Caiafarsa

Just another WordPress.com weblog

GALILEU X IGREJA

Dizia o desinformado pastor Afonso Martins Fernandes Neto, entre outras mentiras que também já estão sendo desmascaradas pelo Museu da Mentira Protestante:

“A Igreja Católica mais uma vez é ridicularizada pela comprovação dos fatos e pela ciência moderna, assim foi com Galileu quando o Papa ordenou sob pena de morte pela fogueira que este cientista negasse que a terra era redonda e ainda girava…”

ONDE SE ENCONTRA A MENTIRA:

http://www.ccp.org.br/um_jesus_diferente.htm (Onde se lê ccp, digite “cacp”. Apresentamos o link do CACP deste modo, para evitar que automaticamente este artigo fosse deletado, como o foi várias vezes.)

A VERDADE DOCUMENTAL:

Pura ignorância deste que se diz “pastor”. A Ciência Moderna só confirma as verdades da Igreja. Veja isso adiante, neste texto, nos relatos dos pais da Teoria da Relatividade: Max Planck e Albert Einstein, que acabam por corrigir a precipitação de Galileu, que alguns retrógrados, “medievais” e ultrapassados, erroneamente propalam hoje, com leviano intuito de insultar a Igreja Católica, mãe das universidades. Seus filhos são detentores dos maiores projetos científicos da humanidade, entre eles o que provou matematicamente, pela primeira vez, O Sistema Geocêntrico, O Projeto Genoma, e também ganhadores do maior prêmio científico já pago pela ciência moderna, O prêmio Templeton. As quimeras lançadas contra a Igreja cairão todas por terra, ao final da leitura deste artigo.

Consta na biografia do padre Copérnico, http://www.euniverso.com.br/Cult/Mestres_e_artistas/Copernico.htm que em 1529, (mais de trinta anos antes de Galileu nascer), circulava entre os astrônomos um manuscrito Nic. Copernici de Hypothesibus Motuum Coelestium a se Constitutis Commentariolus (“Pequenos Comentários de Nicolau Copérnico em Torno de Suas Hipóteses sobre os Movimentos Celestes”), onde o religioso Copérnico, apresentava o sistema heliocêntrico como uma hipótese. Em 1533, o Papa Clemente VII solicitou a exposição da teoria em Roma (Galileu só nasceria em 1564), e em 1536 o Cardeal Schönberg pediu sua publicação, mas Copérnico achava que deveria primeiro elaborar uma teoria completa, que fosse nitidamente superior ao sistema de Ptolomeu.

Passado o tempo, e tendo concluído seus estudos, o cônego Copérnico, muito antes de Galileu pensar em ser cientista, já havia presenteado o Papado com a dedicatória de sua obra que mostra o sistema geocêntrico e a terra redonda, provado matematicamente. Coisa que nem naquele tempo, terra redonda era novidade. O dito “pastor” Afonso, parece desconhecer isto, e que o cônego Nicolau Copérnico, membro da Igreja, já havia dedicado sua famosa obra “De Revolutionibus (“As Revoluções”)” ao Papa Paulo III .

Mas, eis que no tempo de Copérnico, um “pastor” luterano, chamado Andrea Osiander, na gráfica sabotou a obra, na dedicatória ao Papa e em seu título, a reduzindo à “caráter hipotético”. Veja no texto abaixo, retirado da Biografia de Copérnico, que a desonestidade protestante não vem de hoje:

<< Em 1540, Rheticus enviou para publicação o livro completo de Copérnico, De Revolutionibus (“As Revoluções”), cujo primeiro exemplar chegou às mãos de Copérnico em leito de morte, em 1543. Provavelmente não teve consciência de que o seu prefácio, dedicado ao Papa Paulo III, fora substituído por outro, anônimo, de Andreas Osiander (1498-1552), um pastor Luterano interessado em Astronomia, em que insistia sobre o caráter hipotético do novo sistema, e também modificando o nome para De Revolutionibus Orbium Coelestium (“As Revoluções do Orbe Celeste”). No livro Copérnico declarava que a Terra cumpria “uma revolução em torno do Sol, como qualquer outro planeta”, como já haviam afirmado Pythagoras e Aristarchus de Samus, que Copérnico já tinha lido. Mas Copérnico desenvolveu a idéia matematicamente. >> Fonte: http://www.euniverso.com.br/Cult/Mestres_e_artistas/Copernico.htm

09/01/09 excluir

Observe acima, que já era do conhecimento Igreja, que a terra cumpria “uma Revolução em torno do sol”. O Papa nunca questionou se a terra era redonda ou não, todos sabiam que a terra era redonda muito antes de Galileu nascer. Santo Alberto Magno, que viveu entre 1193 e 1280, e que foi mestre de São Tomás de Aquino, defendeu as idéias geográficas de Aristóteles, inclusive a esfericidade da Terra. São Tomás de Aquino – o maior gênio medieval – tratou da questão em pauta na Suma Teológica (I., q.1, a.1, ad2). A imagem de Nossa Senhora de Montserrat, padroeira da Catalunha, do século XI, é de madeira pintada, de estilo romântico, até hoje venerada em Montserrat. Tanto ela como o menino Jesus, têm nas mãos o globo representativo da Terra, da qual a Virgem Maria é Rainha e da qual Cristo é Criador e Senhor. Se a Igreja representava a Terra por um globo, séculos antes de Galileu nascer, é porque sabia que ela é redonda. Crates de Malus (145 A.C.) foi o primeiro a construir um globo para representar a Terra, (Enciclopédia Espasa Calpe, Barcelona, verbete Mapa, vol. XXXII, pág.1132).

O problema de Galileu não foi defender o heliocentrismo, como caluniam alguns desinformados hoje, pois outros cientistas já defendiam esta teoria já conhecida da Igreja, mas colocar à prova as Escrituras Sagradas. Galileu afirmava que as Escrituras estavam erradas, pois em Josué (10,12-13), o Sol jamais poderia parar, mas a Terra, e queria que as Escrituras fossem alteradas. Na verdade, o que questionou-se no julgamento de Galileu, foi o modo como ele afrontou às Sagradas Escrituras.As Escrituras afirmam que “o sol se deteve quase um dia inteiro (Josué 10,13), demonstrando um excepcional milagre divino, alheio ao que já se conhecia há muito do universo. Galileu contra argumentava que o sol sempre foi fixo, e só os planetas e astros se moviam. Hoje sabe-se que não é bem assim, até as galáxias viajam em movimentos circulares. Sua punição foi apenas uma curta reclusão domiciliar em 1633, por contradizer as Escrituras. Galileu era católico e tinha uma filha freira, este viveu e morreu católico, em avançada idade. O túmulo de Galileu que, por sinal, situa-se de frente ao de Leonardo da Vinci, está localizado na atual Catedral Católica de Florença, Itália, por consentimento de seus parentes que nada tinham contra a Igreja, para estrebucho do caluniador “pastor” Afonso.

O Papa do tempo de Galileu foi Urbano VIII. Era, há muitos anos, um admirador de Galileu, a quem inclusive havia dedicado uma poesia latina em que louvava seus descobrimentos astronômicos. Além disso, desde o primeiro momento, teve em postos muita confiança em vários amigos e partidários de Galileu. Em 1624 Galileu foi a Roma e o Papa o recebeu seis vezes, com grande cordialidade. (Antonio Favaro: Le Opere di Galileo Galilei, 20 volumes, reimpressão, G. Barbèra Editore, Firenze 1968).

As desculpas que coube a Galileu foi apenas por sua rápida reclusão domiciliar, não por Galileu estar certo e a Igreja errada. Isto é falso! Hoje sabemos que a Igreja fez muito bem, defendendo a palavra de Deus como está na Bíblia, em Josué 10,13, a menos que alguém queira discutir com Max Planck e Albert Einstein (da Teoria da Relatividade): “Se tomarmos, por exemplo, um sistema de referências fixamente ligado com a nossa Terra, teremos de afirmar que o Sol se move no céu; se, inversamente, deslocarmos o sistema de referência para uma estrela fixa, o Sol encontra-se em repouso. Na oposição entre estas duas formulações não existe contradição nem obscuridade: trata-se somente de duas maneiras diferentes de considerar as coisas. Segundo a teoria física da relatividade, que atualmente pode ser considerada como aquisição científica assegurada, ambos os sistemas de referência e os modos de consideração que lhes correspondem são igualmente corretos e igualmente justificados, e é fundamentalmente impossível, sem arbitrariedade, decidir entre eles através de quaisquer medições ou cálculos”. (Max Planck, in Vorträge und Erinnerungen, Stuttgart, 1949, p. 311).

Isto claramente prova que a Igreja, não estava “errada”, como pregam certos indoutos linguareiros, para rapinar na ignorância.

Note que o eminente Max Planck fala em “sistema de referência”. Realmente, não podemos afirmar que o universo possui um ponto fixo (seja o sol, a terra ou qualquer outro astro). Não estamos falando de um carrossel com cavalinhos girando em torno de uma base! Portanto, Galileu precipitava-se. Assim o Papado acertava pela cautela, e pela fé na palavra de Deus, que não foi mudada nem mudará. Já do memorável Galileu, a Enciclopédia Encarta 99, diz o seguinte: [a última obra de Galileu, Discursos e demonstrações matemáticas sobre duas novas ciências, publicada em Leiden em 1638, revisa e aprimora seus primeiros estudos sobre o movimento e os princípios da mecânica em geral.]. Disso os inimigos da Igreja não falam.

Como vemos, foi um padre, chamado Copérnico, muito antes de Galileu, que apresentou as revoluções da terra provadas matematicamente. Enquanto a Igreja Católica se esforçava para publicar a obra científica, que tinha dedicatória dada ao Papa, os protestantes inimigos da ciência a sabotaram pelas mãos de um pastor. O desprezo protestante à Copérnico e à ciência, ficou documentado nas palavras de Lutero, que dizia:

“O abade Copérnico surgiu, pretendendo que a terra girasse em torno do Sol”. Lutero deu de ombros. “Lê-se na Bíblia que Josué deteve o Sol; não foi a Terra que ele deteve. Copérnico é um tolo.” (Funck-Brentano, Martim Lutero, Casa Editora Vecchi, 1956, 2a. ed. Pág. 145).

“A razão é a prostituta, sustentáculo do diabo, uma prostituta perversa, má, roída de sarna e de lepra, feia de rosto (sic), joguemos-lhe imundícies na face para torná-la mais feia ainda.” (Funck-Brentano, Martim Lutero, Casa Editora Vecchi, 1956, 2a. ed. Pág. 217).

Hoje o que vemos, são alguns caluniadores protestantes e outros inimigos da Igreja de Cristo, desonestamente querendo inverter os papéis, caluniando que a Igreja é “inimiga da ciência”.

Rodney Stark, professor de Sociologia e de Religiões Comparadas de Washington, em seu livro “For the Glory of God” mostra que a Igreja Católica, além de ter sido a primeira a se opor à escravatura, foi a força motriz por trás da emergência da ciência moderna. Segundo Stark, a crença na verdade de que a criação é um trabalho de Deus, gerou o progresso científico que não começou no século XVIII, mas com a escolástica medieval. Não é a toa que a maioria dos grandes gênios, inventores e músicos do passado e de hoje, eram ou são, em sua maioria católicos. Inclua-se aí o pai do Projeto Genoma.

O católico biólogo americano, Francis Collins é um dos cientistas mais notáveis da atualidade. Diretor do Projeto Genoma, bancado pelo governo americano, foi um dos responsáveis por um feito espetacular da ciência moderna: o mapeamento do DNA humano, em 2001. Desde então, tornou-se o cientista que mais rastreou genes com vistas ao tratamento de doenças em todo o mundo.

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=43539&cat=Artigos&vinda=S

Muito recentemente, um padre e cosmólogo, o polonês Michael Heller, 72, que sustenta a possibilidade de comprovar matematicamente a existência de Deus, foi o vencedor do mais polpudo prêmio acadêmico do mundo. O prêmio Templeton, outorgado pela fundação homônima de estudos religiosos sediada em Nova York. O valor da premiação é de 820 mil libras esterlinas (cerca de R$ 2,87 milhões).

Os trabalhos mais recentes do padre Heller abordam a questão da origem do universo debruçando-se sobre aspectos avançados da teoria geral da relatividade, de mecânica quântica e de geometria não-comutativa. Heller disse que usará o dinheiro do prêmio Templeton para financiar futuras pesquisas. (18/03 09:14 – Fonte: bbc) http://www.comshalom.org/noticias/exibir.php?not_id=1518

Está desmantelada a farsa do “pastor”.

Autor: Fernando Nascimento

====================================

Written by caiafarsa

outubro 26, 2008 at 9:34 pm

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 179 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: