Sociedades Bíblicas Piratas” que forjaram as lendas sobre a “proibição”.

- Agora veja o porquê da preocupação dos Papas, narrado por um autor protestante: “Não é possível de modo algum excusar este crime de Zwínglio; a cousa é por demais manifesta; (…) .” “Não o podeis negar nem ocultar porque andam pelas mãos de muitos os exemplares dedicados por Zwínglio a Francisco, rei de França, e impressos em Zurique no mês de março de 1525. Na aldeia de Munder, na Saxônia, no ano 60 eu vi na casa do reitor do colégio, Humberto, não sem grande maravilha e perturbação, exemplares da Bíblia alemã, impressas em Zurique, onde verifiquei que as palavras do Filho de Deus haviam sido adulteradas no sentido dos sonhos de Zwínglio. Em todos os quatro lugares (Mt., 26; Mc., 14; Lc., 22; I cor., 11) em que se referem as palavras da instituição do Filho de Deus, o texto achava-se assim falseado: Das bedeutet meinen Leib, das bedeutet meinen Blut, isto significa o meu corpo, isto significa o meu sangue.” (Conr. Schluesselburg, op. cit. f. 44 a.) (citações em padre Leonel Franca, op. cit., pág. 211). Viu só, “pastor”? Até hoje vocês acham que “significa”.

- E por fim, destroçando a calúnia que acusa a Igreja de ter aversão pela Bíblia, mostro esse texto católico de 1480, antes da “reforma”: “Todos os cristãos devem ler a Bíblia com piedade e reverência, … os que puderem devem fazer uso da versão latina de São Jerônimo; mas os que não puderem e as pessoas simples, leigos ou do clero…devem ler a versão alemã de que agora se dispõe, e, assim, armarem-se contra o inimigo de nossa salvação” (The publisher of the Cologne Bible [1480] ), semelhante estímulo, lê-se no oficial ‘Enquirídio Bíblico 477’.

- Continuemos com a derrocada do “pastor”, segundo ele: “Eis alguns pontos do confronto Bíblia-Catolicismo:”

1º – “ADORAÇÃO”. – Aqui, ele usa o manjado blefe protestante, fácil de derrubar. Confunde (Êxodo 20,4) onde se proíbe “ídolo” FESEL (“פסל”), e não IMAGEM sacra. RESPOSTA: Só Deus, é adorado na Igreja Católica. O mesmo Deus, que no livro do Êxodo, manda Moisés fazer dois querubins de ouro e colocá-los sobre a Arca da Aliança (Ex 25,18-20) e manda-lhe, também fazer uma serpente de bronze e colocá-la por cima duma haste, para curar os mordidos pelas serpentes venenosas (Num 21,8-9) e manda ainda, Salomão enfeitar o templo de Jerusalém com imagens de querubins, palmas, flores, bois e leões (I Reis 6,23-35 e 7,29). Deus proíbe apenas fazer imagens de deuses falsos, e adorá-los, como os pagãos, mas Ele não proíbe fazer outras imagens (Jz 18,30-31). Curiosamente na cidade de Abreu e Lima – PE, há uma estátua de um vaidoso “pastor” ainda vivo, às margens da BR 101, quase em frente de uma dita “Assembléia de Deus”.

Eis o verdadeiro sentido desta proibição bíblica, no seu contexto: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te fez sair do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de minha face. Não farás para ti escultura alguma, do que (daqueles deuses, que na errada imaginação dos pagãos) está em cima nos céus, ou abaixo sobre a terra, ou nas águas, debaixo da terra. Não te prostrarás diante deles e não lhes prestarás culto, (à imitação dos pagãos) (Ex 20,2-5). – Esta proibição, intencionada por Deus, repete-se em vários lugares da Bíblia, como por exemplo: “Não adores nenhum outro deus“( Ex 34,14 ) ou “Não farás para ti deuses fundidos”( Ex 34,17). O falsário tradutor protestante João Ferreira, andou colocando nas bíblias protestantes a palavra IMAGEM DE ESCULTURA” onde consta ÍDOLO (que quer dizer deus falso), Mas, Deus não proibiu Imagem de escultura. Entregaram os pontos em (Jz 18,30-31). Os santos são VENERADOS e não são ídolos. Vimos acima que 92% das igrejas protestantes sabem disso.

- Adiante, gratuitamente alega ele, que: “No Catolicismo as imagens tem prioridade por serem esteio da Igreja”. – PURA CALÚNIA! O esteio da Igreja é JESUS CRISTO e este nos fez saber através de São Paulo que: “a Igreja é esteio da verdade” (1 Tim 3,15). – Em seguida ele cai do cavalo, dizendo que: “no rosário há 166 contas, 150 para as ‘Ave Maria’ e 16 para os ‘Pai Nosso’”. - RESPOSTA: O herege blefa, como se “Ave Maria” não fosse uma expressão do próprio Deus, através do Arcanjo Gabriel à Maria. Não sabe ele que, para cada valiosíssimo Pai-nosso rezado são necessárias 10 Ave-Marias para equivaler a oração do Pai, que tanta graça nos tem dado. Sem falar que a meditação do orante é toda destinada aos 04 mistérios de Cristo. Só resta dizermos: “Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis.” (Tito 1,15). – Como já provamos antes: “ídolo deus”, contraria os mandamentos e não IMAGENS DE ESCULTURA, que Deus na Bíblia, tanto mandou fazer (1Reis 6,23-35 e 7,29).

- Adiante, ele sabendo que os Católicos VENERAM e nãoadoram”, os santos. Citou gratuitamente a frase: “DEUS É ESPÍRITO, OS VERDADEIROS ADORADORES ADORARAM O PAI EM ESPÍRITO E VERDADE, PORQUE O PAI PROCURA TAIS QUE ASSIM O ADOREM.” (João 4,23). – RESPOSTA: Por acaso será que ele pensa que os Católicos não ADORAM O PAI EM ESPÍRITO E VERDADE? Fazemos isso desde antes de Lutero nascer e inventar o protestantismo. Quanto sofisma. Como diz o versículo seguinte que ele omitiu: “DEUS É ESPÍRITO. E IMPORTA QUE OS QUE O ADORAM O ADOREM EM ESPÍRITO E EM VERDADE.” (João 4,24). Coisa que os protestantes não fazem na Eucaristia. – Em seguida blefa ao dizer: “Adorar em espírito é usar a mente e o coração em direção a Deus, sem fitar imagens de escultura que anula a devoção”. PURA CALÚNIA! E em VERDADE, na Eucaristia, “pastor”? Não esqueça a serpente de bronze colocada por cima duma haste, para ser vista e curar os mordidos pelas serpentes venenosas (Num 21,8-9), esta simbolizava o próprio Cristo (Jo 3,14). Para dizer que os católicos “adoram” deuses, eles teriam que dizer que Santo Expedito não é Santo Expedito, mas Deus. Mas, caiu do cavalo o “pastor”, ao saber que toda oração aos santos diz: “rogai por nós, junto a Deus”.

2º – “MEDIAÇÃO”. – O omisso “pastor” citou o trecho: ” Só há um mediador entre Deus e os homens, que é Jesus Cristo (1Timóteo, 2, 5)”. Querendo insinuar que não há outros mediadores. O texto completo original de São Paulo diz: “Porque há um só Deus e só há um mediador entre Deus e os homens, que é Jesus Cristo homem, QUE SE DEU A SI MESMO PARA REDENÇÃO DE TODOS” (1Timóteo, 2, 5-6). e aí mostramos como a interpretação protestante é falsa, pois o próprio texto de São Paulo – inteiro, sem a tesoura protestante – mostra em que sentido Cristo é único mediador – como Salvador de todos os homens. São Paulo, na mesma carta em que declara Jesus como único mediador entre Deus e os homens, o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.” (l Tm 2,5-6), indica também intercessores ‘secundários’ (1Tm 2, 1-3): “…Antes de tudo, que façam deprecações, orações, INTERCESSÕES e ações de graças por todos os homens (…) POR QUE ISTO É BOM E AGRADÁVEL DIANTE DE DEUS, NOSSO SALVADOR. Pois, fazer orações á Deus por mediação de outros, é de fato, ser intercessor “Antes de tudo”. Logo os protestantes fazem vista grossa para isto. Portanto o “pastor” precipitou-se quando criminosamente disse que os bispos e padres, (biblicamente mediadores), inclusive a Mãe de Deus, “agem como impostores”. Agora sabemos quem é o impostor e falsificador da palavra de Deus, pois (1Tm 2,1-3) nos manda mediar, interceder por todos.

3º – “ETERNIDADE E SALVAÇÃO”. – Neste item, ele certo de sua “salvação”, usando versículos isolados, dirigidos aos judeus descrentes e pagãos, e baseando-se apenas no simples passaporte luterano da “fé”, que sem obra é morta (Tg 2,24-26), citou fora de contexto: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo tu e tua casa; quem crer no Filho de Deus tem vida eterna; quem crer e for batizado será salvo.” -RESPOSTA: os demônios crêem em Deus, mas a fé sem as obras é morta. (Tg 2,19-20). Dizia São Paulo aos convertidos: “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.” (1 Cor 9,24). E ainda: “Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus” (Mt 7,21). Será que os protestantes fazem a vontade de Deus em Rom 16,17-18? Claro que não. Pois estão numa dissensão da fé, servindo ao próprio ventre.

- E alegava ele: “Dom HELDER CÂMARA, no entanto falando à Revista Veja nº 867, surpreendeu dizendo que <<”Não tinha certeza da Salvação da sua alma”>>. Continuava o velhaco “pastor”: “Como harmonizar o testemunho desse bispo com as afirmativas do Novo Testamento?” – E sofismava o herege “pastor”: “Se o bispo está nessa situação espiritual, que dizer do católico comum?”RESPOSTA: quem pergunta é porque não sabe, e se não sabe é bom que não ensine. O Saudoso e exemplar cristão, Dom HELDER CÂMARA, em sua grande sabedoria, nada mas fez do que repetir as palavras de São Paulo: “Ao contrário, castigo o meu corpo e o mantenho em servidão, de medo de vir eu mesmo a ser excluído depois de eu ter pregado aos outros”(1 Cor 9,27), “Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia” (1 Cor 10,12). Está provado, “pastor”, que a sua farsa protestante da “salvação certa” não harmoniza com o Novo Testamento, até o despretensioso São Paulo escreveu: ” Porque de nada me sinto culpado; mas nem por isso me dou por justificado; o Senhor é quem me julga. Pelo que não julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não só porá às claras o que se acha escondido nas trevas, mas ainda descobrirá os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor” (1 Cor 4, 4-5). Não diga quem sobe ao céu, e nem quem desce ao inferno, “pastor” (Rm 10,6-7). Não sabe para onde vai o “evangélico” que se diz “salvo”. Isto é estelionato teológico.
Em seguida, ele arma outro sofisma para enganar os tolos, escreveu sem fonte: “Alguns bispos e padres quando faleceu o Dr. Tancredo Neves, proclamaram que ‘Os anjos levaram a alma de Tancredo para os braços de Deus!’, o que foi confortador, mas sete dias depois a Igreja deu marcha ré ordenando missas por Tancredo nas chamas do purgatório! Afinal Tancredo está nos “braços de Deus ou em tormento?”

RESPOSTA: repito: quem pergunta é porque não sabe, se não sabe é bom que não ensine, “pastor”. O seu GRAVÍSSIMO ERRO está em pensar que o purgatório é fogo de tormento, engana-se. O PURGATÓRIO É O FOGO DA PURIFICAÇÃO e cabe apenas aos salvos. O FOGO DO TORMENTO É O INFERNO e cabe aos condenados. O Purgatório não é um estado definitivo mas temporário. E fica neste estado aquele que ao morrer não esteja plenamente purificado das impurezas do pecado, já que no Céu não pode entrar nada que seja impuro (Ap 21, 27).

No Purgatório, Jesus em sua infinita misericórdia, purificará suas almas. Um exemplo bem claro desta purificação, está na profecia de (Malaquias 3, 2- 4) onde diz: “Mas quem suportará o dia da sua vinda? E quem subsistirá, quando ele aparecer? Porque ele será como o fogo do ouvires e como o sabão dos lavadeiros. E assentar-se-á, afinando e purificando a prata; e purificará os filhos de Levi e os afinará como ouro e como a prata; então, ao Senhor trarão ofertas em justiça. E a oferta de Judá e de Jerusalém será suave ao Senhor, como nos dias antigos e como nos primeiros anos”. Isso prova que, quem quer ser salvo, terá que ser purgado, e purgado no fogo, queira ou não, pois Jesus já apareceu.

Portanto “pastor”, engula suas palavras quando disse que a Igreja teria dado “marcha ré” quando teria ordenado missas à Tancredo. A missa é uma oração ao falecido, e assim manda as Escrituras: “Se alguém vir seu irmão cometer pecado que não é para a morte, orará, e Deus dará a vida àqueles que não pecaram para a morte. Há pecado para a morte, e por esse não digo que ore. Toda iniqüidade é pecado, e há pecado que não é para a morte”. (leves, veniais)(1 João 5, 16-17). (conforme bíblia protestante de João Ferreira de Almeida). Se essa ignorância sobre o evangelho é de um “pastor”, que dizer do “evangélico” comum? Bem sabemos a resposta.

Adiante, ele acusava gratuitamente a Igreja de “dificultar a salvação para tirar proveito”. Resposta: Como vimos acima o “pastor” errou. E tudo que a Igreja ensina é Bíblico. Diferente do seu uso de paletó, falar alto e ritmado, bíblia debaixo do braço, repúdio a caridade e conveniente SALVAÇÃO FÁCIL, para tirar proveito financeiro dos indoutos. Lembre-se que o Jovem rico acreditava e praticava os mandamentos, mas sem caridade, JESUS NÃO O ACEITOU. Imagine os das divisões da fé? (Romanos 16,17-18), que São Paulo diz não servir a Cristo.

4º – “LIMBO E PURGATÓRIO” – Neste item, dizia o embusteiro: “LIMBO E PURGATÓRIO são lugares intermediários para onde ‘vão as almas dos católicos quando morrem’ – as demais Igrejas desaprovam esses dogmas. – Esse (sic) lugares não existem mas são lucrativos e a Igreja não os dispensa”. – Resposta: PURO INSULTO! Recentemente o presbiteriano Jerry L. Walls, professor de filosofia e religião, publicou um artigo na revista teológica protestante First Things”, chamado “Purgatório para Todos” (Purgatory for Everyone). É farta na Bíblia, a menção do estado da purificação, desde os livros de Macabeus, Malaquias e cartas de S. Paulo. O purgatório é a purificação dos salvos. O inferno é a condenação dos ímpios. A Igreja Católica, nunca explorou seus fiéis com a doutrina do purgatório, o que é bem diferente das “igrejas evangélicas”, que não existiam até o século XVI e que hoje tiram proveito financeiro de seus seguidores em tudo que se possa pensar, vendendo desde paletó até esculturas de formiga preta, principalmente bíblia para analfabetos. Tudo isso, incluindo “igrejas evangélicas”, e “descarregos” são estranhíssimos à Bíblia, meras invenções humanas lucrativas.

- Escrevera ainda o indouto “pastor”: “O LIMBO é mais indecifrável, pois sendo instituído para receber as almas das crianças que morrem sem batismo, abriga também, os que por razões especiais não estão no purgatório”. PURA CALÚNIA! Tal lenda do “LIMBO” NUNCA foi declarado artigo de fé pela Igreja. Sobre este assunto assim diz o Catecismo da Igreja Católica:<<Quanto às crianças mortas sem Batismo, a Igreja só pode confiá-las à misericórdia de Deus, como o faz no rito das exéquias por elas. (CIC Cânon 1261)>>. Cai a farsa.

RESPOSTA 10 – “O VATICANO E O PEDESTAL DE MARIA (I)”

Muito embora esteja claro nas escrituras, que Maria é mãe do Senhor (Lucas 1, 43), que “todas as gerações” a “proclamarão Bem-aventurada” (Lc 1, 48), que a Confissão protestante de Augsburgo reconheça em Maria um papel especial dizendo: Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau”(Art. 21,27). O raivoso “pastor” dragão, dedicou duas páginas de ódio visceral à Mãe de Deus, as quais refutaremos linha por linha. Satanás tem ódio de Maria, de sua obediência e de sua humildade! Está escrito: “E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao resto de sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo” (Ap 12,17). Ele sabe que não tem forças contra Maria (Ap 12,14-16), por isso nos ataca, por guardarmos o testemunho de Jesus. Daí começava ele pelo Papa João Paulo II, o servo dos servos.

- Ignorando o enorme crucifixo com Cristo, que porta o Papa, sua ira se voltava para a pequena frase “TOTUS TUUS” (todo teu) no escudo do Papa. Ser TODO de Maria, é também ser TODO de Deus, como Jesus. Foi Jesus, filho de Maria que disse: “Eis aí tua mãe”, ao discípulo presente. Mas o satânico olho do “pastor” viu o Papa se referindo a Maria como “co-redentora”. Pura maldade! “Co-redentor”, quer dizer apenas, ‘aquele que coopera na Redenção’, todos podem sê-lo. Diferente da fé do “pastor”, essa é a fé única, de um só Senhor, um só batismo e um só Deus, Pai de todos, pai de Maria e do Papa (Ef 4,5-6). – Depois, buscava ele um deslocado versículo fora de contexto e dizia: “Honraram e serviram mais a criatura que o Criador”. – Resposta: Aí é que o “pastor” se engana, antes de inventarem o protestantismo, a Igreja há 1517 anos, já ensinava amar Deus sob todas as coisas, e que Rm 2,10 sugere “glória” e “honra” á todos. Vimos que, até a Confissão de fé protestante reconhece: Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau”(Art. 21,27). Fim do engodo do “pastor” dragão.

- E para completar seu sofisma, ele recorreu a uma artimanha, usou uma das adulterações da bíblia de João Ferreira, que TROCOU criminosamente a palavra ÍDOLO dos originais por IMAGEM DE ESCULTURA, para fazer confusão. E usando dessas adulterações, dizia o velhaco “pastor”: “Deus não reparte Sua glória com imagens de escultura! (Isaias 42:8)”. - Resposta: Como nos originais, leia-se: “fesel” “COM ÍDOLOS”, como já vimos, Deus não proíbe imagem de escultura (Jz 18,31), mas o ídolo deus (Jz 18,24), que era antes a mesma imagem de escultura depois admitida. Como a maioria dos hereges protestantes, o “pastor” não sabe que a glória que Deus não reparte é a sua glória de divindade; mas que, por outro lado, ele concede às criaturas outras glórias. Com prova, está escrito: “Deus concede graça e glória” (Salmo 84,11) ou (Salmo 83,12); “O que… Deus preparou para nossa glória” (1 Cor 2,7); -“Os que chamou, também os justificou, e os que justificou, também os glorificou” (Rm 8,30);“Vi outro Anjo descendo do céu, tinha um grande poder e a terra ficou iluminada com a sua glória” (Ap 18,1); “Eu lhes dei a glória que me deste” (Jo 17,22); – “Glória, honra e paz para todo aquele que pratica o bem” (Rm 2,10)! Será que Maria e os demais santos não praticavam o bem??? É fácil assim, que derrubamos as “igrejas” de areia protestantes.

- Usando versículos fora de contexto e INVENTADOS por ele, dizia ainda o energúmeno: “Na eternidade ‘Não se casa nem se dá em casamento,’ disse Cristo, não haverá sexo, ninguém nasce porque ninguém morre! ’Todos serão como anjos de Deus, a carne e o sangue não herdarão o Reino dos Céus’. – Sendo assim com que propósito o catolicismo alimenta a idéia de Maria como mulher estar no céu com prerrogativas especiais? (Mt 22:30 e I Cor 11:50).” – Resposta: Quem pergunta é porque não sabe. Não se fala de “sexo” em nenhum dos seus versículos citados. Em (Mt 22,30), diz apenas: “Porque, na ressurreição, nem casam, nem são dados a casamento; mas serão como os anjos do céu”. E “I Cor 11:50” NÃO EXISTE na Bíblia. Que vergonha, “pastor”!!! Maria é a “mulher” até no sinal do céu: “Uma MULHER revestida de sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. Ela deu à luz um Filho, um varão, que há de reger todas as nações com vara de ferro” (Ap 12,1,5). Quem usa coroa, senão uma rainha? Maria é Rainha do Céu e da Terra! Só ela foi e é “cheia de graça”! A palavra que expressa isso, em grego, é kekaretome, palavra que significa ser que foi desde sempre, que é ainda agora, e que continua sendo cheia de graça, isto é Imaculada, sem pecado original. O criminoso “pastor” para enganar os incautos deturpou (Mt 22,30) colocando a palavra “sexo” e ainda inventou (I Cor 11:50) que não existe na Bíblia. É assim que pregam o ódio contra a mãe de Jesus.

- Dizia ainda o herege: “MUITOS DÓGMAS DO CATOLICISMO por serem” – segundo ele – “anti-bíblicos levaram séculos para serem assimilados”. – PURA CALÚNIA! Todas as doutrinas católicas já eram vivenciadas desde o início do cristianismo como provamos, e só precisaram ser confirmadas na medida que surgiam os hereges querendo-as abolir. E enumerava o herege “pastor”, suas calúnias que derrubamos uma-a-uma, dizia:

“1º – No Concílio de Éfeso. Ano 431 declararam Maria como Mãe de Deus”. – PURA CALÚNIA! Na Bíblia, Isabel fala: “a MÃE DE MEU SENHOR” (Lucas 1, 43); quem é o SENHOR? Tenho certeza que ele me dirá que é Deus, não vá me decepcionar… Se o SENHOR é DEUS, Maria, que é Mãe do Senhor, é MÃE DE DEUS. Isto acaba com as pretensões do “pastor”. O Apóstolo S. Tiago Menor, cita na liturgia: “... a gloriosíssima Mãe de Deus, sempre Virgem Maria”. (S. jacob in Liturgia sua). – São Cirilo de Alexandria (370-442), assim discursou no Concílio de Éfeso: “Causa-me profunda admiração haver alguns que duvidam em dar à Virgem Santíssima o título de Mãe de Deus. Realmente, se Nosso Senhor Jesus Cristo é Deus, por que motivo não pode ser chamada de Mãe de Deus a Virgem Santíssima que o gerou? Esta verdade nos foi transmitida pelos discípulos do Senhor, (…) Em particular Santo Atanásio (295-373), nosso pai na fé, de ilustre memória, na terceira parte do livro que escreveu sobre a santa e consubstancial Trindade, dá freqüentemente à Virgem Santíssima o título de Mãe de Deus. Veja que desde os apóstolos Maria é “Mãe de Deus”. – Prosseguiam as lorotas do “pastor”, dizia:

“2º – O Concílio de Latrão, ano 649, determina que Maria não teve outros filhos”. – PURA CALÚNIA! Nunca houve “Concílio de Latrão” no ano 649. Vimos acima o apóstolo Tiago menor declarar: “… Mãe de Deus, sempre Virgem Maria. (S. jacob in Liturgia sua). Mais de 200 anos antes dessa falsa data do “pastor”, já dizia Santo Agostinho (+430): “Com efeito, assim como nesse sepulcro nenhum morto foi sepultado, nem antes, nem depois, (Jo 19,41), também no seio virginal de Maria, nem antes nem depois, ser mortal algum foi concebido.” (De fide et symbolo IV,8.11). - E mentindo e corrompendo a Bíblia, dizia o velhaco: “O Novo Testamento registrou que ‘José não coabitou com Maria SOMENTE ATÉ nascer Jesus’”. – PURA MANOBRA! Ele ACRESCENTOU a palavra “SOMENTE ATÉ” em (Mt 1, 25), para vender sua farsa. Seu blefe se baseia nas suas acrescentadas palavras “SOMENTE ATÉ”, QUE NÃO CONSTAM no texto de Mateus, que até a bíblia protestante de João Almeida traduz por “ATÉ QUE”. Lá, quer dizer apenas, que José não conheceu Maria, e nasceu Jesus, e não fala que este a conheceu depois. Confirmava Lutero: “Destas palavras não se pode concluir que, após o parto, Maria tenha tido consórcio conjugal. Não se deve crer nem dizer isto.” (Obras de Lutero, edição Weimar, tomo 11, pg. 323). Ora, quando São Paulo escreveu à Timóteo: “Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá.” (1Tim 4,13), Isso não significa que depois da chegada de São Paulo, Timóteo tenha abandonado sua vida missionária. Na bíblia, os “irmãos do Senhor” dito em hebraico, refere-se aos primos e discípulos (Jo 20,17-18). Jesus crucificado, entregou sua mãe ao discípulo João, filho de Zebedeu e Salomé, e não à supostos “irmãos” carnais que nunca existiram.

– O “pastor” se engana feio ao dizer que: “Maria deu a luz seu Filho PRIMOGÊNITO, se foi primogênito vieram outros depois”.PURO ENGANO! Jesus foi apresentado como primogênito no templo, sem que viessem outros depois (Lc 2,22-23). Deus ordena: contar todo o primogênito varão dos filhos de Israel, da idade de um mês para cima (Num 3, 40). Ora, se há primogênito de um mês de idade, como é que se pode exigir que, para haver primeiro, haja um segundo? Logo, há primogênito sem que haja, necessariamente, um segundo filho. Era PRIMOGÊNITO quem nascesse menino ou animal macho, e não se nascesse outro depois daquele (Ex 13, 2). Curiosamente a tradução protestante confirma que primogênito é aquele que abrir toda madre, sem precisar de outro (Ex 13, 2). – Adiante, alegava o “pastor”, que: “Iminentes (sic) Cristãos do século II, registraram que Maria teve outros filhos com José; afinal casar-se e ter Filhos não desonra, o que desmerece e muito é a condição de celibatário!”. – PURO INSULTO! Ele não mostrou esses “Iminentes (sic) Cristãos” do século II, porque não existem. Ele sequer sabe escrever, “Iminentes” quer dizer AMEAÇADORES. Quando ele blasfemando, alega que a condição de celibatário “desmerece e muito”, ele está desmerecendo Jesus Cristo, São Paulo, Timóteo, Tito e os apóstolos, celibatários. É a palavra de Deus, que diz: “Estes são os que não se contaminam com mulheres, pois são virgens. São aqueles que acompanham o Cordeiro por onde quer que se vá; foram resgatados dentre os homens, como primícias oferecidas à Deus e ao Cordeiro” (Ap 14,4). A Igreja casa quem quer casar e ter filhos. Mas só os solteiros ou abstinentes como Maria e José, “cuidam das coisas do Senhor e agradam ao Senhor” (1Cor 7, 32- 34). Quanto ao “pastor” casado, só lhe restam as coisas do mundo.

Seguia ele: “3º – No concílio de Nicéia, ano 787, instituíram o Culto à Maria (hiperdúlia)”.PURA CALÚNIA! Não se “cultua” Maria, VENERA-SE. Os apóstolos já veneravam Maria Santíssima desde os primeiros séculos: O apóstolo Santo André citou em suas documentais luturgias: “Maria é Mãe de Deus, resplandecente de tanta pureza, e radiante de tanta beleza, que, abaixo de Deus, é impossível imaginar maior, na terra ou no céu.” (Sto Andreas Apost. in transitu B. V., apud Amad.). também São Tiago apóstolo registra: Maria é a Santíssima, a Imaculada, a gloriosíssima Mãe de Deus. (S. Jac. in Liturgia). São Cirilo de Alexandria (370-442) rezava assim: “Salve, Ó Maria, Mãe de Deus! Vós enclausurastes em vosso sagrado seio o Deus Único que é incontenível. Ó Maria, Mãe de Deus! Com os pastores nós cantamos o louvor de Deus, e com os anjos o canto de agradecimento: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade. Ó Maria, Mãe de Deus! Por meio de ti nos veio o Conquistador e Vencedor triunfante do inferno.” (Patrística). Pobre “pastor”.

Resmungava o embusteiro: “A Igreja foi hábil pedindo a uma mulher, a Imperatriz Irene, que presidisse o Concílio de Nicéia, para sensibilizar os bispos na aprovação da devoção à Maria”. - PURA CALÚNIA! A imperatriz Irene APENAS reuniu o Sétimo Concílio Ecumênico de Nícéia, com 300 bispos para amenizar as leis iconoclastas, este Concílio foi presidido pelos legados romanos, e não pela Imperatriz, como escorrega o “pastor”, muito menos se deteve a pessoa de Maria. – Ele tentou também rotular de “nova devoção” a sanção do Papa Adriano I a antiga veneração de Maria, e se enganou brutalmente. Pois “sancionar” quer dizer CONFIRMAR o que já existia, não cabendo aqui a palavra “nova devoção”. Bola fora. (consulta: “http://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Adriano_I&#8221;).

- Dizia ainda ele, sofismando: “Essa devoção é ilusória, Maria não toma conhecimento, porque inclusive os Santos, não tem Onipresença e Oniciência (sic), atributos exclusivos de Deus”. - Resposta: Este é um velho truque enganador dos “pastores”, eles pegam as palavras Onipresença e Onisciência, atributos de Deus, e maliciosamente aplicam aos santos, quando os santos, não fazem uso disto, eles tem visão beatífica (1Cor 13,12, “face a face”, e 2 Pd 1,4) são “participantes da natureza divina”: “… tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos.” (Ap 5,8-9). “E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus ” (Ap 8,4) . Cai mais um sofisma. – Prosseguia:

“4º – O Dogma da ‘Imaculada Conceição’ foi proclamado em 1854 pelo Papa Pio IX, por conta própria e sem consultar nenhum Concílio”.Resposta: Pura calúnia! O Papa apenas confirmou o que antes existia, diante de 53 cardeais, de 43 arcebispos, de 100 bispos e mais de 50.000 romeiros vindos de todas as partes do mundo, em 08/12/1854. ***Explicando: a Imaculada Conceição é o fato de nossa Senhora ter sido concebida sem Pecado Original, não tendo jamais pecado. Este fato é professado pelos apóstolos e pelos “VENERÁVEIS PAIS DA IGREJA” citados pelo “pastor”. Provemos: sugere São Paulo: Maria foi Seu perfeito tabernáculo (Hb 9,11); São Tiago apóstolo registra em sua liturgia: “Maria é a Santíssima, a Imaculada, a gloriosíssima Mãe de Deus.” (S. Jac. in Liturgia). Santo Atanásio (295 -373), diz: “Maria é Mãe de Deus, completamente intacta e impoluta.” (Sto. Ath. Or. in pur. B.V.). Santo Agostinho (354-430), escreveu: – “Nem se deve tocar na palavra “pecado” em se tratando de Maria; e isto em respeito Àquele de quem mereceu ser a Mãe, que a preservou de todo pecado por sua graça.” (Sermão 215,3). – Como vemos, do que fala o “pastor” nada se aproveita. Seguia caluniando o enganador:

“5º – Cem anos depois, em 1950 a velha Igreja Católica escorrega de novo, deixando a cristandade perplexa! Baseando numa lenda infantil, de 15 séculos atrás, o Papa Pio XII proclama a Assunção de Maria”. – PURA CALÚNIA! Houve só a confirmação da Assunção. Toda a cristandade viveu, vive e viverá a Assunção de Maria. Maria ainda era viva quando as escrituras encerraram, mas o livro de apocalipse já professava sua assunção (Ap 12,1-5). É calúnia gratuita a “lenda infantil”, citada pelo embusteiro “pastor”. Vários livros históricos dos cristãos dos primeiros séculos documentam a Assunção de Maria, são: Acts of St. John by Prochurus, no século II; Joannis liber de Dormitione Mariae, e De transitu B.M. Virginis, ambos do século IV, etc. – Desmascaremos agora o “pastor”, mostrando que São João Damasceno que morreu no ano 749 (MUITO ANTES DE 1950) já festejava a ASSUNÇÃO DE MARIA, escreveu: “… Não é Maria que precisa de elogios, nós é que precisamos de sua glória. Um ser glorificado, que glória pode receber ainda? a fonte da luz, como será iluminada ainda? Ela [Maria] cativou o meu espírito, ela reina sobre a minha palavra, dia e noite sua imagem me é presente. Mãe do Verbo, dá-me de que falar!… Eis aquela cuja festa celebramos hoje em sua santa e divina Assunção”. (São João Damasceno (675-749) – da homilia sobre a dormição da Mãe Santíssima de Deus na festa da Assunção – pág. 96, 753-761).

Levantando falso testemunho e mostrando-se completo desconhecedor da palavra de Deus, dizia o venenoso “pastor”: “Cogitam aumentar o peso de sua coroa proclamando-a ‘Rainha dos Céus, Mãe de todas as graças’ e outros exageros que se estivesse aqui recusaria”. – Resposta: Repudiamos sua caluniosa pretensão, “pastor”. Como mostramos antes, Maria, mãe do Senhor, já foi coroada muito antes, pelo próprio Deus: “Uma Mulher revestida de sol, tendo a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. Ela deu à luz um Filho, um varão, que há de reger todas as nações com vara de ferro” (Ap 12, 1,5). Mãe de Deus, o “pastor” já sabe que ela é: “MÃE DE MEU SENHOR” (Lucas 1, 43); cheia de graça, disso ele não tem dúvida, mesmo adulterando sua bíblia: “Ave, cheia de graça …” (Lc 1, 28), a palavra que expressa isso, em grego, é kekaretome = cheia de graça. - O seu delírio e desinformação é tanto que ele escreveu: – “Já há entre eles quem deseje uma posição de Maria na Santíssima Trindade!” Resposta: PURA CALÚNIA! Não sabe o “pastor” que trindade quer dizer “três”. E se ele se refere ao excomungado frei Leonardo Boff e seu blasfemo livro: O Rosto Materno de Deus (pág 106), precisa ser urgentemente informado que este, não faz parte do corpo da Igreja Católica há muito tempo, mas muito tem recebido a simpatia de protestantes e inimigos da Igreja.

Em seguida desconhecendo que mesmo Jesus Cristo, dependendo da comunidade, tinha nome diferente, sendo a mesma pessoa. (exemplo: Jesus, Nazareno, Messias, Emanuel, Cristo, Cordeiro de Deus, Filho do homem, Salvador, etc.) Ele aqui tenta passar o ridículo de dizer: - “A mãe de Jesus é invocada no Catolicismo como Nossa Senhora do Parto, das Dores, da Agonia, etc.” – Resposta: Como no caso de Jesus, as comunidades primitivas muitas vezes não tendo certeza do nome de um venerável, associavam a ele sua cidade ou um fato marcante de sua vida. Quando dizemos: Nossa Senhora do Parto (é do parto de Jesus), das Dores (é das Dores de Jesus), da Agonia (é da Agonia de Jesus), do Ó (é da gestação de Jesus, referindo a sua barriga redonda). Como pode alguém que se diz cristão e “pastor”, ver maldade nisso. Diz as escrituras: “Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis.” (Tt 1,15). E mais, ele disse mentindo, que “Maria é adorada em todo o Brasil”, corrija: Maria não é “adorada” em todo o Brasil. Mas, VENERADA no Brasil e na grande maioria das nações, por Católicos, Ortodoxos, Anglicanos e Luteranos, POR TODAS AS GERAÇÕES, como está na Bíblia (Lc 1,48). O “pastor” não vive o Cristianismo, mas o anticatolicismo, por isso está de fora.

E ainda, criminosamente tentando deturpar outro assunto, dizia o herege: – “Muito mais estranho é a doutrina dos jesuítas no ‘ELUCIDARIUM DE POSA’, onde descreve Maria, concorrendo como homem e mulher para produzir o corpo de Cristo”.PURA DETURPAÇÃO! Os Jesuítas apenas referem-se que na terra, fique claro, Maria foi mãe e pai de Jesus em sua geração carnal, visto que Jesus não teve o pai carnal na terra, apenas. Nada de anormal nisto. E encerrando esse capítulo de blasfêmias dizia o vilipendiador: – “As Igrejas protestantes não são irreverentes assim com o nome da mãe do Salvador!”Resposta: ALELUIA!!!!!! Note que finalmente ele reconhece Maria como “MÃE DO SALVADOR”, ALELUIA!!!!!! Quanto a irreverência das “igrejas protestantes” são as piores possíveis, chamam a MÃE DO SALVADOR de: “IDOLO”, “BONECA”, “UMA COMO OUTRA QUALQUER”, “DEMÔNIO”, “DEUSA”, “DEFUNTA”, etc. E a irreverência física das “igrejas protestantes” vai além: tem uma chamada “Acalanto” só para gays, uma chamada “Sinos de Belém” para pederastas, uma chamada “Universal” que faz “descarrego”, uma chamada “Bola de Neve” só para surfista tatuado, uma chamada “Assembléia de deus” para quem grita na rua, uma chamada “Catedral Esperança” só para lésbicas e Draig Queens, outra chamada “Cuspe de Jesus”, “Cobra de Moisés” e por aí vai. Acabam assim as lorotas do “pastor”.

RESPOSTA 11 – “O VATICANO E O PEDESTAL DE MARIA (II)”

E seguia o criminoso “pastor”, em desrespeito ao Artigo 208 do Código Penal, insultando a Igreja de Jesus Cristo e sua Santa Mãe. Caluniava: “Quando a Imagem de Maria foi introduzida pela primeira vez nas Igrejas no ano 450, o clero acalmava os Cristãos explicando que a imagem servia para ‘CONTRABALANÇAR’, com as formosas deusas pagãs que desfilavam nas procissões de Roma, inferiorizando o Cristianismo”.PURA CALÚNIA! O clero nunca falou esta asneira; desde o ano 390, Teodósio já havia proibido o culto pagão. Como vimos antes, as imagens tantas vezes na Bíblia solicitadas por Deus, já eram usadas pelos primeiros Cristãos desde as catacumbas de Roma, no séc. I. Vem dos primeiros tempos do Cristianismo, envolvendo até o Apóstolo São Pedro, que teria chegado na Península Ibérica com uma imagem de Nossa Senhora Jerusalemitana, esculpida por São Lucas.” Diz o jornalista, pesquisador de História e escritor J. Muniz Jr. (Jornal A Tribuna de Santos, 9/9/97). Sto. Agostinho que faleceu em 430, bem antes de 450, já ensinava: “Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos”. – Sem saber que O TERÇO DOS HOMENS é uma das reuniões que mais crescem na Igreja, dizia o desinformado “pastor”: “…a devoção à Maria é para sensibilizar e atrair o sexo feminino que mobiliza famílias e pessoas para as missas e festas dos santos padroeiros.”PURA CALÚNIA! Esse é mais um atentado do criminoso “pastor” à inteligência das mulheres, à Igreja e à fé das pessoas. Só falta ele falar que Deus foi desonesto quando escolheu Maria para ser Mãe de Jesus, e não ele. Deu para sentir o ranço da inveja do “pastor”.

- E continuava, acusando desta vez os Jesuítas e os Dominicanos, de usarem as mesmas mulheres subestimadas por ele. Tudo calúnia gratuita. Mais verdadeiro seria o “pastor”, se confessasse que os protestantes calvinistas em 15 de julho de 1570, mataram 40 jesuítas, entre eles Inácio de Azevedo, morto a cutiladas, segurando um quadro da Virgem Maria, tão odiada pelos “evangélicos”. (Enciclopédia Microsoft Encarta 99).

O desprezo do “pastor” pela capacidade das mulheres certamente é eco do que dizia delas Lutero: “… se a esposa reclamar, o marido deve responder à admoestação: Vá para o diabo”. (Weimar – vol. III. p. 222).

- Adiante, gratuitamente, assim mesmo, sem fonte e sem vergonha na cara, ele alega que: – “Em 5 de março de 1967 na Capela Sixtina (Sixtina???) o pontífice (?), ignorando as Sagradas Escrituras, reafirmou a blasfêmia que desloca Jesus (?) proclamando: ‘Vamos à Maria, através dela chegaremos a Jesus!’” - E sofismava o herege “pastor”: “Embora sem êxito a Igreja teima na posição de Maria como mediadora”. - Resposta: O êxito de Maria e da Igreja de Cristo vem desde o “SIM” de Maria ao anjo Gabriel. O “pastor” mente e está muito mal informado sobre o que inventa. Jesus poderia ter vindo ao mundo de qualquer outro modo, poderia ter escolhido qualquer outro meio. Escolheu Maria, seu “mais perfeito tabernáculo” (Hb 9,11), que o “pastor” odeia. Foi então por meio da Virgem Maria que nos vieram todas as graças. E quem é meio, é mediador. Maria é mediadora secundária, por mediação hipotética, isso é, mediadora por que Deus quis – foi sua vontade – vir a nós por meio de Maria. O senhor nega isso blasfemo “pastor”? Claro que não. E para destruir de vez o seu sofisma diabólico, lanço mão do texto de um cristão primitivo, para mostrar que a sua data citada 1967, é um blefe, pois mais de 1500 anos antes, Maria já era mediadora. Escreveu São Cirilo de Alexandria (370-442): “Salve, ó Maria, tu que trouxeste em teu sagrado seio virginal o Imenso e Incompreensível; por ti; é glorificada e adorada a Santíssima Trindade; por ti, se festeja e é adorada no universo a cruz preciosa; por ti, exultam os céus; por ti, se alegram os anjos e os arcanjos; por ti, são postos em fuga os demônios; por ti, cai do céu o diabo tentador; por ti, é elevada ao céu a criatura decaída; por ti, todo o gênero humano, sujeito à insensatez dos ídolos, chega ao conhecimento da verdade; por ti, o santo batismo purifica os que crêem; por ti, recebemos o óleo da alegria; por ti, são fundadas igrejas em toda a terra; por ti, as nações são conduzidas à conversão”. (Patrística). E sabe porque são fundadas igrejas por ela, “pastor”? Porque “Deus, o Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens.” (At 17,24), e os apóstolos se reuniam para rezar, junto a Maria (At 1,14). Pode estrebuchar, blasfemo “pastor”, que pinta o nome de Deus e de Jesus na frente de falsas “igrejas”.

- Omitindo que se apodera de 10% ou mais do salário, ou do que passar pela mão de cada arauto protestante, o herege “pastor” resolve alegar que: – “O nome da mãe de Jesus é usado na Igreja Católica para vários fins. Na cidade de Aparecida, usam-no para atrair romeiros, em geral pessoas crédulas, das quais a Igreja recolhe proventos usando vários artifícios”.PURA CALÚNIA! Convidamos o herege “pastor” a nos acompanhar sem levar um só centavo. Aprenderá que na Igreja Católica, diferente da dele: “cada um contribua segundo propôs o seu coração, não com tristeza ou por necessidade;…” (2Cor 9,7). Verá que o que atrai as pessoas a Aparecida e a outros templos Marianos, é a verdadeira fé em Deus e a busca pelos milagres, que só aqui são confirmados pela ciência. É gigantesca a quantidade de agradecimentos no museu do templo, que vai desde as visitas de famosos e campeões do esporte, até o agradecimento do povo humilde, que trazem partes simbólicas de corpos que se regeneraram. São essas coisas, “pastor”, que a sua inveja esconde e calunia, dizendo não trazer benefício espiritual. Saiba que é a ciência que determina o milagre católico. Na sua fé são os suspeitos “pastores”.

Confirmando a mão de Deus sobre os santuários marianos, um grupo de teólogos luteranos, da Alemanha Oriental, publicou um texto denominado “Manifesto de Dresden”, na revista “Spiritus Domini”, número 5, em maio de 1982. Eis alguns trechos que tira o sono dos “evangélicos”:

“Em Lourdes, em Fátima e em outros santuários marianos, a crítica imparcial se encontra diante de fatos sobrenaturais, que tem relação direta com a Virgem Maria, seja mediante as aparições, seja por causa das graças milagrosas solicitadas pela sua intercessão. Estes fatos são tais que desafiam toda a explicação natural. (…) Sabemos ou deveríamos saber que as curas de Lourdes e Fátima são examinadas com elevado rigor científico por médicos católicos e não-católicos. Conhecemos a praxe da Igreja Católica, que deixa transcorrer vários anos antes de declarar alguma cura milagrosa. Até hoje, 1200 curas ocorridas em Lourdes foram pelos médicos consideradas cientificamente inexplicáveis. Todavia a Igreja Católica só declarou milagrosas 44 delas. Nos últimos 30 anos, 11000 médicos passaram por Lourdes. Todos os médicos, qualquer que seja a sua religião ou posição científica, tem livre acesso ao “Bureau des Constatations Medicales”. Por conseguinte, uma cura milagrosa é cercada das maiores garantias possíveis. Qual é, pois, o sentido profundo destes milagres no plano de Deus? (…) E também nós, cristãos-evangélicos, podemos ainda, em virtude de preconceitos, passar ao lado destes fatos sem nos aplicarmos a um atento exame? Uma tal atitude não implicaria grave responsabilidade para nós? Por que um cristão evangélico pode ter o direito de ignorar tais realidades pelo fato de se apresentarem na Igreja Católica e não na sua comunidade religiosa? Tais fatos não deveriam, ao contrário, levar-nos a restaurar a figura da MÃE de DEUS na Igreja Evangélica? Somente Deus pode permitir que Maria se dirija ao mundo, através de aparições. Não nos arriscamos talvez a cometer um erro fatal, fechando os olhos diante de tais realidades e não lhes dando atenção alguma? Cristãos Evangélicos da Alemanha, deveremos talvez continuar a opor-lhes recusa e indiferença? Continuaremos a nos comportar de modo que o inimigo de Deus nos mantenha em atitude de intencional cegueira? (…) Não nos é possível passar ao largo e encampar tudo no silêncio. Hoje, em alguns países, está em causa a existência mesmo do Cristianismo. Seria o cúmulo da tolice ignorarmos a voz de Deus que fala ao mundo, pela mediação de Maria, e dar-lhe as costas, unicamente, porque Ele faz ouvir sua voz através da Igreja Católica. Como quer que seja, não podemos calar por muito tempo sobre tais realidades. Temos que examiná-las, sem preconceito, pois é iminente uma catástrofe. Poderia acontecer que, rejeitando ou ignorando a mensagem que Deus nos faz chegar através de Maria, estejamos recusando a última graça que ele nos oferece para a nossa salvação”. (até aqui o Manifesto de Dresden).

- Como vemos “pastor”, o que não traz “benefício espiritual” é a sua atitude reprovada pelos teólogos protestantes. Os romeiros estão corretos em sua devoção que muito tem contribuído para a aproximação de Deus desde o início. O contrariando, escreveu Lutero,: “A delicada mãe de Cristo sabe ensinar melhor do que ninguém – pelo exemplo de sua prática – como devemos conhecer, louvar e amar a Deus”… (introdução ao Magnificat, ano 1522).

- Sarcasticamente, o “pastor” falava que: - “O clero não crê nos milagres e lendas em torno das Imagens”. – Resposta: Isso é óbvio e ético, a Igreja não é seita “evangélica” que qualquer enganação é dada como “milagre”. A Igreja coloca sob aval da ciência as investigações, e nada é declarado fato até ser estudado e comprovado cientificamente pelos médicos. Milhares de casos foram confirmados, é nesses que o clero crê. Daí o andamento para canonização de muitos santos. Reproduzo a única frase sóbria que o “pastor” citou em seu texto: “A Igreja de modo nenhum pretende fazer de tais relatos matéria de fé”. Pois aqui não se pratica curandeirismo como fazem as seitas como a do “pastor”. Portanto, o clero acredita sim, em tudo que já foi confirmado, e só no que já foi confirmado cientificamente como ação de Deus através das imagens, das relíquias e dos santos.

- BASÍLICA DE APARECIDA: O espertalhão “pastor”, contou uma estória errada, inventada para enganar “evangélico”, sobre a Basílica de Aparecida. É assim que ele e outros alimentam a ignorância dos incautos que exploram, omitindo o maravilhoso e inexplicável evento, que fez aqueles pescadores que encontraram a imagem no rio, abarrotarem suas canoas de peixe, quando antes não haviam pescado nenhum. O criminoso e mentiroso “pastor”, contava uma estória falsa de uma “imagem fujona”, acusando levianamente o padre José Alves Vilela de “espertalhão”, que “planejava tudo, e que na missa dizia que a santinha desejava uma igreja no morro”, e que o bispo “desobedeceu a imagem fujona e fez o templo onde se encontra”. – PURA LOROTA! Tudo invenção do espertalhão “pastor”. ***** AGORA A VERDADE: o pescador que encontrou a imagem no rio, a restaurou e ficou com ela em casa por mais de quinze anos, mais tarde passou a seu filho Atanásio Pedroso, que lhe fez um oratório. Muitos milagres aconteceram e edificou-se uma capelinha, depois uma maior em 1888 (Basílica velha). Em 1931, no Rio de Janeiro, então capital da República, diante do presidente Getúlio Vargas, Nossa Senhora foi aclamada RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL. Mais tarde se construiu a Basílica atual, consagrada pelo Papa em 1980, hoje um dos maiores centros de peregrinação do mundo. (Um santo para cada dia, Mario Sgarbossa – Luigi Giovannini, pág 326-327, Ed. Paulus).

Inventando imóveis e cifras ridículas, dizia o financeiro “pastor”: – “A Fundação de Aparecida faz na cidade um grande negócio! Possui Hotel, 4 restaurantes, 80 lojas, uma fábrica de velas, estação de rádio, etc. Esse complexo rendia em 1980, 600 milhões de cruzeiros, ou seja, 4 vezes o orçamento do Município!” - PURA CALÚNIA! Duvido que uma simples fabriqueta de velas, uma rádio com programação religiosa, uma casa de hospedagem com comida baratinha e pequenas lojas de artigos religiosos possa arrecadar “600 milhões de cruzeiros” mesmo em 1980, ano que na verdade, para estrebucho do “pastor” era o ano da Consagração da Basílica pelo Papa. Já que o “pastor” gosta tanto de cifras, porque será que ele omite que os “evangélicos” explorando a religião arrecadam anualmente 3 Bilhões de Dólares com a indústria (pasmem) de entretenimento, vendendo um boneco chamado “Blibeman”, com máscara de diabo e com uma espada na mão? (matéria da Veja 3/7/2002, pág 91). É como diz a palavra de Deus: “a boca fala o que transborda do coração” (Mt 12, 34).

- Adiante, sem saber que no dicionário, AVE quer dizer SALVE e vice-versa, numa tentativa esdrúxula de satanizar, a segundo ele: “REZA AVE MARIA”, que todos conhecemos como ORAÇÃO DA AVE MARIA, que é composta de trechos bíblicos. O médium “pastor” acusava esta oração de ter sido misturada com (pasmem) doutrina espírita, no trecho: “Rogai por nós na hora da nossa morte”. – E apelava o herege: – “Pois a expressão é estranha no Cristianismo e na Bíblia. Os cristãos jamais apelaram para os mortos, mesmo que tenham sido santos.” - PURA CALÚNIA! Será que o “pastor” não leu sobre a intercessão do FALECIDO SANTO ELISEU? “… lançaram o homem, na sepultura de Eliseu, e, caiu nela o homem e tocando os ossos de Eliseu, reviveu e se levantou sobre os seus pés.” (2 Reis, 13, 21). Os Pais da Igreja, que ele chamou de “VENERÁVEIS” também o contrariam: Em 340, Santo Atanásio, resumindo os dizeres de seus antecessores nos primeiros séculos, São Justino, Santo Irineu, Tertuliano, e Orígenes, exclama: “Todas as hierarquias do céu vos exaltam, ó Maria, e nós, que somos vossos filhos da terra, ousamos invocar-vos e dizer-vos: Ó vós, que sois cheia de graça, ó Maria, rogai por nós!” (Biblioteca Patrística).

Isso porque ninguém está morto para Deus, de acordo com a Bíblia: (Ap. 6, 9-10), (Mc 12,26-27), (Mt 27,52-53). Maria possui a visão beatífica (1 Cor 13,12; 2 Pd 1,4), e além do mais, não existe época no paraíso, somente eternidade e, portanto, nem Maria ou os anjos estão sob o limite do tempo, e por isso podem ouvir todas as nossas orações. Pouco honesto “pastor”, não engane mais os incautos com o seu versículo cortado que diz: << (I Tim 2,5): “Só há um mediador entre Deus e os homens, Jesus cristo”…>>. O texto completo original de São Paulo diz: “Porque há um só Deus e só há um mediador entre Deus e os homens, que é Jesus Cristo homem, QUE SE DEU A SI MESMO PARA REDENÇÃO DE TODOS” (1Tim 2, 5-6).”

E aí mostramos como a interpretação protestante é falsa, pois o próprio texto de São Paulo – inteiro, sem a tesoura protestante – mostra em que sentido Cristo é único mediador – como Salvador de todos os homens. Tem mais: Em 1522, Lutero já protestante, escreveu um comentário do Magnificat de Maria, no qual diz: “Peçamos a Deus que nos faça compreender bem as palavras do Magnificat… Oxalá Cristo nos conceda esta graça por intercessão de sua Santa Mãe! Amém”. Isso prova a ignorância deste que se diz “pastor”. Se fosse como ele tenta enganar: Jesus seria o único rei, o único senhor, o único sacerdote, único pastor etc… E no entanto ele, o “pastor”, não se auto intitularia de “pastor”, atacando a fé única e católica que Jesus Cristo fundou. Não serve a Cristo quem promove dissensão, “ (Rm 16,17-18), esse sim é pastor de bodes.

- E para coroar sua burrice, encerrando este capítulo, o primário “pastor” escreveu: “Cristo não ensinou rezas, ensinou orações”.PURO ENGANO! Caro leitor, pegue seu dicionário e verá que REZAR quer dizer ORAR, e ORAR quer dizer REZAR. O primário “pastor” baseia-se somente na tradução que tem a mão. E continuava, escorregando no dicionário do pai da mentira, dizia: – “Rezar é repetir textos decorados, usando o rosário como instrumento de repetição”. – PURO INSULTO! Seu preconceito só o afasta de Deus. No Getsemani, Cristo “Deixou-os e foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras (Mt 26, 40-44). Exatamente como fazem os Católicos. O rosário hoje, serve apenas para somar as “mesmas palavras”. Muito “evangélico” indouto, pela sua má tradução, insultam como “vã repetição” o que os católicos e Jesus corretamente fazem, sem notar estes enganados, que o que os católicos rezam ou oram são o Pai Nosso e a Ave Maria, conforme a Bíblia. Sendo assim, eles queimando a própria carcaça, estão chamando de “VÔ o Pai Nosso e a Ave Maria, palavras de Deus, que eles sempre evitam em seus cultos e orações pessoais. Já eles, quando “oram” erroneamente, improvisando falácias gritantes e repetindo aleluia, aleluia, aleluia, em AUTO FALANTES, caem no pecado que adverte a original palavra de Deus, que diz: “Nas vossas orações, não multipliqueis palavras, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos á força de palavras” (Mt 6,7). Não seja como os hipócritas, que oram em pé nas esquinas das ruas, para serem visto pelos homens (Mt 6,5). Cai outra “igreja” de areia protestante.

EXPLICANDO O ÓDIO DOS FILHOS DA SERPENTE À MARIA:

Deus disse à serpente, que representa o diabo: “Porei ódio entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a dela; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gênesis 3,15 conforme os originais.)

O ódio encarniçado dos “evangélicos” brasileiros à mãe de Jesus, é uma coisa recente e localizada, que os cristãos primitivos desconheciam. Este ódio cego, insuflado por ditos “pastores” indoutos, muitas vezes ex-presidiários, que inculcam na cabeça dos desavisados que se deve odiar Maria para amar Jesus, quando Maria em todos os tempos, sempre foi venerada por todos os cristãos, como “Mãe de Deus”. É comum encontrarmos “evangélicas” iludidas por tais “pastores” querendo odiosamente mudar de nome por se chamarem “Maria”. Em pesquisa particular, verifiquei o quanto é evitado o nome da mãe de Jesus entre eles. O nome de profetisas, e até de adúlteros, são dados a seus filhos, mas o de Maria, é rigorosamente evitado, o fanatismo beira o absurdo.

A verdadeira atitude dos cristãos primitivos foi deixada de lado, e é vendido o antagonismo ao catolicismo, como “religião”, sem o menor censo crítico de saber, se o que os católicos professam é correto. e se for os “pastores” sofismam forjando que não é. Essa é a receita do protestantismo atualmente no Brasil. Estão sempre atacando e caluniando Maria. Hora caluniam que ela teve outros filhos, ou que é “uma como outra qualquer”, sempre levados por escritos apócrifos do passado. Mas, estão errados, os escritos de seus “reformadores” os corrigirá:

Calvino, os contrariando, aceita o título “Mãe de Deus”. Sustenta a perpétua virgindade de Maria, afirmando que “os irmãos de Jesus” citados em Mt 13,55 não são filhos de Maria, mas parentes do Senhor; professar o contrário, segundo Calvino, significa “ignorância”, “louca sutileza” e “abuso da S. Escritura”. – É confirmado que a palavra “irmãos de Jesus” no pobre dialeto hebraico, significava “PRIMOS de Jesus”. A tradução para o grego apenas manteve a forma como os hebreus falavam, causando tremenda confusão entre os indoutos e recentes “evangélicos”, que nunca encontrarão na bíblia, outro que não seja Jesus, sendo chamado de “filho de Maria”.

Martinho Lutero, também os contrariando, escreveu a respeito de Maria em 1522, sendo já protestante:

“O que são as servas, os servos, os senhores, as mulheres, os príncipes, os reis, os monarcas da terra, em comparação com a Virgem Maria, que, além de ter nascido de uma estirpe real, é também Mãe de Deus, a mulher mais importante da terra? No meio de toda a cristandade ela é a jóia mais preciosa depois de Cristo, a qual nunca pode ser suficientemente exaltada; a imperatriz e rainha mais digna, elevada acima de toda nobreza, sabedoria e santidade”.

“Por justiça teria sido necessário encomendar-lhe um carro de ouro e conduzi-la com 4.000 cavalos, tocando a trombeta diante da carruagem, anunciando: ‘Aqui viaja a mulher bendita entre todas as mulheres, a soberana de todo o gênero humano’. Mas tudo isso foi silenciado; a pobre jovenzinha segue a pé, por um caminho tão longo e, apesar disso, é de fato a Mãe de Deus. Por isso não nos deveríamos admirar se todos os montes tivessem pulado e dançado de alegria”.

“Esta única palavra ‘mãe de Deus’ contém toda a sua honra. Ninguém pode dizer algo de maior dela ou exaltá-la, dirigindo-se a ela, mesmo que tivesse tantas línguas quantas folhas crescem nas folhagens, quantas graminhas há na terra, quantas estrelas brilham no céu e quantos grãozinhos de areia existem no mar. Para entender o significado do que é ser mãe de Deus, é preciso avaliar e pesar esta palavra no coração”. (explicação de Lutero para o Magnificat). [Fonte: livro "Maria - Der Weg der Mutter des Herrn", traduzido para o português por Irmã Arturis e publicado em Curitiba no ano de 1982]. (Está sepultado o ódio, a calúnia e a difamação contra Maria).

Ao ler estas palavras de Martinho Lutero, que até o fim de sua vida honrava a mãe de Jesus, que santificava as festas de Maria e diariamente cantava o Magnificat, se percebe quão longe os “evangélicos” brasileiros iludidos, estão da correta atitude para com ela, como mesmo o blasfemo Lutero os ensina, baseando-se na Sagrada Escritura. Vemos profundamente, como os “evangélicos”, se deixaram envolver por uma mentalidade racionalista desses modernos enganadores, que denominam de seus “pastores”, apesar de que em seus escritos confessionais, se lêem sentenças como esta: “Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau” (Art. 21,27) da Apologia da Confissão de Augsburgo)! Não entraram na fila das gerações profetizadas em Lucas 1,48.

RESPOSTA 12 – “A CEIA DO SENHOR E A MISSA (I)”

Desconhecendo que o culto Cristão sempre foi a Missa (missio = missão), caluniava o embusteiro “pastor”: – “’A MISSA’ substituiu o Culto Cristão no ano 394, e tornou-se sacramento a partir de 604”. - PURA CALÚNIA! Plínio, o jovem, no ano 113, escreveu ao Imperador Trajano, descrevendo a missa dos cristãos exatamente como é hoje. Vejamos ainda, o venerado pelo “pastor”, São Justino (que faleceu em 165), na Apologia, após descrever a missa do século II tal qual a conhecemos hoje: “Designamos este alimento eucaristia. A ninguém é permitido dele participar, sem que creia na verdade de nossa doutrina, que já tenha recebido o batismo de remissão dos pecados e do novo nascimento, e viva conforme os ensinamentos de Cristo. Pois não tomamos estas coisas como pão ou bebida comuns; senão, que assim como Jesus Cristo, feito carne pela palavra de Deus, teve carne e sangue para salvar-nos, assim também o alimento feito eucaristia (…) é a carne e o sangue de Jesus encarnado. Assim nos ensinaram.” (Primeiro livro das Apologias de S. Justino, pág. 65-67.)

- E escorregava ainda o “pastor”, dizendo: “A CEIA DO SENHOR, que era simples como se vê no quadro da ‘Última Ceia’ de Leonardo da Vinci, foi celebrada dessa forma por doze séculos, mas no ano 1200 a Igreja Católica substituiu o pão pela Hóstia”.PURA BALELA! Leonardo não pintou “quadro”, mas um mural, onde erra tudo. O pão judaico é chato, ázimo e circular, e não aquele francês fermentado do mural, que nem cálice tem. A Igreja nunca “substituiu” o pão pela Hóstia, no dicionário, Hóstia, quer dizer: ‘PARTICULA DE PÃO ÁZIMO’. Cristo e os apóstolos repartiam exatamente o PÃO ÁZIMO (1Cor 5,7-8). Estranho é “pastor” aceitar o pão francês fermentado do mural no seu culto, e recusar o Cristo como foi pintado no mesmo mural.

- Delirava ainda o embusteiro: – “A Ceia Cristã sofreu nova agressão quando o Concílio de Roma, 1215-16, isolou as palavras figuradas de Cristo <<Isto é meu corpo e isto é meu sangue>>, fizeram uma péssima exegese criando o dogma da Transubstanciação”.PURA CALÚNIA! Não se cria dogma. Vejamos o que muito antes, diz na missa, este PAI DA IGREJA venerado pelo “pastor”: São João Crisóstomo (349-407), escreveu: “Aqui está Cristo presente. O mesmo Cristo que em outros tempos dispôs a mesa do Cenáculo, tem disposto esta para vós; pois não é um homem, certamente, aquele que faz as ofertas se converterem em corpo e sangue de Nosso Senhor, senão Cristo mesmo, para nós crucificado. Aqui está o bispo que O representa, e que pronunciou as palavras que bem sabeis; mas o poder e a graça de Deus são o que produzem a transformação. Isto é o meu corpo, diz o bispo, e esta palavra transforma as ofertas. (S. João Crisóstomo, In proditionem Judae hom. I, 6). Péssima mentira e péssima exegese protestante. O “pastor” me lembra os escarnecedores de Cristo.

- Continuava o escarnecedor: – “No ano 1414, o papa João XXIII, retirou o vinho da cerimônia e as Igrejas passaram a servir aos fieis somente a hóstia. – O Catolicismo diz que esse papa foi ‘antipapa’ mas acolhem essa sua decisão”. - PURA CALÚNIA! Este João XXIII (1414), verdadeiramente era antipapa. Os católicos não seguem sua, qualquer “decisão”. Nunca foi “negado” o vinho aos fiéis. Na Bíblia, há só pão na comunhão. Desde o princípio, quando cresceu a comunidade cristã, partir o pão ázimo era suficiente (1Cor 5,8), (At 2,42), (At 2, 46-47); em maior grupo partiam o pão apenas (At 20,7). O que não pode é negar Cristo ao povo e fazer uma vã farra “recordativa”, como fazem os protestantes, que tomam, indignamente, suco de uva e pão de padaria fermentado (1Cor 5,8). Respondemos ainda, que sempre foi só o pão na comunhão, com outro venerável do “pastor”: Santo Inácio de Antioquia (entre 69 e 107), atacando os hereges Docetas dizia: “Ficam longe da Eucaristia e da oração, porque não querem reconhecer que a Eucaristia É A CARNE DO NOSSO SALVADOR, Jesus Cristo, a qual padeceu pelos nossos pecados e a qual o Pai, na sua bondade, ressuscitou. Estes, que negam o dom de Deus, encontram a morte na mesma contestação deles. Seria melhor para eles que praticassem a caridade, para depois ressuscitar.” (Carta aos Esminiotas cap 4,1).

- Seguia o escarnecedor, agora dizendo que: “O dogma da Transubstanciação foi aprovado no Concílio de Trento em 1551, e que a partir desse Concílio” – Achincalhava: – “qualquer sacerdote Católico, com um passe, transforma o trigo, vinho e água em carne, ossos, sangue, nervos e cabelos de Cristo, tudo dentro de uma hóstia”. -Resposta: PURO INSULTO À CRISTO! A Igreja apenas confirmava, desta vez em Trento, a doutrina de Jesus, negada pelos primeiros hereges protestantes; como fez S. Paulo: “Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei…” (1 Cor 11, 23-28); como vimos acima Santo Inácio de Antioquia (entre 69 e 107) atacando os hereges docetas; assim como também vimos São João Crisóstomo (349-407), vivendo a TRANSUBISTANCIAÇÃO, e dizendo: “Isto é o meu corpo, diz o bispo, e esta palavra transforma as ofertas. Cai o insulto do “pastor”.

- Subestimando os grandes Teólogos Católicos, dizia o embusteiro: – “A palavra ‘Eucaristia’ significa ação de graças, até hoje os teólogos católicos desentendem entre si sobre a aplicação desse termo no ‘santíssimo sacramento’.”PURO DELÍRIO! Todos os Teólogos Católicos, Ortodoxos e Anglicanos que vivem a Eucaristia, designa primeiramente, o pão da Sagrada Comunhão, um Sacramento Cristão. Quem nunca se entende são os recentes “evangélicos” com Deus e com seus “deformadores”. O próprio golpista Lutero, vencido nessa confissão aos cristãos de Estrasburgo admite a Eucaristia, dizia: “Confesso que o dr. Karlstadt ou qualquer outro me teria prestado um grande serviço, se, há cinco anos, tivesse provado que no Sacramento só havia pão e vinho. Naquela ocasião tive grandes vexames e lutei e torci por encontrar uma saída, pois vi que com isso podia dar o maior golpe contra o Papado. Também havia dois que eram mais hábeis que o dr. Karlstadt e que não martirizavam tanto as palavras segundo seu próprio parecer. Mas estou preso, não encontro saída. O texto é tão majestoso que com palavras não se deixa tirar da mente.” (De Wette, II-576 e segs.; citado em Lúcio Navarro, A legítima interpretação da Bíblia, Campanha de instrução religiosa Brasil-Portugal, 1958, pág. 448). Parece até, que é a blasfêmia e o insulto, que sustenta a fé avessa dessa gente. Os sofismas dos “pastores” os afastaram de Deus.

- Em seguida, usando opinião apócrifa, ele acusa o Papa Pio IX de gloriar-se “com suposto dogma proclamado”, e de ter dito que seria “superior a Maria que deu a luz a um Cristo, ele poderia fazer quantos quisesse”. – PURA CALÚNIA! No 1º Concílio Vaticano, celebrado por Pio IX, não consta essa palhaçada do “pastor”. Este foi o vigésimo Concílio da Igreja que inclusive, apenas confirmou toda a devoção a MÃE DE DEUS. Bola fora! (Encarta).

– Tendo chutado antes 1216,1551 e agora 1198, caluniava ele: - “Até o século XII, nenhum cristão aceitava que a farinha se transformava em Cristo, até que surgiu um papa autoritário e truculento que sancionou o dogma! Esse papa foi Inocêncio III, ano 1198”. – PURA CALÚNIA! O Papa, como ele diz, apenas confirmou o que já havia. Já mostramos acima, vários PAIS DA IGREJA, venerados pelo “pastor”, afirmando que o pão e o vinho transformam-se no corpo de Cristo. Como temos prova de sobra, mostraremos mais esta, de muito antes do século XII: São Cirilo de Alexandria (370 – 442) dizia: “(…) Porque o Senhor disse mostrando os elementos: Isto é meu corpo, e Este é o meu sangue, para que não imagineis que o que ali aparece é uma figura, senão para que saibas com toda segurança que, pelo inefável poder de Deus onipotente, as oblações são transformadas real e verdadeiramente no corpo e sangue de Cristo; e que ao comungar delas recebemos a virtude vivificante e santificadora de Cristo.” (Cirilo de Alexandria, Comment. In Math. XXVI, 27). – Ele acusando injustamente o Papa Inocêncio III de “autoritário e truculento”, tenta jogar uma cortina de fumaça sobre os gigantescos massacres promovidos pelos protestantes, como: A sangrenta Invasão a Roma; a morte de 30.000 camponeses; a morte dos Jesuítas; a queima de 20.000 mulheres pelo luterano Benedict Carpzov; as queimas de crianças na Suécia; o extermínio dos anabatistas; o massacre de Passy; as 900 mortes de Nicholas Romy; e muito mais. – Ele ousou descrever um fantasioso “Perfil” do Papa Inocêncio III, que de pronto já desmascaramos abaixo:

O competente Papa Inocêncio III, dificilmente poderia ser o monstro que o “pastor” tenta fantasiar. Ele provocou a ira do Rei João da Inglaterra ao negar-se a aceitar suborno, outro teria aceitado. Suas objeções a Inocêncio III, vem do fato dele haver pregado firmemente a devida autoridade papal e de ter enviado missão para converter os maus católicos Cátaros de Albi. Esses “albigenses” seguiam uma heresia gnóstica dualista, criam em dois “deuses”, um bom e um mal (Satã); rejeitavam os sacramentos, casar era pecado, eram sexualmente permissivos, evitavam a gravidez e o aborto era encorajado. Isso não era cristianismo e a sociedade e a Igreja não partilhavam disto. Note-se porém, que o Papa Inocêncio III condenou veementemente os excessos da guerra de conquista, iniciada apenas depois que a busca da conversão dos albigenses, feita por meios pacíficos ter fracassado. Quanto a outra missão, enfrentou os muçulmanos, porque estes invadiram a Terra Santa para impedir os cristãos de lá chegarem, tendo demolido muitas Igrejas cristãs. Os que há novecentos anos libertaram Jerusalém considerariam estúpidos os que lhes tivessem dito que davam cumprimento àquilo que seria chamado de “cruzada”. Para eles, era “iter”, “peregrinatio”, “succursus”, “passagium”. Cruzada, é um termo propagandista anticatólico, criado só no séc. dezoito, pelos “deformadores”, para inventar “exército sangrento” para a Igreja. O protestante cinema americano faz o resto do trabalho sujo. Tal Papa, também é conhecido por sua luta contra a corrupção na Igreja, tendo sido o patrono e sancionador das primeiras ordens mendicantes de S. Francisco de Assis e S. Domingos. E mais: este Papa NUNCA disse que: “o céu e a terra se submetem ao vigário de Cristo”; como caluniava o “pastor”. Foi contra a “Carta Magma” por esta excluir os humildes e tratar privilégios apenas do rei e da burguesia; Não “instituiu” o confessionário e a hóstia, os CONFIRMOU, a confissão é Bíblica (Tg 5 15-16), e o pão ázimo também (1Cor 5,7-8); nunca proibiu a leitura da Bíblia, senão apenas das bíblias adulteradas vernáculas. Não “instituiu” a Inquisição, HOMOLOGOU um tribunal para questionar e apurar os casos de heresias dentro da Igreja, almejando a conversão. Dizia a Bula Papal da época:Mais vale absolver culpados do que, por excessiva severidade, atacar a vida de inocentes… A mansidão mais convém aos homens da Igreja do que a dureza.” A Transubstanciação foi apenas, outra vez CONFIRMADA por ele, diante de novos hereges, os cristãos sempre a vivenciaram, provamos antes.

(Papa Inocêncio III – Site Agnus Dei / Prof. Carlos Ramalhete), (“Cruzada” – Corriere dela Sera, 26 de julho de 1999 – Vittorio Messori.)

- E ainda mastigando a Transubstanciação, fantasiava o energúmeno: – “A Igreja resistiu o dogma por 335 anos mas foi vencida”. - Resposta: Que “igreja” fictícia e essa do “pastor”? Se a Católica de Cristo nunca foi “vencida”, pois o próprio Cristo disse: “AS PORTAS DO INFERNO NÃO PREVALECERÃO CONTRA ELA” (Mt 16, 17-19). Será que ele está chamando Cristo de mentiroso??? E sua Igreja de “vencida”??? Pois foi o próprio Cristo que instituiu a Transubstanciação após a última Ceia: “fazei isto em memória de mim”, leia (1Cor 11,23-28).

- Quanto ao respeito de não mastigar a hóstia, pedido pela Igreja, “pastor”, é pelo fato desta, após CONSAGRADA tornar-se verdadeiramente o Corpo de Cristo, como lhe ensinaram acima, os “veneráveis” PAIS DA IGREJA que o senhor mandou anotar. – Em seguida ele em tom de chacota, usando literatura apócrifa de ateus e hereges desertores de juramentos. Misturava a hóstia com vômito, morcegos, ratos, larvas; tentava qualquer coisa para afastá-la das pessoas, falsificou até a devoção de S. Tomás para com a eucaristia. Deveria ele ler o belíssimo Adoro Te Devote e a Suma Teológica (3,75.1) de S. Tomás. Fique sabendo, “pastor” se um rato, morcego ou larva comer o pão ázimo, NÃO TERÁ “engulido” (sic) o Cristo como o senhor achincalhou, terá engolido apenas o pão ázimo. Pois vimos antes que o pão ázimo só se torna CORPO DE CRISTO, somente depois de CONSAGRADO pelo sacerdote, na hora da missa. Nunca houve discussão escolástica sobre a Transubstanciação, senão dos escolásticos contra os hereges como os DOCETAS (vimos antes). – O gaiato “pastor”, ainda perguntou: – “que tipo de cristo possui o catolicismo Romano?”.Resposta: Possui o Cristo Salvador que alertou pela pena de S. Paulo: Portanto todo aquele que comer este pão ou beber este vinho indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor” (1Cor 11,27). Isto vale para o “pastor”, seu morcego, seus ratos, suas larvas e seus bodes (Mt 25,32-33,46). “Onde está Jesus Cristo está a Igreja Católica”, dizia S. Inácio de Antioquia no ano 106, contemporâneo de S. João evangelista, autor do livro Apocalipse.

- E num lapso primário. Ele transcreve que: – “RUBANO MAURO, anos 788-857, arcebispo de Mognuncia, considerava Heresia grave supor que na eucaristia estava presente a carne nascida de Maria”. - Resposta: omite ele que o arcebispo refere-se apenas ao alimento distribuído “sem a consagração” do sacerdote. Bola fora.

– Adiante o “pastor”, descaradamente coloca palavras na boca de Sto. Agostinho, dizendo que este “gracejava jocosamente” da transubstanciação dizendo: “Porque preparas os dentes e o estômago? Confiar em Cristo é comer o Pão Vivo, não se pode engulir (sic) Aquele que subiu vivo para o céu!”PURA FALSIFICAÇÃO! Sua fonte para esta citação teria sido o suposto “tratado sobre João nº VXV…”, perguntamos: que “nº VXV” é esse, que não existe no algarismo romano? DESMASCARANDO: É claro tratar-se de mais uma lorota do “pastor”, tal tratado sobre João, tem o XXIV e não contém a fantasiosa frase acima. Para conferir, leia o livro: C. Folch Gomes. Antologia dos Santos Padres. 2ª. Edição. São Paulo, Edições Paulinas, 1979. ou acesse <<http://geocities.yahoo.com.br/momentoscomjesuss/agostinho.htm>>. Mas, esqueçamos as ARTIMANHAS protestantes do “pastor”, e publiquemos as documentais palavras de Sto. Agostinho, sempre em favor da Transubstanciação: “O pão que vedes no altar, logo que é santificado pela palavra de Deus, é o Corpo de Cristo. O cálice, ou mais exatamente o conteúdo do cálice, logo que é santificado pela palavra de Deus, é o sangue de Cristo” (Sermão 227,1). “Estes alimentos são novos no mesmo sentido. Eles são ainda, como vedes, pão e vinho. Mas a partir de quando tiverem sido santificados, o pão será o corpo do Cristo, o vinho será o sangue de Cristo” (Sermão para o dia da páscoa). “… Caso comêsseis antes, encheríeis o estômago; ao comerdes agora edificais o espírito” (Sermão 7,1, para o dia da Páscoa). Como vemos, o protestantismo é a negação da verdade absoluta, o antagonismo do Cristianismo. Veja abaixo como se comportam:

Cristo insiste:Quem come a minha carne … permanece em mim e eu nele.” (João 6,56). O protestante discorda: Não Senhor, não é a tua carne, porque eu não o quero; é uma ceia, uma simples lembrança!… de tudo que afirmas, nada é verdade. Este “pão do céu” não existe… Este pão não é o teu corpo… Este vinho não é o teu sangue. Teu corpo não é comida. Teu sangue não é bebida. A posição dos protestantes é a posição que tomaram os fariseus e os incrédulos: “Como pode este dar-nos a sua carne a comer?” (João 6, 53), “Duro é este discurso, e quem o pode ouvir?” (João, 6, 60). – Mais adiante, para enriquecer seu EVANGELHO DO PAI DA MENTIRA, o energúmeno “pastor”, cita textos agressivos e falsos, que atacam os teólogos católicos e a Eucaristia, mas verificamos que nada disto se encontra na “LA GRANDE ENCICLOPÉDIE FRANÇAISE” citada criminosamente por ele como fonte. Esse expediente do desesperado “pastor”, tem sido comum nestas suas falsas acusações.

- Proibidos de raciocinar pela ganância, os “pastores” distanciam cada vez mais os incautos “evangélicos” do caminho de Jesus Cristo e da salvação. Eles apostam na IGNORÂNCIA dos indoutos, na “sabedoria da palavra” (1Cor 1,17) e na mentira pregada mil vezes para virar “verdade”. Esqueceram de ler Santo Agostinho e a IGNORÂNCIA TORNOU-SE MOLÉSTIA GERAL NAS DISSENSÕES. Ele encerrava este capítulo, se auto apunhalando, quando citava Santo Agostinho, que certamente nunca leu. Dizia Santo Agostinho: Eu não acreditaria no Evangelho, se a isto não me levasse a autoridade da Igreja Católica.” (Contra epistulam Manichaei quam vocant fundamenti, 5,6). É por isso que Lutero arrependido pelo seu “livre exame” da Bíblia, escrevia: “Se o mundo durar mais tempo, será necessário receber de novo os decretos dos concílios (católicos) a fim de conservar a unidade da fé contra as diversas interpretações da Escritura que por aí correm” (Carta de Lutero à Zwinglio In Bougard, Le Christianisme et les temps presents, tomo IV (7), p. 289).

RESPOSTA 13 – “A CEIA DO SENHOR E A MISSA (II)”

Enquanto Tertuliano no século II, assim se dirigia aos Gnósticos inimigos da Eucaristia: “Não priveis o mundo da sua única esperança.” (Tertuliano, De carne Christi, 5, 3 CCL 2, pág. 881). Neste capítulo, o energúmeno “pastor”, com a sua exegese do pai da mentira, continuava atacando a Instituição de Jesus Cristo e, sofismava dizendo: – “Nosso Senhor usava parábolas e metáforas dizendo: Quem beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede; Eu sou o pão que desceu do céu; minha carne é verdadeiramente comida e meu sangue bebida, etc”. – Resposta: colocava maliciosamente o enganador, parábola, metáfora e verdade no mesmo saco. Como poderia Jesus dizer “verdadeiramente”, sendo parábola ou metáfora?

Desmantelemos a arapuca do Lobo Cruel, utilizando suas mesmas frases iscas: Jesus às vezes falava por parábolas ou metáforas, mas não sempre, também falava EM VERDADE. Quando Ele disse a Samaritana: “Quem beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede” (João 4,14), falou por parábola. Mas quando disse: “Eu sou o pão que desceu do céu; minha carne é verdadeiramente comida e meu sangue bebida”: DISSE EM VERDADE. Veja a prova:

“… Em verdade, em verdade vos digo: Se não comerdes a carne do Filho do Homem e beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos.” (João, 6, 53). Antes, “Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como nos pode dar este a sua carne a comer?” ( João, 6, 52), o que mostra que Cristo falava claramente, pois ninguém entendeu em sentido figurado ou “recordação”, como quer o embusteiro “pastor. “Muitos, pois, de seus discípulos, ouvindo isso, disseram: Duro é este discurso, e quem o pode ouvir?” (João, 6, 60). – No versículo seguinte, Cristo (“o Pão que desceu do céu”), irá dizer que seu corpo não é para ser comido da forma que os judeus entenderam, ou seja, não era para comerem a carne e beberem o sangue literalmente, por isso diz Cristo: O espírito é o que vivifica; a carne de nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida” (João, 6, 63). – Cristo assim falou para afastar o engano dos que pensavam que teriam que comer-lhe a carne e beber-lhe o sangue humanos literalmente, é neste sentido que diz que a carne de nada aproveita. Mas, irá esclarecer na Santa Ceia, que será sob as espécies do pão e do vinho: -“Estando, eles, porém, ceando, tomou Jesus o pão e o benzeu, e partiu-o e deu-o aos seus discípulos e disse: Tomai e comei, ISTO É O MEU CORPO.” “E tomando o cálice, deu graças e deu-lho dizendo: Bebei dele todos.” “Porque este é o meu SANGUE do novo testamento, que será derramado por muitos, para remissão dos pecados.” (Mt 26,26-28). E adiante, desmoronando a farsa protestante, que pensa que, o pão e o vinho é só uma “recordação”, e que “não há presença real”, diz S. Paulo :Portanto todo aquele que comer este pão ou beber este vinho indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, a si mesmo o homem, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque aquele que o come e bebe indignamente, come e bebe para si a condenação, não distinguindo o corpo do Senhor.” (1Cor 11, 27-29).

Como poderia comer e beber a própria condenação quem, apenas vendo PÃO e VINHO numa “recordação”, não distinguisse o CORPO DO SENHOR? – E finalmente, S. Paulo adverte o tropeço protestante que pensa que a Ceia do Senhor é uma farra, “uma recordação”, com pão de padaria, suco de uva ou água. Dizia S. Paulo: “Mas, se algum tiver fome, coma em casa, para que vos não ajunteis PARA CONDENAÇÃO” (1Cor 11,34). Pobres “evangélicos”, postos em condenação diariamente por seus “pastores”.

São Paulo mostra a REALIDADE do corpo no pão e do sangue no vinho, pois não distinguí-los leva à condenação. Já desafiamos outros protestantes a provar o contrário, todos fugiram como Lutero. Sem cansar, respondemos ainda com este Pai da Igreja citado pelo “pastor”: Sto. Irineu (+202) “Os Apóstolos receberam este Sacrifício de Jesus Cristo e a Igreja o recebeu dos Apóstolos e Ela O oferece hoje, por toda parte, conforme a profecia de Malaquias”. (Revista COMMUNICANTES, n.35, OCTOBRE, 1990, Pág. 4).- E assim cai por terra toda a farsa protestante em querer negar a PRESENÇA DE CRISTO na Eucaristia. Infelizmente só lhes resta a condenação, por cometerem tamanha gafe teológica. É no que dá, os indoutos com as escrituras nas mãos (2 Pe 3,16) distorcendo e corrompendo–a aos seus sonhos, para sua própria perdição.

- Adiante, num esforço tremendo para negar a presença do Sangue e Corpo de Cristo na Eucaristia, ele usa falsos argumentos, atribuindo serem dos Papas: Gelásio I, Papa Gelásio II, Papa Clemente (?) e Papa Pio II”. – Resposta: TUDO CALÚNIA!!! Assim está nas fontes citadas e distorcidas pelo “pastor”: “Certamente, o sacramento do Corpo e Sangue do Senhor é algo divino, pelo qual comemos e bebemos da Divina Natureza; ainda que a substancia do pão e do vinho não cessem de existir. E, certamente, a imagem e semelhança do Corpo e Sangue de Cristo são celebradas na ação dos mistérios. (…) Da mesma forma que eles (pão e vinho) passam à substância divina pela operação do Espírito Santo,…” (Tratactus de Duabus Naturis in Christo, Advrsus Eutychen et Nestorium). Concorda a Suma Teológica de S. Tomaz. Nenhum Papa questionou a transformação. Gelásio I serviu vinho, só para combater os maniqueus. – Em seguida, dando outra demonstração de sua desonestidade o “pastor”, alega que um suposto ““Albertinus” (?), teria citado que: “04 Cardiais (sic), dois Arcebispos, 05 Bispos e 19 doutores da Igreja, interpretavam o Evangelho de João, Cap. 6:53-63, no sentido espiritual e simbólico”.PURO NAZISMO! Aqui ele funde opinião dos apostatas com os doutores. Todos os doutores da Igreja nunca tiveram dúvida sobre a PRESENÇA REAL de Cristo na Eucaristia. (Maurice Brillant,“Eucaristia”, Dedebec, Ed. Desclée de Brouwer, Buenos Aires, 1949).

- Mentia descaradamente o ludibriador de “evangélicos” dizendo: – “S. Cirilo de Jerusalém e S. Gregório de Nissa fizeram referências à “união mística” na eucaristia, mas nada falaram sobre “presença real”. - Resposta: Veja novamente que sua fonte é caluniosa e procede do pai da mentira: São Cirilo de Jerusalém (+386), que parecia falar para o herege “pastorzinho”, se exprimia desta forma: “Havendo Cristo declarado e dito, referindo-se ao pão: Isto é o meu corpo, quem ousará jamais duvidar? Havendo Cristo declarado e dito: Este é o meu sangue, quem ousará jamais dizer que não é esse seu sangue? (Cirilo de Jerusalém, Catech. mystag., LXXXVI, 2401). – Já S. Gregório de Nissa, confirmando o sacerdote que age ‘in persona Christi’, escreveu: “Corretamente, então, cremos que o pão consagrado pela palavra de Deus se torna o Corpo de Deus.” (Grande Catecismo, 37).

E sofismava o irracional “pastor”, dizendo: - “A doutrina da transformação dos elementos na Eucaristia, apresenta sérios problemas para o raciocínio! Se Cristo disse para celebrar a Ceia “Até que Eu venha” não pode estar presente! Se vem não está!” Resposta: Na Santa Ceia, quando Cristo fala “Até que Eu venha”, Ele se refere à Sua vinda visível, palpável, no segundo advento, no fim do mundo. Não confundir com Sua presença real “em espírito e vida” (Jo 6,63), (Mt 28,20), quando está na Eucaristia. Jesus foi claro, a cerimônia é para ser feita pelos Apóstolos e sucessores como Cristo a fez, até seu retorno físico, com Ele sempre conosco (Mt 28,20) “em espírito e vida” (Jo 6,63). E o que Cristo fez foi transformar pão e vinho em Seu corpo e sangue. – São Paulo mostra a REALIDADE do corpo no pão e do sangue no vinho, pois não distinguí-los leva à condenação (1Cor 11, 27-29). Está desmantelado o sofisma do “pastor” que tem sérios problemas de raciocínios e muita malícia demoníaca.

Agora atente para o completo despreparo e desconhecimento da Bíblia, pelo “pastor” que se arvorava de “orientador espiritual”. Dizia o ignorante: “Ele (Jesus) foi o primeiro a servir-se da Ceia, teria engolido a Si mesmo?”Resposta: Blasfemo “pastor”, Jesus antes provou dos alimentos comuns, jamais depois de torná-los seu Corpo e Sangue, depois disso não “engoliu” aqueles. S. Lucas assim, nas bíblias protestantes, descreve as palavras de Jesus: “…Tomai-o e reparti-o entre vós. Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide” (Lc 22,17-18). Após Jesus ter dito isto, começa a Eucaristia. “E tomando o pão e havendo dado graças, partiu-o e deu-lhes, dizendo: ‘Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim’” (Lc 22,19); “Semelhantemente, tomou (pegou) o cálice de­pois da Ceia, dizendo: ‘Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós” (Lc 22, 20). Está claro, Ele deu aos discípulos seu corpo e seu sangue, blasfemo e ignorante “pastor”. Não “engoliu a Si mesmo”, como o senhor escarnecendo, blasfemava indignamente. Na verdade, Cristo comeu antes a páscoa, mas não comeu a Eucaristia a seguir. Cai o farsante enganador.

– Escorregando, o blasfemo dizia: – “O Concilio de Trento complicou prescrevendo que: Se uma hóstia for partida em muitos pedaços, Cristo estará presente em cada fração.” Resposta: “O pão que partimos não é, porventura a comunhão do Corpo de Cristo? Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo; porque participamos do mesmo pão” (1Cor 10,16-17). Esta, o bispo católico São Paulo, já havia respondido. Que desastre!

– Desdenhava o sacrílego “pastor”, dizendo: – “Verifica-se que esse dogma não resiste a nenhuma análise; seu mais perigoso adversário não são os teólogos protestantes, mas sim os cientistas como Einstein, Oppenhelmer e outros corifeus da ciência atômica!…” - Resposta: Os “teólogos protestantes” são quase todos do seu naipe, “pastor”, que não conhecem sequer as Escrituras. Bem diferente do que o senhor pensa, seus “corifeus da ciência atômica” citados, nunca ousaram tocar no assunto Eucaristia. Muitos gênios da ciência como Copérnico, Galileu, e Ampère eram Católicos e até Einstein manifestou por diversas vezes seu respeito pela Igreja católica, Tem mais, Copérnico dedicou sua obra sobre o Geocentrismo ao Papa Paulo III. E o físico cientista Prof. Felipe Aquino defende a Eucaristia toda quinta-feira às 21h na TV Canção Nova. Aprenda já: dogma não é uma “invenção”, é sim a confirmação de uma verdade de fé antiga já vivida pelos cristãos primitivos.

- Adiante, o blasfemo e gaiato “pastor” resolve descrever falsamente os supostos atos do padre durante a celebração da missa, e é um desastre. Você que vai a missa poderá constatar que a fonte que ele cita NÃO É SÉRIA, como muitas outras já citadas. Nunca vimos tal carnaval durante a missa, e eu mesmo consultando o Pároco de minha cidade, este declarou desconhecer a calúnia do “pastor”, que precisa urgentemente ir a uma missa para reparar seu pecado. Dizia o gaiato “pastor”: – “A CELEBRAÇÃO DA MISSA é mais uma encenação do que um Culto cristão. Veja como Martinho Cochem descreve a cerimônia na Explicação da Missa, pág. 40: ‘O sacerdote durante uma só missa benze-se 16 vezes, volta-se para o povo outras 16 vezes; beija o altar 8 vezes, levanta os olhos 11 vezes, 10 vezes bate no peito e ajoelha-se 10 vezes e junta as mãos 54 vezes. Faz 21 inclinações com a cabeça e 7 com os ombros, inclina-se 8 vezes e beija a oferta 36 vezes; põe as mãos sobre o peito 11 vezes e 8 vezes olha para o céu. Faz 11 orações em voz baixa e 13 em voz alta, descobre o cálice e o cobre de novo 5 vezes e muda de lugar 20 vezes!’ ”. Puro engodo! Mais uma vez está enganado o blasfemo “pastor”, falando do que não entende. Foi por isso que S. Judas deixou escrito: “Estes, porém, blasfemam de tudo o que não entendem; e, naquilo que compreendem de modo natural, como os seres irracionais, mesmo nisso se corrompem. Ai deles! porque foram pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na rebelião de Coré.” (Jd 1,10).

Todas as calúnias do “pastor”, contra a TRANSUBSTANCIAÇÃO são BLASFÊMIAS DEMONÍACAS, não pode ser aceita por nenhuma inteligência esclarecida e alimentada pela Igreja Una e a leitura das Sagradas Escrituras, sob pena de pensando o contrário ser réu de CORPO E DE SANGUE DO SENHOR (1Cor 11, 27-29).

- A presença real de Cristo, não foi contestada nem mesmo por Lutero. Essa gente inimiga de Deus, para atacar a Igreja Católica de Cristo, queimam a própria Confissão Protestante de Augsburgo que diz em seu ARTIGO 10: DA SANTA CEIA, <<Da ceia do Senhor, se ensina que o verdadeiro corpo e o verdadeiro sangue de Cristo, estão verdadeiramente presentes na ceia , sob a espécie do pão e do vinho e são nela distribuídos e recebidos. Por isso também se rejeita a doutrina contrária (referindo-se aos batistas que negam isso).>> Deus tenha piedade deles.

RESPOSTA 14 – “PETROS, PETRA, KEPHAS E AS CHAVES DO CÉU”

Nunca houve texto mais deturpado, mais recortado e refeito pelos protestantes, na busca desesperada de alterar-lhe o sentido que se apresenta simples. As palavras de Jesus são claras: Bem aventurado és Simão Barjona, porque não foi a carne e o sangue que te revelou, mas sim meu Pai que está nos céus, e eu digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão sobre ela. E eu te darei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado também nos céus…(Mt,16,16-19). O desespero é porque Jesus fundou a Igreja Católica e a deles foi Lutero. Teriam “igreja” se não fosse Lutero?

Ao iniciar este capítulo, escorregava o artista da oratória: – “NA SUPOSIÇÃO de que Cristo edificou Sua Igreja sobre Pedro, os Papas trataram de estabelecer uma linha de sucessão com esse apóstolo.”Resposta: Desmascaremos o embusteiro e provemos a sucessão apostólica: no documento “Carta da Igreja Romana às Igrejas de Corinto”, o venerável do “pastor” São Clemente, que faleceu em 102, afirma: “os apóstolos provaram no espírito as suas primícias (…) Estabeleceram esta regra: que após a morte deles homens provados haveriam de suceder-lhe no ministério.” (Um santo para cada dia, M. Sgarbossa/ L. Giovannini, pág 304, Ed. Paulus). E Santo Irineu (180), outro venerável do “pastor”, escreveu na obra “Contra as Heresias”: “Depois de terem fundado e estabelecido a Igreja de Roma, os bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo confiaram-na à administração de Lino, de quem fala São Paulo na Carta a Timóteo. Sucedeu-lhe Anacleto …” – Eis a sucessão do papado, encontrada nos escritos cristãos do séc II ao VI : “Pedro, Lino, Anacleto, Clemente I, Evaristo, Alexandre I, Sisto I, Telésforo …” (Contra as Heresias, ano 180), (Líber Pontificalis, séc VI). Cai a lorota do “pastor”.

- Adiante o ardiloso “pastor”, querendo dá uma de professor de grego de meia tigela, para negar o primado de Pedro, dizia: – “Para isso embaralharam as palavrinhas gregas ‘petros e petra’ encontradas em Mateus 16:18, fizeram uma exegese tendenciosa e confundiram a cristandade, uma vez que ‘petros’ quer dizer seixo ou pedrinha e ‘petra’ significa rocha, que no texto e nos contextos é Cristo sobre quem a Igreja foi edificada. Equivocaram-se com essa ‘sucessão’, pois Cristo é a base da Igreja”.Respostas: Comecemos dando uma aula ao “pastor”: “petros” em grego, não quer dizer “seixo” ou “pedrinha”. “Seixo” ou “pedrinha” em grego é “lithos”, conforme a própria tradução grega em (Jo 8,7) quando Jesus manda atirar “lithos” aquele que não pecou. PEDRO É A PEDRA. A malfazeja alegação de que somente Jesus é a pedra (‘petra’), em Mt 16, e que Simão seria apenas uma pedrinha (‘petros’) – conforme estaria no grego – NÃO PROCEDE, como bem explicou o historiador Karl Keating: “Todo esse argumento é falso… A diferença de significado existe apenas, no grego ático, mas o Novo Testamento foi escrito em grego Koiné, um dialeto totalmente diferente. E no grego koiné, tanto ‘petros’ quanto ‘petra’ significam “rocha”. Se Jesus quisesse chamar Simão de “pedrinha”, usaria o termo lithos.” (Para a admissão deste fato por um estudioso protestante, veja D. A. Carson, The exporsitors Bible Commmentary {Grand Rapids: Zondervan, 1984}, Frank E. Gaebelein, ed., 8:368).
O ex-protestante, Dave Amstrong (no seu livro ’50 New Testamen Proofs for Petrine Primacy and Papacy’, 1994) afirma algo semelhante: <<”No grego Koiné do NT as palavras petros e petra não possuem significados distintos… A palavra para designar “pedra pequena” é lithos. Por exemplo, em Mt 4,3, o demônio tenta o Senhor a operar um milagre transformando algumas “lithos”, em pães; em Jo 10,31, os judeus apanham “lithos”, para apedrejar Jesus”>>

As palavras gregas PETROS, PETRA, KEPHAS, usadas pelo embusteiro “pastor”, na verdade não interessam, visto que Cristo falou em aramaico “CEFAS” = “PEDRA”. O tropeço do ignorante “pastor”, está em não perceber que: em grego, como em português, as palavras têm masculino e feminino. Foram usadas palavras diferentes para não dar a S. Pedro um nome feminino (em Aramaico isso não acontece; CEFAS é CEFAS e pronto, Pedro e Pedra NÃO SÃO PALAVRAS DIFERENTES), basta ver o uso de “Cefas” mantido na Bíblia: (Jo 1,42), (1Cor 1,12), (1Cor 3,22), (1Cor 15,5), (Gl 1,18), (Gl 2,9). – O desastre protestante ocorre, pela enganação de pregarem que somente Jesus é “pedra”. Isso é falso. Em (Isaías 51,1-2), Abraão é chamado “rocha”, assim como Jesus declarou a Pedro “pedra”. Os protestantes podem se consolar dizendo que Pedro, Tiago e João tinham um papel mais importante entre os apóstolos, mas terão que admitir, que somente a Pedro “pescador de homens” (Lc 5,10), Jesus disse para “pastorear” suas ovelhas (Jo 21,16). E sempre que os apóstolos são citados na Bíblia, Pedro é citado primeiro.

- Sofismava o vil “pastor”: – “Paulo escreveu à Igreja de Corinto que, Cristo é o alicerce da Igreja, e advertiu que “NINGUÉM PODE LANÇAR OUTRO FUNDAMENTO (I Cor 3:11)”. – Resposta: “Ninguém” mortal e pecador como Lutero. MAS CRISTO PODE E O FEZ. Cristo é a pedra, o fundamento! Não há dúvida. Mas diz: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja…” diz:Eu sou a luz do mundo(João 8,12) e:Vós sois a luz do mundo, dirigindo-se aos apóstolos (Mateus, 5, 15). Disse também: “Eu sou o bom Pastor” (Jo 10,11), e ordenou a Pedro: “Apascenta as minhas ovelhas” (Jo 21,15). Duas pedras, luzes e pastores? Sim. Há, portanto, Pedra e pedra, Luz e luz, Pastor e pastor. uma Pedra fundamento invisível, causa e fim dos homens, outra pedra fundamento visível, rocha de sustentação da Igreja indefectível, coluna e firmeza da verdade (1Tim 3,15); uma Luz fonte, outra luz reflexo; um Pastor no céu e outro conduzindo a unidade na terra. É calúnia nazista do “pastor”, alegar que, Santo Agostinho “afirmava” que a pedra é apenas Cristo; pois no tratado CXXIV, Santo Agostinho declara: a pedra tanto pode ser Cristo como São Pedro”. – Note que Jesus se dirige exclusivamente a Pedro: “tu és Pedro...”; “eu te darei as chaves…”; “tudo que (tu) ligares...”. Para estrebucho do “pastor”, o texto em (Mt, 16, 16-19), não traz qualquer interrupção lógica, para passar a se referir a Nosso Senhor. Se assim fosse, a frase ficaria sem sentido, deste modo, como quer os “pastores”: [tu és Pedro, mas não edificarei a minha Igreja sobre ti, senão sobre mim; as chaves do céu porém, te darei]. Não é isto que está na Bíblia. Quanta cegueira!

- Portanto todos os sucessores dos apóstolos, Pais da Igreja venerados pelo “pastor”, atestam o primado de Pedro, como, por exemplo: 1) Tertuliano (ano 205): “A Igreja foi construída sobre Pedro” ; 2) S. Cipriano (ano 249): “Sobre um só foi construída a Igreja: Pedro”; Santo Ambrósio (ano 390): “Onde há Pedro, aí há a Igreja de Jesus Cristo”; e tantos outros, mas já é o bastante. Cai por terra a manobra do diabólico “pastor”. E como ele viu antes, S. Pedro e S. Paulo confiaram a Igreja a Lino, segundo Papa da Igreja Católica. Pode estrebuchar, “pastor”.

Corrigindo outras manobras do “pastor”: Dizia o ludibriador: “Se a Igreja Católica deseja encontrar o Sucessor de Cristo, basta folhear o Novo Testamento no evangelho de João onde diz: ‘Eu rogarei ao Pai e Ele vos dará outro Consolador, o Espírito Santo, que ficará convosco para sempre’”.Resposta: Esta frase está completamente adulterada, note que ele maliciosamente sequer citou o versículo, para que ninguém notasse sua artimanha. E a frase JAMAIS se refere à “sucessão”, na verdade a bíblia protestante diz: “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar tudo o que vos tenho dito.” (João 14,26). Note que Jesus apenas está dizendo que o Espírito Santo ensinará e lembrará os apóstolos o que Ele tinha dito. Nada aqui fala de “sucessão”, como quer o falsário “pastor”. E aliás, o Espírito Santo não ensina os protestantes, que pertencem as dissensões e não servem a Cristo (Rm 16,17-18); daí as 50 mil interpretações divergentes da Bíblia, e 50 mil seitas diferentes, com duas Confissões de fé que mandam batizar as crianças, mas somente os Luteranos e Metodistas cumprem. Sucessão só há na Igreja Católica (Atos 20,28-29).

- Dizia cegando a si mesmo o embusteiro: – “Consta que Pedro foi pastor das ovelhas e não pastor de pastores”.

Resposta: Jesus mandou Pedro apascentar Seus Cordeiros e as Suas Ovelhas (João 21,15-16). E assim Pedro o fez: (At 15,7): “E, havendo grande discussão, levantou-se Pedro e disse-lhes: Irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre vós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho e cressem”. Ai dos “bodes” (Mt 25,32-41), como o “pastor”, que se recusaram a ouvir Pedro.

- O imobiliário “pastor”, que grava o nome de Deus na frente de templo feito pela mão de homens (Atos 17,24), dizia que a Igreja “tropeçou” quando gravou as chaves no escudo do Vaticano, e que: “qualquer estudante da Bíblia deduz que as chaves é a mensagem dos evangelhos”. – Resposta: NOTA ZERO, para seus “alunos evangélicos”, que sequer sabem que seus falsos “cursos de teologia” não são reconhecidos pelo MEC. O evangelho é a boa nova. Alegava ainda o indouto que: “Cristo deu as chaves a Pedro, aos demais apóstolos e a Igreja”PURA CALÚNIA! Cristo deu as chaves APENAS à Pedro, “…eu TE darei as chaves do reino dos céus…”. A doação das chaves indica o poder conferido a alguém de abrir ou cerrar o acesso da casa, da cidade, do Reino, sendo costume entre os orientais o suspender as chaves aos ombros em sinal de autoridade. Permita-me citar-lhe o que diz São João Crisóstomo, ano 350 – venerável Doutor da Igreja, citado pelo “pastor”:

“Jesus disse [a Pedro] ‘Apascenta minhas ovelhas’. “Por que Jesus não leva em conta aos demais Apóstolos e fala do rebanho somente a Pedro? Porque ele foi escolhido entre os Apóstolos, ele foi a boca de seus discípulos, o líder do coro. Foi por essa razão que Paulo foi procurar a Pedro antes que aos demais. E também o Senhor fez isso para demonstrar que ele devia ter confiança, uma vez que a negação de Pedro havia sido perdoada. Jesus lhe confia o governo sobre seus irmãos… Se alguém perguntar ‘Por que então foi Santiago quem recebeu a Sé de Jerusalém?’, eu lhe responderia que Pedro foi constituído mestre não de uma Sé, mas do mundo todo.” (Homilia 88 (87) in Joannem, I. Cf. Orígenes, “In epis. Ad Rom.”, 5, 10; Efrén de Siria “Humn. In B. Petr.”, en “Bibl.Orient. Assemani”, 1, 95; León I, “Sermo IV de Natale”, 2. Apud Enciclopédia Católica, verbete Primado, artigo de G. H. JOYCE).

E muito antes, veja o que dizia este outro venerável do “pastor”: Orígenes (232 d. C.): “… Pedro, sobre quem a Igreja de Cristo é edificada, cujos portões do inferno não prevalecerão…”, (sobre João, 5, ANF, 10: 346).

- Desesperado, e fora de contexto, apelava o ardiloso, dizendo: “Se a Igreja Católica supõe uma chave material pode esquecê-la porque ‘As portas do céu não se fecham nem de dia nem de noite!’ (Isaias 60:11)”. Resposta: Fique sabendo o precipitado “pastor”, que depois disso, no Novo Testamento, Jesus disse que: “Abre e ninguém fecha, fecha e ninguém abre” (Ap 3, 7), e este mesmo Jesus deu as chaves do céu à Pedro (Mt,16,19), amém.

- Logo mudando de assunto, caluniava: “a maioria dos católicos não acreditam nos dogmas da Igreja”. PURO BLEFE! Todo verdadeiro católico e até mesmo o embusteiro “pastor”, acreditam na Trindade, e na Bíblia, frutos dos Cânons Católicos. E saiba ele, que a Igreja Católica é mãe da Bíblia. Será que o “pastor” tem uma Bíblia?

- Adiante o “pastor”, embora sendo protestante, parece se preocupar com as chuvas que São Pedro manda, e com os casamentos que Santo Antônio propicia. Ora “pastor” vá reclamar dos que conseguem seus pedidos e principalmente do Zagalo, técnico de futebol, devoto de Santo Antônio, que conseguiu uma esposa e cinco Campeonatos Mundiais de futebol, pedindo a intercessão deste popularíssimo santo, do dia “13” do Zagalo. Correção: Santo Onofre, que o embusteiro “pastor” citou como “reverenciado pelos alcoólatras”, NÃO PROCEDE. Este santo é Protetor CONTRA o vício do álcool. Eis mais um crime do dito “pastor” que vilipendia a fé alheia, infringindo o Artigo 208 do Código Penal. Coisa de Criminoso. Isto só depõe contra sua conduta, já tão rasteira.

A reprovável conduta deste que se diz “pastor,” só comprova a causa do comportamento agressivo e anticristão que notamos nos “evangélicos”. Eles não conseguem falar da própria doutrina sem vilipendiar o catolicismo. Se, atiram pedras contra a Igreja que Cristo fundou, é porque nela tem bons frutos, ninguém atira pedras em espinheiro. Enquanto os católicos na missa falam “o amor de Cristo nos uniu”, Lutero antes de morrer admitiu seu erro, quando percebeu que dividiu a fé e não podia dizer o mesmo. Dizia o choroso Lutero: “Este não quer o batismo, aquele nega os sacramentos; há quem admita outro mundo entre este e o juízo final, quem ensina que Cristo não é Deus; uns dizem isto, outros aquilo, em breve serão tantas as seitas e tantas as religiões quantas são as cabeças” ( Luthers M. In. Weimar, XVIII, 547 ; De Wett III, 6l ). Eis a “torre de Babel” dos rebelados.

RESPOSTA 15 – “O DECLÍNIO DO PAPADO”

Neste capítulo de suas calúnias, o embusteiro “pastor’, forja um suposto “declínio do Papado”, e se derramava: “o Papado foi poder mundial, dominou vastos territórios, submeteu reis, recolheu impostos, teve exércitos armados e destruiu seus opositores! Que tinha poder para mudar os tempos e MUDAR OS PRECEITOS DE CRISTO”. – Resposta: PURA CALÚNIA! 1º. O Papado nunca foi “poder mundial”, mas espiritual, hoje mais do que nunca saltou de 110 para 180 países; 2º. Nunca “dominou vastos territórios” senão apenas os Estados Pontifícios doados em testamento por reis e nobres católicos após suas mortes; 3º. Nunca “submeteu reis”, cito um exemplo: o então rei católico Henrique VIII, que alheio fundou a igreja protestante Anglicana para casar-se em adultério, matando várias esposas por só darem a luz a meninas; 4º. O Papado “nunca recolheu impostos” de seus funcionários, senão dos imóveis de propriedade da Igreja, assim como faz a seita do “pastor. Lembre-se que Jesus pagou impostos e mandou pagar; 5º. Nunca teve “exércitos armados”, senão o povo que se defendia dos invasores, inimigos da doutrina de Cristo, Os santos morreram mártires: “Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos” (Ap 13,10); 6º. Nunca “mudou os tempos”, mas criou o calendário Cristão, já que os Judeus baseavam-se nas luas, e os Cristãos na era de Cristo, até os protestantes o seguem, queiram ou não; 7º. Nunca mudou preceitos de Cristo”, conserva a doutrina de Cristo há mais de 2.000 anos, por isso a imprensa e os inimigos de Cristo chamam a Igreja de “conservadora”, obrigado. Qualquer argumento do “pastor fora disso é Calúnia que não se sustenta. Sua fonte fajuta “(Decretal da Transl. Episc.)”, simplesmente não existe. ( Fonte: ONU, Enc. Microsoft Encarta 99).

- E completamente desinformado, dizia o ludibriador: – “Mas depois do século XIII o papado começou a declinar tanto que nos fins do século XVIII só lhe restava o Vaticano”. – Resposta: Não percebeu ele, que pela graça de Deus, o Papado passou a comandar ao invés de terras, um país soberano, chamado Vaticano, sem qualquer interferência do poder temporal. Depois disso, contrariando o “pastor”, o poder espiritual do Papa aumentou de 110 para mais de 170 países (ONU). O Vaticano hoje é o país que mais mantém relações diplomáticas no mundo. (Agência Zenit).

- Iniciando um novo festival de balelas, dizia o embusteiro: – “VEJA OS LANCES DESSA QUEDA” :

“1º – No ano 869 a Igreja Ortodoxa emancipou-se de Roma, anos depois criticou a ‘Infalibilidade como blasfêmia que coroou o Papado’”.Resposta: o ano errado e frase falsa acima são do “pastor”, já a excomunhão pela 1ª. divisão da fé, coube ao político patriarca ortodoxo. Como isso é uma “queda” do Papado, se a Igreja Católica CRESCEU em mais de 170 países e a igreja ortodoxa ficou confinada a Rússia? E em abril de 2005 a Agência ZENIT publicou que o número de Católicos na Rússia subiu de 15% para 30%? – Continuava seu engodo:

“2º – O papa Bonifácio VIII, ano 1294, redigiu a bula “Unam Sanctam” que prescrevia: “Toda a criatura para se salvar deve submeter-se ao Pontífice Romano.” Resposta: A Bula diz apenas: <<… é absolutamente necessário à salvação de toda criatura humana estar sujeita ao romano pontífice. >> Está na Bíblia: que Cristo mandou Pedro, pontífice romano, apascentar seu rebanho. E este transmitiu isto a seus sucessores, primeiro ao Papa Lino.

Outras calúnias: a) Os ditos pelo “pastor”, “cristãos não católicos“, que teriam sido “massacrados” em 1229, eram sim os católicos heréticos Albigenses, dualistas, satanistas e sexualmente permissivos. A Igreja nunca os “massacrou”, se confrontaram com cristãos sem controle do Papa. A história registra: <<Foram numerosos os cânones dos concílios que, excomungando os hereges e proibindo os cristãos de lhes darem asilo, não admitiam que se utilizassem contra eles a pena de morte. Deviam bastar as penas espirituais ou, quando muito, as penas temporais moderadas.>> (Daniel-Rops, História da Igreja de Cristo, vol. III, A Igreja das Catedrais e das “Cruzadas”, Quadrante, pp. 605-606). - b) Pelos Albigenses, em 1229, nunca houve “vingança” por parte do “rei Felipe o Belo”, que segundo o “pastor”, teria “humilhado o Papado até o pó”. PURA CALÚNIA! Este rei nem nascido era, e só veio a ser rei 275 anos depois, em 1504. c) O papado NUNCA foi “removido para Avinhão (sic) tornando-se meros instrumentos da corte Francesa por 70 anos”. – PURA CALÚNIA! O francês eleito na Itália, Papa Clemente V, quis por vontade ser coroado na França e lá, o rei Filipe IV, impediu o papado de voltar logo à Roma, (Enc. Encarta 99). – E seguia ele:

“3º – Os papas foram verberados por cristãos iminentes (sic): Adriano IV, anos 1154-59, mandou enforcar Arnaldo de Brécia por “tornar público os latifúndios da Igreja”. – PURA CALÚNIA! Sempre foi público o patrimônio da Igreja. O Papa o excomungou por insulto. Quem prendeu e matou este agitador, odiado na Alemanha e Roma foi o imperador Frederico Barba-Ruiva. São Bernardo, seu contemporâneo, assim descreve o monstro Arnaldo de Bréscia: “Desordenado, vagabundo, impostor, vaso de ignomínia, escorpião vomitado de Bréscia, visto com horror em Roma, com abominação na Alemanha, desdenhado pelo Romano Pontífice, louvado pelo diabo, obreiro de iniqüidades, devorador do povo, boca cheia de maldição, semeador de discórdias, fabricador de cismas, lobo feroz”. Arnaldo foi um arruaceiro, que julgava pertencer ao Papa o patrimônio sustentável da Igreja. Estava enganado. – Seguia ele:

- “João Huss,(sic) anos 1369-1415 foi queimado vivo por pregar contra o culto às imagens e mostrar que na Bíblia não havia purgatório!” PURA CALÚNIA! Jan Hus foi condenado à morte pelo rival ANTIPAPA João XXIII, que teve de abdicar ao falso cargo. Mal faz o “pastor” dizer que, o já excomungado Jan Hus pregava contra as imagens e o purgatório que ESTÃO SIM na Bíblia, como antes já PROVAMOS fartamente. – E seguia ele escorregando: “O papa Alexandre VI anos 1492-1503, mandou enforcar o grande orador sacro Savona-róla (sic), por denunciar suas imoralidades e vícios”. – PURA CALÚNIA, quanto à “imoralidades”. O Papa Alexandre VI tinha sim falha pessoal, mas, NUNCA “mandou enforcar” Savonarola. Este morreu simultaneamente enforcado e queimado por uma multidão enfurecida devido suas atitudes reprovadoras. Jacopi Nardi registrou a execução no seu livro (Istorie della città di Firenze). Cai a farsa de querer atribuir a morte dos três citados acima ao papado – E apelava à ficção:

- “Outros tomaram coragem como Petrarca, anos 1304-1374, que chamou o Vaticano de “Cloaca do inferno”.- Pura calúnia! Petrarca NUNCA dirigiu ofensas ao Vaticano, apenas morria de ciúmes da Igreja de Avignon, França. Corrija seu fantasioso e deturpado texto, reprovado “pastor”. Ensina a Professora Veridiana Aderaldo Skocic (UERJ): “É interessante observar que não obstante a posição extremamente radical de Petrarca perante a Igreja de Avignon, a sua relação com a cúria fora muito boa. Com efeito, bispos, arcebispos e cardeais dentre os quais Egidio de Albornoz, Guido de Bologne e Bertrando du Poyet sempre demonstraram uma enorme estima e respeito pelo poeta. Se Petrarca, então, era admirado e respeitado pela Igreja de seu tempo, como explicar o comportamento do poeta? Vimos nas inventivas petrarquescas o desabafo do italiano que não quer a influência francesa no governo da Igreja (…) muito provável é que por trás de seus ferozes desabafos se encontrem a paixão política e a aversão à França.”>> Puro ciúme do artista, deturpado para proveito pelo “pastor” enganador.

(Fonte: http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno04-11.html). – Continuava ele em seu rastro de lorotas:

“4º – Outra força que contribuiu para o declínio do papado foi a Renascença (Reavivamento cultura do século XIII). Surgiu a imprensa, a Bíblia foi editada, o povo instruiu-se e a “mente humana emancipou-se da influência clerical”.PURA CALÚNIA! E Pura Ignorância! A Renascença jamais ocorreu no “século XIII”, e sim nos séculos XV e XVI. No século XIII citado, não havia sido ainda inventada a imprensa, para o mentiroso “pastor” dizer que: “Surgiu a imprensa, a Bíblia foi editada, o povo instruiu-se e a “mente humana emancipou-se da influência clerical.” – Quanta cachaça e falta de escola do embusteiro. A maior parte da população do planeta era camponesa e analfabeta, até a Igreja Católica criar as escolas e Universidades. O católico Gutemberg inventou a imprensa em 1450, (33 anos antes de Lutero nascer, e 67 anos antes dele vomitar o protestantismo). As Bíblias completas, impressas por Gutemberg, os protestantes rejeitam até hoje. Bonito é ver o camponês pai de Lutero, na obra de Köstlin, p.54, aplicando a Bíblia, provando que a Igreja a fez chegar até os humildes. Prosseguia o ludibriador :

“5º – A Reforma veio no ano 1517, ao troar a trombeta de Martin Lutero. …e o papa respondia: ‘Submete-te senão morrerás queimado’”. - PURO ENGODO! O Papa jamais pronunciou esta frase, levou dois anos convidando Lutero a comparecer amigavelmente. Escreveu o Papa, contrariando o “pastor”: “… volte e se afaste de seus erros. Nós o receberemos bondosamente como ao filho pródigo retornando ao abraço da Igreja.” (Bula: Exsurge Domine, Leão X – 15/6/1520). – Ele recusou-se. E o “troar” da trombeta satânica de Lutero, criou a 2ª. dissensão da fé, condenada em (Rm 16,17-18); pelos insultos foi excomungado, e até Cristo por ele foi chamado de “ADULTERO”, veja sua frase: — “Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a mu­lher da fonte, de que nos fala João. Não se murmurava em torno dele: “Que fez, então, com ela?” Depois com Mada­lena, depois com a mulher adúltera, que ele absolveu tão le­vianamente. Assim Jesus Cristo, tão piedoso, também teve de copular, antes de morrer.” (Lutero, “Palestras à mesa”, nº 1472, volume II, pág. 107. Da edição de Weimar em seis volumes, 1912-1921. N.A.).

Na busca desesperada de adeptos para sua doutrina diabólica, escreveu Lutero: “Se és um pregador da graça, então pregue uma graça verdadeira, e não uma falsa; se a graça existe, então deves cometer um pecado real, não fictício. Deus não salva falsos pecadores. Seja um pecador e peque fortemente, mas creia e se alegre em Cristo mais fortemente ainda…Se estamos aqui (neste mundo) devemos pecar… Pecado algum nos separará do Cordeiro, mesmo praticando fornicação e assassinatos milhares de vezes ao dia”. (American Edition, Luther’s Works, vol. 48, pp. 281-82, editado por H. Lehmann, Fortress, 1963. ‘The Wittenberg Project;’ ‘The Wartburg Segment’, translated by Erika Flores, de Dr. Martin Luther’s Saemmtliche Schriften, Carta a Melanchthon, 1 de agosto de 1521). Isso arrepia.

– Contra a Bíblia, blasfemava Lutero: “A carta de Tiago é uma carta de palha, pois não contém nada de evangélico”.(‘Preface to the New Testament,’ ed. Dillenberger, p. 19.) - Referindo-se ao livro de apocalipse dizia: “Para mim tal livro não possui qualquer característica cristã. Que cada um julgue este livro; eu mesmo tenho aversão, e isto é o suficiente para rejeitá-lo.” (Sammtliche Werke, 63, pp.169-170,’The Facts About Luther,’O’Hare,TAN Books,1987, p. 203). – Disse ainda: “A história de Jonas é tão monstruosa que é absolutamente inacreditável.” (‘The Facts About Luther, O’Hare, TAN Books, 1987, p. 202). – E festejava o indouto “pastor”: “depois vieram Zwinglio; Calvino, e Knox, …” – Resposta: mas não seguiram Lutero, fundaram suas próprias seitas rivais. Assim dizia Zwinglio de Lutero: “Mas como esse homem se deixa excessivamente levar pelos seus demônios! Como sua linguagem é suja e as suas palavras cheias com os diabos do inferno, ele agora declara que o diabo mora para sempre nos corpos dos zuinglianos… a sua língua é apenas uma língua mentirosa, movida ao bel-prazer de satã… já ouviram alguma vez um tal discurso, saído de um demônio em estado de furor? Ele escreveu todos os seus livros sob o impulso do diabo e sob a sua inspiração…” (Protestantisme, Livrarie Larousse, Paris 1976). Já Calvino, matou queimado o concorrente Miguel Servet (que o “pastor” pulou), Knox saiu fora e também fundou sua seita particular com conta bancária diferente. E assim começou a TORRE DE BABEL do protestantismo.

- E continuava ele mentindo: “6º – A difusão da Bíblia, o aumento da cultura e as outras Igrejas Cristãs também contribuíram para o declínio do Papado”.PURA CALÚNIA! O Papado está mais em evidência do que nunca. Venceu o nazismo, derrubou o comunismo e reuniu o mundo inteiro na cerimônia dos funerais do Papa João Paulo II. A difusão da Bíblia se deu com a invenção da Imprensa pelo Católico Gutemberg. Antes que Lutero fizesse sua tradução alemã, já haviam dezessete traduções alemãs já impressas, doze destas no dialeto do baixo-alemão, para o povo (todas antes de 1518). Só no ano de 1524, apareceu a bíblia protestante, ver­tida por Lutero, quando já eram 30 as traduções católicas na Alemanha. Isso acaba com a calúnia protestante de que a Igreja “proibia” o povo de ler a Bíblia. O aumento da cultura se deu porque foi o Papado que criou a universidade e a escola para o povo. (Imperial Encyclopedia and Dictionary © 1904 Vol. 4, Hanry G. Allen & Company), ( Holman Bible Dictionary © 1991).

Rodney Stark, professor de Sociologia e de Religiões Comparadas de Washington, em seu livro “For the Glory of God” mostra que a Igreja Católica, além de ter sido a primeira a se opor à escravatura, foi a força motriz por trás da emergência da ciência moderna. Segundo Stark, a crença na verdade de que a criação é um trabalho de Deus, gerou o progresso científico que não começou no século XVIII, mas com a escolástica medieval. Não é a toa que até hoje, os grandes gênios inventores e músicos, são quase todos católicos. – E prosseguia o fantasioso “pastor”:

“7º – Em 1870 Victor Emanuelli (sic) fez um plebiscito para anexar Roma à Itália, a votação foi de 133.648 votos a favor e 1.507 contra. – Perdendo para a Itália, o papado sofreu tremenda humilhação, além de tornarem-se súditos do governo italiano. Essa derrota foi nos dias de Pio IX”.PURO ENGODO! Pura confusão intencional: Victor Emanuel II NUNCA FEZ plebiscito para anexar Roma à Itália, e sim para unificar a Itália separada pelos estrangeiros. Nada teve a ver com “anexar Roma à Itália”. O Papa Pio IX foi quem mais apoiou o fervor nacionalista Italiano, pois a Itália estava estilhaçada nas mãos de estrangeiros. O reino da Itália foi fundado quando Vítor Emanuel II foi proclamado rei em 1861, nem Roma protegida por tropas francesas, nem os territórios do norte da península, que se encontravam em poder dos austríacos, pertenciam ao novo estado. Giuseppe Garibaldi, organizou a sociedade para a emancipação da Itália, CONTRAPONDO-SE a Vítor Emanuel II, para conquistar Roma e os Estados Pontifícios, que já naquela altura estavam nas mãos de tropas francesas e não mais do papado. O ardiloso “pastor” tentou desvirtuar tudo. A Itália anexou Roma em 1870 e Roma passou a ser Capital da Itália. Adiante criou-se o Estado Vaticano, Um país soberano só para a sede da Igreja de Cristo. Esta foi uma conquista para a Igreja. Que com território e governo próprio, é o país que mais mantém relações diplomáticas com os outros países. (Enc. Microsoft Encarta 99), (Agência Zenit). – E seguia o malicioso “pastor”:

“8º – O SENADO DA ITÁLIA acaba de aprovar uma lei na qual o Catolicismo deixa de ser religião nacional, estabelece igualdade de Culto, separação entre a Igreja e o Estado. Roma não é mais “Cidade Sagrada”, e obriga o Vaticano pagar impostos das propriedades que possue em Roma! É o declínio que se acentua. (Estado de São Paulo, 25.01.84)”.PURO ENGODO! A). Esta é mais uma fajuta lábia roubada da seção opinião do Jornal que não se responsabiliza por estes delírios protestantes. B). O PARLAMENTO, e não o “senado” italiano, ha muito tempo na constituição, garante com toda justiça, como a Igreja recomenda, a liberdade de culto às minorias, digo minorias porque 85% dos italianos são Católicos. C). Pergunto: Meu caro embusteiro “pastor”, Como Roma não é mais “Cidade Sagrada” se ela nunca foi “Cidade Sagrada” e sim Cidade Eterna? D). como o Vaticano pagaria imposto das propriedades que tem em Roma se é país? E se no mundo inteiro as instituições religiosas são isentas de impostos? Aprenda o “pastor”, que: estas propriedades dentro e fora de Roma, gozam de extraterritorialidade e não estão sujeitos às leis italianas. (Descubra a Europa de Trem, Itália. C. Mallet 1993 – Pág. 81).

E). Viva o Papa! Em 12/06/2005, o Papa Bento XVI pediu ao povo Italiano que em plebiscito votasse contra o uso de embriões humanos em pesquisas científicas, o povo Italiano em massa atendeu ao Vaticano, a imprensa noticiou “foi uma vitória esmagadora da Igreja contra o parlamento”. (Jornal Nacional/Rede Globo 12/06/2005).

Diante da Fortaleza Divina que é a Igreja, depois de tantas acusações criminosas e gratuitas, dizia o ardiloso:

- ”Como consegue o Catolicismo sobreviver como instituição Cristã?”Resposta: Boa oportunidade para o cego “pastor”, enxergar que as portas do inferno não prevalecem contra a Igreja de Cristo (Mt 16,18), que estará com ela até o fim do mundo (Mt 28,19-20). Ou será que Cristo é algum mentiroso, “pastor”?

- Em seguida, ignorando que a Igreja já existia antes do país ser descoberto, e sempre pregou a caridade (1Cor 13,13) e o respeito à cultura dos povos (Colossenses 2,16-18,22-23), ele resolve acusá-la das manobras que só o protestantismo pratica para se infiltrar na sociedade: fomentando casas de ensinos para alienar com aberrações como essas que estamos desmascarando, Criam falsas casas de caridade, embora sejam contra a caridade, são políticos, tem até, pasmem, “bancada evangélica” que foi apanhada pela Polícia Federal assaltando os cofres públicos e superfaturando ambulâncias. Usam o sincretismo como “descarregos”, sal grosso, arruda, boi de ouro, demônio, etc. Sem falar no festival de conveniências para seduzir e tomar dízimo: tem “igreja evangélica” para gay, surfista, empresários, ufa!!! É do jeito que o diabo gosta. ISSO SIM, É QUE É DECLÍNIO, como previa Lutero.

RESPOSTA 16 – “REFERÊNCIAS DA BÍBLIA AO PAPADO E AO VATICANO”

Este capítulo, o embusteiro “pastor”, dedica às manobras protestantes para inculcar na cabeça dos incautos, que a Igreja era perseguida por ela mesma, e não pelo Império Romano quando pagão e outros reis tiranos.

Primeiro ele começa falando de enganadores protestantes, desmascarados por Teólogos e exegetas sérios em todo o mundo. Esses enganadores como o protestante Dave Hunt, fantasiam que: “a besta é o Papa”, “o Papado é ‘ponta pequena’”, “a Igreja é a prostituta”, e outras balelas que serão desmascaradas aqui, agora.

Muitas das vezes que Daniel, São Paulo ou São João se referiram a “chifre” ou ao “REINO”, referiam-se ao IMPÉRIO ROMANO PAGÃO, antes de ser Cristianizado pela Igreja que teve muitos santos mortos por este. Ou ao anticristo que já está na terra, mas não é de nós por não ter ficado conosco, podendo ter ido para o protestantismo (1 Jo 2,18-19 ). Só no século IV a Igreja, com a graça de Cristo, conseguiu converter o IMPÉRIO ROMANO. Mesmo os romanos civis que viveram antes do século IV, nada tinham a ver com a tirania de seus imperadores, para esses protestantes terem tanto ódio assim deles. Só pode ser ignorância. São Paulo, bispo Católico, amava Roma e os romanos e assim os escreveu: “A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados Santos: Graças a paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Primeiramente, dou graças a Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé”. (Rm 1, 7-8). É bom lembrar que, esta carta de São Paulo, foi aos romanos e não a outro bispo como Tito ou Timóteo.

- Adiante, o anjinho “pastor” resolve acusar o catolicismo de uma “inquisição” irreal, que hoje se sabe foi uma lenda protestante, para esconder os próprios extermínios. Nunca lêem a História Universal sobre a verdade dos fatos. Os estudos completos do respeitadíssimo historiador Agostino Borromeu mostram que, nada exterminou mais inocentes no mundo do que o fanatismo protestante (Agência Zenit 16/06/2004); Maurice Andrieux é testemunha do maior massacre da humanidade, promovido por luteranos durante a invasão a Roma em 6 de maio de 1527; um só protestante chamado Benedict Carpzov, matou 20.000 “bruxas”; na Alemanha foram 25.000 mortes, e tantos outros massacres protestantes como a morte dos Jesuítas, que escondem descaradamente do povo.

A VERDADE sobre a inquisição: Rino Camillieri, autor do livro La Vera Storia dell Inquisizione, ed. PIemme, Casale Monferrato, 2.001, afirma que em 50.000 processos inquisitoriais uma ínfima parte levaram à condenação, e dessas só uma pequena minoria produziu efetivamente execuções (pág.17). Diz ainda esse autor que, na principal cidade medieval –centro da heresia cátara– , em um século, houve apenas 1% de sentenças à morte (pág. 36), isso sem o aval do Papa. O historiador Agostino Borromeu, reunindo a impressa internacional, afirmou recentemente em seu livro Atas do Simpósio Internacional, A Inquisição”, que: pelo lado católico, não chegou a 100 os mortos, (…) muitas vezes bonecos eram queimados para representar aqueles que foram condenados à revelia”. Ainda segundo seu relatório, no auge da Inquisição a Alemanha protestante, matou mais bruxas e bruxos que em qualquer outro lugar, cerca de 25 mil. (BBC Londres 16/06/04), (Agência Zenit, 20/06/04 1:17 PM).

- E continuava o embusteiro distorcendo cada versículo para transformar a Igreja e o Papa em “besta fera”. Dizia o enganador: – “Tome sua Bíblia e veja como se enquadram nas profecias”. – E sofismando prosseguia:

“1º – OS PROFETAS PREVIRAM UM PEQUENO REINO (PONTA PEQUENA) BROTANDO DE UM REINO FERIDO E TERIA CARATER RELIGIOSO, ‘POIS SE ASSENTARIA NO TRONO DE DEUS’ (Daniel 7:7-8, II Tess. 2:4 e Apoc. 13:2)”. Concluía: “Esse pequeno Reino é o Papado, surgiu do extinto Império Romano e é religioso”.

Resposta: PURO ENGODO! O embusteiro, valendo-se de sofisma, forja três versículos em um falso, e cria a frase falsa acima. A resposta para esse engodo está na própria Bíblia que eles mutilaram, arrancando os Livros de Macabeus, que constam nas Bíblias Católicas e Ortodoxas, ou seja, na grande maioria das Bíblias Cristãs.

Desmascarando os versículos citados: (Daniel 7,7-8) refere-se ao império de Alexandre; os dez chifres simbolizam seus “dez reis” (Daniel 7,24); o chifre menor, diferente (“ponta pequena”), que destronará três, foi o rei Antíoco IV Epífanes, que realmente destronou 3 para ser o 4º (1Macabeus 1,11), que conforme as profecias em (Daniel 7, 8 e 7,25) falava grandiosamente (1Macabeus 1,30), proferiu palavras injuriosas, massacrou os judeus (1Macabeus 1, 24) e mudou os tempos transformando dias de festas em dias de luto e sábados em dia de vergonha (1Macabeus 1,39). Qualquer um que examinar a Bíblia completa, verá que estas foram perfeitamente as profecias de Daniel, citadas e desvirtuadas pelo embusteiro “pastor” e sua bibliazinha mutilada.

- Já (II Tess 2,4 ) Refere-se ao ANTICRISTO, que condiz muito bem com a conduta do “pastor”: ”o qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora…” (conforme. Bíblia de João Ferreira).

- Em (Apoc 13,2) São João Refere-se a Vespasiano (69-79 d.C.), que herdou o império de Nero, “que deu-lhe seu poder, seu trono e grande autoridade”. – Na Bíblia, não aparece como quer o “pastor”, a balela de que ..”UM PEQUENO REINO (PONTA PEQUENA) BROTANDO DE UM REINO FERIDO, TERIA CARATER RELIGIOSO”. – Muito pelo contrário, a ferida da fera FOI CURADA e muitos se maravilharam (Apo 13,3). Este trecho refere-se apenas ao deslumbramento que demonstrou o Império Romano ao ressurgir sob Vespasiano, da crise que se seguiu à morte de Nero. – Acaba assim o maior ENGODO protestante de todos os tempos.

- Partindo da sua manobra, já desmascarada, querendo colocar a Igreja no lugar do império dizia o enganador: “ESSE PEQUENO REINO SERIA CRUEL, DESTRUIRIA OS SANTOS DO ALTÍSSIMO. (Daniel 7:25).”

Resposta: os santos mortos eram judeus e católicos, e quem os matavam eram os Reis e Imperadores Romanos.

O ”pastor” omitiu isso, e que a profecia de Daniel prevendo a Igreja Católica, diz: (Dan 2,44) “Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu suscitará um reino que não será jamais destruído; nem passará a soberania deste reino a outro povo; mas esmiuçará e consumirá todos esses reinos, e subsistirá para sempre”. De fato, a Igreja Católica venceu seus algozes, convertendo a todos aqueles reinos em cristãos e já conta com mais de 2 mil anos.

Santo Inácio que conheceu São João, escritor do Apocalipse, dizia: “Onde estiver o bispo, está o povo, assim como onde está Jesus Cristo, está a Igreja Católica”. ( Sto. Inácio de Antioquia, Carta aos Esminenses, 8, ano 106 d.C.).

- Adiante, onde consta na Bíblia que, é a “MULHER” (Roma quando pagã), que ESTÁ assentada sobre os sete montes, ou montanhas (Apo 17,9), o embusteiro adulterou para: “ESSE PEQUENO ESTADO RELIGIOSO TERIA SEDE NUMA CIDADE EDIFICADA SOBRE 7 MONTES (Apo 17:9)”. Resposta: é assim, de cara limpa, que eles falsificam a Bíblia. E citava só 7 montes omitindo o monte Vaticano: – “o Quirinal, o Viminal, o Esquilino, o Caélio, o Aventino, o Paladino e o Capitolino.” – E jocosamente festejava: – “O Profeta acertou na mosca!” - Resposta: o profeta não “acertou”, porque isso não é profecia, ele apenas diz que Roma (pagã) “ESTÁ” assentada sobre sete montes. Veja que S. João escreveu que “ESTÁ”, como já era sabido em seu tempo. Pois a antiga Roma pagã, era só um pequeno sítio, que ficava entre sete dos mais de vinte montes que localizam-se na topografia da cidade.

- A cidade onde está a sede da Igreja Católica, a Cidade do Vaticano, NÃO ESTÁ construída sobre sete montes, mas somente em um: O MONTE VATICANO, que NÃO É um dos sete montes sobre as quais a antiga Roma pagã estava construída (o gaiato “pastor” tropeçou cego neste detalhe). Estes montes estão do lado LESTE do rio Tibet; o MONTE VATICANO está do lado OESTE. Mesmo se o aleivoso “pastor” quisesse sustentar que o Vaticano, que está na Cidade do Vaticano, estivesse dentro da Roma pagã, ficaria Roma com OITO MONTES e não sete, e assim estaria ele desrespeitando a Bíblia e o profeta. Veja na Enciclopédia Católica (na Internet) que o Vaticano naquele tempo, sequer pertencia a cidade de Roma, sendo anexado bem posteriormente. Veja abaixo no mapa, que o Estado Vaticano, nada tem a ver com as quimeras protestantes, nem com os 7 montes referidos.

O FIM DE UM EMBUSTE GEOGRÁFICO Roma quando era pagã, era apenas um sítio com sete montes, hoje a Roma cristã moderna, tem mais de 20 montes, como podemos confirmar na The Catholic Encyclopedia, são eles: Paroli, Pincian, Quirinal, Viminal, Esquilino, Alban, Captóline, Caelian, Palatine, Avelino, Mário, Gianicolo, Vaticano, Janiculan, Last-Named, Palestrina, Tívoli, os montes de Sabine, os montes de Umbrian, e o monte Tolfa.

.

.

- Ele também sofismava que: “Santo Irineu, ano 130, Apontou para Roma como a cidade da primeira e segunda besta”. – Claro! Roma era pagã, nada mais natural, pois a Igreja só a cristianizaria no século IV, ver (Dan 2,44).

- Ele até que tentou usar Santo Irineu noutra falsidade, dizendo que este somou na palavra “LATEINOS”, o número 666 da besta, que estaria na “crista” do Papa. – PURA BALELA! Note agora que, depois de ter negado, ele está admitindo que havia Papa no ano 130 de Santo Irineu. Santo Irineu era um homem inteligente, e jamais procuraria palavras hilárias e inexistentes em chapéu do Papa. Apocalipse (13,18), avisa que: “Aqui há sabedoria … (ouviu indouto “pastor”?) aquele que tem entendimento calcule o número da besta, porque é número de homem (ou seja, das letras do nome da pessoa) e o seu número é 666”. Bola fora! Não há Papa chamado “Lateinos”.

Hoje, facilmente calcula-se o nome de CESAR NERO, “Qsr nrvn”, em caracteres hebraicos desta maneira, da direita para esquerda, como escreve os judeus. São João não codificou no obvio grego, era um código aos judeus.

N V R N R S Q
| | | | | | |
50 6 200 50 200 60 100 = 666

De fato, CESAR NERO, exigia para si as honras divinas e mandou matar Pedro, Paulo e milhares de outros católicos. Hoje, os “pastores” fazem piadinha disto, inventando palavrinhas numeradas em algarismos romanos. Se assim fosse a besta seria a “evangélica” fundadora adventista ELLEN GOVLD VVHITE, 50+50+5+50+500+5+5+1= 666. Bastaria somar os algarismos romanos.

- E sofismava ele, ainda colocando a palavra “REINO RELIGIOSO” no lugar de “CIDADE”, dizia falsamente:

“O PROFETA DISSE QUE ESSE PEQUENO REINO RELIGIOSO ‘ENGANARIA AS NAÇÕES COM SUAS FEITIÇARIAS’ (Apo 18:23)”. – PURA CALÚNIA! O profeta se refere a “CIDADE” quando foi PAGÃ (Apo 18,18-21); Até que em 390, o imperador Teodósio proibiu o culto pagão e OFICIALIZOU o Cristianismo levado pela Igreja Católica, que converteu os pagãos. (livro de História do Cursinho Objetivo) e (Dan 2,44). Aprendeu, “pastor”?

- Acabando definitivamente com a audácia do embusteiro “pastor”, que deturpava Santo Irineu, o entrego ao mesmo, que em sua obra relacionou todos os Papas até o fim da sua vida. Santo Irineu, foi discípulo de São Policarpo, Bispo de Esmirna depois de São João profeta. Em sua famosa obra “Adversus haereses” III, 3, 2, escreveu como que dirigindo-se ao herege “pastor”:

“Porém como seria demasiado longo enumerar as sucessões em Roma pelos dois gloriosíssimos Apóstolos Pedro e Paulo, a qual desde os Apóstolos conserva a tradição e a fé anunciada aos homens pelos sucessores dos Apóstolos que chegam até nós. Assim confundimos a todos aqueles que de um modo ou de outro, ou para agradar-se a si mesmos, ou por cegueira, ou por uma falsa opinião, acumulam falsos conhecimentos. É necessário que qualquer igreja esteja em harmonia com essa igreja, cuja fundação é a mais garantida — me refiro a todos os fiéis de qualquer lugar — porque nela todos os que se encontram em todas partes conservaram a tradição apostólica”.

Isto é hemorrágico contra o protestantismo.

Estes foram os Papas mortos tragicamente pelo Império Romano desde o séc I, antes de Constantino no séc IV permitir liberdade religiosa aos cristãos: S. Pedro, S. Lino, São Cleto, S. Celemente, St. Evaristo, St. Alexandro, S. Xisto, S. Telésforo, St. Higino, S. Pio I, St. Aniceto, S. Sotero, St. Eleotério, S.Vitor I, S. Zeferino, S. Calixto I, St.Urbano I, S. Ponciano, St. Antero, S. Fabiano, S. Cornélio, S. Lúcio, St. Estêvão, S. Xisto II, S. Dionísio, S. Félix, S. Eutiquiano, S. Marcelo I. Quantos protestantes se deixaram decapitar e ser rasgado pelas feras para que a Igreja de Cristo crescesse? NENHUM! Hoje se limitam a caluniar, tentando colocar a vítima Igreja de Cristo, no lugar dos algozes imperadores romanos. Deus tenha piedade deles. Mesmo odiando Roma, queiram ou não, eles terão que ler em suas Bíblias: “A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados Santos: Graças a paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Primeiramente, dou graças a Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé” (Rm 1, 7- 8). Roma virou Amor, graças a Igreja de Cristo, para estrebucho dos que promovem dissensões e não servem a Cristo, mas ao próprio ventre (Rm 16,17-18).

RESPOSTA 17 – “TÍTULOS E FÁBULAS”

Neste outro capítulo de calúnias, o embusteiro “pastor” caiu do cavalo pela falta de conhecimento sobre títulos dos cargos da Igreja. E até inventou “fábulas” para dedicá-las a Igreja. Desmascaremo-lo.

- O omisso “pastor’, da religião que tinha um exército armado chamado “LIGA DE ESMALCADA” em 1531, e que em 15 de julho de 1570, degolaram os jesuítas, resolve diante de suas omissões acusar os Papas de: “organizarem exércitos, derramarem sangue e tornarem-se políticos”. Resposta: Os Papas nunca organizaram exércitos. Quando os civis se reuniram para defender-se dos hereges e invasores daqueles tempos, era a própria sociedade em defesa da fé. Quando houve exageros foi pela ausência do controle do Papa, que não tolerava a violência. Político Jesus também foi, como fazem os Papas, só não se metem em política vulgar. Já as seitas do “pastor” não podem ver uma eleição e logo se candidatam de vereador a presidente, tem até uma sinistra “bancada evangélica sanguessuga”. Diz as Escrituras, “a boca fala do que lhe transborda do coração” (Mt 12, 34).

O embusteiro “pastor”, que pertence á uma dita “igreja evangélica”, alemã, americana holandesa ou inglesa, que não existe em página alguma da Bíblia, dizia: “O Catolicismo por ser latino adotou títulos espanhóis e italianos, que resultaram numa hierarquia. Esses títulos nada tem a ver com o Cristianismo ou com o Novo Testamento, é criação do sistema deles”. - Resposta: Pergunto: Como o “pastor” acredita na Bíblia, se a palavra “Bíblia” não se encontra em toda a Escritura, e é “criação do sistema” dos Papas, orientados pelo Espírito Santo (Jo 14,26)? Respondo: ele só acredita no que convém. Como a palavra “católico” diz, o catolicismo é universal, Pedro fundou a sede da Igreja em Roma, e o idioma de Roma é que é latino. Está sim, na Bíblia a palavra “Bispo” que é o mesmo que Pai (Papa) =Cardeal =Núncio, etc. Como também está na Bíblia “Sacerdote”, “Presbítero”, que é o mesmo que Padre, Frei, Monge, etc. E estes títulos, traduzidos por outras palavras sinônimas conforme a língua, tanto tem a ver com o cristianismo, que Deus os designou para administrá-lo. (At 20,28), (Hb 5,1), (Hb 7,1).

- Cego por caluniar os cargos da Igreja, ele até atacou os cargos de “BISPO” e “SACERDOTE”, dizendo que: “Sacerdote é termo do paganismo e do judaísmo.” – Desmascaramo-lo com as Escrituras: “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho, sobre que o Espírito Santo vos constituiu BISPOS, para apascentardes a Igreja de Deus a qual santificou pelo seu próprio sangue” (At 20, 28). – Blasfemava o “pastor”, insinuando que Cristo era pagão por ser também “SACERDOTE”. Está na Bíblia: “Tu és SACERDOTE eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque.” (Hb 5,6). – Respondo ainda com o Cristão primitivo, Santo Inácio de Antioquia, (ano 110), que já descrevia assim, os cargos iniciais da Igreja de Cristo: “Assegurem, portanto, que se observe uma Eucaristia comum; pois há apenas um Corpo de Nosso Senhor, e apenas um cálice de união com seu Sangue, e apenas um altar de sacrifício – assim como há um bispo, um clérigo, e meus caros servidores, os diáconos. Isto irá assegurar que todo o seu proceder está de acordo com a vontade de Deus.” (carta aos Filadelfos IV – ano 110). Acabam assim os blefes do “pastor” sobre os cargos da Igreja de Cristo.

- Desesperado, ele até tentou atacar os padres, mas foi em vão, dizia: “padre, o mesmo que pai, é o que deveriam ser tendo esposa, filhos e lar.” Resposta: o celibatário São Paulo assim escreveu em sua carta: “O solteiro (Padre) cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor; – mas o que é casado (“pastor”) cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.” (1Cor 7,32-33). Pegue sua Bíblia e confira mais em: (1Cor 7, 7-8), (Mat 19,12), (Apo 14,4-5). O padre é pai espiritual e o “pastor” é pai dos filhos da sua mulher. Essa é a imensa diferença. E não me venham eles com versículos mal interpretados e distorcidos.

Adiante, mentindo e se afastando cada vez mais de Cristo, o embusteiro “pastor”, sofisma, inventa títulos para os Papas e os acusa de serem “obsecados (sic) por títulos”. Citava que se intitulam: “Salvatore, Filius Dei, Sacratissímus Dominus Noster, Pontíficie Maximus, Augustos (digno de ser adorado) e outros superlativos que os distancia de Cristo”. – Resposta: Estes nunca foram títulos usados pelos Papas que se chamam na imprensa: “SERVOS DOS SERVOS”, “BISPOS DE ROMA”, “VIGÁRIO DE JESUS CRISTO”, PATRIÁRCAS DO OCIDENTE”, “SUA SANTIDADE”. Desmascaremos agora o sofisma do “pastor”: Ele escreveu “Salvatore”, para insinuar que o Papa se diz salvador, ele escreveu “Fílius Dei”, para pregar que o Papa quer ser “Jesus”; ele escreveu “Sacratissímus Dominus Noster “ para colocar o Papa no lugar de Cristo; ele escreveu “Pontíficie Maximus”, para novamente colocar o Papa no lugar de Cristo; ele escreveu “Augustos (digno de ser adorado)”, para enganar você leitor, pois “Augusto” no dicionário, vai de “Respeitável” a “Solene”, nada de “adorado”. Cai o sofisma do “pastor”.

À seguir, ele falando do que não entende, escorrega, julgando que não há harmonia entre as Ordens religiosas Católicas por serem diferentes. – Resposta: que fiasco, meu caro “pastor”! Que pena que o senhor não sabe que as ORDENS são ministérios que tratam assuntos diferentes, mas todas em comunhão com a unidade da Igreja Católica de Jesus Cristo. Coisa que não acontece com a DESORDEM das seitas, como a do “pastor. Ele vilipendiando as ORDENS, gratuitamente acusou os Jesuítas de “belicosos”, escondendo que foram os BELICOSOS protestantes que degolaram os humildes jesuítas em 15/07/1570 (Enciclopédia Microsoft Encarta 99).

- Adiante, ele caluniava dizendo: “Rui Barbosa dizia que ‘A Igreja Católica é uma religião de FÁBULAS’ e o apóstolo Paulo mandava regeitá-las.(sic) (l Tim. 4:7)”.

– PURA CALÚNIA! Rui Barbosa nunca falou essa asneira. Ele sim, para estrebucho geral dos “evangélicos”, ao fim da vida disse: “Estudei todas as religiões do mundo e cheguei a seguinte conclusão: religião ou a Católica ou nenhuma.” (Livro Oriente, de Carlos Mariano M. Santos (1998-2004) – Art 5). Este mesmo Rui Barbosa foi elogiado pelo Papa João Paulo II, quando de sua visita a Campo Grande, em 1991. Quanto as “fábulas” citadas pelo vil “pastor”: em (1Tim. 4,7) o apóstolo Paulo na verdade manda rejeitar as “FABULAS PROFANAS das velhas”, ou seja, que não diz respeito à religião. Como pregar o evangelho sem as parábolas (que é o mesmo que fábulas) de Jesus??? São Paulo mandou mesmo foi se afastar de quem como o “pastor”, promove dissensão (divisão da fé), isso o “pastor” não leu (Rm 16,17,18).

- Ao contrário do que vemos nas seitas, na Igreja Católica não há espaço para fábulas profanas, nem falsos milagres. Tudo antes de ser proclamado é exaustivamente analisado por 76 médicos e respeitados cientistas, para isso o Vaticano tem quatro Academias Pontifícias em Ciências com 25 Nobel´s. Só é declarado milagre o que a ciência atesta. Desmascaremos abaixo, o que o precipitado “pastor” enumerou como “fábulas” da Igreja. Dizia Ele:

“1 – Os anjos conduziram pelas nuvens a casa de Nossa Senhora de Loreto desde a Palestina até a Itália. Devido a esse “milagre” ela é padroeira dos aviadores!” Resposta: Puro engano do embusteiro. Quem trouxe a casa de Nossa Senhora à Loredo foi uma família Cristã de sobrenome “dos anjos”. Este dado está de acordo com o que dizem os estudiosos do início deste século. Afirmam eles, com efeito, ter lido esta notícia em outros documentos do Arquivo Vaticano. Neles se lia que uma família Bizantina chamada “dos Anjos”, em latim, “De Angelis”, no século XII, salvou da destruição muçulmana, as pedras da Santa Casa de Nazaré, e as mandou trazer para Loreto a fim de construir ali a Capela. Provavelmente do nome da família “dos Anjos” ( DE ANGELIS ) do aforismo surgiu o engano do “pastor”, de que a Santa Casa veio para cá conduzida pelos anjos. Buscando a verdade dos fatos, autoridades governamentais, eclesiásticas, científicas e técnicas da época, nada constataram de fictício ao analisarem as fundações que permaneceram em Nazaré ou na própria casa. No dia 10 de dezembro de 1995, dia de Nossa Senhora de Loreto, como parte dos festejos dos 700 anos de devoção à Virgem, foi lançado pelos Correios o selo comemorativo desse acontecimento. Nossa Senhora de Loreto é a Padroeira dos Aviadores a pedido do Exmo. Sr. Ministro da Aeronáutica, em carta datada de 10/08/70 à Sua Emª, o cardeal D. Jaime de Barros Câmara, pede, que seja solicitada junto à Sua S. o Papa Paulo VI, no sentido de que esta igreja seja proclamada Santuário Nacional de Nossa Senhora de Loreto, Protetora da Aviação Brasileira Civil e Militar. O que foi concedido pelo Papa, em 08/10/70. (http://www.loreto.org.br/loreto.asp), (Zenit (29/03/2006).

Isso acaba com a primeira fábula do embusteiro “pastor”, que se desdobra em calúnias, coloca palavras na boca dos outros e levanta falso testemunho contra a Igreja. – Fantasiava ele a seguir, sobre o exemplar Padre Anchieta:

“2 – O padre Anchieta navegava de barco, sendo molestado pelo sol, surgiram pássaros que voaram em formação, fazendo sombras sobre sua cabeça. Este “Milagre” consta no processo de sua canonização!” - Resposta: Isto não consta no processo de sua canonização, pois seria um “milagre” a si próprio. Os milagres atribuídos ao padre Anchieta consta de bebês que sendo enterrados vivos pelos índios por serem filhos de brancos que estupravam índias, eram desenterrados vivos pelo padre morrendo apenas só depois de batizados. – Seguia o embusteiro:

“3 – Em Portugal uma jovem roubava ouro e jóias de uma Mansão para dar aos pobres. Quando surpreendida, revistaram sua cesta, então houve o “milagre”, as jóias roubadas transformaram-se em flores! – Essa jovem foi canonizada!”. – Resposta: Note que a sua suposta “canonizada”, nem nome tem. Esta é outra fábula inventada pelo velhaco “pastor”, já que na Igreja Católica ninguém é venerado por roubo, como é a “bancada evangélica” da religião do “pastor” que chefiava a quadrilha dos “Sanguessugas” das ambulâncias. - Dizia ainda o vilipendiador:

“4 – Numa gruta na Bahia há sinais de pés de uma criança, bem forjados! ‘Naquela gruta o menino Jesus refugiou-se quando perseguido por Herodes!’ Anualmente chegam naquela gruta centenas de romeiros; a Igreja diz que o povo é “simples e ignorante”, mas os padres estão presentes, tirando proveito dessa situação espiritual miserável em que se encenara nossa gente!” – Resposta: Sua gente usa paletó e se candidata à político usando o nome de Deus para enganar o povo simples, “pastor”. Diferente do que o senhor pensa, a Igreja não compactua com as crendices populares. Se o senhor estudasse a história do Brasil, saberia que os padres já estavam na Bahia, capital da antiga “Terra de Santa Cruz”, mesmo antes dos “brasileiros” existirem. Portanto NÃO CALUNIE dizendo que os padres estão presentes só para tirar proveito como fariam os “pastores” que vendem Bíblias para analfabetos. A história que o “pastor” narra é da cultura popular e não “fábula” da Igreja. – E continuava ele:

“5 – Como a Igreja não sabe quando as almas saem do purgatório e cobram “Missas de intenção” sucessivamente, criaram uma lenda para desencargo de consciência que diz: “Nossa Senhora do Carmo, no primeiro sábado de cada mês, deixa o céu e vai até o purgatório tirar algumas almas privilegiadas!”” - Resposta: Do mesmo modo que o “pastor” não sabe o dia que o mundo acabará, é Deus quem sabe quando as almas saem do purgatório e não a Igreja. E bem diferente do que ele fala, a Igreja NÃO cobra “Missas de intenção SUCESSIVAMENTE”, é geralmente grátis e NÃO CRIA LENDA para “desencargo de consciência”. Sua acusação, os críticos consideram espúria, isto é, NÃO AUTÊNTICA, a bula de João XXIII em que se fala deste privilégio sabatino de ficar livres do inferno e do purgatório no primeiro sábado após a morte. Na verdade, na bula de 11/02/1950, o Papa Pio XII apenas convidava a “colocar em primeiro lugar entre as devoções marianas, o escapulário que está ao alcance de todos”, apenas isso, e isso não é fábula. (Um santo p/ cada dia – M. Sgarbossa, Paulus, pág. 223) – Seguia o “pastor”:

“6 – Seis padres belgas e um holandês da Ordem dos Bolandistas investigam oficialmente a história dos Santos {Hagiografia} (…) O porta voz deles Van OMMESlLAEGHE anunciou que “Santa Catarina nunca existiu”, foi uma fábula da Igreja.”Resposta: PURA CALÚNIA! Os jesuítas belgas conhecidos como Bolandistas, subordinados ao Papa, apenas investigam e eliminam a parte lendária, de modo a restaurar o relato da vida dos santos, o mais fiel possível à realidade comprovável. É uma “fábula” a estória do “pastor” de que estes teriam alegado que Santa Catarina nunca existiu. Nos livros hagiográficos, concluídos pelos Bolandistas, existem 04 Santas Catarinas autênticas. Santa Catarina da Suécia, Santa Catarina de Alexandria, Santa Catarina de Gênova e Santa Catarina de Sena. Todas pessoas distintas que viveram em épocas diferentes, em lugares diferentes. Portanto “pastor”, sua calúnia acabou aqui. Desde então proclame esta verdade e se envergonhe de sua mentira. (Um santo para cada dia, Mario Sgarbossa – Luigi Giovannini , pág 93, 377,159, 133, Ed. Paulus). Continuava o embusteiro:

“7 – Os Carmelitas supunham que sua Ordem teve origem com o Profeta Elias no Monte Carmelo ha 900 anos antes de Cristo! Agora estão revoltados com os Bolandistas, porque eles descobriram que a Ordem dos Carmelitas é recente, datando do ano 1.160 Depois de Cristo. (Do nosso, arquivo)”. – Resposta: PURA CALÚNIA! Jogue esse “arquivo” protestante no lixo. A Ordem Carmelita não se julga tendo origem com o profeta Elias, apenas o tem por patriarca modelo, por este ser o primeiro a orar no Monte Carmelo (1Reis 18,42). Os monges no ano 93 d.C., destruíram sua antiga casa e construíram uma capela sobre o Monte Carmelo, perto da fonte de Elias, em honra a primeira Virgem voltada a Deus. Portanto, é uma balela dizer que os Carmelitas tenham se revoltado com os Bolandistas, que muito menos afirmaram que os Carmelitas são datados de 1.160 d.C. (Um santo para cada dia, Mario Sgarbossa – Luigi Giovannini , pág 223, Ed. Paulus). E assim caem todas as “fábulas” inventadas pelo embusteiro “pastor”. Diz a bíblia dele: “… a Igreja é coluna e firmeza da verdade” (1Tim 3,15). Se a lê-se teria se poupado deste mico.

RESPOSTA 18 – “AS IMORALIDADES DOS PAPAS”

Neste capítulo o embusteiro se desmancha em calúnias gratuitas contra os Papas, o Celibato e a Igreja. Dizia:

“O testemunho da história não favorece a Igreja e muitos papas. Devido à adoção do celibato, os escândalos sempre acompanharam o sistema religioso que criaram.” – RESPOSTA: é exatamente os testemunhos da história e das Sagradas Escrituras que favorecem a Igreja e os papas contra as lendas protestantes. A Igreja não criou “sistema religioso”, mas, o próprio Cristo celibatário (Mt 19,10-12). Fica evidenciado que a campanha do embusteiro é contra o celibato que ele abriu mão, daí ferozmente atacar a intenção de Deus nas cartas de S. Paulo, que foi claro: “ E bem quisera eu, que estivésseis sem cuidado. O solteiro cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor; – mas o que é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.” (1Cor 7, 32-34), confirme ainda em: (Mt 19, 29), (Ap 14,4-5).

S. Paulo deixa claro, que quem casa faz bem e quem não casa faz melhor (1Cor 7, 8-40). Alguns protestantes, cegos pelo livre exame da bíblia, pegam um versículo isolado, que é (1Tim 3, 2) onde o celibatário S. Paulo escreve ao celibatário Timóteo, orientando que (naquela comunidade cheia de casados e bígamos), escolha então homem casado com UMA mulher, para bispo. Tomam isso como mandamento, e até, em (1Tim 3), criminosamente enfiaram um título nas suas bíblias que diz: Os deveres dos bispos e dos diáconos”. Não percebem que quando S. Paulo, escreve à Igreja acerca do casamento, esclarece: “Digo isso como que por permissão e não como mandamento. Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo (celibatário); mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira, e outro de outra. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu” (1Cor 7,6-8). Pois, “o solteiro cuida das coisas do Senhor” e lhe agrada (1Cor 7, 32-34).

- Tentava o embusteiro, denegrir a imagem da Igreja, dizendo que a causa principal de escândalos é o Celibato (eles sempre alegam isso para dizer que são melhores do que Cristo e seus discípulos (Ap 14,4-5)). Jesus Cristo já previa: “É impossível que não venham escândalos, mas ai daquele por quem eles vem! (Lc 17,1). Os próprios acontecimentos atestam, que se fosse o celibato o problema, os escândalos deveriam se restringir somente a Igreja Católica, nunca chegaria as seitas protestantes. No entanto, no Texas, Estados Unidos, as igrejas evangélicas luteranas já foram condenadas a pagar a multa Record de 69 MILHÕES DE DÓLARES por abusos sexuais promovidos por seus “PASTORES” CASADOS. Entre todos, o Reverendo Gerald Patrick Thomas foi condenado à pena de 397 anos de cadeia. (Jornal do Commércio 24/05/2004). Pesquisa entre os “pastores” destaca: 64 por cento dos “pastores evangélicos” têm problemas com vício sexual, inclusive pornografia e outras atividades sexuais secretas e 25% confessaram-se adúlteros depois de casados. (Patrick Means, em seu livro Men’s Secret Wars). A pesquisa está no site “ evangélico” http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?id=853

Em seus insultos, ele maliciosamente tentou passar ANTIPAPA por PAPA. Os ANTIPAPAS eram sujeitos inescrupulosos e usurpadores, apoiados por maus imperadores ou reis, que mesmo sabendo que havia um Papa verdadeiro em Roma, elegiam ANTIPAPAS paralelamente em outros países, como exemplo a França e Alemanha. Estes ANTIPAPAS sim, cometeram algumas imoralidades de si mesmo, que os protestantes convenientemente tentam atribuir aos legítimos Papas da Igreja. Mas, isto só depões contra o protestantismo, que com suas velhacarias, fomenta a confusão para rapinar na ignorância. Dica: Antipapa, pontífice eleito em oposição a um outro eleito de forma canônica. (Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99).

Muito bem, explicada a verdadeira má intenção deste “orientador espiritual protestante”, desmantelemos agora tim-tim por tim-tim, cada calúnia que ele escreveu contra os Papas abaixo. Usaremos a Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99, e todos os documentos históricos necessários, devidamente citando-os, para desmascará-lo:

MENTIRA DO “PASTOR”:
O papa João XI era filho ilegítimo de Marózia, amante do papa Sergio III, ano 941. – O papa João XII, ano 955, violava virgens, viúvas e conviveu com a amante de seu pai: fez do palácio papal um bordel, e, foi morto num ato de adultério, pelo marido da mulher que violava”.

VERDADE DOCUMENTAL:

O Papa João XI foi filho LEGÍTIMO de Marózia e Albérico I, conde de Túsculo. Marózia jamais teria sido “amante” do “Papa Sérgio III ano 941”, pois no ano 911, 30 anos antes, ele já havia falecido. O Papa João XII, ano 955, jamais foi esse monstro que o herege “pastor” pinta. Nenhum registro oficial da história acusa que ele se envolveu em orgias com alguém, tenha feito do palácio Papal “bordel” ou que em adultério tenha sido morto. Quando na verdade, foi sucedido por Leão VIII num sínodo manipulado por Oto I, rei da Alemanha. João XII conseguiu depor Leão VIII, e falece. Dificilmente poderia merecer as calúnias vazias protestantes. Nas difíceis circunstâncias de seu pontificado, ele até que foi um bom Papa, apesar de jovem e centralizador. Hoje se sabe que as calúnias contra estes Papas vieram do cronista Liutprando, inimigo da família de Marózia, sedento por difamar o Papado por conter um membro da família desta. (ver Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99./ Enciclopédia wikipédia).
MENTIRA DO “PASTOR”:
O Papa João XXIII ano 1410, (não confundir com o João XXIII mais recente), foi o pior deles! Mulheres casadas foram alvo de seus galanteios; mais de 200 freiras e donzelas foram violadas por esse papa!”

VERDADE DOCUMENTAL:

O “João XXIII”, ano 1410, não era Papa e sim um ANTIPAPA (sujeito que dizia ser “Papa” sem ser), este era mesmo um salafrário, mentiroso, enganador, ambicioso, trapaceiro, ladrão e assassino. Mas que fique claro, não era Papa. Baltazar Cossa foi um antipapa, um falso pretendente ao trono de Pedro, que teve de abdicar. Graças ao bom Deus, porém mais tarde, ele converteu-se e abandonou sua pretensão papal. Mas é tão mentiroso quanto ele era, o “pastor” que escreveu em seu artigo fantasioso, que ele “violentou mais de 200 freiras e donzelas”. – PURO EMBUSTE! O legítimo e verdadeiro Papa desta época, 1406-1415, em Roma, era Gregório XII (Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99.) É numa dessa que os protestantes caem nos bolsos de seus “pastores”.
MENTIRA DO “PASTOR”:
Pio II, ano 1458, além de sedutor foi corrupto, ensinava os jovens a praticar atos obscenos. Logo depois surgiu o papa Inocêncio VIII, ano 1484-92, que teve 16 filhos com mulheres casadas!”

VERDADE DOCUMENTAL:

Pio II, nunca foi “sedutor”, “corrupto”, nem “ensinava os jovens a praticar atos obscenos”, Pura invenção protestante. Já dizia Jesus: “a boca fala do que lhe transborda do coração” (Mateus 12, 34). Deveriam ler a biografia do mulherengo e beberrão Lutero (F. X. Feller, Lyon e Paris, 1867, volume 5, p. 410. (N.A.)), e sobre as obscenidades dos luteranos na invasão armada à Roma (Maurice Andreux). Voltemos ao assunto: assim descreve a Enciclopédia Microsoft Encarta: [Pio II, papa italiano (1458-1464) conhecido como erudito e escritor humanista. Sua primeira realização como pontífice foi organizar uma “cruzada” contra os turcos, que em 1453 tinham invadido Constantinopla e ameaçavam a Europa com novas conquistas]. O resto é fantasia da Disneylândia protestante. Já o Papa Inocêncio VIII (1484-92), foi Papa em uma época muito difícil para a Igreja: o Renascimento. Nesta época a sociedade perdeu o respeito pelo sagrado. O humanismo agora era o que regia a forma de vida das pessoas. O pecado deixara de ser uma coisa feia, não escandalizava mais ninguém. Muito parecido com nossos dias. É verdade que este Papa não cuidara muito da vida pessoal, tinha amantes e filhos, mas não de “mulheres casadas”. Apesar de seu desvio pessoal, foi um regular Papa, nunca pregou o seu desvio nem o estendeu a Igreja, preservando a infalibilidade. Deus sempre escreverá certo por linhas tortas. Nenhum protestante poderá julgá-lo, pois dizia o mulherengo Lutero, pai dos protestantes: “Não é proibido ter o homem mais de uma mulher. Hoje eu não poderia proibir isto,” (Erlangen vol. 33 – pág. 324). O que é um erro. (consulta: http://www.veritatis.com.br – Rondinelly Ribeiro).
MENTIRA DO “PASTOR”:
O papa mais devasso foi Alexandre VI 1492-1503, teve filhos legítimos e foi amante da sua própria filha Lucrécia Bórgia; também foi amante da irmã de um Cardeal, que se tornou o papa seguinte, Pio III, ano 1503”.

VERDADE DOCUMENTAL:

O Papa Alexandre VI, 1492-1503, Saneou as finanças papais, recuperou os territórios dos Estados Pontifícios e esforçou-se pela união da cristandade contra os turcos. Publicou as Bulas alexandrinas que, através de uma linha imaginária, dividiu o Novo Mundo entre Espanha e Portugal. Seus vícios, consistiam em favorecer parentes e ter tido um romance secreto que manteve desde antes de seu mandato, com a nobre dama romana Vanozza de Cataneis, donde resultaram quatro filhos, reconhecidos sim por ele. Seus filhos mais notáveis eram Lucrécia Bórgia e César Borgia. Que fique claro, esses filhos, ele teve antes de ser Papa. A lenda de que ele teria sido “amante de sua filha” e da “irmã de um Cardeal” não procede. Para azar do “pastor”, o citado Papa Pio III, morreu no ano que assumiria (1503), sem nunca ter precisado da fantasiosa “irmã” que o “pastor” inventou. As calúnias que ele lançou contra a respeitável Lucrécia Bórgia é baseada em mentiras da época, inventadas por parentes seus invejosos. Assim confirma-se na Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99., que transcrevo a seguir: <<Lucrécia Bórgia (1480-1519), mecenas italiana das artes e irmã de César Bórgia. Devido a suas relações com parentes sem escrúpulos, passou a ter uma péssima reputação, porém a maioria dos historiadores é de opinião que quase todos os delitos e vícios que lhe são imputados não têm fundamentos históricos >>. O outro notável era <<César Bórgia (1476-1507), militar, político e eclesiástico italiano, filho ilegítimo de Rodrigo Bórgia (mais tarde papa Alexandre VI) >> Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99. – Para confirmar que tais filhos nasceram antes de seu mandato, veja a data de nascimento deles (1476 e 1480) (os dois últimos) e a data que o Papa assumiu o pontificado (1492)}. – “Ninguém há de querer isentá-lo de suas faltas em sua vida pessoal e em família, mas é justo reconhecer que nenhum erro contra a fé se encontra em seus escritos”. (Historiador Carlos Castiglioni, Doutor da Biblioteca Ambrosiana, em sua obra “Historia de los Papas”, (ob. cit., p. 1750).

MENTIRA DO “PASTOR”:
Quem for visitar o Vaticano hoje em dia, poderá dar uma olhada nos aposentos do Papa Alexandre VI em exposi-ção, uma raridade! – Horresco reférens!…”

VERDADE DOCUMENTAL:

Nada de “Horresco reférens”, como calunia o embusteiro “pastor”, que precisa ir urgente ao Vaticano. Nos apartamentos do Papa Alexandre VI, encontra-se apenas uma Coleção de Arte Religiosa Moderna, reunida pelo Papa Paulo VI. Caso o leitor queira conferir, basta folhear o guia turístico Descubra Toda Itália, C. Mallet, Pág. 92.

MENTIRA DO “PASTOR”:
O papa Leão X, anos 1518-21 era rico. Comprou sua posição na igreja! Com apenas 8 anos de idade já era Arcebispo e aos 13 Cardeal. Manteve uma corte licenciosa e com seus Cardeais praticava “Passatempos voluptuosos” em deslumbrantes palácios! – Foi esse papa que Lutero enfrentou!”

VERDADE DOCUMENTAL:

É pura lenda protestante, que tenha o Papa “comprado posição” e aos “oito anos” tenha sido “Arcebispo” virando “Cardeal aos 13”, “praticando passatempos voluptuosos”, como alega o fantasioso “pastor”, que desmascaramos. Leão X, nascido Giovanni di Lorenzo de’ Medici em 1475, foi Papa da Igreja Católica entre 1513-1521. Era filho de Lourenço de Médici e nasceu em Florença. Desde cedo dedicado a Igreja, Giovanni estudou teologia e direito canônico e foi eleito Cardeal em 1492, tomando residência em Roma, durante o pontificado do Papa Alexandre VI (Rodrigo Bórgia), um inimigo da sua família (que jamais “venderia-lhe” cargo). Giovanni viajou pela Europa e procurou passar despercebido na política do Vaticano, até ser eleito Papa aos 38 anos. Como Leão X conseguiu evitar a invasão da Itália pela França. Foi derrotado em 1515 pelo imperador Francisco I. Em 1516, estabeleceu relações do papado com a França, após um acordo que garantia a independência da cúpula da Igreja em relação ao estado francês. Transformou Roma em importante centro cultural, expandindo o poder da Igreja na Europa. Condenou as doutrinas luteranas e excomungou o amotinado monge Lutero, aquele que chamava Cristo de “adultero”. (Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99/ Enc. Wickpédia/ Tischreden nº 1472, vol. II, pág. 107). Os protestantes blefam quando caluniam que a cobrança de indulgência era norma deste Papa, PURA LENDA! Veja o que diz Lutero em sua tese 51. “Deve-se ensinar aos cristãos que o papa estaria disposto – como é seu dever – a dar do seu dinheiro àqueles muitos de quem alguns pregadores de indulgências extorquem ardilosamente o dinheiro, mesmo que para isto fosse necessário vender a Basílica de S. Pedro”. Cai a farsa protestante.

MENTIRA DO “PASTOR”:

“Bispo de Orleans, referindo-se aos papas João II, Leão VIII e Bonifácio VII, chamou-os de “Monstros cheirando imundícias.””

VERDADE DOCUMENTAL:

O Bispo de Orleans, certamente referiu-se aos ANTIPAPAS: João XXIII, Leão VIII e Bonifácio VII, (sujeitos que se diziam “Papas” sem serem) João XXIII e Bonifácio VII eram antipapas, já Leão VIII, (legalizado depois), havia sido empossado arbitrariamente pelo rei Oto I da Alemanha, quando o Papa legítimo da Igreja era João XII (955-964). O embusteiro “pastor” maliciosamente no texto, trocou a palavra “Antipapa” por “Papa” e “o justo e longínquo Papa João II pelo antipapa João XXIII. Estamos de olho! (Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99. [ver lista de antipapas).
MENTIRA DO “PASTOR”:
Papa Marcelo II, ano 1555, registrou em sua biografia: "Não sei como um papa poderá escapar do inferno!"”

VERDADE DOCUMENTAL:

Papa Marcelo II, ano 1555, NUNCA “registrou” NENHUMA “biografia”, faleceu 22 dias após sua eleição. Paulo IV, foi eleito no mesmo ano 1555 e pontificou até 1559. Se o espírita “pastor” acredita que os mortos fazem biografias, é um problema sério para este “espírita evangélico”. (Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99).
MENTIRA DO “PASTOR”:

“Santo Ulrico, bispo de Augsburgo, contou que o papa Gregório VII, anos 1703-85, ordenara que se esvaziasse um aquário num convento de Monjas em Roma e encontraram 6.000 esqueletos de bebês! Diante desse horror, esse papa aboliu o Celibato, mas seus sucessores restabeleceram-no. – Noutro convento em Niuberg, Áustria, desenterraram 20 potes de barro com esqueletos de recém-nascidos!”

VERDADE DOCUMENTAL:

Desmascaremos então, mais esta falcatrua de Lutero, com o transcrito do livro: Martin Luther, His life & work, Grisar, Hartmann, S.J., The Newman Press, 1960 pág. 177. Diz o precioso livro:

<< “Lutero era inventivo na promoção de sua causa. Em sua avidez de lucrar o que parecesse servir aos seus fins, Lutero ao final de 1520 fez uso de uma notória fábula atribuída ao bispo Ulrich de Augsburg, publicando-a [a fábula] em Wittemberg com seu prefácio. Essa publicação pretendia ser uma efetiva arma contra o celibato dos padres e religiosos. Nessa carta o santo bispo é representado narrando como cerca de 3000 (de acordo com outros, 6000) cabeças de crianças que teria sido descobertas num reservatório de água do convento de freiras de São Gregório em Roma. (…) (Jerome) Emser desafiou Lutero a publicar essa questionável carta, e ele respondeu que não confiava muito nela. (sic!) Todavia, graças a seu patrocínio, a fábula pôde continuar sua destruidora carreira e foi zelosamente explorada”.>> Como ‘filho de diabo, diabinho é’, o “pastor” achou pouco e forjou a nova lenda dos 20 potes com esqueletos de recém-nascidos. – Após as macabras calúnias, dizia o velhaco: “diante desse horror, esse papa (Gregório VII) aboliu o Celibato”. –Resposta: ESTÚPIDA CALÚNIA!!! O papa Gregório VII foi um dos maiores pregadores do celibato, senão o maior depois de Cristo (Mt 19,12), e São Paulo (1Cor 7,32-34). Transcrevo a seguir, o que diz sobre este Papa, a Enciclopédia Microsoft Encarta 99: << Suas medidas para PROMOVER O CELIBATO DO CLERO fizeram com que fosse deposto por Henrique IV, imperador da Alemanha, na dieta de Worms. O Papa, então, excomungou o imperador, iniciando, assim, a Questão das Investiduras. Henrique IV conseguiu entrar em Roma com seu exército mas o povo voltou-se contra ele, obrigando-o a deixar a cidade.>> Veja só do que é capaz um “pastor” para manter sua “fezinha” patrocinada pelo pai da mentira.

MENTIRA DO “PASTOR”:
Pio IV redigiu uma bula pedindo que todas “as mulheres violadas pelos padres apresentassem acusação; os casos foram tantos ‘só em Sevilla, Espanha, que suspenderam os processos! (Conv. de Mesa nr. DCCLXII e CHINIQUI, ex-padre)”.

VERDADE DOCUMENTAL:

Isso é um absurdo que clama aos céus, pela exploração da burrice universal. Esta é mais uma acusação vazia sem fundamento. A campanha do herege concentra-se em atacar o celibato pregado por S. Paulo (1Cor 7, 32-34), com fantasias imaginárias nunca registradas pela história universal. Pio IV nunca “redigiu” tal bula que nem nome tem. O desonesto ex-padre Chiniguy, que ele cita como fonte, foi expulso por má conduta, correndo para o protestantismo, de lá também foi expulso por desviar ilicitamente os fundos financeiros (Revista Perg. e Resp. Nº 412 – Setembro de 1996). Enquanto isso, só no Texas, Estados Unidos, a igreja evangélica luterana foi condenada a pagar a multa Record de 69 Milhões de dólares por abusos sexuais, o Reverendo Gerald Patrick Thomas foi condenado a pena de 397 anos de cadeia, pelos abusos cometidos entre 1997 e 2001. ( http://www.radiovaticana.org/portuguese/brasarchi/2004/RV17_2004/04_17_34.htm ), (Jornal do Commércio 24/05/04).

Patrick Means, em seu livro Men’s Secret Wars (As Guerras Secretas dos Homens), numa pesquisa entre os “evangélicos” destaca: 64 por cento dos “pastores evangélicos” e leigos têm problemas com vício sexual, inclusive pornografia e outras atividades sexuais secretas. Especificamente, 25 por cento confessaram ter cometido adultério depois de casados e depois de se tornarem “evangélicos”.( http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?id=853 .

MENTIRA DO “PASTOR”:
”Presentemente a Vaticano reembolsa despesas com pílulas anticoncepcionais de seus funcionários! (Estado de São Paulo, 23-3-83)”

VERDADE DOCUMENTAL:
Essa é mais uma calúnia gratuita enviada para a seção opinião de um jornal diário, para citar o seu nome mais tarde, com intenção de dar credibilidade ao engodo protestante. O Vaticano é terminantemente contra qualquer método contraceptivo e a favor da vida. Não “reembolsa despesas” e nenhum centavo dos salários dos seus funcionários.

(Fantástico/Rede Globo 24-04-2005). Usou ele o velho golpe da seção opinião do jornal diário.

E quando não tinha mais calúnias gratuitas contra os Papas, resolveu apelar para a ficção dizendo:

“Nenhuma Igreja Evangélica qualificou a corrupção no Catolicismo em linguagem tão dura, como fizeram ilustres e iminentes (sic) Católicos” . – E blefava o embusteiro “pastor”, misturando suas ficções com outras:

MENTIRA DO “PASTOR”:

“SÃO BERNARDO, doutor da igreja e canonizado, escreveu que em seus dias “O contágio pútrido havia se estendido pelo corpo da igreja; o mal era interno e não podia ser curado!” (Roma, a Igreja e o Anticristo, pág. 179).”

VERDADE DOCUMENTAL:

Pura distorção do livro herético do Sr. Ernesto. Todas as vezes que São Bernardo mencionou tal ira, foi referindo-se aos ANTIPAPAS de seus dias, mas ele mesmo os venceu e “CUROU” a Igreja. A fonte atéia citada pelo “pastor” deturpou as coisas e convenientemente não mostrou o final que mostramos agora. São Bernardo ferrenho amante da Igreja jamais dirigiria tal heresia contra a Igreja ou ao Papa. Eis o que narra sua biografia: <<[“A missão pública de São Bernardo quase não teve similar na História (...) Percorreu então a Europa, conquistando reis e reinos para a justa causa. Foi a alma dos Concílios de Latrão, de Troyes e de Reims, convocados pelo Papa para tratar dos negócios da Igreja. Opôs-se ao Imperador alemão Lotário II que, aproveitando-se do cisma, queria receber as investiduras das igrejas. Bernardo não só o fez disso desistir, mas também o convenceu a reconhecer o Papa verdadeiro. Estava na Itália quando a morte repentina do antipapa Anacleto fez cessar o cisma, que havia durado sete anos. Elegeram um outro sucessor antipapa, mas Bernardo o convenceu da iliceidade dessa eleição, do risco de sua eterna salvação, e o levou arrependido aos pés do verdadeiro Papa. Com isso terminou o cisma.”]>> Obra consultada: Les Petits Bollandistes, Vies des Saints, Bloud et Barral, Libraires-Éditeurs, Paris, 1882, tomo X, pp. 50 e ss.

– Como é doce desmascarar os embusteiros.

MENTIRA DO “PASTOR”:
PETRARCA, poeta da renascença, anos 1340-74, escreveu coisa semelhante na sua Epístola nr. XII: ‘Igreja de Roma, Babilônia infernal que impestia o mundo inteiro; cárcere indecente…onde nada é sagrado, nenhum temor de Deus, habitação de gente que tem peitos de ferro, ânimo de pedra e vísceras de fogo!!!’”

VERDADE DOCUMENTAL:

O católico Petrarca NÃO nasceu em 1340 e sim em 1304; Nunca foi poeta da “renascença”, faleceu muito antes; NUNCA dirigiu ofensas a Igreja de Roma que ele tanto amava, e sim a Avignon, França. Corrija seu fantasioso e deturpado texto, embusteiro “pastor”. Quando o papado esteve na França, houve um movimento apaixonado para o rápido retorno. << Deste movimento – ensina a Professora Veridiana Aderaldo Skocic (UERJ) – tomou parte Petrarca, o qual escrevera duas epístolas ao papa Benedito XII. Duas outras correspondências foram enviadas, respectivamente, em 1342 a Clemente VI e em 1366 a Urbano V. Uma das idéias recorrentes nestes escritos era, exatamente, o retorno do papado para Roma, cidade que, segundo o poeta, deveria abrigar os representantes dos dois poderes: o espiritual e o temporal, uma vez que Petrarca vislumbrava o retorno dos princípios do Império Romano. É interessante observar, que não obstante a posição extremamente radical de Petrarca perante a Igreja de Avignon, a sua relação com a cúria fora muito boa. Com efeito, bispos, arcebispos e cardeais dentre os quais Egidio de Albornoz, Guido de Bologne e Bertrando du Poyet sempre demonstraram uma enorme estima e respeito pelo poeta. Se Petrarca, então, era admirado e respeitado pela Igreja de seu tempo, como explicar o comportamento do poeta? Vimos nas inventivas petrarquescas o desabafo do italiano que não quer a influência francesa no governo da Igreja (…) muito provável é que por trás de seus ferozes desabafos se encontrem a paixão política e a aversão à França (…) o poeta acreditava ser fundamental o retorno da sede papal à Roma.>> (Fonte: http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno04-11.html). Puro ciúme do artista, distorcido em proveito pelo “pastor”.

MENTIRA DO “PASTOR”:
“DANTE na “Divina Comédia”, supôs uma voz do céu lamentando a situação da Igreja Católica que dizia: “Oh! Nave minha, que carga ruim tu levas!”

VERDADE DOCUMENTAL:

A ridícula frase acima do “pastor” não consta em toda a obra de Dante. Dante escreveu A Divina Comédia, uma ficção que constitui uma narrativa alegórica em verso, da imaginária viagem do poeta através do inferno, do purgatório e do paraíso. Dante embora acreditasse no purgatório, comete um erro crasso de julgar que o purgatório é um lugar de tormento quando não é, é a passagem de purificação para o paraíso. Quando Dante faz alguma crítica a Igreja é por sua diplomacia natural com o estado, de quem ele não era admirador. Quando o “pastor” for ler a obra um dia, recomendo que se detenha no Canto IX, onde o anjo guardião do purgatório é visto como representante da Igreja Católica. Seria o sacerdote (ou confessor) ideal, de acordo com D. Sayers. “Ele porta a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus, e possui as chaves para o Reino de Deus, que foram dados a Pedro como a autoridade da Igreja para libertar ou não das amarras do pecado”. Lugar propício para a alma de “pastores” enganadores que pregam o contrário disso tudo e ainda inventam lorotas para justificar suas religiõeszinhas particulares. (http://www.stelle.com.br/pt/index_estudos.html). Interessante também para o “pastor”, é a parte do inferno no Canto XXVIII, destinado aos que promovem REBELIÃO e DIVISÕES como Lutero, que aparecem sendo continuamente golpeados pela espada de um demônio. Esse é o resumo da FICTÍCIA Obra de Dante, que nada tem a ver com a história da Igreja, para ser citada aqui pelo embusteiro “pastor”. (Enciclopédia Microsoft Encarta 99 e obra citada )

Dizia o apologista católico, Marcus Moreira Lassance Pimenta: “Ao ignorante, basta uma mentira bem contada para que a tenha como verdade. E ao sábio, não há mentira que o impeça de buscar a verdade”. Fim desta imoralidade protestante.

RESPOSTA 19 – “A BENÇÃO PAPAL”

Este capítulo, foi dedicado pelo embusteiro “pastor”, a supostos insucessos das Bênçãos do Papa, que seu mestre Lutero tanto respeitou, dizia Lutero. “Por isso, o Espírito Santo nos beneficia através do papa quando este, em seus decretos, sempre exclui a circunstância da morte e da necessidade.” (tese 9).

Caluniava o vil “pastor”: -“O Papa abençoou Carlota de Bourbon quando voltou à Roma; antes dela sair do Vaticano enlouqueceu sem causa aparente”. - PURA CALÚNIA! O papa nunca esteve com Carlota de Bourbon, esta quando saiu do Brasil voltou à Portugal e jamais à Roma, e muito menos esteve louca em qualquer momento de sua vida, nem com, nem sem causa aparente. Pura calúnia. (Fonte consultada: ©1997-2003 PNN Portuguese News Network™. )

- O embusteiro também inventou gratuitamente uma série de outras supostas bênçãos que os Papas teriam dado ao Imperador Maximiliano do México, a Imperatriz do Brasil, ao Exército Francês, ao príncipe Napoleão IV, ao Duque Francisco Fernando da Áustria, a um suposto arcebispo do Peru, e teriam todos terminado em insucessos. PURA CALÚNIA! Em biografias e históricos destas pessoas e exército, nada consta de bênção Papal ou até encontro com o Papa, visto que o velhaco “pastor” descaradamente não citou nenhuma fonte.

O citado por ele “Duque Francisco Fernando” que “teria” sido “abençoado solenemente pelo Papa Bento XV”, na verdade foi assassinado no dia 28/06/1914, o Papa Bento XV só viria a ser eleito posteriormente, em 03/09/1914; e o exercito francês, também “abençoado”, jamais poderia ter recebido benção em 1870, visto que nesta época este apoderava-se de Roma. O resto é lorota descabida para “evangélico” dormir. (Enciclopédia Encarta).

O ludibriador ainda sofismava, desvirtuando o sentido da palavra BÊNÇÃO, querendo dar a ela o sentido de IMORTALIDADE das pessoas, ou a sua IMUNIDADE aos acidentes terrenos. Ora, BÊNÇÃO no dicionário, quer dizer BENZER, GRAÇA DIVINA. A visão materialista do velhaco “pastor” se prende apenas as coisas terrenas. Vendo as coisas desse jeito o “pastor” está insinuando que Cristo foi um desastre, pois diz as escrituras protestantes: “… ABENÇOANDO-OS Ele, se apartou deles e foi elevado ao céu” (Lc 24,51). Foi uma bênção infeliz também aquela dada aos apóstolos que morreram todos “tragicamente”, blasfemo “pastor”?

- Adiante ele fala que os supostos “navios Santa Maria e América teriam recebido a benção do papa; no primeiro viajava 11 freiras, ambos naufragaram com perda total.” - Resposta: Ora, o Santa Maria era uma caravela da esquadra de Cabral, obteve todos os êxitos incluindo o de descobrir o Brasil, nunca naufragou nem transportou freiras, sua tripulação era masculina. Já o “navio América”, também citado como afundado por causa de “benção papal”, não se registra na história dos naufrágios. Tudo calúnia. (Fonte consultada de naufrágios: http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI862751-EI294,00.html)

- Fala também o enganador que, Campos Salles e sua família supostamente teriam recebido uma benção do Papa que “valia para três gerações!. Em poucos dias seu irmão foi assassinado”.Resposta: Ora, embusteiro “pastor”, se como o senhor diz, a bênção foi para as três gerações de Campos Salles, o senhor não acha que a geração do suposto irmão assassinado de Campos Sales é outra, e não foi abençoada? As três gerações de Campos Salles compreendem seus filhos, netos e bisnetos. Que fiasco do “pastor”!

- Agora preste atenção nesta calúnia do embusteiro, ele alega gratuitamente, sem fonte alguma que: “Dr. Tancredo Neves, eleito presidente, foi a Roma e recebeu a benção do Papa; depois saindo de uma igreja em Minas Gerais disse: ‘ Recebi a benção da Nossa Senhora, agora posso governar o Brasil.’ A benção do Papa não ajudou, a imagem falhou e Tancredo não subiu a rampa do Palácio!” Resposta: Pura calúnia! Este é mais um delito contra o ARTIGO 208 DO CÓDIGO PENAL, que pode por na cadeia este vilipendiador da fé Católica. Tancredo Neves nunca mencionou a frase acima inventada pelo velhaco, apenas visitou o Papa, como o fez: SARNEY, ITAMAR, FHC, LULA, KLINTON, BUSH, BLEER, PUTTIM, CHIRRAC, MANDELLA, TATCHER E OUTROS, que não morreram e subiram todas as rampas, inclusive duas vezes consecutivas como: FHC, LULA, BUSH e BLEER. Os médicos derrubaram a máscara do “pastor” quando no dia 22/04/2005 no Globo Repórter/ Tv Globo, afirmaram bombasticamente que Tancredo Neves era paciente terminal mesmo antes de se candidatar, por trazer grave enfermidade, que não foi a anunciada como causa de sua morte. Os médicos foram categóricos: “Tancredo como estava enfermo não viveria para assumir o governo”. Isso desmoraliza o velhaco e criminoso “pastor”.

- E novamente incorrendo no mesmo crime previsto do ARTIGO 208 DO CÓDIGO PENAL, que põe na cadeia os vilipendiadores da fé, o embusteiro sofismava: “É preciso que as autoridades do nosso país dirijam suas preces ao Deus vivo, esquecendo a idolatria do Catolicismo Romano!” – Resposta: No Catolicismo não cabe “idolatria”. Todos os presidentes Católicos deste país, sempre dirigiram suas preces ao Deus vivo, ou pediram a intercessão da MÃE DO SENHOR (Lucas 1, 43) ao mesmo Deus vivo, com exceção do protestante ditador, perseguidor e militar, Ernesto Geisel, que governou este país sem eleição do povo, e fez desaparecer muita gente inocente, achou-se milhares de corpos clandestinos no cemitério de Perus – SP. Saiba que no Catolicismo não tem “idolatria”. Esta religião não permite ídolo, ídolo este, que o falsário João Ferreira de Almeida trocou nas bíblias protestantes por “imagem de escultura”. Este atentado contra a Bíblia, é confirmado ao notarmos que ele esqueceu de adulterar (Jz 18,30-31) nas bíblias protestantes, deixando a “IMAGEM DE ESCULTURA” na casa de Deus, revelando o verdadeiro sentido dos originais. Deus proíbe “ídolo” (deus falso) e não “imagem de escultura”. Muitas imagens de escultura Deus mandou fazer, na Bíblia, confira: (Ex 25,18-20), (Num 21,8-9), (1 Rs 6,23-35 e 7,29).

- Contrariando seu mestre Lutero, o velhaco “pastor” blefava: “As bênçãos dependem dos céus e só devem ser ministradas quando há autenticidade espiritual e isso não se consegue por governar uma grande religião ou por direitos canônicos!” - Resposta: Repetimos o que escreveu Lutero: “Por isso, o Espírito Santo nos beneficia através do papa quando este, em seus decretos, sempre exclui a circunstância da morte e da necessidade.” (Lutero, tese nº 9). Como se vê “pastor”, o Papa tem “autenticidade espiritual” de sobra.

- Adiante o Gaiato “pastor”, gratuitamente atribui tragédias, catástrofes econômicas, enchentes e outros males do Brasil à visitas que o Papa fez a Nação e a bênção que ele distribuiu ao povo brasileiro. Ora essa vulgar acusação não é de se estranhar vinda dos filhos da divisão (Rm 16,17-18), pois Cristo também foi insultado, e acusado de agir pelo poder de Belzebu, chefe dos demônios (Mt 12,24). Coisas piores e reais aconteceram quando o protestantismo chegou nas Guianas Francesas e matou envenenada grande parte da população, matou queimadas as crianças da Suécia e matou 30.000 camponeses seguidores de Thomas Müntzer, na Alemanha.

- Já que ele escondeu, vejamos então parte das maravilhas que trouxeram as Bênçãos do Papa: O Brasil saiu da ditadura para a democracia; se tornou TETRA E PENTA CAMPEÃO MUNDIAL DE FUTEBOL; bate ainda hoje recordes na agricultura; erradicou a paralisia infantil; controlou a tuberculose; estabilizou-se economicamente; as exportações aumentaram extraordinariamente; durante a estadia do Papa no Rio de Janeiro, não houve nenhum homicídio, coisa que assustou as estatísticas cariocas; foram fechados todos os bancos dos escândalos políticos; o número de católicos passou de 85,5 MILHÕES para 125 MILHÕES; a expectativa de vida do brasileiro aumentou e a torcida do Fluminense cantou a música papal “a bênção João de Deus” no Maracanã lotado e goleou o Flamengo, sagrando-se CAMPEÃO BRASILEIRO em 2005, durante o funeral do Papa João Paulo II, que atraiu os olhos do mundo inteiro para sua Santidade. ALELUIA! (Fontes: Veja, Globo Repórter, IBGE, Placar, CNN).

Só uma perguntinha: Se o deus do protestantismo é mais poderoso que o Deus Pai de Jesus Cristo, filho de Maria, por que não livrou os protestantes brasileiros das supostas “catástrofes” que eram só para os católicos???

- Aprenda, “pastor”, bênção só se torna maldição para quem a faz em sua própria honra (Malaquias 2,2). Lembre-se sempre das prisões da “bispa” Sônia, do “apostolo” Hernandes e de Edir Macedo. Coisa que o Papa não faz.

S. Paulo escreveu aos Romanos: “Abençoai os que vos perseguem, ABENÇOAI-OS e não os amaldiçoeis” (Rm 12,14).

É por isso que os protestantes no Brasil usufruem sem saber das bênçãos Papais. Ronaldinho fenômeno, desacreditado dos médicos, foi abençoado pelo Papa e milagrosamente curou sua perna nos dando o Penta. Qual protestante não saltou de alegria? E para o velhaco “pastor” que duvidava da assistência divina ao Papa, deixo Lutero corrigi-lo: “Dizemos contra isto que qualquer papa, mesmo São Pedro, tem maiores graças que essas, a saber, o Evangelho, as virtudes, as graças da administração (ou da cura), etc., como está escrito em I. Coríntios XII” (Lutero, tese nº 78). E assim acabam as lendas estratégicas do protestantismo.

RESPOSTA 20 – “A VERACIDADE DA BÍBLIA”

Nesta resposta, já que o tema é VERACIDADE, dispensaremos as quimeras do “pastor” e iremos direto a verdade incontestável:

Foi o Papa São Dâmaso quem definiu o número de livros do Novo Testamento e canonizou a Bíblia completa no ano 382 d.C.; As Escrituras foram chamadas de “Bíblia” pela primeira vez por São Crisóstomo, arcebispo católico de Constantinopla no séc. IV; o arcebispo Estevão Langton a dividiu em capítulos; o domiciano italiano Santos Pagnino iniciou sua divisão em versículos. (“What Say You?” p. 244-289 © 1945 By David Goldstein).

Caluniava o embusteiro, dizendo: “Em todos os tempos o catolicismo foi contrário à leitura e ao exame da Bíblia…” Resposta: PURA CALÚNIA! Veja a norma católica em 1480, anterior à revolta protestante: <<“Todos os cristãos devem ler a Bíblia com piedade e reverência, rezando para que o Espírito Santo, que inspirou as Escrituras, capacite-os a entendê-las… Os que puderem devem fazer uso da versão latina de São Jerônimo; mas os que não puderem e as pessoas simples, leigos ou do clero…devem ler a versão alemã de que agora se dispõe, e, assim, armarem-se contra o inimigo de nossa salvação”. (The publisher of the Cologne Bible [1480])>>. A Igreja NUNCA foi contra o exame das Escrituras, um exemplo é a missão de São Cirilo e São Metódio para os eslavos na Morávia durante o séc. IX. São Cirilo teve que desenvolver um alfabeto para o velho idioma eslavo (este se tornou o precursor do alfabeto russo “cirílico”). Em 885 São Metódio traduziu a Bíblia inteira neste idioma. (Warren H. Carroll, The Building of Christendom (Christendom College Press, 1987) pp. 359, 371, 385).

É uma inverdade que Lutero primeiro tenha traduzido a Bíblia para o povo alemão, como mentem os protestantes, visto que na Alemanha, antes de Lutero nascer, já existiam traduções católicas da Bíblia, desde 1466, três em baixo-alemão e quatorze em alto-alemão. Por exemplo, antes que Lutero fizesse sua tradução alemã, já haviam dezessete traduções alemãs (todas antes de 1518) e já impressas, doze destas no dialeto do baixo-alemão, para o povo. Só no ano de 1524, apareceu a bíblia protestante, ver­tida por Lutero, quando já eram 30 as traduções católicas na Alemanha. Isso acaba com a calúnia protestante de que a Igreja “proibia” o povo de ler a Bíblia. (Imperial Encyclopedia and Dictionary © 1904 Volume 4, Hanry G. Allen & Company), ( Holman Bible Dictionary © 1991).

Escorregava ainda o embusteiro dizendo: em 6 de Outubro de 1536 o clero queimou vivo o cidadão inglês Tyndale por traduzir e distribuir Bíblias! A Igreja Católica estava furiosa!” Resposta: PURA CALÚNIA! O clero nada teve a ver com a morte deste falsário. Quem queimou o falsário Tyndale foi um decreto do imperador em Augsburg. O rei Henrique VIII já havia condenado em 1531 a “bíblia” de Tyndale como uma corrupção da Escritura. Nas palavras dos conselheiros do rei: “a tradução da Escritura corrompida por Tyndale deveria ser totalmente expelida, rejeitada e deveria ficar fora das mãos das pessoas…”. Para se pensar, que as “bíblias” protestantes de Wycliffe ou Tyndale fossem tão boas, por que os protestantes hoje não as usam como fazem com a King James? São Thomas More, que viveu naquele tempo comentou que, procurar erros na “bíblia” de Tyndale era semelhante a procurar água no mar. (Henry G. Graham, Where We Got The Bible (TAN Books, 1977) pp. 128,130).

Eram essas falsificações que a Igreja proibia, em respeito as verdadeiras escrituras. Esta ação fez a Igreja ser anti-bíblica? Claro que não. Se fizesse, então os protestantes deste período também foram antibíblicos. João Calvino, o principal “reformador” protestante em 1522, obteve tantas cópias quanto pôde ter achado da Bíblia protestante de Miguel Servet para serem queimadas, já que Calvino não a aprovou. Depois Calvino queimou o próprio protestante Miguel Servet na estaca. O protestantismo estava furioso! Naquele tempo na verdade, o que se proibia, tanto pelo lado Católico como protestante eram as falsificações adulteradas da palavra de Deus, todas produzidas por falsários protestantes, vendidos nas seitas como heróis. (Henry G. Graham, Where We Got The Bible (TAN Books, 1977) p. 129).

Caluniava o ludibriador: “Foi o Papa Paulo III anos 1534-39 (imoral, pois tinha vários filhos ilegítimos) que sancionou a inclusão na Bíblia de vários livros apócrifos, foram eles Tobias, Judithe, Sabedoria, l e II Macabeus, Eclesiástico e Baruque”. - E sofismava:- “(*Apócrifo, é espúrio, secreto, não inspirado e de procedência duvidosa).” Resposta: PURA CALÚNIA! A exemplo do apóstolo Paulo, o futuro Papa Paulo III, teve vida desregrada apenas antes de ser Religioso. Mas, ao fazer os votos religiosos, Alessandro Farnese mudou. Eleito Papa, empenhou-se na moralidade. Recebeu educação humanística em Roma e Florença. Era um verdadeiro Farnese. Possuía cultura, temperamento enérgico, físico vigoroso e porte aristocrático. Nunca sancionou “inclusão de livros apócrifos” na Bíblia, confirmou a original Escritura que já havia sido canonizada pelo Papa São Dâmaso no ano 382. Esta já continha os Livros Sagrados citados acima, que os protestantes arrancaram mais tarde, e hoje convenientemente os chamam de “apócrifos”. (Enciclopédia Encarta 99). (Bíblia de Gutemberg contém livros citados pelo “pastor”: http://www.hrc.utexas.edu/exhibitions/permanent/gutenberg/web/pgstns/13.html ).

- Corrigindo o “pastor”: <<*Apócrifo>> sempre significou: [escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja no Cânon das Escrituras autênticas e divinamente inspiradas,] (Dicionário Enciclopédia. Encarta 99). Ou seja, são os livros que ficaram fora do Cânon da Igreja, e os que o “pastor” cita, estão sim no Cânon cristão. Confira: já escrevia Santo Agostinho, no ano 397: “… O cânon inteiro da Bíblia é o seguinte: os cinco livros de Moisés, ou seja, Gênese, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio,… Tobias, Éster e Judite, e os dois livros de Macabeus,… Para dois livros, Sabedoria e Eclesiástico, é designado Salomão como autor, mas nossa provável opinião é que foram escritos por Jesus, o filho de Sirac,… Baruque,…” (Santo Agostinho, Sobre a Doutrina Cristã, livro 2, cap. 8, 13 ano 397). – Já os malandros protestantes, que “reformaram” suas bíblias, resolveram chamar de “apócrifos” os Livros Sagrados que depois de 1517 eles arrancaram, por contrariarem suas doutrinas humanas. Cai a farsa protestante.

*********************************************************************************

AGORA, CONHEÇA O PROTESTANTISMO. VEJA A SEGUIR, COMO LAMENTAVELMENTE ACABARAM OS EXALTADOS “EVANGÉLICOS”, QUE OS “PASTORES” CHAMAM DE “ABENÇOADOS”.

Registro da Maldição dos exaltados “evangélicos”.

No dia 03 de julho de 2002, os “evangélicos”, numa suspeita matéria de capa da VEJA, intitulada “Nação evangélica”, em tom pilhérico, exaltavam-se como “a força do Senhor”, de “movidos pela fé”, de religião dos bem sucedidos. Passado o tempo, verifique conosco…

O QUE ACONTECEU AOS EVANGÉLICOS QUE SE EXALTARAM NA REVISTA VEJA.

A BÍBLIA DIZ QUE “OS EXALTADOS SERÃO HUMILHADOS E OS HUMILHADOS SERÃO EXALTADOS”.

POR QUE DEU TUDO ERRADO?TERIA A MALDIÇÃO DOS QUE VIVEM SOB A LEI, CAÍDO SOBRE ESTES FUNDAMENTALISTAS QUE TAMBÉM VIVEM SOB A LEI? TIRE SUAS CONCLUSÕES (Gálatas 3,10).

! Assíria Nascimento: cantora “evangélica” que abria a matéria, poucos dias depois, estava sendo processada por calote em Recife-PE, por sua amiga de infância. Ninguém foi para um dito “show gospel” que ela pensou que lotaria o estádio, e as contas ficaram para “Jesus” pagar. Foi julgada à revelia e condenada a pagar as contas. Mais tarde, Pelé pediu divórcio da mesma, que ficou pela segunda vez sem marido. http://www.medianeira.com.br/noticias.php?id=608977

! Cassiane cantora: a desconhecida “evangélica”, com promessas de vender tanto CD quanto o padre Marcelo Rossi, foi um fiasco diante do padre, que vendeu 5 vezes mais, ou seja 5 Milhões de Cds, e ainda ganhou o prêmio de melhor álbum cristão. O padre doou a renda para caridade, ela não.

! O Colégio Gamaliel, da “igreja Renascer em Cristo”, mostrado na matéria, poucos dias depois deixou de funcionar, com aviso prévio de três dias. Os donos da igreja estão sendo investigados pelo Ministério Público em inquéritos que apuram estelionato, formação de quadrilha, falsidade ideológica, entre outras acusações. A seita foi expulsa dos Estados Unidos e teve a cara de seus proprietários estampadas na capa da Revista Época como “CALOTEIROS”. Logo em seguida, foram presos e condenados por contrabando de dólares dentro de bíblias.

! Time São Caetano, chamado por eles na matéria de “time de Jesus”, só porque nele tinha alguns protestantes, naquele ano na final, jogando em casa pelo empate para ser campeão, perdeu nos 90 minutos, na prorrogação e nos pênaltis numa noite só, para o time paraguaio 100% católico do Olímpia, que naquela mesma noite sagrou-se Campeão Sulamericano rezando a Ave Maria diante deles. No time dos “evangélicos”, ainda morreu um jogador em campo, foi punido e perdeu 24 pontos por tê-lo levado a campo doente, terminou rebaixado. Por outro lado a FIFA proibiu a palhaçada dos “evangélicos” levantarem a camisa em campo fazendo proselitismo com o nome de Jesus na roupa de baixo. Mais triste ainda, foi o que aconteceu com o “evangélico” Marcelinho Carioca, conhecido como “Marcelinho Scariotes” por sua violência e “trairagem” que o expulsou do Corinthians e do Brasil. Em atuação no Japão foi um fiasco, indo em seguida aventurar no Irã, em time desconhecido, onde o desastre foi ainda maior, chegando a ser preso por conduzir bebiba alcoólica dentro do veículo. Voltando ao Brasil, foi recusado por 99,9% das torcidas dos clubes brasileiros (conf. Pesquisa da Revista Placar), só lhe restando um triste fim de carreira num timinho desconhecido, de terceira divisão. Já em Recife, o “pastor” Jonas Alvarenga infiltrou-se na direção do Santa Cruz, e colocou onze ditos “atletas de Cristo” para jogar, levou muitas goleadas e rebaixou o time.

! R. R. Soares viu as católicas TV Aparecida, TV Canção Nova, Rede Vida e Século 21 crescerem no Brasil e em todo o mundo, pregando o evangelho 24 horas no ar. O R. R. continua pedindo dinheiro para manter seu espremido proselitismo em televisões de terceiros, em horários baratos e de baixíssima audiência, enquanto um de seus pastores foi preso, por abuso sexual de menores. http://www.mp.rs.gov.br/imprensa/noticias/id11506.htm

! Teologia da Prosperidade: O líder da fantasiosa “teologia da prosperidade”, viu seu arauto, o diabólico Dr. Farah, matar e esquartejar uma paciente e amante casada. O profeta Jeremias 12,1-3, fala dos ímpios que prosperam e de sua engorda para o dia da matança. http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI2744632-EI5030,00.html

! Bancada “evangélica”: os 61 deputados “evangélicos”, mostrados por eles com orgulho, diante dos 580 do Congresso, foram apanhados primeiro recebendo “mensalão”, depois pela “Operação Sanguessuga” da Polícia Federal. A quadrilha “evangélica”, que superfaturava ambulâncias, era chefiada pelo “evangélico” “bispo” Rodrigues e integrada por “pastores da assembléia de Deus e da igreja universal, num esquema que movimentou pelo menos R$ 110 milhões. Entre tantos “evangélicos”, foram apanhados: Ronivon Santiago (PP-AC), a deputada Edna Macedo (PTB-SP), irmã do bispo Edir Macedo, seu filho Octávio José Bezerra; o deputados Reginaldo Germano (PP-BA), pastor José Divino (PMDB-RJ), pastor João Mendes de Jesus (PSB-RJ) pastor Marcos de Jesus (PL-PE) e pastor Vieira Reis (PRB-RJ). Na matéria da revista Veja, eles diziam “na política os evangélicos são um trator.” Mas ficou claro que o negócio deles era mesmo ambulâncias superfaturadas.

A Bancada evangélica no Congresso, caiu à metade e ficou sem líder. passando a ter no máximo 30 integrantes. Antes eram 61. Destes, apenas 12 se reelegeram. Dos evangélicos envolvidos nos escândalos das sanguessugas e do mensalão, no máximo dois conseguiram votos suficientes para permanecer no Congresso Nacional.

http://www.agenciasoma.org.br/sys/popmaterias.asp?codMateria=zVGiobOrGB9W&secao=show

! O “bispo” Rodrigues, da igreja universal, que aparece na matéria, pousando ao lado do presidente Lula, foi preso pela Polícia Federal, integrando as quadrilhas do “Bingo” e do “Mensalão” e mais tarde chefiando a quadrilha dos “Sanguessugas”. Vários assassinatos no Rio de Janeiro são pela polícia, atribuídos a ele.

! Garotinho: diziam na matéria: “1,2,3,4,5 mil queremos um evangélico presidente do Brasil”. O candidato dos evangélicos em 2002, terminou a campanha ridicularizado. Dizendo-se “enviado de Deus”, foi derrotado no 1º turno pelo católico Lula, ficando em terceiro lugar. Depois o católico Cezar Maia, eleito prefeito do Rio, derrotou todos os políticos “evangélicos” que ele apoiava no estado. Na campanha seguinte, esperneou querendo ser candidato pelo PMDB, foi barrado, quase morrendo numa hilária greve de fome, que não deu em nada. Hoje é um reles secretário da esposa. Na sua greve de fome, Garotinho recebeu do povo: caixão de defunto, mamadeira e chupeta.

! O livro de Edir Macedo: tentaram comparar Edir Macedo e seu criminoso livro que vilipendiava outra fé, com o mundialmente conhecido Paulo Coelho. O livreco de Edir Macedo foi condenado pela justiça a pagar 1 milhão e quatrocentos mil reais à umbandistas. Paulo Coelho alcançou a Academia de letras, e foi declarado “Imortal”, enquanto a justiça liberava o livro “Nos Bastidores do Reino” do ex-pastor Mário Justino, da universal, que mostra as falcatruas de Edir Macedo e sua “igreja”. http://br.geocities.com/luizahpbr/iurd.html

! O boneco “Bibliman”: Para faturar, criaram para suas crianças, um ídolo diabólico e sanguinário, com o diabo pintado na máscara e trazendo uma espada na mão, sem saber que Jesus disse: “Mete no seu lugar a tua espada, porque todos os que lançarem mão da espada à espada morrerão.” (Mt 26,52).

! Rodolfo Arantes: ex-integrante da banda “Raymundos” que dizia-se “de formação católica”, sem nunca ter ido a uma missa, alegava ter virado “evangélico” após uma “revelação”. Fundou a banda “Rodox”, que logo faliu depois de violento atrito entre ele e os outros integrantes.

! Íris Abravanel: esposa do apresentador Sílvio Santos, após se tornar “evangélica” entrou em atrito com o marido judeu, pelos altos dízimos surrupiados pelos “pastores”, teve sua casa invadida pelo “evangélico” da assembléia de Deus, Fernando Dutra Pinto, que seqüestrou sua filha e matou três policiais em tragédia que parou o país.

! Dedé Santana: Foi visto rastejando atrás de Renato Aragão, pedindo emprego após ter andado falando mal do mesmo. A mulher de Sílvio Santos, que é “evangélica” pediu para quebrar o galho do infeliz, com um programinha medíocre no domingo, que pela baixa audiência, teve que mudar de dia por causa da audiência da “Turma do Didi”.

! Iris Resende: político ”evangélico”, saía na matéria como “vitorioso”. Logo foi derrotado pelo católico Marcondes Pirillo, eleito governador de seu estado.

! Bezerra da Silva, o cantor: pousava de recém convertido à igreja universal. Morreu meses depois com grave enfermidade, sofreu muitos dias antes de morrer nas unhas dos “pastores” curandeiros da universal.

! Quem são os protestantes: eles na matéria, tentavam juntar todas as seitas particulares como se fossem todos “protestantes”, mas o líder das igrejas protestantes tradicionais, na Revista Época, os chamou-o de “Neopentecostais”, “charlatães enganadores”. Ou seja disse para não misturar as coisas.

! Vendas de livros: mentiam na matéria dizendo “Loja de produtos evangélicos em São Paulo: um mercado bilionário”. PURA CALÚNIA! No ano desta maquinada matéria, as editoras católicas faturaram 91 milhões de reais no mercado de livros, contra 87 milhões das 50 mil seitas “evangélicas”. (Veja 8/10/2003 pág.100).

O “pastor” abaixo não aparece na matéria, mas andou pelas televisões fazendo apologia a este engodo da revista. Veja seu galardão:

! “Pastor” Marcos Pereira da Silva: Intimado pela polícia. Este é presidente da Igreja Assembléia de Deus dos Últimos Dias, ele apareceu no programa Fantástico da Rede Globo, numa rebelião na Casa de Custódia de Benfica, no Rio de Janeiro, sendo trazido de helicóptero por Anthony Garotinho, para derrubar os presos rebelados com seu paletó, numa palhaçada sem tamanho. E não é que o “pastor” conseguiu derrubar os rebelados sem nenhum tiro da polícia. Muito simples, o “pastor” era membro das quadrilhas cariocas. De acordo com a Folha de S. Paulo, o “pastor”, teria uma reserva de minas de esmeralda na Bahia e um patrimônio incompatível com a sua renda na Igreja. As suspeitas de ligações com o tráfico são reforçadas por sua relação com o chefe do tráfico nas favelas de Acari, Alberico de Azevedo Medeiros, o Derico. O traficante já foi visto em cultos do pastor e, há duas semanas, foi preso em um apartamento em Maringá (PR) de propriedade de um pastor da igreja. Além disso, agentes da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) fizeram uma vistoria em uma fazenda de propriedade do “pastor” Marcos Silva, em Nova Iguaçu, onde foram encontrados três cavalos que pertenceriam a Derico, além de três homens foragidos da Justiça. Segundo o jornal O Globo, Derico e outros acusados de tráficos usariam a fazenda do “pastor” como esconderijo. http://www.correiodobrasil.com.br/noticia.asp?c=65157

Fontes: (Site Terra Notícias, Sexta, 27 de agosto de 2004, 05h47) Revista veja, Revista Época, Revista Isto é, Diário de Pernambuco, O Globo, Estadão, Placar.

Obs.: 30% da matéria denominada “Nação evangélica” da Veja, foi dedicado aos crimes de Edir Macedo, David Miranda, Estevam Hernandes, Bispa Sônia, pastor Francisco Silva e imagine vocês “dizimo superfaturado”. Eis o povo que se diz “povo de Deus”. Do jeito que o diabo gosta.

A LENDA DA EXPOSIÇÃO DAS 95 TESES DE LUTERO

Assegurou Gottfried Fitzer, no livro Was Luther wirklich sagte: nunca houve a propalada exposição pública das “noventa e cinco teses” de Lutero. É UMA FARSA, também confirmada por dois historiadores, Erwin Iserloh e KIemens Houselmann. Do relato de Johannes Schneider, um criado de Lutero, é que se extraiu de maneira errada e fantasiosa, a notícia da afixação das teses. Não encontramos, em seu manuscrito, nenhuma referência a este fato, escreveu apenas: “No ano de 1517, Lutero apresentou em Wittenberg, sobre o EIba, segundo a antiga tradição da universidade, certas sentenças para discussão, porém modestamente e sem haver desejado insultar ou ofender alguém” . Foi tudo uma farsa que engana os protestantes até hoje. Sabe-se que esta lenda da afixação das teses, foi inventada mais tarde, após a morte de Lutero, pelo alemão Melanchthon, em 1546. Provou-se que ele, Melanchthon, em 1517, estava na cidade de Tünbigen, e não em Wittenberg.

Sábio conselho é o de Jesus nas Escrituras: O diabo é o pai da mentira (Jo 8,44).

Se a ação de Lutero de lançar suas teses não tinha nada de excepcional, por que posteriormente isso foi lembrado em muitos livros didáticos de “história” com conotações de heroicidade ou excepcionalidade? Em primeiro lugar, porque os desdobramentos não necessariamente luteranos de uma “fé reformada” ganhou avultado corpo e agentes sociais. Sem isso, não há quem celebre ou crie memória social em torno de determinado evento. Em segundo lugar, várias idéias de outros escritos de Lutero foram utilizadas por políticos e intelectuais da segunda metade do século XIX para, muito antes de Max Weber, promover o capitalismo não encorajado pela fé cristã. Foi ao final do século XVII, contexto da expansão militar de Luís XIV (que revogou o Édito de Nantes em 1685), que se começou a celebrar nos meios “protestantes” o FALSO dia de lançamento das teses de Lutero, como um “marco de ruptura” com Roma. Essa farsa os engana até hoje. Muitos protestantes de hoje e outros que já morreram, nunca leram essas teses que muito defendem o Papa como intercessor de Cristo na terra. (Vide Teses 61, 69, 70, 71, 72, 73, 74, 75, 76, 77, 78, 79, 80, 81, 83, 84, 87, 89, 90, 91). (Fonte consultada: Alexander Martins Vianna Prof. do Depto. de História da FEUDUC-RJ).

Se perguntarmos hoje a qualquer iludido protestante: Por que Lutero se rebelou contra a Igreja? Ele vencido pela astúcia do diabo diria: Porque o Papa vendia indulgência. Aí reside a farsa pregada pelos “pastores”. Nesse instante se lhe apresentarmos as teses 51 e 91 do próprio Lutero, causaremos o mais desastroso desconforto ao coitado do protestante, dizia Lutero nessas teses:

“Deve-se ensinar aos cristãos que o papa estaria disposto – como é seu dever – a dar do seu dinheiro àqueles muitos de quem alguns pregadores de indulgências extorquem ardilosamente o dinheiro, mesmo que para isto fosse necessário vender a Basílica de S. Pedro”. (Tese 51).

“Se, portanto, as indulgências fossem pregadas em conformidade com o espírito e a opinião do papa, todas essas objeções poderiam ser facilmente respondidas e nem mesmo teriam surgido”. (Tese 91).

Isso prova que quem vendia indulgência era o desobediente monge Tetzel na Alemanha, sem o conhecimento do Papa, onde teve alguns embates com o também monge Lutero. Após o conhecimento do Papa, Tetzel foi repreendido e morreu de desgosto na cidade de Lipzing. Tetzel e Lutero haviam sido convidados a apresentar-se ao Papa para justificar suas brigas, tendo Tetzel morrido, Lutero resolveu desobedecer e recusou-se a cumprir a convocação de seu superior. Insuflado por príncipes devassos, optou por rebelar-se e foi excomungado, fundando para si o protestantismo. Adiante, forjaram até uma falsa bula, para dizer que o Papa autorizava Tetzel. Maldade.

Na verdade, Lutero nunca “reformou” a Igreja, senão sua bíblia particular, arrancando-lhe sete livros, e a própria doutrina humana que criou. A Igreja instituída por Cristo será a mesma ontem, hoje e sempre. Até agora, Judas Scariotes foi o mais ousado rebelde que a integrou. A Igreja tem a assistência prometida por Cristo até o final dos tempos (Mt 28,19-20), e não compactua com os sofismas dos inúmeros hereges que o tempo devora. Nunca a Igreja de Cristo adotou a doutrina de Lutero, daí não caber a palavra “reforma” ao que Lutero inventara.

Se desejar orientação, procure uma Igreja Católica, só esta foi fundada por Jesus Cristo, é a única presente em todas as cidades de todos os paises do mundo, é a única que não tem letreiro na fachada, é muito fácil identificar. Já uma igreja fundada por um pecador nada poderá fazer por sua alma, pois eles mesmos se dirigem a Igreja Católica em busca de seus documentos de batistérios para provarem que são batizados. Suas “igrejas” custavam até pouco tempo R$ 17,00 o alvará de abertura, a Igreja Católica de Jesus Cristo custou-lhe a vida. “…Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela”. (Ef 5, 25). Só esta pode te declarar ímpio, pagão (Mt 18,17).

Santo Inácio de Antioquia no ano 106 já escrevia: ”Onde estiver o bispo, esteja o povo, assim como onde está Jesus Cristo, está a Igreja Católica”. (Carta aos Esmirnenses, 8, ano 106 d.C.).

Afaste-se dos que promovem dissensão (divisões da fé), este não servem a Cristo. (Romanos 16,17-18).

“Não te fieis neles ainda que digam coisas boas” (Jeremias 12, 6).

VOCÊ SABE QUEM FUNDOU A SUA IGREJA?

Denominação – Fundador – Data – Local

Católica – Jesus Cristo – 30 – Palestina – Jesus disse: “Minha Igreja” (Mt 16,18)

“A Igreja é a Coluna e o Fundamento da Verdade.” (1Tm 3,15). “Uma só fé, um só batismo …” (Ef 4,5-6).

Luterana – Martinho Lutero – 1517 – Alemanha

Episcopal (Anglicana) – rei Henrique VIII – 1534 – Inglaterra

Reformada (Calvinista) – João Calvino – 1541 – Suíça

Menonita – Meano Simons – 1550 – Holanda

Presbiteriana – John Knox – 1567 – Escócia

Congregacional – Robert Browee – 1580 – Inglaterra

Batista – John Smith – 1604 – Holanda

Quacker – John Fox – 1649 – EUA

Metodista – John Wesley – 1739 – Inglaterra

Mórmon – Joseph Smith – 1830 – EUA

Adventista – Willian Miller – 1831 – EUA

Exército da Salvação – Willian/ Catarina Booth – 1885 – Inglaterra

Ciência Cristã – Mary Backer – 1675 – EUA

Pentecostais – Charles Parham e discípulos – 1900 – EUA

Congregação Cristã – Luigi Francescon – 1910 – Brasil

Testemunhas de Jeová – Charles Taze Russell – 1916 – EUA

Assembléia de Deus – Daniel Awrey – 1918 – EUA

Igreja Evangélica Quadrangular – Aimee Semple – 1918 – Canadá

Brasil para Cristo – Manoel de Mello – 1955 – Brasil

Deus é Amor – David Martins Miranda – 1962 – Brasil

Universal do Reino de Deus – Edir Macedo Bezerra – 1977 – Brasil

Casa da Benção – Doriel de Oliveira – 1964 – Brasil

Igreja Internacional da Graça – R. R. Soares – 1980 – Brasil.

“Noteis os que promovem dissensões (divisões) e escândalos contra a doutrina que aprendeste; desviai-vos deles. Porque os tais não servem a Nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos símplices”. (Romanos 16,17-18).

POR QUE GRITAM OS “PASTORES EVANGÉLICOS”???

Os Cristãos Católicos desde o início, nunca se utilizaram de artimanhas da oratória para converter o povo. Sobre isso, nos originais, alertava o apóstolo São Paulo: “Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar o evangelho; e isso sem recorrer à habilidade da arte da oratória, para que não se desvirtue a cruz de Cristo” (1Cor 1,17). Mas, de onde veio e quando apareceu a LAVAGEM CEREBRAL, esse jeito escandaloso com gritos, fala frenética e gestos bruscos de “pregar”, usado pelas seitas protestantes?

Jonathan Edwards, presbiteriano, descobriu acidentalmente essa técnica durante uma cruzada religiosa protestante em 1735, em Massachusetts. Induzindo culpa e apreensão aguda e aumentando a tensão, os “pecadores” que compareceram aos seus encontros de “reavivamento” foram completamente dominados, tornando-se submissos. Tecnicamente, o que Edwards estava fazendo era criar condições que deixavam o cérebro em branco, permitindo a mente aceitar nova programação.

O problema era que as novas informações eram negativas. Ele poderia então dizer-lhes, “vocês são pecadores! vocês estão destinados ao inferno!”. Como resultado, uma pessoa tentou e outra cometeu suicídio. E os vizinhos do suicida relataram que eles também foram tão profundamente afetados que, embora tivessem encontrado a “salvação eterna”, eram também obcecados com a idéia diabólica de dar fim às próprias vidas.

Charles J. Finney, foi outro fundamentalista protestante que usou as mesmas técnicas quatro anos mais tarde, em “conversões” religiosas em massa, em Nova Iorque. As técnicas são ainda hoje muito utilizadas pelos protestantes em cultos, e nas forças armadas dos EUA. Estudiosos acreditam que muitos pregadores protestantes não percebam ou saibam que estão usando técnicas de LAVAGEM CEREBRAL quando falam alucinados, com veemência e fazendo gestos bruscos. Edwards simplesmente topou com uma técnica que realmente funcionou, e outros protestantes a copiaram e continuam a copiá-la pelos últimos duzentos anos no meio protestante. E hoje eles abusam desta incessantemente na mídia, em busca de “conversões” (que lhes encham os bolsos). Esta é uma das maiores razões para o crescimento das seitas, especialmente na variedade televisiva e radiodifusão. (…) Exatamente no momento, quando o estado mental alfa for atingido, passarão com a “cestinha de coleta”. Ao fundo da igreja, o pastor assistente com sua “Voz Cadenciada” provavelmente estará incitando os presentes dizendo – sempre cerca de 45 vezes por minuto – algo do tipo: “Dê a Deus… Dê a Deus… Dê a Deus… Dê a Deus…”, e a audiência obedece. Pode ser que Deus não receba o dinheiro, mas seus ricos “representantes” vão. – (Fonte: Psychologie und Landmark EducationExtraído do discurso feito no Congresso Mundial da Convenção de Hipnotizadores Profissionais em Las Vegas, Nevada).

Daí notar-se que os “pastores” não são escolhidos pelo seu conhecimento teológico ou vocação, mas pelo seu malicioso malabarismo persuasivo da oratória (sabedoria da palavra) condenada por S. Paulo e que torna vã a cruz de Cristo (1Cor 1,17). Outro dia um desses quase matou de rir o povo da rua Estrada de cima – Goiana – PE, com sua voz ritmada e tremula. Já outro parecia que narrava uma partida de futebol alucinado berrando.

Sabendo que isso em nada representa a verdadeira conversão, condenam estas práticas (Tiago 1,26):

“Se alguém cuida ser religioso e não refreia a sua língua, mas engana o seu coração, a sua religião é vã”. Ou seja:

É – VÃ – GÉLICA! Desconfie sempre de quem prega com voz ritmada e gesto brusco. Foi claro, o bispo S. Paulo ao dizer: “A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e poder, para que nossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.” ( 1Cor 2,4-5). (Conforme: Bíblia João Ferreira).

E o profeta Jeremias alertava:

“Por que prospera o caminho dos ímpios, e vivem em paz todos os que cometem o mal aleivosamente? Plantaste-os, e eles arraigaram-se; avançam, dão fruto; chegado estás à sua boca, mas longe do seu coração. Mas tu. Ó Senhor, me conheces, tu me vês e provas o meu coração para contigo; impele-os como ovelhas para o matadouro e prepara-os para o dia da matança.

…Porque até os teus irmãos e a casa de teu pai, eles próprios se hão deslealmente contigo; eles mesmos clamam após ti em ALTAS VOZES.

Não te fieis neles ainda que digam coisas boas”. (Jeremias 12,1-3,6)

(conforme a bíblia “evangélica” de João Ferreira que fingem seguir).

CRONOLOGIA DO PROTESTANTISMO

1517 – Lutero se afilia à príncipes devassos e em desobediência é excomungado.

1517 – Lutero promove a divisão da fé, condenada em (Rm 16,17-18), chamando isso de “reforma”. Ninguém ficou nela.

Zwinglio, Calvino, Henrique VIII, Knox e até Edir Macedo e outros, fundaram suas próprias seitas rivais umas das outras.

1521 – Lutero escreve à amigos dizendo desconfiar estar levando uma multidão de seguidores à condenação eterna.

1520 – Lutero zomba da ciência e do sistema Heliocêntrico de Copérnico, o chamando de “tolo”.

1522 – Lutero publica o seu escandaloso libelo contra o celibato, embora Cristo e Paulo o pregassem. (Cor 7,32-33)

1522 – Calvino, obteve tantas cópias pôde da Bíblia traduzida por outro protestante chamado Servet e as queimou.

1524 – Lutero passou a usar traje nobre, (tipo paletó) tornando-o em fantasia do “crente”.

1524 – Lutero manda ceifar a vida de 30,000 camponeses.

1525 – Calvino mata na fogueira, o médico Michel Servet, descobridor da circulação do sangue.

1525 – Os anabatistas Proíbem o batismo infantil. Lutero, Calvino e Zwinglio mantiveram este batismo.

1525 – Zuínglio adultera a Bíblia para acomodar sua heresia contra a presença real de Cristo na eucaristia.

1527 – Os luteranos saqueiam Roma e promovem o maior genocídio da história da humanidade.

1528 – Lutero escreve que “usem imagens se quiserem, segundo a Bíblia elas são úteis.” Resolveram odiá-las.

1529 – Adotam para si o nome de “protestantes” na Segunda Dieta de Spira. Mais tarde mudam para “evangélicos”.

1530 – Criam o texto da Confissão de Augsburgo, que nunca levariam a sério, pois manda batizar as crianças.

1530 – Resolvem Extinguir o celibato, instituído por Cristo, a veneração à Vír­gem e aos santos.

1530 A sua Confissão de Augsburgo reconhece: Maria é digna de suprema honra na maior medida (Art. 21,27).

1530 – Revela Lutero: “O diabo dormiu ao meu lado, em minha cama, mais vezes do que minha mulher.”

1530 – Lutero documenta que o demônio o mandou suprimir a missa, de sua nova religião, ele obedeceu.

1530 – Numa carta enviada a Jerônimo Weller, Lutero recomenda embriaguez e pecados em nome de Jesus.

1530 – Declaram a Bíblia, única fonte da fé. Ignorando que a Bíblia é filha da Igreja “Coluna da Verdade” (1Tim 3,15).

1531 – O rei Henrique VIII condenou a falsificada Bíblia protestante de Tyndale como uma corrupção da Escritura.

1532 – Lutero parodia a Bíblia, colocando o diabo em lugar de Cristo, quando entregava as chaves do céu a Pedro.

1534 – Lutero traduz a Bíblia para o alemão adulterando-a, mesmo já existindo outras 14 versões alemãs católicas desde 1466.

1534 – Henrique VIII cria a igreja Anglicana para casar-se em adultério, e matou várias esposas por darem a luz meninas.

1534 – Os Anabatistas apoderaram-se do governo da cidade episcopal de Munster, e introduziram ali a poligamia;

1536 – Lutero arranca sete livros da bíblia, por contrariarem sua nova religião. Tachando-os de “apócrifos”.

1537 – Lutero percebendo seu erro diz: “em breve serão tantas as seitas e tantas as religiões quantas são as cabeças.”

1545 – Lutero lança o panfleto “Contra os judeus e as suas mentiras.” que ensinava os alemão a perseguir os Judeus.

1545 – Lutero pede de novo os decretos dos concílios católicos a fim de conservar a unidade da fé, por ele estilhaçada.

1546 – Lutero morre embriagado, na cidade de Eisleben, no dia 18 de fevereiro.

1546 – Melanchthon cria a lenda de que Lutero fixou suas 95 teses. Isso é confirmado pela maioria dos historiadores.

1546 – Inventam a calúnia de que no Concílio de Trento, a Igreja colocou 7 livros na Bíblia. Ver anterior Bíblia de Gutemberg.

1554 – O Protestante Teodoro Bessa, pediu o uso da força pública contra os católicos.

1554 – Perseguem os Católicos, na Inglaterra e na Irlanda, na mais escancarada intolerância religiosa. Mataram mais de 100 mil.

1555 – O protestante Calvino, governou Genebra com mão-de-ferro, houve 58 execuções. Segundo Preserved Smith;

1562 – A anglicana rainha Elizabeth, institui a Witch Act ou lei contra os bruxos de Jacques I.

1579 – Protestantes mataram 40 jesuítas degolados, entre eles Inácio de Azevedo, morto violentamente a cutiladas.

1635 – O luterano Benedict Carpzov assina sentença de morte contra 20.000 bruxas.

1635 – O alemão protestante Nichólas Romy, mata 900 bruxas.

1670 – Teólogos protestantes queimam crianças vivas na Suécia.

1685 – Começam tardiamente a celebrar a lenda da fixação das teses de Lutero, como um “marco de ruptura” com Roma.

1735 – Jonathan Edwards, em Massachusetts, descobre acidentalmente a lavagem cerebral com voz alta e ritmada.

1739 – Charles J. Finney emprega de vez a lavagem cerebral, usando movimentos bruscos e voz frenética e ritmada em cultos.

1900 – A Sociedade Bíblica protestante para de imprimir os 07 livros da Bíblia, que contrariavam os argumentos de Lutero.

1914 – Testemunhas de “Jeová” marcam o fim do mundo para 1914, 1918, depois para 1925, 1941, 1975 e nada.

1915 – A “profetiza” Ellen White (adventista) morre completamente doida.

1960 – Inventam a “teologia da prosperidade”. Tudo pelas coisas terrenas e materiais.

1965 – Gerald B. Gardner calculou 9 Milhões de “bruxas” mortas por protestantes só na Alemanha.

1978 – Pastor Jim Jonnes, na Guiana, leva à morte 913 seguidores, envenenando-os com um suco de uva.

2004 – Episcopais aceitam nomeação de bispo gay nos EUA.

2004 – Site “evangélico” denuncia: 64% dos “pastores evangélicos” são pornográficos. http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?id=853

2004 – A igreja Luterana paga multa Record de 69 MILHÕES DE DÓLARES por abusos sexuais, nos EUA.

2005 – O “bispo” Rodrigues, da igreja Universal, é pego na CPI dos bingos, na CPI do Mensalão e preso na “operação Sanguessuga”.

2005 – O “bispo” João Batista da IURD é detido com sete malas contendo 10 milhões e 200 mil reais entre notas falsas.

2005 – 1.600 templos evangélicos são colocados à venda. http://www.property.org.uk/unique/ch.html

2005 – Pastores dão golpe em 70 mil “evangélicos” e fogem com dinheiro pago por show gospel não realizado em S. Paulo.

2005 – O lider luterano Eero Huovinem, procura o Papa Bento e afirma que 84% dos finlandeses luteranos querem ser católicos.

2006 – O pastor Randall Radic vende a igreja da primeira congregação da cidade de Ripon-USA e comprou uma BMW.

2006 – A igreja anglicana admite que traficava e vendia escravos africanos, revelou isso em 09/02/2006.

2006 – Líder do povo negro culpa os evangélicos pelo tráfico e escárnio dos escravos. http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=20880

2006 – A “bancada evangélica” formada pela Assembléia de Deus e a Universal, é pega em escândalo superfaturando ambulâncias.

2007 – Líderes da “igreja” Renascer são presos nos Estados unidos traficando dólares dentro de bíblias.

2008 – Pastor lidera marcha da maconha em Recife.

Dizia Rui Barbosa: “Estudei todas as religiões do mundo e cheguei a seguinte conclusão: religião ou a Católica ou nenhuma”.

(Livro Oriente, Carlos Mariano de M. Santos (1998-2004) artigo 5º. – ou acesse: (http://www.paginaoriente.com/livro/artigofin.htm).

********************************************

Bibliografia:

Aqui estão minhas fontes de consultas, que você poderá aprofundar ainda mais seus conhecimentos.

O material que utilizei é principalmente, de língua espanhola, e agora graças a Deus também em português.

1. Biblioteca de autores cristianos (= BAC). Madrid, 1

Solilóquios y Diálogos de San Augustín.

Sermones de San Augustín.

Padres Apostólicos.

Obras de S. Cipriano de Cartago.

Obras de S. Ambrosio de Milan.

2. Biblioteca de Patrística. Madrid, Ciudad Nueva 1986.

Vida de Maria de Epifanio el Monje.

La unidad de Ia Iglesia de Cipriano de Cartago.

3. Chthys. Salamanca-Buenos Aires, Ediciones Sígueme, Edit. Lumen, 1986.

La Tradición apostólica de Hipólito de Roma.

Textos cristianos primitivos: Documentos (PP. Apostólicos)-Martirios.

4. Fuentes Patristicas (= FP). Editorial Ciudad Nueva. Eugenio Romero Pose. Madrid, 1991.

Cartas de Ignacio de Antioquia y Policarpo de Esmirna. Martírio de Policarpo.

Demostración de Ia predicación apostólica de Ireneu de Lyon.

5. B. ALTANER, Patrología, 5a ed., revisada y ampliado. Madrid, Espasa-Calpe.1 962.

6. J. Quasten, Patrología, 3″ ed. Madrid. EDICA, 1977-1978, 2 vol (BAC 206. 217).

7. E. CONTRERAS-R.PENA, Innoduccion al estúdio de los Padres. Período pre-niceno. Argentina, Monasterio Trapense. 1991.

8. J. CHERUEL, Breve historia de Ia literatura cristiana antigua=Yo sé yo creo 1 16 (Andorra, 1964).

9. l. VOLPI, Los primeros testigos (Madrid. 1973).

10. A. MOLINA PRIETO, Los Padres de Ia Iglesia, maestros de vida claustral =– Cuadernos CLAUNE de Espintualidad 6 (Madrid,1984).

11. E. MOLINE COLL, Los Padres de Ia Iglesia. Una guia introductoria = Biblioteca Palabra (Madrid, 1989), 2 vol.

12. Ph. VIELHAUER, Historia de Ia literatura cristiana primitiva== Biblioteca de Estúdios bíblicos 72 (Salamanca, 1991).

13. J. DANIELOU-H.l.MARROU, Nueva Historia de Ia Iglesia. l. Desde los orígenes a San Gregorio Magno. Madrid, Cristandad, 1964.

14. H. JEDIN-K. BAÚS, Introducción a Ia Historia de Ia Iglesa. De Ia Iglesia primitiva a los comienzos de Ia gran Iglesia = Manual de Historia de Ia Iglesia 1, Barcelona, Herder, 1996.

15. J. ALVAREZ GÓMEZ, Manual de Historia de Ia Iglesia. Madrid, Unión editorial, 1969.

16. N. BROX, Historia de Ia Iglesia primitiva. Barcelona, Herder,1991.

17. J. ALVAREZ GÓMEZ, Arqueologia Cristiana, BAC, Biblioteca de Autores Cristianos, Madrid, 1998.

18. L. OBREGÓN BARREDA, Maria em los Padres de Ia Iglesia. Antologia de textos patrísticos (Madrid, 1998).

19. J. DANIELOU, Sacramentos y culto según os Santos Padres (Madrid, 1962).

20. O. CULLMANN, La fé y el culto en Ia Iglesia primitiva (Madrid, 1971).

21. J. SOLANO, Textos eucarísticos primitivos = BAC 88 y 118 (Madrid, 1952-1954), 2 vol.

22. J. PASCOAL TORRO, Los Santos Padres a los sacerdotes (Valência, 1991).

23. Les Petits Bollandistes, Vies des Saints, Bloud et Barral, Libraires-Éditeurs, Paris, 1882;

24. Historiador Carlos Castiglioni, “Historia de los Papas”, (ob. cit., p. 1750);

25. Franca, Leonel, Catolicismo e Protestantismo, Ed. Agir, 2a. Edição;

26. Franca, Leonel, S.J. A Igreja, a reforma e a civilização, Ed. Agir, 1952, 6ª ed.;

27. Grisar, Hartmann, S.J., Martin Luther, His life & work, The Newman Press, 1960;

28. “Por que estes ex-protestantes se tornaram Católicos”. Editora ComDeus;

29. Um Santo para cada Dia, Mário Sgarbossa – Luigi Giovannini, Paulus;

30. Benedict Carpzov, Practica Nova Rer. Criminalium Imperialis Saxonica in 3 Partes Div., Wittenberg, 1635;

31. Nichólas Romy, Daemonolatriae Libri Tres, Lião, 1595; Colônia, 1596; Frankfurt, 1597;

32. VEIT, Valentim, História Universal, Livraria Martins Ed, SP, 1961, Tomo II;

33. DEVIVIER, Pe. W., SJ. Curso de Apologetica Christã, 3ª ed., São Paulo: Melhoramentos, 1925;

34. J. CI. DHOTEL, Quem és Inácio de Loyola? S. Paulo, Edições Loyola, 1974. P. ARRUPE;

35. Luther’s Works, Pelikan, Vol. XX, pp. 2230;

36. O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987;

37.”Palestras à mesa”, número 1472, volume II, página 107, da edição de Weimar em seis volumes, 1912-1921. N.A.;

38. Revista: Superinteressante. Ed.181, pg.22-23;

39. Corriere dela Sera, 26 de julho de 1999 – Vittorio Messori;

40. C. Folch Gomes. Antologia dos Santos Padres. 2 Edição. São Paulo, Edições Paulinas, 1979;

41. Carta de Lutero à Zwinglio In Bougard, Le Christianisme et les temps presents, tomo IV (7), p. 289;

42. Maurice Brillant,“Eucaristia”, Dedebec, Ed. Desclée de Brouwer, Buenos Aires, 1949;

43. D. A. Carson, The exporsitors Bible Commmentary {Grand Rapids: Zondervan, 1984}, Frank E. Gaebelein, ed., 8:368;

44. Daniel-Rops, História da Igreja de Cristo, vol. III, A Igreja das Catedrais e das “Cruzadas”, Quadrante;

45. American Edition, Luther’s Works, vol. 48, pp. 281-82, editado por H. Lehmann, Fortress, 1963;

46. The Wittenberg Project; ‘The Wartburg Segment’, translated by Erika Flores, de Dr. Martin Luther’s Saemmtliche

47. Schriften, Carta a Melanchthon, 1 de agosto de 1521;

48. The Facts About Luther, O’Hare, TAN Books, 1987;

49. Protestantisme, Livrarie Larousse, Paris 1976;

50. Holman Bible Dictionary © 1991;

51. Encyclopedia and Dictionary © 1904 Vol. 4, Hanry G. Allen & Company;

53. Rino Camillieri, La Vera Storia dell Inquisizione, ed. PIemme, Casale Monferrato, 2001;

54. Patrick Means, em seu livro Men’s Secret Wars;

55. Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99;

56. Jesussite;

57.©1997-2003 PNN Portuguese News Network™;

58. Sites http://www.brasilmergulho.com; http://www.veritatis.com.br; .www.montfort.org.br; http://www.cleofas.com.br; http://www.loreto.org.br/loreto.asp

59. “What Say You?” p. 244-289 © 1945 By David Goldstein;

60. Henry G. Graham, Where We Got The Bible (TAN Books, 1977);

61. Max Planck, in Vorträge und Erinnerungen, Stuttgart, 1949, p. 311.

Agradecimento a todos os apologistas católicos, especialmente a Alexandre Semedo, bravo guerreiro de minhas consultas.

Fernando Nascimento / fev. 2009 / Recife –Brasil

Edição: Antonio Carlos F

Written by caiafarsa

fevereiro 25, 2009 às 5:09 pm

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 161 outros seguidores