Caiafarsa

Just another WordPress.com weblog

INQUISIÇÃO – 75-100 MILHÕES DE VÍTIMAS

imagem 2

A MENTIRA PROTESTANTE:

– “… Citaremos documentos católicos exatamente como eles foram impressos, para que você possa ver a verdadeira face dessa besta que matou entre 75-100 milhões de pessoas ao longo de 1200 anos… apesar de a Inquisição original ter matado dezenas de milhões em 1200 anos, a profecia bíblica nos diz que o Falso Profeta matará bilhões de pessoas em três anos e meio! Visto que o papa católico romano foi escolhido como o futuro Falso Profeta (leia os artigos N1094 e N1519), faz sentido que o Ofício de Inquisição seja reinstalado… “

Autor: David Bay – Radical batista, diretor do “The Cutting Edge Ministries.
Tradução: Walter Nunes Braz Jr.
Data de publicação: 17/1/2003
Transferido para a área pública em 22/6/2003

ONDE SE ENCONTRA A LOROTA PROTESTANTE: -

http://www.espada.eti.br/n1676.asp

A VERDADE/LÓGICA/DOCUMENTAÇÃO:

– A CALÚNIA, da qual reproduzi a parte de cima, é uma das piores que são maquinadas, pelas profundezas dos infernos, contra a Igreja de Cristo. Seu autor não está absolutamente preocupado em ser desmascarado. Ele sabe que, CALUNIANDO, muitos fracos na fé acreditarão e serão arrastados para a heresias da forma que deseja o MALIGNO.Tanto é verdade que são os próprios MENTIROSOS que se desmentem. Vejam o que diz outro AUTOR CALUNIADOR em um site igualmente CALUNIADOR cujo autor é DANIEL LISANDRE ALEXIUS – Londrina – Paraná:

“1186 – A “Santa Inquisição” é estabelecida no Concílio de Verona”

http://paginas.terra.com.br/educacao/histigreja/

Muito embora a Inquisição há muito deixou de existir, não obstante façamos uma simples continha de adição: 1186 + 1200 = 2386.. putz!!! Ainda faltam muitos anos para chegarmos lá (nós não, talvez nossos filhos dos filhos, dos filhos…)!!!…

OBSERVAÇÃO: Esta data também é mentirosa (eta!!! não se pode confiar nesses contos protestantes!!!) a Inquisição foi estabelecida pelo Papa Gregório IX no ano de 1231 e durou no máximo até o século XVI quando foi substituída pelo Santo Ofício.

Outra aberração é a quantidade de execuções: SETENTA E CINCO A CEM MILHÕES…

Cara, é gente à bessa!!!!

Mas o que dizem os verdadeiros historiadores a respeito?

Estudos recentes fornecidos por RINO CAMILLIERI, autor do livro “LA VERA STORIA DELL INQUISIZIONE”, ed. PIemme, Casale Monferrato, 2.001:

Camillieri afirma que em 50.000 processos levados a efeito pela inquisição apenas uma ínfima parte levaram à condenação à morte, e dessas só uma pequeníssima minoria conduziu efetivamente a execuções (Cfr. op. cit , p. 17).

Diz ainda o autor que na principal cidade medieval – centro da heresia cátara que ATORMENTOU OS CATÓLICOS POR QUASE DUZENTOS ANOS, com saques, assassinatos, detruições de Igrejas, conventos, castelos etc. – :

“… em um século, houve apenas 1% de sentenças à morte (Cfr. Op cit. p. 36). Outro autor dá o número total de condenações à morte em Toulouse, durante 100 anos: 42 sentenças”

QUARENTA E DUAS PESSOAS PARA SETENTA E CINCO A 100 MILHÕES já é uma senhora diferença!!!…


Pondo um fim nas fantasias protestantes, ainda há pouco, foi noticiada a publicação de um livro escrito por historiadores insuspeitos, cuja edição foi encorajada pelas portas abertas do Vaticano. Veja a nota da imprensa mundial << – Atualmente, os pesquisadores têm os elementos necessários para fazer uma história da Inquisição sem cair em preconceitos negativos ou na apologética propagandista, afirma o coordenador do livro «Atas do Simpósio Internacional “A Inquisição”». No volume, Agostino Borromeo, historiador, recolhe as palestras do congresso que reuniu ao final de outubro de 1998, no Vaticano, historiadores universalmente reconhecidos e especializados nestes tribunais eclesiásticos. Isto se deve, entre outras coisas –indicou–, ao «grande passo adiante» dado pela abertura dos arquivos secretos da Congregação para a Doutrina da Fé (antigo Santo Ofício), ordenada por João Paulo II em 1998, onde se encontra uma base documental amplíssima. –Descobriu-se, só para vermos como mentem os protestantes que:– na Inquisição da Espanha, afirmou, em referência ao tribunal mais conhecido, celebrou entre 1540 e 1700, 44.674 juízos. Os acusados condenados à morte foram 1,8% e, destes, 1,7% foi condenado em «contumácia», ou seja, pessoas de paradeiro desconhecido ou que em seu lugar se queimavam ou enforcavam bonecos. As mortes não chegaram a 100.”Total de mortes causadas por maus católicos em desobediência:

“Na Espanha morreram 59 «bruxas», na Itália, acrescentou, foram 36 e em Portugal 4″. Total: 99.

Isso sem o aval Papal. O Papa Alexandre III escreveu: “Mais vale absolver culpados do que, por excessiva severidade, atacar a vida de inocentes… A mansidão mais convém aos homens da Igreja do que a dureza”.

H. C. Lea, o historiador que mais escreveu sobre a inquisição universal, cita 47 bulas nas quais a Santa Sé continuamente insiste na jurisprudência que deve se observar nos tribunais eclesiásticos. Alertam para não cair na violência e injustiças freqüentes dos juizes leigos.Uma instrução da Câmara Apostólica, de 1657 — então os processos de bruxaria somente se realizavam nos tribunais civis —, apresenta a advertência da Inquisição: “A Santa Inquisição confessa que os processos são longos para serem instruídos regularmente; ela censura os juizes pelas vexações, encarceramentos injustos, torturas. Muitos têm-se mostrado demasiado cruéis encarcerando pela mínima suspeita e têm aplicado a tortura apesar do malefício não ter sido provado”. Fonte: ( Hansen, Zauberwahn…, op. cit., pp. 24s).

A história registra: <<Foram numerosos os cânones dos concílios que, excomungando os hereges e proibindo os cristãos de lhes darem asilo, não admitiam que se utilizassem contra eles a pena de morte. Deviam bastar as penas espirituais ou, quando muito, as penas temporais moderadas.>> (Daniel-Rops, História da Igreja de Cristo, vol. III, A Igreja das Catedrais e das “Cruzadas”, Quadrante, pp. 605-606).

Panorâmica das mortes causadas por Tribunais civis e protestantes:

 

Enquanto que pelo lado civil e protestante: “na Suíça foram queimadas 4.000; na Polônia-Lituânia cerca de 10.000; na Alemanha 25.000 e na Dinamarca-Noruega cerca de 1.350. Ressaltemos que as mais numerosas mortes foram causadas nos citados países então protestantes, e por protestantes, alheios ao tribunal católico. Ainda segundo o novo relatório, no auge da Inquisição a Alemanha protestante matou mais bruxas e bruxos que em qualquer outro lugar, cerca de 25 mil.” (Agência Zenit, Sunday, June 20, 2004 1:17 PM) e BBC>>. Só o protestante luterano Benedict Carpzov, que se vangloriava de ter lido a bíblia 56 vezes, assinou sentença de morte de 20.000 mulheres. (Benedict Carpzov, Practica Nova Rer. Criminalium Imperialis Saxonica in 3 Partes Div., Wittenberg, 1635.),

Dentro de cada região da Alemanha protestante, havia oscilações pendulares inclusive extremas, segundo os critérios subjetivos do mesmo senhor e segundo os conceitos das diversas sucessões no poder através dos anos e dos séculos. Daí a dificuldade em se calcular o número de pessoas condenadas à fogueira e à forca na Alemanha. Mas das crônicas e processos regionais que chegaram até nós cabe deduzir que as vítimas se contaram por milhares. Gardner calcula nove milhões (*). Morrow simplesmente diz que foram milhões (**). Difícil é o acesso aos documentos ocultos pelos protestantes.

(*). Gerald B. Gardner, Ursprung und Wirklichkeít der Hexen, Weilheim, 1965, pp. 30s.
(**). F. Morrow, no prólogo e Montagne Summers, The history of wttchcraft and
demonology, 2a ed., Nova Iorque, 1956.

Até quando o protestantismo vai silenciar, diante de tamanho genocídio???

 

Autor: Oswaldo Garcia


Conheça muito mais sobre a inquisição protestante:

http://caiafarsa.wordpress.com/a-inquisicao-protestante/

 

Written by caiafarsa

julho 28, 2007 at 7:04 am

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 184 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: